FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

10. Quando se chega ao limite


Fic: Além do fraternal Novo cap on 05-08-2013 - ATUALIZADA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 



 


 


 


 


Quando se chega ao limite...


 


Hermione sentia cada pedacinho do seu corpo sendo aquecido com aquele chocolate quente. Estava no que parecia ser uma sala de estar, enrolada em uma coberta que o próprio Draco tinha trazido. Ele agora esperava ela se recuperar para iniciar as perguntas. Afinal, o que ela estava pensando? O beijava, sumia e agora batia na porta da casa dele? Pelo visto tinha sido muito bonzinho com ela...


_Sinto muito por ter... Sumido._ ela disse timidamente, como uma criança explicando ao pai alguma travessura.


_Tudo bem, não tínhamos nada sério, não é?_ ele retrucou.


Essa afirmação a incomodou um pouco, mas compreendia a raiva que ele devia sentir dela. Terminou de tomar o chocolate e prosseguiu:


_Enfim, muito obrigado por... Não ter batido a porta na minha cara.


Draco não pode deixar de achar engraçado o que ela havia dito. Definitivamente, aquela garota o encantava! A observou ajeitando a coberta sobre seu peito e a visão da blusa um pouco transparente, revelando o sutiã branco por baixo, não passou despercebida.


_Assim você me deixa sem graça._ ela o alertou, deixando-o em argumentos.


_Desculpe. Antes de mais nada, eu quero que você me esclareça, de uma vez por todas, que tipo de relação você tem com seu irmão.


A pergunta dele a deixou sem reação por alguns instantes. Parecia que seu cérebro estava lutando para entender o sentido daquelas palavras.


_C-Como assim? Relação?_ ela queria mais tempo para pensar em uma resposta.


Ele se levantou da poltrona em que estava e começou a vir na direção dela, parando à poucos metros, com os braços cruzados.


_Sim, por que você tem que concordar comigo de que não é normal um cara sentir mais ciúmes da irmã do que da namorada.


Ele parecia sádico, naquele momento. O que ele queria? Que ela falasse “Sim, eu e Harry somos irmãos, mas ultimamente andamos nos beijando por aí.” “Por aí nada! E nem foi bem um beijo!”, ela se repreendeu, mentalmente.


_Olha Draco, eu sinto muito se minha relação com o Harry incomoda você, mas...


_Me incomodar?_ ele parecia não estar acreditando no que ela dizia._ Hermione incomodaria a qualquer um! Pensa bem, se eu quisesse algo sério com você eu teria que te disputar com... Seu irmão!


Hermione abriu a boca para responder, mas o único som que emitiu foi o de um suspiro cansado. Ela levou a mão no rosto e ficou um tempo assim, para pensar em algo para dizer ao rapaz que estava visivelmente confuso. Mas não foi necessário, o próprio Draco disse, em seguida:


_Me desculpe Mione, eu não queria julgar vocês, é que... Sei lá, é estranha a forma como se tratam.


_Por que é estranho? Temos muito carinho um pelo outro e demonstramos isso, ao contrário de muitos.


Draco preferiu não esticar o assunto. Pelo visto Harry era intocável aos olhos de Hermione.


_Bom..._ ele parecia procurar as palavras certas._ Eu vou pedir à Donna para preparar algo para comermos, o que acha?


_Eu adoraria._ ela respondeu.


Draco sorriu em resposta e saiu, deixando Hermione sozinha com seus pensamentos. Era uma situação chata aquela, ele estava visivelmente chateado e desconfiado. Apesar de tudo, Hermione gostava do rapaz, mas devia confessar para si mesma que não estava pronta para algo mais sério com ele. O motivo? Talvez o fato de que ele corria o risco de levar um chifre todos os dias.


“Eu devia ser queimada viva!”, ela pensou com raiva.


Draco voltou em seguida, dizendo:


_Vamos até a cozinha? A Donna faz questão da nossa presença lá.


Hermione estranhou o pedido, mas o acompanhou. Uma senhora de cabelos muito brancos e sorriso gentil a recebeu na cozinha. Draco indicou a bancada e os dois se sentaram nos bancos altos próximo à esta.


_Eu pedi ao Draco para trazê-la aqui por que gosto de uma companhia quando cozinho, espero que não se importe.


_Ah, claro que não, será um prazer!_ Hermione respondeu gentilmente.


_Donna é como uma segunda mãe para mim._ ele disse.


_Sim, conheço esse rapaz desde quando ele era um bebê de colo._ a mulher parecia perdida em lembranças.


_Por falar em mãe, _ Hermione interrompeu o momento retro._ Onde estão seus pais?


Donna e Draco trocaram olhares e a mulher começou a juntar os ingredientes para um bolo. Ele parecia um pouco sem graça e desviou sua atenção para a caixa de leite, enquanto respondia:


_Eles foram viajar... Donna, onde tem uma faca para eu abrir a caixa?


Hermione percebeu que aquele assunto não era muito bem vindo, por isso calou-se.


_Então, quem gosta de bolo de chocolate?


Foram horas divertidas aquelas em que passaram ajudando Donna a preparar um maravilhoso bolo de chocolate. Hermione estava impressionada com a forma como Draco tratava a senhora: um carinho enorme havia entre os dois. Se ela contasse a alguém do colégio, não acreditariam.


Já eram umas duas da manhã quando Draco a levou para casa. Ele estacionou o carro na frente da casa dela e o desligou. Ficaram em silêncio por um momento, até que ela disse:


_Muito obrigado, por tudo.


_De nada. Volte sempre._ ela riu e ele ficou encantado com o sorriso dela.


_Ah, as roupas..._ ela apontou para a camisa que vestia e a calça azul marinho.


_Bom, acho que minha mãe nem vai notar a falta, mas me devolva quando puder.


Ela sorriu em resposta e mais uma vez ficaram em silêncio. No fundo, ela estava com medo do que iria encontrar quando entrasse em casa.


_Olha, _ ele parecia ter lido a mente dela._ fica tranqüila, vai dar tudo certo.


_Você é uma pessoa maravilhosa!


Hermione se despediu com um beijo no rosto dele e tomou o rumo de casa. Draco a observou e um remorso enorme o invadiu.


***


Ela entrou em casa delicadamente, e não sabia o porquê. Na verdade, temia encontrar Harry e Gina na cama... Nus? “E daí? A casa é minha também, não preciso tomar cuidado para entrar nela.”


A porta se fechou num clic surdo e a garota ia subindo a escada, quando a luz da sala se acendeu e revelou um Harry sentado na poltrona de braços cruzados. Hermione deu um sorriso irônico e disse:


_Oi pai!


_Muito engraçado. Posso saber onde você estava?


_Bom..._ ela desceu a escada e caminhou para a sala._ Suponho que você tenha visto com quem eu cheguei, não?


_Vi... Mas acho que eu esperava que fosse mentira, sei lá.


Ele a olhava fixamente e ela não fugia do olhar dele. A frustração era visível no semblante do rapaz.


_Sobre o ocorrido..._ele começou a falar, mas ela foi categórica ao interrompê-lo e dizer:


_Não quero saber. Assunto seu e... Dela.


_Não houve mais nada além do que você viu.


Hermione deu uma gargalhada e se aproximou dele.


_E daí? Olha Harry, esse assunto morreu para mim, você morreu para mim. Agora, se me der licença...


_NÃO!


Harry se colocou de pé e a segurou pelo braço, fazendo-a retroceder bruscamente.


_Precisamos conversar, eu não agüento mais isso!


Ele se surpreendeu ao ver lágrimas nos olhos dela.


_Hermione eu te amo! Eu amo, amo! Eu quero você, como um homem deseja uma mulher.


Ele a aproximou mais, colando seu corpo ao dela, mas Hermione resistiu a aproximação e o afastou.


_Somos.... Irmãos._ ela limpou as lágrimas de seu rosto violentamente._ Tá me ouvindo? IRMÃOS._ ela quase gritou a última palavra.


_Sei disso e sinceramente isso ta me matando! Você acha que eu gosto de olhar para você e querer te beijar todos os dias? Acha que gosto de sentir um ciúme doentio toda vez que te vejo com alguém?


_Essa conversa é inútil Harry...


_Inútil é fugirmos dela! Sabe por que aconteceu aquilo que você viu, entre eu e a Gina?_ ela contorceu o rosto ao ouvir aquele nome. Será que ele não percebia que ela queria esquecer aquilo?_ Por que EU NÃÓ AGUENTO MAIS!


Hermione o olhava intrigada, uma dor rasgava seu peito e ela chorava compulsivamente agora. Harry se aproximou dela, mas ela começou a se afastar, até que ele a prendeu entre a parede da sala e seu corpo. Hermione evitava olhá-lo, mas ele não foi nada gentil quando ergueu o rosto dela, forçando-a a encará-lo.


_Olha para mim. Você acha que é fácil para mim tudo o que está acontecendo?_ ela desviou o olhar, mas Harry parecia muito alterado agora e gritou._ OLHA PARA MIM!


_ME DEIXA EM PAZ!_ ela gritou em resposta.


_Não! Eu quero resolver tudo agora, por que se tornou impossível viver assim! Eu não agüento mais._ ele começou a chorar._ Fico pensando em você todos os dias, quando te vejo meu coração dispara de uma maneira que nunca senti antes.


Hermione entendia bem o que ele dizia, por que simplesmente sentia o mesmo. Ela levou suas mãos trêmulas ao rosto dele e o tocou delicadamente, fazendo-o fechar os olhos e suspirar, dizendo:


_Eu te amo tanto... Me perdoa pelo o que aconteceu hoje, eu me descontrolei! Vi na Gina uma oportunidade para esquecer você. Assim que você saiu, eu pedi desculpas à ela e ela foi embora, eu juro!


_Harry, você não tem que me dar explicações!_ ela tentava se controlar.


_Tenho sim! A Gina estava praticamente se jogando para cima de mim e eu fui um fraco, um idiota! Além disso, pesou o fato de eu querer me afastar de você.


A jovem sorriu e abaixou a cabeça, as mãos espalmadas no peito dele. Harry deu um beijo na testa dela e a observou por um instante, na verdade procurava nela algo que o lembrasse que ela era sua irmã, algum traço parecido com o seu, algo físico. Mas percebeu que nada se assemelhava. Hermione era uma mulher linda, com traços delicados e expressão forte, ao mesmo tempo. Seus olhos em nada pareciam com os seus: eram amendoados, de um castanho envolvente, enquanto os dele eram verdes. Por um momento, pensou que talvez não fossem irmãos, o que facilitaria as coisas, mas logo se repreendeu por isso.


_Por que ta me olhando desse jeito?_ ela perguntou, levantando seu olhar para ele.


_Desculpe._ ele sorriu, encabulado.


_Harry, não podemos ficar assim para sempre, eu encostada na parede e você me prendendo.


Ela imaginou que, dizendo isso, ele fosse se afastar, mas estava enganada. O rapaz permaneceu imóvel, os braços apoiados na parede na qual ela estava encostada, a prendendo. Como se algo a atraísse, uma espécie de ímã, ela aproximou seu rosto do dele, seu olhar fixo no dele. Ele não ficou parado e aproximou seu corpo do dela, sentindo-a moldar-se perfeita e delicadamente sob si. Agora as pontas do nariz de ambos se tocavam, a respiração ofegante tornando tudo mais sedutor.


_Harry..._ ela sussurrou, buscando a pouca razão que ainda tinha.


_Shh..._ ele tocou o rosto dela._ Não estraga isso.


_Mas..._ ela insistiu, no mesmo tom de antes._ Não podemos... Não é certo!


_E quem pode nos julgar?


_Deus.


Harry ficou imóvel de imediato e se afastou um pouco, sem desfazer o contato do olhar. Ela tinha razão, eram tementes a Deus e ele os julgaria. Mas por que se sentia tão atraído por ela? Quanto mais orava, pedindo forças, mais fraco ficava!


Hermione aproveitou a distração do irmão e se afastou dele. Sentou-se no sofá e em seguida ele se sentou ao seu lado. Ficaram um pouco afastados, olhando fixamente para algum ponto à frente. Até que ela o olhou e fez algo que o assustou um pouco: depositou um beijo no rosto dele, um beijo demorado. Ele não resistiu e virou seu rosto de imediato, capturando os lábios dela em um beijo de tirar o fôlego.


Como o beijo dele era bom, era macio, delicado e, ao mesmo tempo, sedento. Apenas os lábios se tocavam, era como um beijo de língua fosse proibido por enquanto. As mãos dela acariciavam a nuca dele, enquanto ele a enlaçava pela cintura.


Quando se separaram, ficaram se encarando até que perceberam o que tinham feito. Hermione fechou os olhos e mais uma vez as lágrimas falaram por ela. Harry a abraçou forte e sussurrou:


_Vai dar tudo certo. Confia em mim.


***


No dia seguinte, Hermione acordou sentindo que algo tinha mudado, agora para sempre. Colocou-se de pé e desceu as escadas devagar, até ouvir vozes na cozinha. Eram seus pais, que assim que a viram abriram um enorme sorriso.


_Bom dia! A que horas vocês chegaram?_ ela perguntou, dando um beijo no rosto do pai.


_Umas... Sete?_ ele respondeu, sem graça.


_Onde está seu irmão?_ Lílian perguntou, servindo à filha um pouco de café.


_Acho que dormindo ainda.


Mas Hermione estava enganada. Harry tinha acabado de descer as escadas e entrado na cozinha. Tinha um semblante cansado, de quem não tinha dormido direito. Seu olhar cruzou o dela e um rubor surgiu na sua face.


_Então meu filho? Saiu ontem?_ Tiago perguntou, enquanto o outro se sentava na cadeira ao seu lado.


_Não eu... Fiquei aqui com a Hermione, não quis deixá-la sozinha.


Hermione disfarçou o desconforto em estar mentindo para os pais e percebeu o esforço de Harry para não olhá-la.


_E o que vocês ficaram fazendo para passar o tempo?_ Lílian perguntou, se juntando ao resto da família.


_Nada._ eles responderam em uníssono, os olhares fixos nas próprias xícaras de café.


Durante o resto do dia, Tiago e Lílian tentaram estabelecer um diálogo com os filhos, mas não foi possível. Ambos preferiam permanecer em silêncio, pensando nos acontecimentos da noite anterior.


 


No dia seguinte, era visível que Harry e Hermione não estavam bem. Ela não se juntou ao pessoal como fazia diariamente para lanchar, nem se uniu a ninguém nos trabalhos de Química, isolou-se completamente. Harry não ficou muito diferente, preferiu não lanchar e na aula de Química, mal trocou uma palavra com seu parceiro, Ron.


E, como sempre, as tempestades eram as confidentes de cada lágrima, cada suspiro, cada oração que faziam, pedindo para que aquela situação mudasse.


Um dia, Hermione tomou uma atitude drástica: enquanto voltava do colégio, passou por uma igreja protestante. Resolveu entrar e pediu para conversar com o pastor. Era um lugar de tamanho médio, muito acolhedor. Naquele momento, estavam apenas o pastor e duas secretárias da igreja. Ele estava em uma sala, fazendo algumas anotações, quando uma das mulheres, muito alta e com ar gentil, bateu à sua porta.


_Pastor? Com licença, tem uma mocinha aqui que necessita falar com o senhor.


Vindo logo atrás da mulher, Hermione o ouviu dizer “Tudo bem, peça ela para entrar.”


_Pode entrar._ a mulher disse, abrindo caminho.


A jovem entrou na pequena e aconchegante sala e observou cada detalhe. O pastor era um senhor de idade, já com seus fios brancos. Seu olhar era cheio de ternura e compaixão. Com um sorriso no rosto, ele perguntou:


_Então, o que a traz na casa do Senhor? Nunca te vi por aqui. Ah!_ ele se levantou de repente e apontou para uma cadeira na frente da escrivaninha em que estava._ Sente-se por favor. Aceita uma água?


_Não, obrigado._ ela respondeu, sentando-se e, instintivamente, encolhendo-se, como se a seguir participasse de um julgamento.


_Pode falar filhinha.


_Bom..._ ela abaixou o olhar._ Eu vim aqui por que... Por que... Eu...


Ela começou a chorar de repente, assustando o senhor, que imediatamente se levantou e abriu a porta da sala, dizendo:


_Lena? Por favor, traga um copo com água e açúcar e alguns lenços.


Enquanto a mulher não chegava, ele tentava consolar Hermione, dizendo palavras de conforto como “Deus conhece suas dores.” Ou “ Deus não deixa seus filhos serem humilhados” mas, quanto mais ele falava, mais a consciência dela pesava e mais ela chorava.


Finalmente, a mulher que a recebeu na igreja, entrou na sala, com uma jarra de água, dois copos e uma caixinha de lenço de papel. Quando ela ia saindo, Hermione ouviu o pastor dizendo à ela:


_Não deixe ninguém nos interromper.


E o som da porta de se fechando, a alertou para o fato de que com certeza ele esperava explicações.


_Você ainda não me disse seu nome._ ele disse, enquanto voltava para seu lugar.


_Me chamo..._ ela respirou fundo, o nariz e os olhos vermelhos._ Hermione.


_Mora aqui há muito tempo Hermione?


_Não, eu vim de Londres há alguns meses. Olha, eu não quero incomodar...


_Ah não, não é incomodo nenhum. Aceita um pouco de água?


Ela confirmou e o observou enchendo um dos copos. Pensou no que diria, até que ele parecia ter adivinhado:


_ As confusões da nossa mente, quando tudo foge ao controle... Achamos que não iremos suportar muito tempo, mas nos esquecemos de tudo o que Jesus passou, para nos salvar. Sabe filha, somos humanos. Erramos, acertamos. E sabe quem nos fez assim? Deus. Não estou dizendo que tudo o que acontece no mundo é certo, só estou dizendo que temos a chance de nos redimir perante à ele.


_Não como eu me redimir do que eu fiz. É tarde de mais..._ ela disse, as lágrimas mais uma vez acompanhando cada palavra.


_Nunca é tarde. Nem na hora da morte. Os pedidos de perdão, nesse momento, são mais sinceros do que quando passamos uma vida inteira pedindo perdão e, no dia seguinte, agimos da mesma maneira.


_Mas é isso que está acontecendo comigo! Eu peço perdão e, no outro dia, ajo da mesma maneira...


_Bom, por que você não me conta o que está acontecendo?


Ela ficou calada por um instante, pensando se deveria mesmo dizer à ele que estava apaixonada pelo seu irmão. Mas, se ouviu dizendo:


_Não posso contar.


_É um direito seu. Apenas nunca se esqueça que sempre há uma chance de...


_EU ESTOU APAIXONADA PELO MEU IRMÃO, COMO QUER QUE EU ME REDIMA, IMPLORO PERDÃO, POR ISSO? EU VIVO COM ELE, EU ACORDO COM ELE, EU VOU DORMIR COM ELE!


O berro de Hermione, foi um desabafo, guardado há dias, meses. Estava sufocando-a e ela tinha que contar para alguém. O pastor ficou sem palavras, apenas dizendo:


_Deus!


_Olha, me desculpe._ ela se colocou de pé, vacilante._ Eu não queria ter tomado seu tempo com isso. Eu... Ah...


Sem saber o que dizer, Hermione saiu da sala o mais rápido que pôde, sob os olhares de Lena. Quando chegou a porta, sentiu seu braço sendo puxado e, quando virou-se viu a outra mulher, com os olhos focados na jovem.


_Você precisa continuar com esse romance.


_O que?_ Hermione perguntou.


_Você e seu irmão precisam descobrir, precisam lutar pelo amor de vocês.


_Mas... Somos...


_Não desista desse romance. Vocês... Precisam.


Apenas agora, Hermione tinha percebido que o pastor se encontrava parado na porta da sala, acompanhado de Lena, olhando para as outras duas na porta, estupefatos. Ela voltou seu olhar para a mulher à sua frente e disse:


_Você é louca.


Sem mais, ela saiu, pensando seriamente em tudo o que tinha escutado. Seguiu direto para casa e, chegando lá, encontrou Harry deitado no sofá, olhando para qualquer lugar, exceto para a televisão à sua frente. Assim que a viu entrando, sentou-se e desligou o aparelho.


Ficaram se encarando por um momento, em silêncio. Hermione reparou no quão abatido o rapaz estava. Até que ela disse, uma lágrima escorrendo pelo seu rosto delicado:


_Oi... Senti sua falta.


Com um suspiro cansado, Harry se colocou de pé e foi até ela. Sem esperar mais, a beijou desesperadamente, como se sua vida dependesse daquele beijo, dependesse dos lábios dela, do corpo dela... Dela. Por completo.


Os lábios se tocavam com paixão, Hermione se entregou por completo aquele momento, o abraçando fortemente, deixando sua mochila cair no chão. Ele procurava ao máximo demonstrar seu amor por ela, através daquele beijo.


Se separaram por alguns minutos, tomando fôlego. As lágrimas presentes desde o início daquela loucura. Hermione fechou os olhos e abaixou a cabeça, sentindo-se culpada.


_Eu te amo._ ele sussurrou, a abraçando fortemente.


Ficaram ali, abraçados, pensando em como seria o dia seguinte. A semana seguinte... O resto de suas vidas.


 


__________________________________________________________________________________________________


Pois é,  finalmente terminei mais um capítulo (como diz a London "viva eu!!"). Peço desculpas, mais uma vez pela demora, e espero que entendam que, daqui para frente, meu tempo vai ser curtíssimo para postar, sinto muito. Mas, não abandonarei a fic, NUNCA!!


Meus agradecimentos aos leitores de sempre (amo cada um!), aos novos (bem vindos!). Enfim, a todos!



Comentem sempre,


bjs


Jaque


 


AH! Às meninas que me parabenizaram pelo estágio, muito obrigado! Deus abençoe cada uma!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.