FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo



______________________________
Visualizando o capítulo:

28. Capitulo 28 – Lucian!


Fic: Dark Angel - O Inimigo dos Deuses


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

N/A: Pessoal, desculpa não ter postado ontem como prometido, mas a porcaria do meu HD queimou ontem a tarde quando eu estava acessando a net, não sei se porque super-aqueceu ou alguma outra coisa, embora aqui em Foz do Iguaçu o clima esteja fervendo. Sinto muito mesmo galera, mas a minha sorte foi que eu sempre salvo tudo o que eu faço no computador em um pen drive e portanto não perdi os capítulos que eu já tinha escrito, por isso boa leitura para vocês, estou postando de um computador da faculdade. Abraços a todos e desculpe novamente.
 
 
Capitulo 28 – Lucian!
 
 
Um brilho forte e azulado tomou conta do local antecipando a chegada de um grupo de bruxos vestidos com roupas bruxas de qualidade e sobretudos negros com capuzes que cobriam suas faces, mas o poder era praticamente palpável em quase todos os integrantes daquele grupo de bruxos que havia surgido no território Australiano.
 
- Essa viagem de chave de portal é muito estranha. – comentou uma voz masculina soando levemente contrariada.
 
- Fique quieto, Tiago. – disse Lílian repreendendo o marido ao mesmo tempo em que segurava com força na mão do Professor de Duelos.
 
- Aproximem-se e observem. – a voz de Harry Potter soou firme e autoritária cortando qualquer provável conversa ou reclamação que você surgir, o moreno havia se aproximado de um pequeno muro que havia onde eles tinham acabado de surgir e quando os outros se aproximaram e olharam para o que o moreno observava ficaram bastante surpresos.
 
Encontravam-se no alto de um enorme prédio bem no centro de uma grande cidade que eles supuseram tratar-se de alguma cidade da Austrália, visto que fora para onde Harry havia dito que os levaria antes de saírem do Brasil.
 
Mas o que mais chamou a atenção dos bruxos que estavam ali presentes acompanhando o moreno de olhos verdes foram os arredores da cidade, tudo era bastante diferente do que eles haviam visto até aquele momento.
 
A cidade estava sendo totalmente reformada e reconstruída, a maioria dos prédios estava em completa reforma, havia inclusive alguns que pareciam já estarem prontos, pessoas andavam de um lado para o outro carregando alguma ferramenta ou outro objeto.
 
Na rua diretamente em frente do prédio ao qual eles estavam havia diversos caminhões caçamba que estavam sendo enchidos com entulhos e outras coisas que pareciam que seriam jogadas fora ou talvez reaproveitadas de alguma maneira, os trouxas trabalhavam incansavelmente carregando carrinhos e mais carrinhos de pedras e entulhos do que um dia haviam sido imponentes prédios e que agora estavam sendo completamente reestruturados e reformados, muitos bruxos auxiliavam utilizando magia para levitarem os entulhos mais pesados.
 
Um pouco ao norte eles puderam observar uma construção gigantesca acontecendo, ali estava sendo construída uma nova cidade dentro da capital australiana, um local apenas com casas e condomínios onde as pessoas poderiam morar tranquilamente quando aquela guerra terminasse, era um local um pouco afastado da cidade grande e que não ficava tão longe para que essas mesmas pessoas pudessem caminhar até os grandes centros.
 
A esquerda de onde eles estavam, outra construção enorme estava sendo erguida do zero, mas aquela propriedade era muito maior do que qualquer outra que havia naquela cidade, o que deixou os bruxos bastante intrigados com o que poderia ser aquela enorme construção que se destacava tanto das outras obras.
 
- O que é aquilo ali, Harry? – perguntou Hermione curiosamente expressando a duvida de todos os outros.
 
- Ali é onde vai ser o hospital dessa cidade Hermione, um local onde todos os habitantes desse país possam se consultar, não importa se forem pobres ou ricos... – explicou Harry em tom calmo enquanto olhava de relance para o centro daquela que um dia havia sido a capital da Austrália. – Essa é a antiga cidade chamada Camberra, capital do país. Aos poucos vamos reconstruir e reestruturar tudo novamente, mas vai levar anos para as pessoas pararem de temer a própria sombra, a guerra traz muita dor para todos.
 
Depois que o moreno ficou em silêncio eles continuaram observando as construções sendo feitas quietamente, pelo que eles podiam observar a cidade estava sendo reerguida aos poucos e em breve ela estaria pronta para ser povoada novamente.
 
- Cada território que pertence ao Panteão vai ser reconstruído exatamente como está acontecendo aqui, cada cidade que foi devastada pela guerra será reestruturada e reformada... – Harry falou de repente quebrando o silêncio que havia permanecido entre o grupo durante quase cinco minutos inteiros. – Escolas serão erguidas para o aprendizado das crianças e também dos adultos que não tiveram oportunidade de freqüentar uma escola quando eram mais novos, faculdades serão erguidas e abertas a trouxas e bruxos, os hospitais serão aumentados para facilitar o atendimento a população tanto bruxa quanto trouxa, casas e prédios serão reconstruídos para que a população possa morar, ninguém vai receber mais ou menos do que os outros, a igualdade permanecerá mesmo depois que a guerra tiver chegado ao fim, supermercados e outros estabelecimentos serão construídos e os outros meios de se conseguir comida serão banidos, principalmente aqueles em que seus donos exploram as pessoas por causa do tempo em que vivemos, esse tipo de estabelecimentos são proibidos e se os donos não quiserem mudar o padrão então nós o prendemos por abuso de poder e desacato com a população. Em nenhum território do Panteão é permitido o abuso de poder ou o desrespeito de um cidadão com o outro, as punições para esses atos são bastante severos, também não é permitido o preconceito de qualquer tipo entre nós.
 
- Onde está todo mundo? – perguntou Sarah olhando quase hipnotizada para as construções que eram erguidas, nunca vira nada tão belo quanto aqueles prédios enormes e brilhantes que estavam prontos a frente deles, podia até mesmo imaginar quando aquela cidade estivesse completamente reformada e pronta para ser habitada.
 
- Estão em um acampamento que fica a sudoeste daqui. – respondeu Harry calmamente enquanto deixava um sorriso orgulhoso abrir-se em seus lábios, embora nenhum dos outros pudesse perceber já que ele encontrava-se com um capuz negro cobrindo-lhe completamente o rosto, assim como os amigos também estavam cobrindo os próprios rostos.
 
- Porque? – perguntou Tiago olhando com curiosidade para o filho mais velho, ainda estava abobalhado com as construções que via ao redor da cidade, sabia que Lílian também estava bastante surpresa com o que estavam vendo.
 
- Em primeiro lugar, porque as cidades que pertenciam a Voldemort não tinham nenhuma condição de abrigar tantas pessoas, as casas e prédios estavam todos em estado bastante precário e imundo, não havia condição nenhuma de habitação. – respondeu o moreno em tom neutro e impassível sem nem mesmo olhar para o pai, Harry ainda estava com sua atenção voltada para as reformas que aconteciam nos prédios e nas casas, ele sabia que poderia ficar horas seguidas ali apenas olhando e jamais se cansaria de observar a reestruturação daquela cidade. – E em segundo lugar, porque praticamente metade da população estava sofrendo de algum tipo de doença ou enfermidade devido a forte magia negra que impregnava cada canto desse lugar, precisávamos afastar as pessoas daqui para podermos purificar os territórios antes de reconstruirmos tudo. Além é claro de não ser nem um pouco seguro que as pessoas fiquem andando pela rua enquanto as reformas e construções acontecem, alguém poderia acabar se machucando em algum momento.
 
- Parece razoável. – murmurou Tiago assentindo com a cabeça sabendo que o filho tinha razão ao afastar as pessoas das cidades enquanto não estivessem completamente prontas e aptas para acomodar a população.
 
- E de onde as pessoas vão tirar dinheiro para pagar pelas coisas que necessitarão? – perguntou Hermione em tom preocupado.
 
- Todos os bruxos ou trouxas receberão igualdade, não importa em que classe social eles tenham pertencido antes dessa guerra explodir. – explicou Harry calmamente enquanto se virava para olhar os amigos e os pais pela primeira vez desde que havia aparecido naquela região da Austrália, devido ao fato do moreno de olhos verdes estar usando um capuz que ocultava seu rosto ninguém conseguia definir a expressão do garoto naquele instante. – Cada pessoa possui um talento próprio, algo em que são bons, assim como os trouxas que eram engenheiros e pedreiros estão auxiliando na reconstrução das cidades, existem os médicos e enfermeiros trouxas, os medibruxos e as enfermeiras, todos se ajudam e aprendem uns com os outros. Cada pessoa vai ter uma função na cidade e os empregos não irão faltar.
 
- É verdade o que estão dizendo sobre essa “prisão” que você mesmo enfeitiçou e que ninguém consegue escapar? – perguntou Tiago mudando completamente de assunto depois que o moreno havia pausado a explicação que estivera fazendo.
 
- Que prisão? – questionou Samantha olhando curiosamente para o irmão, lembrava-se vagamente de uma conversa onde ela ouvira o irmão mais comentando sobre a prisão australiana ter sido tomada por eles, mas não conseguia recordar quais haviam sido as palavras exatas que Harry dissera naquele dia que parecia vago a ela.
 
- Hell. – murmurou o moreno de olhos verdes, mas a palavra ecoou alta o bastante para que todos eles pudessem ouvir.
 
- Inferno? – perguntou Neville com as duas sobrancelhas arqueadas em questionamento, afinal todos eles queriam uma explicação mais detalhada sobre aquilo.
 
- Hell é uma prisão intransponível, quem entra lá dentro nunca mais irá sair, faz parte da magia que eu precisei utilizar para enfeitiçar o local. – explicou Harry calmamente enquanto encarava cada um dos amigos e os pais antes de se fixar atentamente nos olhos de Sarah antes de continuar. – Ela está localizada no mesmo local onde Voldemort prendia seus prisioneiros de guerra antes de eu tomar o território da Oceania e transformá-lo na primeira zona territorial pertencente ao Panteão. Essa prisão ainda existe e serve para prendermos os prisioneiros de menor periculosidade ou que por ventura cometeram crimes mais leves, mas no subsolo da prisão existe um portal por onde os condenados mais perigosos e que podem causar alguma dor de cabeça no futuro são jogados sem nenhuma misericórdia atravessando o portal diretamente para uma replica quase exata do que seria o Inferno para os bruxos e trouxas.
 
- Como pode ter tanta certeza que ninguém nunca vai conseguir escapar? – perguntou Rony curioso enquanto encarava o moreno de olhos verdes e tentava entender exatamente o que ele pensava. – Nada pode ser tão seguro, sempre existirá uma brecha que um dia alguém ira descobrir e utilizar para fugir, não importa o tamanho ou o horror que esse lugar possa proporcionar a uma pessoa. Um bom exemplo é a antiga Azkaban, todos diziam que era impossível de alguém conseguir fugir de dentro dela, mas foi provado que isso era mentira quando muitos bruxos das trevas acabaram proporcionando uma fuga em massa.
 
- Posso garantir a você que Azkaban não pode nem mesmo ser comparada com Hell. – respondeu o moreno sem nem mesmo titubear com a pergunta do ruivo, nem mesmo com o exemplo que ele dera. Por um segundo o moreno se perdeu em seus próprios pensamentos enquanto um flash de memória do dia em que ele construíra e enfeitiçara aquela prisão atravessava sua mente rapidamente, lembrou-se que havia construído aquela prisão no meio do nada, uma dimensão paralela com aquela em que eles viviam, era como um pequeno mundo, ao redor do local onde a prisão estava localizada existia uma floresta gigantesca que parecia nunca ter fim, nessa mesma floresta o moreno depositara os seres mais malignos que pudera encontrar no mundo e também aqueles que ele pudera criar ou convocar para aquele local, seres tão tenebrosos e malignos que jamais aceitariam se juntar nem mesmo aos deuses. Aquela prisão era pior que a antiga Azaban, por que a própria prisão parecia ser feita de paredes com dementadores, ninguém conseguia escapar dela porque qualquer um enlouquecia em poucas horas dentro daquela prisão, a magia que existia naquela dimensão era opressora demais até mesmo para o pior bruxo das trevas. – Hell é dez mil vezes pior do que a prisão de Azkaban mesmo quando todos os dementadores faziam a guarda dela. Se você quer saber, Hell foi enfeitiçada para causar dor, então é como se ela tivesse sido construída com dementadores, os condenados sentem dor o dia inteiro mesmo enquanto dormem.
 
- Caramba. – murmurou Rony Weasley em tom chocado e estremecendo levemente, todos os outros pareciam também tremer de leve.
 
- Resumidamente, Hell é um verdadeiro pedaço do inferno, eu a enfeiticei pensando no próprio inferno. – explicou Harry lembrando-se de sua pequena estadia as margens do rio que levava os mortos, ao seu lado Sarah também estava pensando exatamente naquele fato. – Qualquer um dos comensais da morte ou dos guerreiros aliados de Voldemort que nós já jogamos lá dentro, cada um deles revê todos os crimes que cometeu durante sua vida inteira, todas as mortes que causaram, todo o sofrimento e o mal que fizeram as pessoas, só que eles não só revêem o que fizeram, mas eles sentem toda a dor que chegaram a causar, toda a maldade e dor que fizeram, todo o desespero e sofrimento como se aquilo estive realmente acontecendo com cada um deles. Quem entra lá dentro não tem descanso ou pausa no sofrimento, os prisioneiros sofrem inclusive enquanto dormem, embora nesse momento as dores sejam um pouco menores, mas a agonia jamais para. E quando eu disse que era impossível qualquer um escapar da prisão eu não estava mentindo ou supondo, não há mesmo um meio de sair de lá de dentro, é um caminho sem volta. Não há guardas guardando a prisão, é uma simples construção com celas que ficam abertas vinte e quatro horas por dia, mas quase nenhum dos prisioneiros se atreve a sair das instalações da cadeia, pois a floresta que existe em torno de toda a prisão possui criaturas malignas e antigas, seres tão antigos e malignos que não se submetem nem mesmo a um deus, todas elas sanguinárias e sedentas para que algum detento idiota tente escapar, essas criaturas são os únicos guardas que minha prisão necessita.
 
- Mas se ninguém entra lá dentro além dos prisioneiros e não há guardas humanos no interior dela, como os prisioneiros se alimentam? – perguntou Hermione olhando estranhamente para o moreno como se ela própria já tivesse a resposta para aquela pergunta e a tivesse feito apenas para confirmar suas suspeitas.
 
- Ninguém manda comida para eles, a única fonte verdadeira de alimentos é a própria floresta que cerca a prisão, então se eles quiserem comer precisam entrar na floresta e buscar algo para se alimentar. – respondeu Harry em tom frio e sarcástico sabendo que aquela informação deixaria seus amigos e pais levemente chocados. – Ou então eles podem matar um dos detentos e “assar” a carne para poderem se alimentar.
 
- Meu Deus, isso é nojento. – exclamou Samantha balançando a cabeça como se quisesse espantar um inseto da sua frente.
 
- Basicamente, Hell é praticamente um matadouro, afinal se eles não comerem vão morrer, se eles se embrenharem na floresta procurando alimento, as criaturas selvagens que existem nela vão atacar os bruxos ou... – Sarah tinha começado a falar com a voz estranhamente calma e pensativa enquanto olhava para moreno de olhos verdes com intensidade. – Ou então, eles precisam se matar um ao outro para poderem sobreviver...
 
- É isso mesmo. – concordou Harry esboçando um sorriso por baixo do capuz que estava usando naquele momento.
 
- Genial. – murmurou Sarah em tom claramente impressionado com a idéia do moreno, afinal eles estavam pondo fim a muitos guerreiros de Voldemort sem, no entanto, precisarem matá-los eles próprios.
 
- Obrigado. – murmurou Harry de volta balançando a cabeça em sinal de agradecimento a morena pelo elogio antes de se voltar para os outros e falar normalmente. – Mas vamos deixar esse assunto de lado, por que eu quero que vocês conheçam o nosso acampamento agora. Porém, antes de aparatarmos até o acampamento eu gostaria que vocês desfizessem os feitiços de ilusão que estão ocultando quem vocês realmente são, deixem os animais em seus sobretudos bastante visíveis aos bruxos quando chegarmos, afinal mesmo eles não conhecendo vocês pessoalmente já ouviram e muito falar de cada um de vocês, principalmente as proezas de vocês no campo de batalha. Por favor, venham mais perto para eu poder aparatar todos juntos.
 
Harry ficou esperando enquanto seus amigos e familiares se aproximavam dele e quando todos estiveram juntos o moreno utilizou um método de aparatação diversificada que podia levar várias pessoas ao mesmo tempo sem no entanto precisar haver contado direto com as pessoas, tudo o que ele precisava era estar próximo a essas pessoas.
 
No momento seguinte o grupo de bruxos sentiu um forte puxão no umbigo antes de ouvirem um estalo seco indicando a aparatação e então quando a sensação passou viram-se em um local completamente novo.
 
Encontravam-se no que parecia ser a entrada para um enorme acampamento montado, até onde eles podiam observar haviam centenas de barracas estrategicamente colocadas umas próximas as outras, e a extensão da quantidade de barracas não acabava mais.
 
Próximo de onde eles haviam aparatado havia um grupo de cinco bruxos portando espadas em suas cinturas, eles pareciam estar patrulhando a região e quando ouviram o barulho das aparatações tinham virado-se imediatamente com as mãos indo rapidamente para os cabos de suas espadas prontos para uma possível luta quando perceberam de quem se tratava e imediatamente retiraram as mãos dos cabos de suas espadas antes de se aproximarem.
 
- Lorde Azrael. – disse um deles se aproximando e sendo imitado pelos outros quatro bruxos, eles simplesmente se ajoelharam quando chegaram próximos do moreno. – É uma honra recebê-lo novamente.
 
- Levante-se Karl. – murmurou Harry em tom calmo e despreocupado falando com o homem que o havia cumprimentado primeiro, quando percebeu que apenas o homem ao qual ele havia dito o nome se levantara o moreno suspirou. – Vocês também.
 
Os cinco bruxos fizeram uma reverência respeitosa em direção ao moreno de olhos verdes antes de virarem-se para os bruxos que acompanhavam o líder deles e também fazerem reverências em direção a eles.
 
- Viemos apenas fazer uma visita, Karl, não precisa se preocupar. – disse depois de apresentar cada um de seus amigos pelos nomes que eles eram conhecidos enquanto batalhavam, Harry ocultou apresentar seus pais alegando apenas que estavam com ele, afinal não queria que ninguém soubesse quem ele era na realidade. – Podem voltar a fazer a patrulha...
 
- É claro, Lorde Azrael. – concordou Karl antes de se retirar junto com os outros quatro bruxos e irem em direção ao local onde se encontravam antes.
 
- Lorde Azrael? – perguntou Draco em tom zombeteiro assim que os cinco bruxos se afastaram de onde eles estavam.
 
- Não deveria zombar tanto, Lorde Érebo! – retrucou o moreno de olhos verdes no mesmo tom de voz fazendo o loiro ficar em silêncio no mesmo instante.
 
- Isso é muito estranho. – disse Rony em tom baixo enquanto eles começavam a andar novamente adentrando o acampamento com rapidez e conforme eles passavam e as pessoas os viam faziam reverências respeitosas enquanto murmuravam o nome de guerra deles, parecia até mesmo que os próprios deuses tinham decido até a terra.
 
- Acostume-se. – foi tudo o que Harry disse enquanto atravessavam um local cheio de barracas onde claramente as pessoas viviam e dormiam, passaram por outras centenas antes de finalmente encontrarem outros tipos de locais naquele acampamento, havia um enorme barracão feito de madeira que tinha pelo menos um trezentos metros de comprimento e uns trinta de largura, não tinha paredes nas laterais, apenas um teto e as vigas de sustentação, mas pelas mesas enfileiradas que havia embaixo do barracão os amigos de Harry souberam que ali era uma espécie de refeitório antes mesmo dele começar a explicar. – Aqui é onde as pessoas que trabalham nas variadas lojas aqui por perto fazem suas refeições, sejam sapateiros, costureiras, artesãos, qualquer um que trabalhe nos arredores vem almoçar aqui. Em todo esse acampamento existem outros doze barracões iguais a esse, cada um voltado para as pessoas que trabalham ou que cuidam de alguma coisa em particular próximos desses locais de refeição.
 
Conforme eles passavam pelo barracão e as pessoas os viam começavam imediatamente a se levantar e a fazerem reverências até mesmo um pouco exageradas na opinião deles, Harry não era nem um pouco arrogante e cumprimentava todas as pessoas que via pela frente e que faziam reverência a ele e aos amigos, nem mesmo que fosse um mero aceno de cabeça ou um movimento de mão, mas ele não negligenciava as pessoas que o cumprimentavam, alguns alegremente outros com semblantes sérios e concentrados.
 
Quando viraram a direita depois de terem andado por mais alguns minutos com Harry sempre explicando o que cada local produzia ou o que significava naquele local eles viram uma tenda gigantesca que parecia que não tinha fim.
 
- Aqui é onde nós estamos atendendo as pessoas doentes e com enfermidades. – explicou Harry apontando para a tenda que estava completamente fechada, o moreno precisou cumprimentar outras pessoas antes de poder dizer novamente. – Quando o hospital estiver pronto vamos transferir todas essas pessoas doentes para lá imediatamente, muitas estão gravemente doentes e precisando de transplantes, mas ainda não temos nenhuma condição de fazer cirurgias, pelo menos estamos conseguindo manter todos eles vivos devido as poções e os medicamentos bruxos que estão sendo inventados por meus pesquisadores.
 
- Pesquisadores? – questionou Hermione em tom curioso enquanto olhava para uma barraca onde um homem idoso estava sentado calmamente em uma cadeira de balanço, ele parecia estar completamente adormecido.
 
- Como eu expliquei a vocês, cada pessoa que pertence ao Panteão tem suas tarefas a cumprir e obrigações, cada um faz o que sabe melhor. – disse Harry em tom simples enquanto contornavam a enorme tenda que era a enfermaria daquele acampamento. – Enquanto alguns são melhores em lutar e guerrear, outros são bons em medicina e cura, mas também existem aqueles que se dão melhor com pesquisa e desenvolvimento. Somos como uma verdadeira sociedade, temos nossos próprios setores, cada um cuidadosamente organizado e sendo liderado por um sub-diretor até que os verdadeiros lideres apareçam.
 
- Que líderes? – perguntou Gina olhando com curiosidade para Harry, afinal ele não podia estar se referindo ao que ela achava que era.
 
- Vocês, é óbvio. – respondeu Harry em tom divertido fazendo os amigos engasgarem levemente com aquela informação.
 
- Do que diabos você está falando, Harry? – perguntou Hugo completamente sem entender o que o irmão havia dito.
 
- Quero dizer que cada um de vocês será responsável por um dos setores do Panteão. – explicou o moreno de olhos verdes calmamente enquanto não parava de andar nem por um segundo, naquele instante eles acabavam de deixar para trás a enorme enfermaria do acampamento e se dirigiam para um outro grupo de barracas que havia mais a frente. – Como eu disse antes, cada um de vocês será responsável por uma área específica depois que essa guerra terminar, mas além de garantir a harmonia e a paz nessas regiões, vocês irão trabalhar em um determinado setor, alguns já estão definidos e outros ainda não.
 
- Quais já estão definidos? – perguntou Draco não gostando muito daquele negócio de precisar comandar um setor específico.
 
- Bem, Hermione será a líder do Setor de Pesquisa e Desenvolvimento de Cura. Luna comandará o Setor de Pesquisa e Desenvolvimento de Novos Feitiços. – começou Harry em tom de voz simples enquanto parava em frente a uma cerca de arame comum que rodeava um aglomerado de barracas grandes e compridas, a voz de Harry estava calma enquanto explicava aos amigos o que já estava decidido nas lideranças do Panteão. – Neville estará a frente do Setor de Pesquisa de Espécimes de Plantas. Os Setores de Estratégia de Combate e de Treinamento Militar serão comandados por Rony e por Draco, somente falta decidir qual deles ficará responsável por um e por outro. Agora os outros setores ainda estão em aberto e vocês poderão se decidir com o que se encaixa melhor para cada um de vocês.
 
- O que tem nessas barracas? – perguntou Lílian em tom calmo depois de ter ouvido a explicação de seu filho mais velho.
 
- Aqui é onde fica uma escola improvisada, as crianças de todas as idades vem para cá aprender, tanto as trouxas como as bruxas. – explicou Harry em tom baixo enquanto observava a movimentação do local, naquele momento as crianças deveriam estar em suas próprias casas enquanto se preparavam para o jantar. – A partir dos dez anos elas são separadas e aquelas que apresentaram magia no sangue começam o treinamento mágico, passando o primeiro ano aprendendo feitiços de proteção e que possam ser úteis caso venham a ser atacadas algum dia.
 
- Vocês ensinam feitiços de combate para crianças de dez anos? – perguntou Gina ocultando o choque com incredulidade.
 
- Melhor elas aprenderem algo assim agora e se por acaso acontecer alguma coisa elas possam pelo menos se defenderem, mas nós não ensinamos feitiços de combate, apenas Feitiços Estuporantes e Protetores que possam ser úteis para auxiliar em uma possível fuga caso seja necessário. – explicou Harry com calma não se importando nem um pouco com o choque que aquilo causara. – Melhor as crianças estarem preparadas para se protegerem do que ficarem indefesas e serem mortas se algum dia perecermos nessa guerra. Esqueçam isso, vamos andando que logo teremos outras coisas para fazermos ainda hoje...
 
Eles seguiram em completo silêncio por mais de dois quilômetros enquanto passavam por outros barracões onde homens e mulheres estavam jantando naquele horário, o moreno guiou o grupo até um local mais afastado que começava a se alongar e de onde não havia quase nenhuma barraca, apenas um campo enorme.
 
Quando se aproximaram um pouco mais eles puderam perceber que se tratava de um gigantesco campo de treinamento, naquele momento eram poucos os soldados que estavam treinando, afinal já era tarde e a maioria deles tinha passado todo o dia em treinamento, os guerreiros que ainda encontravam-se no centro do campo de treinamento portavam armaduras que mais pareciam uma espécie de malha negra acompanhado por um sobretudo da mesma cor.
 
- Aqui é o Campo de Treinamento, onde nossos guerreiros são treinados, embora seja apenas a parte física. Nesse campo que vocês estão observando os treinamentos são apenas na parte física, não é permitida o auxilio com magia. Aqui os homens, tanto trouxas como bruxos, aprendem todos os tipos de Artes Marciais, além de Treinamento Militar avançado, Táticas de Guerra, Luta Corporal trouxa, além de aprenderem a duelar com espadas e com armas de fogo. – explicou o moreno de olhos verdes quando eles pararam para observar melhor o local. – Depois que saem daqui, os bruxos iniciam o verdadeiro treinamento para eles, que acontece mais ao norte a cerca de dois quilômetros, é onde eles treinam a magia em um nível nunca antes imaginado por eles. Como eu fiz em Hogwarts, aqui nós também usamos Feitiços de Alteração de Tempo nos principais locais de treinamento, deixando-os os mais poderosos que puderem ser e no menor tempo possível. Já os trouxas, quando saem daqui, vão para um local onde aperfeiçoam a arte do uso das armas de fogo trouxa, principalmente no uso de rifles de longo alcance e nas armas de curto alcance, que são as mais utilizadas nos campos de batalhas, nós procuramos pegar o melhor dos dois mundos e uni-los para que lutem lado a lado derrotando assim nossos inimigos com mais facilidade. Como vocês devem ter percebido, em cada canto do acampamento existem guerreiros armados, tanto bruxos como trouxas, eles auxiliam na proteção do lugar impedindo que possíveis animais mágicos venham atacar o acampamento, além de evitar qualquer outro tipo de confusão, não importa sua origem.
 
Realmente eles haviam percebido os bruxos portando espadas espalhados em todas as direções possíveis, sempre próximos de algum aglomerado de barracas ou de algum local importante, como o hospital improvisado ou o campo de treinamento, ou ainda a escola onde as crianças estudavam, sempre haviam homens portando espadas ou armas trouxas nesses locais, em alguns lugares apenas dois e em outros mais do que isso.
 
- Voldemort cometeu uma grande idiotice quando não quis utilizar as armas dos trouxas nessa guerra, se tivesse feito isso ele poderia estar muito a nossa frente em questão de poder de luta, mas como não fez nós meio que estamos empatados nesse momento. – disse Harry virando-se par ao grupo de pessoas que o acompanhava nesse momento. – O orgulho de Voldemort nos proporcionou a nossa melhor chance de vitória nessa guerra...
 
Naquele momento eles foram interrompidos por um barulho seco de aparatação que soou exatamente ao lado esquerdo deles e quando se viraram viram um estranho vestindo um sobretudo vermelho sangue que se dirigiu até onde o moreno estava, mas os amigos dele estranharam que aquele ser em particular não se curvou em uma reverência para ele, na verdade nem mesmo o cumprimentou, apenas olhou para Harry e este acenou com a cabeça.
 
- Red. – murmurou Harry em tom de cumprimento enquanto olhava para seu clone que parou exatamente a sua frente. – O que tem para mim?
 
- Como o Senhor ordenou, nós limpamos o Império da Luz. – disse o recém chegado em um tom de voz vibrante e profundo causando estremecimento em todos os companheiros do moreno de olhos verdes, exceto em Sarah que se sentiu um pouco estranha ao ouvir aquela voz, parecia que ela conhecia o dono, mas não conseguia se lembrar de onde. – Como você suspeitava, Dumbledore desviou o dinheiro do Império da Luz para suas contas pessoais, as contas bancárias do Império estão totalmente zeradas...
 
- Conversou com os duendes? – perguntou Harry em tom de voz zangado, já sabia que o velhote teria feito algo como aquilo.
 
- Eles concordaram em esvaziar as contas do velhote visto que são nossos aliados, mas principalmente porque não concordaram com o que aquele velho havia feito. – explicou Red em tom de deboche enquanto olhava apenas para Harry, parecia até mesmo que os outros não existiam. – Todas as sedes do Império da Luz também já foram reestruturadas e suas instalações estão sendo modificadas nesse exato momento, até amanhã a noite todas elas estarão incorporadas aos padrões do Panteão, os guerreiros que faziam parte do Império chegaram a contrariarem nossas ordens, mas depois que viram a sua luta contra o velhote do diretor, eles começaram a acatar o que dissemos. Os insubordinados foram devidamente presos e suas memórias totalmente revistadas, aqueles que se mostraram leais a seus países nós soltamos e os reintegramos ao grupo, mas aqueles que descobrimos serem traidores foram enviados para Hell.
 
- Ótimo. – murmurou Harry em aprovação enquanto olhava de relance para os amigos percebendo que eles ainda estavam levemente incrédulos com a notícia de que Dumbledore havia desviado as verbas que o Império da Luz possuía, o velhote era um verme desgraçado. – E quanto ao número de espiões que conseguimos prender?
 
- Foram presos mais de trezentos e cinqüenta espiões do Lorde das Trevas em todas as sedes do Império da Luz. – explicou Red em tom calmo, Harry sabia que a próxima informação iria deixar seu pai chocado e em choque, mas aquilo precisava ser feito e o mais breve possível. – Somente não conseguimos localizar um dos espiões que simplesmente desapareceu, não deixou nenhum rastro e nem mesmo os nossos melhores conseguiram detecta-lo, então provavelmente ele fugiu e se juntou ao Lorde das Trevas.
 
- Quem conseguiu escapar? – perguntou Harry em tom calmo enquanto encarava Red diretamente mesmo prestando atenção a reação de seu pai.
 
- Pedro Pettigrew. – respondeu Red em tom neutro e sem nenhuma emoção aparente, nesse instante ouviram o ofego chocado que Tiago deixou escapar ao mesmo tempo em que Lílian tampava a boca com um das mãos, Hugo e Sarah soltaram uma exclamação indignada lembrando-se do amigo dos pais deles que vivia visitando eles quando estavam em casa. – O bastardo conseguiu burlar nossas defesas de alguma maneira e fugiu. Ainda estamos tentando entender como ele conseguiu passar pelos escudos protetores, mas...
 
- Animagia. – murmurou Harry em resposta a Red que parou de falar e olhou intensamente para Harry, como os dois eram a mesma “pessoa” também pensavam igual e tinham mais ou menos a mesma faixa de poder, nesse instante o moreno de olhos verdes encarou Sarah enquanto respondia. – Aquele cretino de merda pode se transformar em um rato, um rato traiçoeiro e bastardo que quando eu colocar as mãos nele vai desejar nunca ter nascido.
 
- Isso explicaria como não conseguimos detectá-lo através das barreiras. – disse Red em tom pensativo enquanto também prestava atenção as pessoas que acompanhavam Azrael, afinal ele também nutria certos “sentimentos” por aquelas pessoas.
 
- Obrigado pelas informações Red, mais alguma coisa? – questionou Harry depois de permanecer alguns segundos em silêncio.
 
- Sim Azrael, John MacKinley está com as informações que você pediu para ele. – disse Red em tom calmo enquanto continuava olhando para a figura ereta do moreno de olhos verdes. – Disse para você procurá-lo na Sede Grega do Panteão que ele estará esperando em seus aposentos depois das dez horas da noite.
 
- Obrigado Red. – murmurou Harry para o ser de sobretudo vermelho um instante antes de um novo ser aparecer também com um estalo típico de aparatação, mas diferente do primeiro este possuía um sobretudo verde. – Olá Green.
 
- Lorde Azrael. – cumprimentou o estranho de sobretudo esverdeado no mesmo instante em que o ser de sobretudo vermelho desaparecia com um forte estalo de aparatação. – Venho lhe avisar que estamos tendo problemas para terminar a ocupação no Território Russo.
 
- Que tipo de dificuldades, Green? – perguntou Harry arqueando as sobrancelhas enquanto mentalmente recebia imagens do que estava acontecendo, mas mesmo assim deixou que o guerreiro a sua frente falasse para que seus amigos ouvissem.
 
- Topamos com dois Cavaleiros das Trevas que estavam na Sede Russa do Império das Trevas e mesmo nós estamos com dificuldades para derrotá-los. – explicou Green em tom de voz completamente impassível.
 
- Quais Cavaleiros das Trevas? – perguntou Sarah antes mesmo que o moreno de olhos verdes pudesse abrir a boca.
 
- Baltazar e Lucian, Lorde Azrael. – disse Green com um tom longínquo e sem nenhuma emoção na voz. – Estamos com dificuldades apenas em vencer os dois, mas o restante está correndo como previsto, em pouco tempo teremos tomado a Rússia.
 
- Hum... – murmurou Harry enquanto apertava o punho direito com a expectativa de amassar a cara de dois Cavaleiros das Trevas, fazia alguns dias que não lutava para valer e estava começando a sentir falta daquilo. – Eu mesmo vou para lá agora Green, avise os...
 
- Não Harry. – falou Gina com a voz séria e se adiantando até parar próxima ao moreno de olhos verdes.
 
- O que disse Gina? – perguntou Harry arqueando a sobrancelha em confusão, mesmo que a garota não pudesse vê-lo.
 
- O Lucian é meu, Harry. – disse Gina em tom firme e sério enquanto encarava Harry sem nem mesmo piscar, embora um não pudesse ver a expressão do outro. – Eu o enfrentei na Grécia e fui que não consegui vencê-lo, é meu dever derrotar esse Cavaleiro das Trevas dessa vez, você não pode me negar isso.
 
- Gina... – protestou Hugo com incredulidade enquanto se aproximava da namorada para impedir que ela continuasse aquilo, mas foi interrompido por Hermione.
 
- Isso mesmo Harry, eu quero lutar novamente contra Baltazar, é nosso direito Harry. – disse Hermione com firmeza ganhando por fim um sorriso enviesado do moreno de olhos verdes, que foi perceptível na voz do garoto.
 
- Tudo bem. – concordou o moreno antes mesmo que Rony pudesse acordar do choque de ver as duas garotas concordando e querendo irem sozinhas lutarem contra dois Cavaleiros das Trevas. – Green, leve elas até o local.
 
- Sim Senhor. – murmurou Green antes de rapidamente pegar nas mãos das garotas e aparatar com elas diretamente para o local onde estava acontecendo a batalha.
 
- Porque você permitiu que elas fossem? – perguntou Rony em tom de voz indignado enquanto se aproximava do moreno de olhos verdes.
 
- Você também iria querer enfrentar Viktor se tivesse a oportunidade, Rony. – disse Harry em tom firme.
 
- Bem, sim, mas é totalmente diferente. – esbravejou Rony enquanto olhava para o moreno de olhos verdes.
 
- Diferente porque, Weasley? – perguntou Samantha se aproximando perigosamente do ruivo antes mesmo que o irmão pudesse retrucar a afirmação descabida do ruivo. – Apenas porque elas são mulheres e você é homem?
 
- Eu não quis dizer isso... – gaguejou Rony chocado com a explosão da garota que parecia querer matá-lo ali mesmo.
 
- Ah, mas quis dizer sim. – grunhiu Luna também se aproximando do ruivo que arregalou os olhos azuis por baixo do capuz ao ver mais uma garota furiosa se aproximando perigosamente de onde ele estava.
 
- Só porque você tem um saco no meio das pernas não quer dizer que você é melhor do que nós, Weasley. – rosnou Sarah também se aproximando e se postando a frente do ruivo que naquele momento estava tremendo de medo das garotas.
 
- Acha que devemos interferir? – perguntou Draco olhando de relance para Neville que encontrava-se ao lado do sonserino.
 
- Não mesmo. – disse Neville rindo baixinho da cara amedrontada do Weasley. – Afinal ele mereceu pelas gafes que acabou de cometer.
 
- Tem razão. – concordou Draco deixando um sorriso desdenhoso aparecer em seus lábios enquanto observava a própria namorada encarando o ruivo como se estivesse prestes a esquartejá-lo ali naquele mesmo local.
 
Hugo estava próximo do irmão mais velho e olhava espantado para Rony que estava sendo cercado pelas três garotas que pareciam muito mal humoradas e bravas naquele momento, ele próprio sentia vontade de brigar com o irmão por ter permitido que Gina e Hermione fossem lutar contra Cavaleiros das Trevas, mas era esperto o suficiente para não abrir a boca naquele momento e atrair a raiva de uma daquelas três para ele, além do mais ele sabia que seu irmão jamais colocaria qualquer um deles em perigo e se ele tinha permitido as duas irem enfrentar os Cavaleiros das Trevas então era porque elas podiam vencê-los.
 
Um pouco mais afastados do grupo naquele momento, Lílian e Tiago estavam conversando baixinho um com o outro, a mulher ruiva tentava acalmar o marido que queria discutir com o filho mais velho o motivo de ele ter deixado as duas garotas irem sozinhas até onde haviam dois Cavaleiros das Trevas que eram guerreiros poderosos e cruéis.
 
Mas Lílian também estava querendo se aproximar de onde as garotas estavam grunhindo contra o Weasley, mas não que ela fosse tirar aquelas meninas de perto do ruivo, muito pelo contrario, Lílian queria era dar uns safanões no ruivo pelo machismo dele, afinal não havia cabimento algum achar que uma mulher era mais fraca magicamente que um homem.
 
- Então Weasley, você se acha melhor do que nós, garotas, apenas porque tem um “pênis” entre as pernas? – perguntou Luna agressivamente enquanto cutucava o peito do ruivo com um de seus dedos como se fosse uma espada.
 
- Eu não... – tentou o garoto gaguejando levemente enquanto se afastava de costas das garotas até chocar-se contra a cerca de arame comum que havia a suas costas. – Olha garotas, eu falei besteira... Só estava... Bem, é... Preocupado, é isso. Eu estava preocupado com minha irmãzinha e com a Hermione, por isso eu falei essas idiotices.
 
- Idiotices, não é mesmo? – perguntou Sarah utilizando um tom levemente sádico enquanto apontava a mão direita para o ruivo que arregalou os olhos de medo antes de tentar se encolher contra a cerca, em nenhum momento passou pela cabeça do garoto que ele também poderia utilizar magia para se defender.
 
- Já chega vocês. – disse a voz de Harry quando ele finalmente se cansou de observar divertido o medo de Rony perante as garotas, o moreno havia apenas observado enquanto as garotas esbravejavam em cima do Weasley como se fossem lobas famintas prestes a atacarem uma presa secretamente gorda e suculenta.
 
- Mas Harry... – murmurou Sarah levemente contrariada embora estivesse se divertindo com aquela situação, afinal encenar estar furiosa com o ruivo nem fora tão difícil e podia perceber pelo ar de riso que havia ao redor de Samantha e Luna que ela também haviam gostado de “aterrorizar” um pouco o ruivo.
 
- Está na hora de nós irmos. – disse o moreno de olhos verdes em tom simples antes de com um gesto calmo chamar o grupo para se reunir. – Gina e Hermione irão nos encontrar na Sede do Panteão na Grécia.
 
- Que seja. – sussurrou Rony estremecendo levemente por estar ao lado de duas das três garotas que o haviam tremer a poucos minutos atrás.
 
Quando todo o grupo esteve junto Harry fechou os olhos concentrando-se no local em que ele queria ir e com um estalo forte e seco aparatou levando todos os bruxos junto consigo deixando para trás a noite que já havia chegado, a lua estava em quarto crescente e dominava os céus noturnos naquele momento tendo dezenas de estrelas brilhando ao seu redor.
======
 
 
Quando Hermione e Gina surgiram no local onde a batalha contra os Cavaleiros das Trevas acontecia, sendo guiadas pelo cara de sobretudo esverdeado, puderam observar uma luta acirrada entre cerca de quinze membros do Panteão que eram facilmente reconhecíveis devido aos sobretudos negros que estavam usando contra os dois Cavaleiros das Trevas que elas tanto conheciam e queriam encontrar novamente.
 
Os quinze membros do Panteão atacavam ferozmente os dois Cavaleiros das Trevas que não conseguiam fazer muita coisa além de se defenderem dos poderosos ataques que aqueles guerreiros utilizavam, mas é claro que os membros do Panteão estavam começando a ficarem desgastados magicamente naquele instante, provavelmente mais alguns minutos e os Cavaleiros das Trevas iriam conseguir brechas o suficiente para contra-atacar e então matarem os guerreiros do Panteão que pareciam incansáveis e não demonstravam que iriam desistir tão cedo, mesmo que as chances estivessem contra eles.
 
Enquanto Hermione olhava ao redor e percebia a destruição que já havia sido causada por causa daquela batalha, a garota lembrou-se do que sabia sobre aquele país em particular, sabia que o território da Rússia englobava cerca de dezessete milhões de quilômetros quadrados, o que correspondia a aproximadamente dez por cento de toda a terra emersa no mundo, transformando a Rússia no país mais extenso da terra.
 
A neve deslizava pelo céu e caía no terreno como uma capa, a garota sabia que o clima naquele país era intenso e rigoroso sempre tendo médias térmicas abaixo dos Zeros Graus Celsius, a garota também lembrava-se claramente que aquele país era uma das maiores potencias mundiais antes da unificação entre os povos mágicos e não-mágicos depois da revelação do mundo bruxo aos trouxas, a Rússia era um país promissor e que tinha uma variedade enorme de exportação, sendo uma das maiores produtoras de minerais do mundo, além dos vastos rebanhos bovinos e suínos que o país possuía, mas que foram tomados por Voldemort e seus soldados quando o mesmo invadiu o território russo e tomou posse do país a força.
 
Hermione saiu de seus pensamentos e resolveu prestar atenção no que acontecia a sua frente porque os bruxos daquele local haviam percebido a chegada delas e do tal Green que apenas falou algo em voz alta que a garota mal ouviu e todos os quinze guerreiros que enfrentavam os dois Cavaleiros das Trevas se afastaram dos dois bruxos das trevas e fizeram reverências respeitosas para Hermione e Gina antes de desaparecerem com estalos secos.
 
- Eles são de vocês, Lady Ártemis e Lady Nêmesis. – disse Green em tom respeitoso antes de se afastar alguns passos dando passagem para as duas garotas que se adiantaram olhando diretamente para os dois Cavaleiros das Trevas.
 
- Ah, nos encontramos novamente, Deusa da Caça. – murmurou Lucian em tom de deboche quando Gina se aproximou dele.
 
- Dessa vez eu não vou deixar você fugir de novo, Cavaleiro das Trevas. – replicou Gina em tom ácido enquanto sentia que Hermione se aproximava do outro Cavaleiro das Trevas e se afastava levemente de onde ela estava, mas a ruiva sabia que não podia perder tempo e concentração prestando atenção em Hermione, devia ficar cem por cento focada em seu próprio adversário ou então poderia acabar se machucando seriamente.
 
- Confiante, não é mesmo? – o sarcasmo estava impregnado em cada uma das palavras do Cavaleiro das Trevas, mas ao contrário do que ele esperava a ruiva apenas riu debochadamente antes de simplesmente começar a correr em direção de onde o Cavaleiro das Trevas estava parado, quando chegou próximo do bruxo a ruiva aparatou e desaparatou as costas dele, mas quando estava para acertar um soco na nuca dele, o Cavaleiro das Trevas virou-se repentinamente e bloqueou o golpe de Gina esticando os dois braços cruzados em frente a seu rosto, no momento seguinte ele tentou acertar um chute na linha de cintura da ruiva que aparatou novamente dessa vez reaparecendo a cerca de cinco metros de onde Lucian estava. – Parece que você está um pouco mais rápida e veloz. Andou treinando foi?
 
- Estive treinando para matar você. – rosnou Gina antes de avançar rapidamente em direção a Lucian e acertar um soco no rosto do Cavaleiro das Trevas que voou para trás, mas não chegou a se afastar mais de três metros antes de ser acertado por um chute nas costas que o fez aterrissar violentamente no chão chegando a afundar alguns centímetros dentro do solo. – Vamos Cavaleiro, sei que você é mais poderoso do que isso...
 
- Crucio. – gritou Lucian levantando-se ao mesmo tempo em que lançava a maldição da dor que a ruiva apenas desviou antes de contra-atacar com um feitiço negro que Lucian desviou depois de ter sacado a própria espada. – Hoje você não me escapa garota, vou retalhar você de tal forma que nunca vão conseguir identificar seu corpo.
 
- Você fala demais. – disse Gina debochadamente antes de sacar sua varinha do interior de suas vestes e depois de murmurar um encantamento antigo a varinha da garota começou a mudar de forma e logo havia uma espada na mão da garota, que a girou habilmente com a mão direita antes de encarar Lucian. – Vamos brincar.
 
Gina avançou com rapidez ao mesmo tempo em que Lucian se adiantava e golpeava em direção a ruiva, as duas espadas encontraram-se em pleno ar produzindo um poderoso choque de lâminas que fez uma leve nuvem de poeira se desprender ao redor dos dois, em seguida escapando da pressão da espada do Cavaleiro das Trevas, Gina girou ao redor de seu próprio corpo antes de chutar Lucian na altura do rim esquerdo fazendo o bruxo se curvar levemente para frente dando espaço suficiente para Gina matá-lo caso ela quisesse, mas a garota não estava querendo acabar com aquela luta tão rapidamente, muito pelo contrário.
 
- Bombarda. – gritou Gina apontando sua mão esquerda para o corpo do Cavaleiro das Trevas que recebeu o impacto do Feitiço Explosivo e foi arremessado por mais de dez metros ao mesmo tempo em que um forte estrondo soava devido ao poder e a intensidade com os quais Gina havia executado o feitiço.
 
- Não vai me vencer com feitiços escolares, Ártemis. – debochou o Cavaleiro das Trevas já completamente recuperado do ataque da ruiva, ele encontrava-se de pé e com a espada firmemente segura em sua mão direita.
 
- Quem disse que eu ataquei para tentar vencer? – perguntou Gina desdenhosamente enquanto observava a postura levemente descontraída e despreocupada que o Cavaleiro das Trevas havia acabado de adotar, mesmo que ainda houvesse um resquício de receio que ele utilizara para ficar atento a qualquer possível movimento que a ruiva pretendesse fazer. – Eu estou querendo brincar um pouco com você antes de te matar.
 
- Insolente. – grunhiu o Cavaleiro das Trevas segurando a espada com tanta força que Gina jurava ter ouvido os ossos da mão dele estralarem levemente. – Vou te ensinar a ter um pouco mais de respeito, pirralha maldita.
 
- Odeio que me chamem de pirralha. – disse a ruiva em tom levemente ofendido e frio enquanto seu rosto se tingia de vermelho por baixo do capuz que ela estava utilizando. – Vou fazer você gritar Cavaleiro...
 
Quando Lucian avançou cortando as palavras de Gina golpeando exatamente o local onde ela se encontrava e encontrando apenas o ar, a ruiva apenas deu dois passos para a esquerda antes de golpear o ar a sua direita chocando-se com a espada do Cavaleiro das Trevas que havia se recuperado a tempo de se defender do golpe de espada da ruiva que afastou-se antes de golpear novamente iniciando uma seqüência de golpes e ataques em cima de Lucian que apenas se defendia da ferocidade com a qual a ruiva golpeava, ela parecia um demônio naquele momento enquanto golpeava incansavelmente o Cavaleiro das Trevas.
 
- Gusk Bail. – gritou o Cavaleiro das Trevas depois de mais de dois minutos sendo obrigado a se defender dos golpes da encapuzada a sua frente, na opinião dele ela parecia um maldito demônio incansável e por isso ele precisara apelar para a magia para poder se afastar nem que fosse por alguns segundos.
 
A ruiva meramente moveu sua espada para a frente do seu corpo recebendo o jato de luz alaranjado que foi absorvido pela lâmina da espada da garota, em seguida ela própria atacou com um feitiço negro e antigo que Lucian bloqueou com um feitiço escudo poderoso, na verdade aquele era um escudo negro que o próprio Lorde das Trevas havia ensinado para seu mais poderosos guerreiros a alguns anos atrás quando ele assumiu o poder.
 
- Você não me parece grande coisa, Cavaleiro das Trevas. – disse Gina utilizando todo o deboche na voz que ela conseguiu, a convivência com Harry e Draco havia sido bastante proveitosa naquele quesito, por que não havia qualquer outro bruxo que conseguisse aplicar tanto sarcasmo e deboche na voz do que os dois, o moreno ainda mais do que o loiro.
 
- Vou te mostrar o meu poder sua insolente. – grunhiu o Cavaleiro das Trevas antes de gritar com brutalidade enquanto liberava todo o poder que havia dentro de seu corpo, a aura dele apareceu com força surpreendendo até mesmo Gina que ainda não tivera a oportunidade de ver a aura daquele bruxo que era esverdeada.
 
A terra ao redor deles começou a tremer levemente devido a intensidade da magia que o Cavaleiro das Trevas estava liberando, mas Gina achou aquela demonstração completamente desnecessária além de ser uma perda de energia tremenda e aquilo servia apenas para se exibir perante os outros, porque de nada adiantava em um luta direta, tanto que a ruiva nem mesmo pensou em fazer a mesma coisa que o Cavaleiro das Trevas e apenas concentrou seus poderes em si própria antes de avançar para cima de Lucian.
 
O Cavaleiro das Trevas defendeu o ataque em diagonal que a ruiva havia desferido contra ele e em seguida contra-atacou visando a linha de cintura da ruiva que meramente desviou-se para a esquerda antes de acertar a nuca de Lucian com o cabo de sua espada, esse golpe fez com que o bruxo desse cinco passos vacilantes para trás antes de parar e balançar a cabeça levemente atordoado pela força aplicada no golpe.
 
Aquele golpe também serviu para mostrar ao Cavaleiro das Trevas que aquela garota poderia tê-lo matado naquele momento se ela realmente quisesse, o que o deixou completamente enfurecido, afinal não entendia como ela podia estar mais rápida e aparentando ser mais poderosa do que antes se eles haviam se encontrado e lutado a pouco mais do que uma semana, porque ele próprio estivera treinando naquele período e não conseguira elevar tanto o seu nível de poder como aquela insolente demonstrava e isso sem precisar deixar seus verdadeiros poderes a vista, bastava ele analisar os movimentos dela para saber que aquela luta não seria nem um pouco fácil para ele.
 
Com a raiva borbulhando em seu sangue Lucian virou-se e disparou com ferocidade em direção a garota encapuzada, sabia que era uma garota apenas pela maneira com que ela falava, além do mais a voz era jovem demais para pertencer a qualquer adulto.
 
O golpe em diagonal que Lucian tentou foi bloqueado por um leve movimento da ruiva que havia posicionado sua espada bem em frente a seu corpo protegendo-se do golpe desferido pelo Cavaleiro das Trevas, em seguida Lucian passou a atacar ferozmente não parando um segundo sequer, Gina apenas se defendia dos golpes e esperava o melhor momento para contra-atacar, momento esse que chegou quando ela bloqueou um golpe de espada na altura de seu pescoço, aquele movimento por parte do Cavaleiro das Trevas deixara espaço suficiente para ela erguer o joelho e acertar uma forte joelhada na linha de cintura de Lucian que arfou pesadamente por causa do golpe recebido, mas mal teve tempo para perceber que fora atingido quando um soco o atingiu no rosto e em seguida vários outros golpes penetraram pela linha de defesa do Cavaleiro das Trevas que recebeu chutes e socos de todos os lados e de todas as direções.
 
Gina atacava impiedosamente e em seqüência, não dava nem mesmo um mísero segundo para que o Cavaleiro das Trevas pudesse se recuperar e em pouco mais de um minuto e meio Lucian desabou pesadamente no chão após receber um chute no rosto depois de um giro mortal da ruiva, o Cavaleiro das Trevas respirava com um pouco de dificuldade enquanto se virava levemente ainda no chão e cuspia um punhado de sangue.
 
- Você não é muito bom, Cavaleiro. – disse Gina debochadamente enquanto se aproximava de Lucian que naquele momento se colocava de gatinhas e tentava se levantar, a ruiva aproximou-se e chutou o Cavaleiro das Trevas no estômago fazendo com eu ele literalmente voasse sendo arremessado por mais de dez metros antes de cair estatelado no chão, onde cuspiu mais sangue ainda. – Vamos lá Lucian, achei que você fosse mais poderoso...
 
- Vai se ferrar, cadela. – murmurou Lucian enquanto se levantava com um pouco de dificuldade, nem mesmo sabia onde sua espada fora parar, havia a deixado cair quando recebera um daqueles golpes impiedosos daquela garota.
 
- Agora magoou. – disse Gina em tom sarcástico enquanto avaliava o que deveria fazer com aquele Cavaleiro das Trevas, quando decidiu um sorriso sinistro apareceu nos lábios da ruiva, mesmo que o Cavaleiro das Trevas não pudesse ver o sorriso da ruiva, ele sentiu um arrepio em sua espinha avisando-o de que ele não gostaria do que estava para acontecer. – Será que você percebeu que nem mesmo conseguiu me golpear, Lucian? Nem mesmo um arranhão você me fez, não me acertou nenhum feitiço, nenhum golpe de espada, nem mesmo um mísero soco você foi capaz de conseguir acertar em mim...
 
O Cavaleiro das Trevas arregalou os olhos naquele momento somente então se dando conta de que realmente não havia conseguido nem mesmo arranhar aquela garota, todos os seus golpes haviam sido habilmente bloqueados, seus feitiços haviam sido barrados por poderosos feitiços protetores ou então ela havia se desviado, um medo que a muito tempo não sentia apoderou-se do corpo do Cavaleiro das Trevas, sabia que iria morrer e principalmente sabia que não poderia fazer nada para se salvar naquele momento.
 
- Você é patético. – zombou Gina olhando desdenhosamente para o Cavaleiro das Trevas que naquele momento tremia de medo, mas não iria se entregar sem pelo menos tentar lutar ou matar aquela pirralha insolente.
 
- Jytek. – gritou o Cavaleiro das Trevas erguendo rapidamente sua mão direita e a apontando para a estranha que vestia um sobretudo negro que encontrava-se em pé a sua frente, um jato de luz perolado disparou da mão de Lucian indo diretamente até onde Gina se encontrava, mas antes que o feixe de luz sequer encostasse na garota uma barreira acinzentada apareceu a frente dela e absorveu completamente o feitiço.
 
- Como eu disse, simplesmente patético. – disse Gina em tom zombeteiro antes dela própria apontar sua mão direita para o Cavaleiro das Trevas que arregalou os olhos de medo antes também erguer sua mão e gritar a maldição da morte, o jato de luz verde cortou o ar e desapareceu no ar, porque a ruiva não estava mais no mesmo lugar e sim dói outro lado do Cavaleiro das Trevas ainda com a mão estendida em direção a Lucian. – Você merece uma morte bem dolorosa, Cavaleiro das Trevas, seus crimes e pecados são extensos demais. Akriam.
 
Um feixe de luz acinzentado disparou da mão da encapuzada antes mesmo que Lucian pudesse esboçar qualquer tipo de reação, o feixe de luz acertou o Cavaleiro das Trevas diretamente na altura do tórax onde imediatamente surgiram dezenas de cortes profundos, alguns foram tão profundos que chegaram a separar algumas partes do corpo do Cavaleiro das Trevas.
 
Gina suspirou levemente desdenhosa consigo própria, afinal sabia que Harry conseguiria retalhar aquele Cavaleiro das Trevas em centenas de pedaços utilizando aquele mesmo feitiço, também sabia que não tinha usado poder o bastante para conseguir aquele efeito, mas pelo menos dessa maneira ela fazia Lucian sentir mais dor.
 
- Dói, não é mesmo? – perguntou Gina andando ao redor de Lucian enquanto o Cavaleiro das Trevas gritava de dor por causa do efeito do feitiço, o sangue escorria livremente pelos cortes profundos e a ruiva sabia que ele não viveria muito mais tempo, por isso apontou novamente sua mão direita em direção a Lucain. – Posso garantir que o que vou fazer agora vai lhe causar ainda mais dor, Cavaleiro das Trevas. Lerius Torhet.
 
Mal o Cavaleiro das Trevas foi atingido pelo feitiço lançado pela mão direita de Gina e ele começou a derreter rapidamente, aquele era um feitiço de ação rápida e letal, mas enquanto o corpo da pessoa derretia, ela continuava consciente e sentindo as piores dores possíveis, a última parte do corpo que derretia era o cérebro e o coração, por isso a ruiva ficou ouvindo os berros de dor e de agonia até que eles se transformaram em lamúrias baixas e fracas até que o Cavaleiro das Trevas ficou em completo silêncio e simplesmente morreu, o corpo dele agora não passava de uma gosma nojenta e avermelhada no chão.
 
Suspirando a ruiva se virou para onde havia visto Hermione disparar atrás de seu próprio adversário, podia sentir o poder da amiga a cerca de duzentos metros de distância de onde ela estava naquele momento, também podia sentir o poder do outro Cavaleiro das Trevas, mas estava tão débil e fraco que a ruiva soube que Hermione também estava a ponto de matar o próprio adversário, sorrindo para si mesmo a ruiva disparou em direção de onde a amiga estava lutando contra seu adversário, embora Gina também sentisse o poder do homem de sobretudo verde que as havia levado até aquele local, quando chegou onde Hermione estava a ruiva sorriu divertida ao ver o corpo mutilado e sem vida do que um dia fora um Cavaleiro das Trevas, afinal de contas Hermione não era tão sádica quanto Gina ou o próprio Harry.
 
 
 
 
Agradecimento especial:
 
Biank Potter: que bom que gostou do capitulo anterior, realmente as cenas de guerra e do que ela provoca são um pouco chocantes as vezes, principalmente se você levar em conta que isso realmente aconteceu com o mundo durante as duas grandes guerras... quanto a maneira como o Harry entrou na sala da mãe dele, devo dizer que de todos os poderes que ele possui, atravessar uma parede utilizando as sombras não seria grande coisa, mas enfim... Espero que tenha gostado do que o Panteão está apresentando, mesmo eles tendo visto apenas uma parte do que já esta sendo feito, afinal de contas, eles não conseguiriam reconstruir os desastres da noite para o dia. A conversa do Harry com os pais vai acontecer apenas depois que eles voltarem para Hogwarts, então até lá teremos de ter um pouco de paciência, porque muita coisa vai rolar... Beijos.
 
 
 
Próxima Atualização (09/11): Harry Potter e a Herança das Sombras e O Guerreiro da Escuridão.
 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.