FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Uma nova vida começa


Fic: Um plebeu em minha vida


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


N/A: Olá pessoal!! Eu espero que gostem do capitulo e por favor comentem!! 



Capitulo 2 – Uma nova vida começa


 
Os primeiros dias em que passei na sede da Ordem foram bem simples. Por respeito a minha dor, fui deixada sozinha e passava a maior parte do tempo no quarto. Sei que deveria estar me preocupando com o meu país, mas acho que até uma princesa merece um momento para ficar sofrendo a sua perda. Não tive essa chance quando Rob morreu, mas agora eu poderia, por ele e por meu pai.


Quando não estava no quarto, eu estava na biblioteca. Não era tão extensa quanto à do castelo, mas era incrivelmente ampla em conteúdo. Havia desde livros escolares a romances. Foi no meu terceiro dia de isolamento que reencontrei Potter.


Eu estava folheando um livro na biblioteca quando ele entrou no aposento.


--- Alteza?


--- Bom dia Sr Potter. --- Fiz um gesto com as mãos o convidando a se sentar. --- Não estamos mais em Willborn, então eu me sentiria mais confortável se me chamasse apenas por Anabella. --- Era muito estranho continuar sendo chamada pelo meu título na minha atual situação. E além do mais, ele tinha salvado a minha vida.


--- Como quiser Alt...Desculpe, Anabella. --- Potter sorriu um pouco desconfortável. --- Então acho que deve me chamar de Harry, certo?


--- Está certo...Harry. --- Eu não estava acostumada a esse tipo de contato, sem as mesuras da realeza, mas poderia ser algo interessante. --- Estou muito agradecida pela paciência que tiveram em esperar alguns dias até me procurarem, mas estou certa que temos de decidir o que devo fazer agora.


--- Todos devem ter um tempo para lidar com a morte de alguém, principalmente de um parente tão próximo. --- O olhar dele ficou triste de repente. --- Perdi pessoas muito importantes na minha vida, alguns bem antes de ter a sua idade.


--- Sinto muito Harry. --- Eu conhecia a história dele. Seus pais morreram quando ele era pequeno e até a derrota de Voldemort, ele enfrentou muitas coisas. Se alguém sabia como eu me sentia, esse alguém era o homem sentado à minha frente.


--- Tudo bem, isso foi há muito tempo. Temos agora que ver sobre a sua estada aqui em Londres.


--- Vou ficar aqui na sede? --- Eu não estava muito segura se iria aguentar ficar tanto tempo presa em uma casa.


--- Não. Na verdade a nossa ideia é mantê-la aqui em Londres, mas em uma casa com um disfarce. O Duque não sabe que fomos nós que a tiramos do reino. Ele acha que você foi salva por empregados do castelo e que deve estar escondida no país.


--- Certo. --- Acenei com a cabeça. Minha preocupação era que os moradores sofressem por minha causa. --- Então ficarei hospedada na casa de uma família.


--- Isso. A ideia é que fique por aqui até criarmos um jeito de tomar a coroa de volta para você.


--- Onde ficarei?


--- Pensamos muito nisso e o lugar mais seguro é na minha casa.


--- Sua casa? Eu não quero criar transtornos Harry. Posso ficar aqui mesmo se for causar algum problema.


--- Não não, de modo algum. --- Harry negou e se inclinou na minha direção. --- Como agente do governo eu tenho uma condição maior de ficar de olho em você, e além do mais você precisa de companhia e na minha casa tem a minha esposa, a Gina, e meus filhos. É claro que apenas a Gina ficará sabendo de sua origem.


--- Tem certeza que não haverá problema? --- Questionei.


--- De modo algum. --- Sorriu Harry.


--- Então está certo.


 


Nos momentos que se seguiram ele me explicou exatamente como as coisas iriam funcionar. Eu seria Bella Dayle, filha de um amigo de Harry que estava de férias aqui em Londres e ficaria hospedada na casa dele. Enquanto isso, a Ordem estaria armando um plano para invadir e prender o meu primo e o comandante Cadena e me levar de volta a Willborn.


Harry me levaria para a casa dele na tarde do dia seguinte. Até lá teríamos tempo para eu arrumar minhas coisas (roupas e objetos que compraram para mim) e Harry arrumar a casa dele para me receber.


 


--- Não se preocupe Anabella. Vai dar tudo certo.


--- Espero que sim.


--- Vou me retirar agora. --- Harry se levantou. --- Nós iremos sair as 15:00 hs.


--- Certo.


--- Boa noite. --- Harry sorriu e se dirigiu para a porta.


--- Boa noite.


 


Eu fiquei mais algum tempo na biblioteca e depois fui para o meu quarto. Decidi arrumar as minhas coisas no dia seguinte. Depois de me preparar para dormir, deitei na cama e olhei a pasta que Harry havia me dado.


 


Ficha de Identificação


Ordem da Fênix 


Responsável: Harry James Potter


Nome: Isabella Margaret Dayle


Idade: 17 anos


Filiação: Michael Trevor Dayle              
               Lauren Diana Dayle


Endereço: Helena, estado de Montana, Estados Unidos da América.


História: Filha única, a mãe morreu quando tinha 8 anos e vive com o pai Michael. Este se tornou amigo de Harry durante uma missão que realizaram juntos no Canadá. Michael está em missão e como uma viagem de férias, Bella foi para Londres.


Estudante modelo e seus hobbies são tocar piano e ler.


 


Além dessas e outras informações, havia fotos da cidade em que eu supostamente morava, dos meus pais falsos e varias outras coisas. Era uma vida inteira criada para mim. Eu teria que me habituar à essas informações e contá-las convincentemente se necessário. Eu percebi que o nome que escolheram para mim não era tão diferente do meu nome verdadeiro. Todos me chamariam de Bella, e era assim que minha família me chamava.


Coloquei a pasta sobre o criado mudo e logo em seguida peguei no sono.


 


Na manhã seguinte me preocupei em arrumar a bagagem e passei o tempo na biblioteca. Algum tempo antes da hora marcada para sair, me arrumei. Me olhei no espelho e verifiquei se eu parecia uma garota comum de Montana. Coloquei uma calça jeans (algo com o qual eu não estava acostumada), tênis, uma blusa verde e cachecol marrom. Os cabelos deixei soltos, eles me dava um ar jovem e divertido. Acho que eu estava bem.


Ouvi uma batida na porta e era uma funcionária me informando que Harry já estava me esperando no andar de baixo.


Dei uma última olhada no espelho e fui me encontrar com Harry. Ele estava me esperando no hall de entrada da sede.


--- Boa tarde Anabella. --- Harry deu um sorriso para mim.


--- Boa tarde.


--- Está tudo pronto para irmos? --- Eu confirmei.


Nós seguimos para fora da Ordem. Eu pude ver alguns homens pelo pátio, provavelmente fazendo a segurança. Logo em seguida eu estava dentro do carro preto. Harry entrou depois de mim, e o carro se moveu.


 


Durante a viagem de carro Harry me contou algumas coisas sobre sua família. Ele e Gina eram casados a mais de vinte anos. Eles estudaram juntos e ela era irmã do melhor amigo de Harry, o ruivo que estava na reunião dias atrás. O nome dele era Rony Weasley e era casado com Hermione Granger, a morena que também esteve na reunião. Também amiga de colégio de Harry.


Ele tinha três filhos. James, que morava na sua própria casa e trabalhava no governo. Alvo, que era o filho do meio e estava no segundo ano de medicina na Imperial College London, morava no campus, mas sempre aparecia em casa. E Lilian, a caçula que era um ano mais nova que eu e não estaria em casa quando eu chegasse por que estava passando alguns dias na casa da prima Rose.


Passamos pelas ruas da cidade e vi que estávamos seguindo para a parte mais afastada. O carro chegou em uma alameda de casas grandes, com jardins e cercas. Quase no final da rua nós paramos e me vi em frente a uma casa linda. Era branca com as janelas azuis. Tinha um jardim na frente com flores e uma varanda.


Vi Harry passar o olhar pela vizinhança, conferindo, e ele pegou a minha mala na mão do motorista. Eu disse que poderia carregar a bagagem, mas ele não deixou. Então após dispensar o carro, nós seguimos para dentro da casa.


Quando entramos no hall, Harry colocou a mala no chão no momento em que uma mulher ruiva entrou por outro cômodo. Era uma mulher muito bonita.


--- Olá querido. --- Gina deu um beijo no rosto de Harry. --- Que bom que chegaram.


--- A viagem não demorou muito. Gina, esta é a Anabella. ---  Ele nos apresentou. Gina se aproximou para dar um beijo no meu rosto, mas parou, provavelmente na dúvida se era permitido.


--- Boa tarde. É um prazer conhecê-la  Gina. ---  Eu segurei sua mão e dei um beijo em seu rosto. --- Sua casa é encantadora.


--- Ah...obrigada. --- Ela respondeu um pouco desconcertada. --- Vou te levar até seu quarto e então pode descansar ou conhecer a casa. Temos uma área dos fundos incrível.


--- Eu adoraria.


Depois de acenar para Harry, eu acompanhei Gina pela escada. Entramos em um cômodo no final do corredor. O quarto era branco, os móveis eram de madeira, contrastando com a cor das paredes. O que me encantou foi a janela. Era grande e havia um espaço que dava para você sentar e ficar olhando a vista do lado de fora. Eu me aproximei e dava para ver o quintal que Gina havia falado. Na verdade havia um quintal e uma cerca baixa. Num canto existia um pequeno portão e se seguia uma pequena floresta com árvores espaçadas.


--- Espero que goste do quarto. É o nosso quarto de hóspedes. --- Gina se aproximou. --- Eu pensei em te colocar no quarto da Lily ou do James, mas como estávamos terminando a reforma deste para a Lily vir para cá, achei que ficaria melhor aqui.


--- Está tudo perfeito. --- Sorri para ela e voltei o olhar para a janela. --- Não precisa se preocupar.


--- Então ok. --- Gina deu um suspiro e passou as mãos pelo vestido num  gesto de nervosismo. --- Vou descer para ver como anda o jantar. Você... --- Ela hesitou antes da palavra. --- Pode arrumar as suas coisas e depois descer, ou descansar se preferir. --- Gina já estava indo para a saída do quarto quando a chamei.


--- Sim?


--- Obrigada. --- Desviei o olhar para a janela, e voltei para ela. --- Obrigada por me receber na sua casa.


--- Não há de quê, querida. --- Gina veio para perto de mim e segurou minha mão entre as delas. --- Você estava precisando de ajuda, quem sou eu para negar, hein? --- Ela me deu um sorriso. Provavelmente o mesmo sorriso que dá para seus filhos. Senti saudades da minha mãe. --- Vai dar tudo certo.


--- Espero que sim.


 


Gina saiu logo depois e então tirei as roupas e objetos da mala. Depois de algum tempo arrumando as coisas desci as escadas e fui até um cômodo que era a sala de estar. Num canto, sobre a lareira havia vários porta-retratos. Tinha uma foto de Harry e Gina mais jovens em seu casamento. Os dois pareciam muito felizes. Havia fotos de Harry com os amigos, dos bebês e uma da família toda reunida. Harry estava no meio abraçado a Gina. Atrás deles estava um rapaz de óculos, parecido com o pai, mas sem os olhos verdes. Do lado de Harry havia uma moça, com aparência de 15 anos e com cabelos avermelhados. E do lado de Gina estava um rapaz que era a cópia de Harry, dos cabelos revoltos aos olhos verdes.


Todos sorriam. E não foi difícil para eu sorrir também. Parecia uma família tão unida. Lembrei que no meu quarto em Willborn havia uma foto igual a essa, só que era a minha família no lugar.


Dei um suspiro saudoso e continuei olhando a sala. Depois segui para fora da sala. Não vi Harry nem Gina. Então abri a porta da frente e parei na varanda olhando a vizinhança. Parecia um lugar tranquilo. Sentei em um daqueles bancos de madeira que parecem balanços e fiquei lá, olhando as coisas ao meu redor.


Passando o olhar pelo jardim, encontrei um canteiro cheio de lindas rosas vermelhas e brancas. Não consegui resistir. Eu levantei do banco e saí para o jardim. Me ajoelhei perto das flores e toquei uma delas. Eu adorava flores. Na verdade eu sempre gostei de qualquer coisa que me mostrasse liberdade. Quando se é princesa e se tem que estar sempre acompanhada, sempre em encontros sociais, pequenas coisas possuem um grande significado. Eu me aproximei da rosa e suspirei sentindo seu cheiro de olhos fechados. Quando os abri vi perto da cerca um filhote de cook spain preto. Os pelos eram tão lisos e brilhantes, ele tinha aquela cara de cachorro querendo alguma coisa e parecia que tentou atravessar a cerca e ficou preso.


Então me levantei e tentei passar para perto da cerca sem pisar no canteiro de flores. Quando consegui, tentei empurrar um pedaço da cerca para o lado, abrindo espaço para o filhote sair. Quando houve espaço suficiente, o filhote saiu desengonçado para trás e depois de um pequeno latido correu para a varanda da casa vizinha.


Provavelmente ele devia ter voltado para a mãe, na casa do vizinho. Eu dei um sorriso e cuidadosamente tentei voltar pelo lugar por onde eu vim. Mantive o olhar nas flores e tomei cuidado para não tocar em nenhuma.  Foi por causa de toda essa concentração que eu devo ter me assustado quando ouvi uma voz.


--- Olá! --- Levantei o rosto rapidamente pelo susto e me desequilibrei. Eu caí sentada no chão. Quando abri os olhos vi um rapaz de cabelos revoltos me olhando preocupado.


--- Oh, me desculpe, eu te assustei sem querer. --- O rapaz segurou minha mão e colocou um braço em volta da minha cintura. Ele me puxou para cima e foi difícil não reparar nele ou no seu perfume.


Quando fiquei de pé levantei o olhar para ele. Era o filho de Harry. Os olhos verdes eram os mesmos.


--- Como está se sentindo? --- Ele perguntou, segurando os meus braços. Como se estivesse dando apoio. --- Está tonta ou com dor em algum lugar? Vi você se apoiar nos braços, pode ter dado algum mau jeito...


--- Não. Eu estou bem. --- Soltei um de meus braços e passei pelos meus cabelos, enquanto verificava mentalmente se eu tinha tudo no lugar. Alvo mantinha os olhos em mim.


--- Tem certeza?


--- Sim. Eu estava ajudando um filhotinho e tentei voltar sem pisar no canteiro, mas perdi o equilíbrio. --- Contei um pouco envergonhada. Ele soltou o meu braço e sorriu.


--- A culpa foi minha. Eu vi você e te chamei, então, mil desculpas. --- Ele inclinou a cabeça sorrindo. Tinha o sorriso mais lindo que eu já tinha visto. Não que eu tivesse visto muitos sorrisos, na maioria das vezes em que estive na presença de outras pessoas, os sorrisos eram discretos e alguns falsos. O dele era leve e quente. --- Eu sou o Alvo e você é?


--- Eu sou a An...Bella. Meu nome é Bella. --- Eu estava tão desconcentrada que nem tinha me lembrado que aqui eu sou Bella Dayle.


--- Ah...Bella. Você é a filha do amigo do papai, certo? --- Gostei do modo como ele disse meu nome. --- Eles me contaram que você ficaria hospedada aqui por um tempo.


--- É verdade. Cheguei hoje à tarde.


--- Certo. Então bem-vinda a Londres! --- Ele abriu os braços em boas vindas. --- É melhor entrarmos, o jantar já deve estar pronto. E vou te dizer, a comida da minha mãe é uma delicia, mas quando temos uma visita em casa...a coisa fica dez vezes melhor.


Alvo fez um gesto me convidando para segui-lo até a casa. Então fui ao lado dele até a varanda. Ele abriu a porta e deu espaço para eu passar. Quando entramos,  ele chamou a mãe e o pai. Gina apareceu da cozinha e com um sorriso abraçou o filho.


--- Alvo filho! Eu pensei que você viria mais tarde. --- Harry apareceu e abraçou o filho.


--- Eu acabei saindo mais cedo do campus pai. Espero que tenha jantar suficiente pra mim também.


--- Alvo! --- Repreendeu Gina. --- É claro que sim.


---Filho você já conheceu a Bella? --- Perguntou Harry quando me viu perto do filho.


--- Eu e a Bella nos batemos lá no jardim, ela estava ajudando um dos filhotes do Sr. Hudson.


--- A cadela dele teve filhotes há pouco tempo, logo eles vão estar bem o suficiente para serem doados. --- Comentou Gina para mim. --- Eu acho melhor todos irem para a mesa, que eu vou avisar à Tessa que é para servir o jantar.


Gina foi para a cozinha e o resto de nós seguiu para a sala. Harry e Alvo estavam na frente conversando animadamente. Era visível a semelhança entre eles, os dois sorriam e faziam gestos do mesmo jeito.


Quando chegamos à mesa, Harry sentou na cabeceira e Alvo foi para a cadeira do lado esquerdo do pai. Antes de se sentar ele puxou a cadeira do seu lado me mostrando que eu deveria sentar lá. Gina apareceu em seguida e se sentou.


O jantar foi servido e apesar da minha presença as coisas andaram bem. Gina perguntava a Alvo sobre a faculdade e ele contava para todos nós sobre algumas aulas que ele teve, ou como o inspetor do seu prédio do campus era rigoroso e se vestia estranho.


O jantar correu entre risos e conversas. Eu achei que eu não me sentiria confortável, ou que eles não se sentiriam bem, mas estava errada. Era difícil não rir com algumas coisas que Alvo dizia ou se interessar por algo que Harry me explicava.


Depois do jantar ficamos na sala de estar sentados nos sofás. Eles ficaram me falando como era a cidade e os vizinhos. Ainda era cedo quando comecei a sentir sono. Me despedi de todos e subi para o meu quarto.


Após me arrumar para dormir, sentei perto da janela e fiquei algum tempo olhando o campo lá fora. Analisei o dia e como as coisas aconteceram. Segurei a medalha da Santa Bernadette e sorri ao lembrar de como eu e Alvo nos conhecemos. Fui para a cama.


Quando era pequena, e uma criada do castelo morreu, eu vi Lis falar com a filha da falecida. Lis disse que as pessoas que amamos nunca nos abandonam, se falarmos para elas, irão nos escutar.


--- Oi Rob. --- Falei num sussurro. --- Eu achei que o dia seria tenso, mas as coisas foram bem calmas. O Harry é um homem incrível, ele e a Gina fazem um casal lindo. Conheci o filho do meio deles. O nome dele é Alvo. Ele parece uma pessoa tão calma e alegre. Ele me lembra você um pouco. Eu tenho saudades suas e do papai, e da mamãe também. Boa noite Rob. Me deseje um bom dia amanhã.


----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

N/B: Oi! O capítulo ficou demais. Mas eu achei um pouco curto. Quero mais!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.