FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. Treinamento, Festa, Partida


Fic: Como perdoar um inimigo DM-HG Long


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 


Capitulo 5


Treinamento, Festa, Partida


 


 


Rony estava inconformado com o afastamento. Eles haviam cancelado a festa de casamento de seu irmão. Fariam alguma coisa pequena e simples. Nem ele poderia comparecer. Ainda teria que passar as férias estudando. E treinando, claro. Não aceitava ter que se separar de Hermione logo agora. Era um absurdo essa decisão. Ela não podia estar tão à frente assim em seus estudos... Sim, sem dúvida ela está muito à frente,...


 


Após enviar a carta e jantar silenciosamente Draco foi para seu quarto. A casa era assustadora e não entendia porque deviam fazer tanto silêncio. Não admitia, mas estava louco de vontade de saber o segredo da Granger. Parecia ser o único desinformado. Isso jamais acontecia com um Malfoy. Jamais. As roupas que usava de Rony já estavam irritando. Devia haver um jeito de conseguir as suas. Nada como apelar para os sentimentos familiares. Tonks.


 


T.


 


Sei que não devemos nos comunicar, mas é urgente. Estou sem roupas decentes.


 


A carta foi enviada por Edwiges. Draco pensou: Sem dúvida essa coruja albina sabe muito bem onde é a casa da Granger. Deitou em sua cama e pouco tempo depois caiu em um sono profundo.


 


****************************************************************


 


- Pai, mãe... Essa é uma amiga minha. Ela é auror. Trabalha no Ministério de Magia. Ninfadora Tonks. – Hermione disse para seus pais assim que saíram pela lareira. Eles já ouviram a filha explicar o que era auror, mas mantinham um dicionário no quarto para quando tivessem alguma dúvida. Como naquele momento. Logo que deitassem consultariam o pequeno livro.


 


- Apenas Tonks, senhores Granger.


 


- Jane e Morgan – a mãe de Hermione estendeu a mão para se apresentar. O pai repetiu o gesto – Sente-se. O jantar está quase pronto.


 


- Vou arrumar o quarto de visitas, não sabia que você viria. Nossa filha não avisou nada – acrescentou o pai num tom falso de bronca.


 


- Isso foi decidido em cima da hora. Estamos em um momento delicado e difícil. Tomamos decisões que às vezes valem por minutos. Essa guerra está deixando todos preocupados. – respondeu educamente Tonks que não havia entendido a brincadeira.


 


- Ele está apenas brincando, Tonks – explicou Hermione – Meu pai é assim mesmo. Brincalhão! – ela foi beijada na testa pelo pai que saiu em direção ao quarto.


 


- Estamos angustiados com a participação da nossa filha nessa guerra... Nem pude acreditar quando Dumbledore apareceu aqui pedindo autorização para os treinos extras... Sentimos um grande orgulho claro – ela sorriu para a filha – E ao mesmo tempo um aperto no coração... Tão nova e envolvida em algo deste tamanho... Nessa guerra. – as mãos de Jane apertavam-se demonstrando angústia.


 


- Entendo como é difícil para a senhora, mas Hermione é muito competente. Estamos certos que nossos treinos somente deixarão sua filha ainda mais protegida. Sem dúvida é a melhor aluna que Hogwarts tem em anos. Melhor até do que eu fui! – Tonks exclamou animada.


 


- Não exagere, Tonks! – Hermione estava encabulada com o elogio. Mas, gostou do mesmo jeito.


 


Pouco tempo depois estavam jantando quando a conversa foi interrompida por uma coruja.


 


- Não acredito que Harry mandou uma coruja, apesar dos avisos! – brigou Tonks com o grifinório que não estava ali. Assim que a coruja pousou na mesa, Hermione tentou pegar o pergaminho, mas a ave dirigiu-se para a metamorfomaga que pegou o bilhete. – É de Draco. Ele precisa de roupas novas. Não acredito que mandou isso!


 


- Ele deve estar odiando usar as roupas de Ron! – Hermione riu da situação.


 


- Quem é esse tal de Draco? Nunca falou dele! – bradou Morgan – Draco? E lá isso é nome de gente?


 


- Ele estuda em Hogwarts, mas é de outra casa. Nunca fomos muito próximos. Só que agora ele irá lutar do nosso lado. – explicou rapidamente Hermione. O olhar do pai continuou sobre si e ela mirou o prato encabulada. Nunca havia contado o preconceito que sofria por parte de ninguém.


 


- Sei... Essa história está pela metade, mocinha... – ele respondeu ainda encarando a filha. Tonks começou a rir muito, seu cabelo mudando de cor. Os Granger olharam para a bruxa não entendendo nada daquele comportamento. Hermione foi mais rápida e disse:


 


- Dessa vez não é brincadeira, Tonks. E vocês – falou apontando para os pais -não precisam espantar-se com o cabelo dela... É uma metamorfomaga.


 


- Uma o quê? – perguntaram os dois juntos. Dessa vez, Tonks respondeu:


 


- Meta-morfo-maga. Estou aqui para ensinar isso para a filha de vocês. Eu já nasci com esse poder, mas ela precisará aprender. Soube também que tornou-se animaga. Em qual animal? – respondeu Tonks deixando seu cabelo roxo.


 


- Animaga? Que coisa é essa?- perguntou o pai não gostando muito do rumo da conversa. Agora que a partida de Hermione para a guerra era iminente, estava tornando-se reticente quanto à participação de sua filha.


 


A morena respirou fundo e começou sua explicação.


 


****************************************************************


 


Draco estava dormindo tranquilo. Sem roupa. Não queria vestir mais roupas do Weasley. Porém, até ter roupas novas não havia muita escolha. A porta abriu e ele acordou com um grito:


 


- ACORDA, MALFOY!


 


- Puta merda! Que susto, Potter! – e viu algo sendo jogado ao pé da cama – Desça agora. Hora do café. – Draco olhou a janela. Apesar de fechada era possível ver alguns raios quando o dia amanhecia. Não aquele dia.


 


- Ainda está escuro, Potter! É algum tipo de piada? Se for, esqueci de rir. – e voltou a se deitar.


 


- Ordens da Ordem – e sorriu irônico – A não ser que queira ser enfeitiçado que nem ontem...


 


- A Granger já ensinou a vocês? Merda... Já estou descendo... – Harry fechou a porta, rindo. Não, Hermione não havia ensinado.


 


Draco vestiu-se rapidamente. Uma calça de moletom amarela com uma blusa vermelha. Muito espertinho, Potter... 


 


Ele desceu e percebeu que não foi o único a não gostar da ideia de acordar mais cedo. Jorge, Fred, Percy, Carlinhos, Gui, Harry e Ron estavam à mesa. Gina estava entre eles. Apesar dela não ter sido liberada para sair da Escola, achavam importante investir no treinamento dela visto a habilidade em um combate quando estavam no Ministério. Ron dormia entre as mastigadas e era acordado por Harry com cotoveladas amigáveis.


 


- Bom dia a todos! – disse Quim. Parecia que estava acostumado a acordar antes das galinhas. – Vocês têm cinco minutos para terminar o café e encontrar-me na sala.


 


Todos assentiram calados. Ao chegarem não puderam esconder uma exclamação. A sala estava maior do que normalmente. Lembrava muito a Sala Precisa na época das reuniões da AD. Havia muitas almofadas, além de equipamentos desconhecido pelos Weasley e por Malfoy.


 


- O que são estes equipamentos? – ele perguntou apontando para os estranhos objetos.


 


- São para treinamento. São trouxas, mas muito eficazes. – respondeu Quim – Vocês não apenas aperfeiçoarão seus feitiços. Sentem-se que explicarei melhor quando todos chegarem.


 


- Todos quem? – perguntou Harry de mãos dadas com Gina. Mas a sua pergunta foi respondida por um grupo de jovens que entrava na sala: Dino Thomas, Simas Finnigan, Luna Lovegood, Neville Longbotton, Cátia Bell, Lilá Brown, Lino Jordan e Córmaco McLaggen.


 


Harry e Ron foram abraçar os amigos. Lino e Cátia foram saudados com alegria por Jorge e Fred. Lilá e Córmaco ficaram um pouco isolados da comemoração. Após as efusivas boas-vindas, os recém-chegados deram pela presença de Malfoy e não entenderam absolutamente nada. Eles não sabiam dos eventos em que este esteve envolvido, mas mesmo assim estranharam a presença de um sonserino. Para eles, o único culpado pela morte de Dumbledore era Snape. O chefe da citada casa.


 


Eles sentaram-se no chão formando uma grande roda. Quim iniciou o discurso:


 


- Todos estão aqui com o objetivo de vencer as forças inimigas. Não há tempo e nem espaço para desconfiança. Se vocês foram convidados para estarem aqui é por que merecem. Como eu estava dizendo antes da chegada de todos, estes equipamentos que rodeiam a casa serão usados para treinamento. Precisam ter agilidade e força e não somente usar feitiços. Eu treinarei com vocês essa parte durante duas semanas. Dez horas por dia. Tudo o que farão aqui, deverá ser seguido por vocês durante o resto do treinamento. De manhã e de noite.


 


- Ficaremos no mesmo nível de Hermione? – perguntou Ron. Draco murmurou algo inaudível. Alguns murmúrios preenchiam a sala.


 


- Impossível chegar ao mesmo nível que ela. Hermione treina há praticamente três anos. – respondeu Quim. – Depois passarão a treinar DCAT com Lupin por mais duas semanas.


 


- Quantas horas? – perguntou Lilá.


 


- Todos os estágios compreendem dez horas de treinamento.


 


- E mesmo assim não chegaremos ao nível da Hermione? Mesmo não sabendo o que isso significa... – perguntou timidamente Neville.


 


- Talvez alguns... Acho pouco provável. Continuando e espero que sem mais interrupções. Minerva dará duas semanas de Transfiguração Avançada. Todos que pertencem à Ordem terão aulas extras ao retornarem às aulas. Nas últimas duas semanas terão aula de defesa pessoal com Joseph Connery. Sei que não o conhecem. Ele veio da Escócia especialmente para treiná-los.


 


- Só falta a sabe-tudo já ter tido essas aulas... – falou Malfoy. Além dele, ninguém mais se pronunciou. Apenas olharam para Quim esperando uma resposta. Que não veio.


 


O treino era mais puxado que pensavam. Começou às oito da manhã. Quando o relógio deu uma hora da tarde, todos foram almoçar com ordens de retornar uma hora depois.


 


No final do treino ouvia-se apenas lamúrias de dor. Alguns andavam encurvados. Outros rastejavam.


 


Draco estava cansado dos olhares de esguelha. Das conversas interrompidas quando chegava. E isso porque estavam no primeiro dia. Apesar do tamanho da casa, os quartos deveriam ser compartilhados para “aumentar o trabalho em equipe e o espírito de união”. Para seu azar, foi sorteado que dormiria com Weasley e com Córmaco. Ótimo! Dois grifinórios! Era só o que me faltava mesmo!


 


Assim que soube foi para sala de treinamento. Após o término às 18h30 não havia ninguém naquele ambiente. Habituou-se a ficar ali após o jantar. Exercitava-se mais. Lia. Exercitava-se. E lia. Por volta das 22h30, comia algumas frutas e voltava para o quarto. Seus “colegas” já estavam dormindo.


 


A maioria deles começou a acordar perto das sete horas, Draco acordava às cinco. Quando todos começavam a tomar café, ele já aguardava na sala, lendo.


 


****************************************************************


 


Hermione acordou cedo no dia seguinte. Costume que aprendeu na época do seu treinamento. Cinco horas o despertador tocou e ela acordou.


 


Começou a preparar o café. Maneira trouxa. Poucos minutos depois, Tonks descia também.


 


- Bom dia, Hermione. Depois precisa contar-me essa história de treinamento direito. Com quem teve aula de animagia? – perguntou Tons que usava um cabelo azul claro.


 


- Sirius... – respondeu Hermione. Ela preparava tudo já pensando em seus pais que logo levantariam. – Ele ajudou-me muito. Tive dificuldades... Ainda mais com a forma que assumi... Nunca imaginei que seria u... Bom dia, mamãe! – cumprimentou animadamente Hermione. – Está quase tudo pronto!


 


- Bom dia! Essa mania de acordar cedo não muda! Obrigada pelo café, minha fillha. Bom dia, Tonks...


 


- Bom dia... E Morgan?


 


- Está terminando o banho. – respondeu Jane, sentando-se à mesa.


 


- Mione, precisamos ver esse lance das roupas do Draco... Não acho seguro irmos até o Beco Diagonal ou Hogsmead. – comentou Tonks enquanto comia.


 


- Tenho um lugar muito melhor! – exclamou Hermione animada – Estou mesmo precisando de roupas novas...


 


- Vai ao shopping, querida? – perguntou a mãe enquanto bebericava seu chá verde.


 


- Endoideceu, mãe? Muito caro... Vamos à Saint Paul ¹!


 


- Que lugar é esse? – perguntou Tonks intrigada.


 


- Quando chegarmos lá, verá. Mas ainda é muito cedo. Abre somente às nove. – acrescentou a morena – Bom dia, pai! O café está pronto – disse levantando-se – Eu já acabei – deu um beijo na bochecha dele – e farei meus exercícios matinais. Acompanha-me, Tonks?


 


- Sim, só temos um problema... Não tenho dinheiro trouxa, Mione – falou Tonks na sala.


 


- Não tem problema. Eu compro. Só não diga para ele... Conhece o seu primo...


 


- Sim, eu conheço. Vamos correr... – E após um longo alongamento. Saíram.


 


****************************************************************


 


No mesmo dia, mais tarde, Tonks apareceu na mansão Black e entregou as roupas para Malfoy.


 


- Acho que são a sua cara... – ela disse entregando várias sacolas.


 


- Finalmente usarei algo decente! – ele olhou desconfiado para prima após dar uma olhada dentro dos pacotes – Como conseguiu comprar essas roupas? Não parecem compradas em lojas bruxas...


 


- E não foram! Troquei meu dinheiro por dinheiro trouxa e Hermione levou-me nas melhores lojas... - mentiu.


 


- Certo. Obrigado – e virou-se falando num tom baixo, mas ainda audível para Tonks – Como se a sangue-ruim fosse preocupar-se em comprar algo para mim...


 


****************************************************************


 


O mês passou rapidamente. Todos estavam cada vez melhor fisicamente. Rony sentia muita falta de Hermione. Lilá insinuou-se algumas vezes, mas logo desistiu. A mudança em Draco era a mais notável. Ele cresceu vários centímetros. O seu corpo mudou muito. Não era mais aquele loiro magricela. Ganhara músculos. A sua presença era notada pelas garotas, menos Luna. Porém, ele nunca ficava a sós com nenhuma delas. Achava-as umas cabeças-de-vento. Não entendia como podiam estar na Ordem, exceto por Luna. Ela parecia a mais avoada, só que era a melhor entre as garotas.


 


Um dia houve motivos de alegria para todos na Ordem. Especialmente Rony. Fleur chegou gritando com todos. Achava um absurdo ela não poder comemorar seu casamento como havia imaginado. E organizado. Tudo já estava pronto. O treino até parou para assistir o show da francesa.


 


Após acertos aqui e ali, chegaram ao consenso de comemorar o casamento na Toca no dia anterior ao da partida dos estudantes para Hogwarts. Ficaria mais fácil se todos estivessem lá. Uma comitiva cuidaria do transporte deles. Draco iria mais cedo com Tonks para sua segurança. Ela mudaria sua aparência para não haver problemas. Após saber da notícia, todos quase ficaram surdos com os berros de felicidade dados por Rony.


 


Os únicos que não curtiram essa alegria foram Lilá, Córmaco e Draco. Os primeiros por acharem que ainda poderiam ter alguma chance com Rony e Hermione, respectivamente. E Draco, por estar indiferente a tudo.


 


****************************************************************


 


Tonks costumava ir frequentemente, via pó de flu, até o esconderijo da Ordem. A coitada virou a coruja entre Hermione e Rony.


 


Os treinos da morena eram puxados, mas antes do que a metamorfomaga pensava, sua estudante conseguiu grandes avanços. Hermione não deixava de treinar e exercitava-se todos os dias. Tonks era uma boa pessoa para treinar Defesa Pessoal. Ela também havia tido aulas com Connery.


 


O último mês de treinamento parecia arrastar-se. Hermione estava louca de vontade de ir embora e encontrar seus amigos. Ficou com ciúmes por saber que Lilá estava por lá, mas sabia que Rony estava rejeitando a loira. Os pais dela foram convidados, mas não poderiam comparecer. Tinham outro compromisso. Combinaram de aparecer na plataforma para despedirem-se.


 


****************************************************************


 


O casamento aconteceria no final da tarde. Ao pôr-do-sol. Hermione e Tonks foram mais cedo para ajudar na arrumação, não só da festa. A garota não achou boa ideia viajar já pronta por uma lareira.


 


Assim que deu o horário combinado, entraram na lareira. Tonks antes.


 


Todos estavam fazendo alguma coisa, exceto Rony que aguardava a chegada de uma determinada pessoa. Draco havia decidido não ajudar em nada. Era uma questão de ser Malfoy.


 


Draco estava lendo. Achava patético o ruivo ficar andando de lá para cá. Parecia um idiota. Irritou-se e saiu em direção ao banheiro. Tomou um banho, vestiu-se e escondeu-se do lado de fora com um livro de Transfiguração Avançada nas mãos. Pouco depois, Tonks chegou.


 


- E Hermione??? – perguntou afoito.


 


- Oi, Ron! Comigo está tudo bem! Obrigada por perguntar, querido. Está chegando. – e saiu brava como poucas vezes ficava.


 


Mal ela foi embora Hermione chegou. Saiu da lareira puxada por Ron que a beijou. Ela correspondeu ao beijo. Como gostava daquele beijo! Após alguns segundos afastaram-se.


 


- Como eu senti sua falta, Mione!


 


- Eu também, Ron! – e eles abraçaram-se. – Você cresceu mais ainda! Como isso é possível?


 


- Cresci! – ele disse orgulhoso no alto dos seus 1,85 – Mas, não viu Malfoy. O cara parece uma lagartixa gigante! Está da minha altura.


 


- Sério? Ele era bem mais baixo que você...


 


- Pois é,... Esse treinamento é terrível! – Ron a beijou mais uma vez – Venha, tem muita gente com saudades de você.


 


Hermione nunca ouviu tantos gritos na vida. Várias garotas começaram a abraçá-la. Pessoas que nem considerava tão próximas, explicando que fizeram parte do treinamento. Por fim, Harry. Com seu jeito tímido e calado.


 


- Olá, Mione.


 


- Oi, Harry... Até você cresceu mais ainda! Está ótimo! – ela disse abraçando o amigo.


 


- Você que está. Todos sentiram sua falta. Principalmente um ruivo. Ele estava deixando todos loucos por aqui. – falou enquanto abraçava a amiga. – Agora a loucura está por conta da senhora Weasley.


 


Assim que avistou a matriarca entendeu o que Harry dissera. Demorou alguns minutos até ser reconhecida por Molly.


 


- Oh, minha querida! Acabou de chegar? – disse abraçando a morena – Tudo está uma loucura. Desculpe-me!


 


- Acabei de chegar sim. – mentiu. Se falasse que estava ali há pelo menos quinze minutos deixaria Molly preocupada - Precisando de qualquer coisa é só procurar por mim.


 


- Obrigada, minha filha.


 


Hermione ajudava na organização das mesas quando ouviu uma voz que conhecia de algum lugar, mas não se lembrava da onde.


 


- Ainda não nos cumprimentamos, Mione. – ela virou-se.


 


- Córmaco! Não sabia que estava aqui... – disse encabulada.


 


- Pois é... Como tenho intenção de ser auror, indicaram que eu fizesse o treinamento – e cumprimentou a morena com um beijo na bochecha, mas muito perto da boca. Ela afastou-se envergonhada. Não teve tempo de dizer nada, Rony chegou como um furacão vermelho.


 


- Achei que já soubesse, McLaggen, que eu e Hermione estamos juntos... Isso não foi e não é nenhum segredo... – falou o ruivo.


 


- Eu sei, mas assim como todos estava apenas cumprimentando uma amiga. Até mais, Mione. – virou-se e foi embora.


 


Rony ia falar mais alguma coisa, porém foi impedido por Hermione.


 


- Por que fez isso, Ron?


 


- Eu vi muito bem o beijo que ele deu...


 


- Eu sei. Ia falar com ele quando você chegou desse jeito. Precisa confiar em mim. – falava a morena calmamente enquanto passava a mão no rosto de Ron que aos poucos se acalmava.


 


- Confio em você... Mas, não nele... Desculpe. – e deixou a cabeça cair – Sou um completo idiota.


 


- Não é, não. Deixa de bobeira... Só precisamos confiar muito na gente. Sabe-se lá se teremos tempo para ficarmos juntos...


 


- O que quer dizer com isso?


 


Mas a pergunta não foi respondida. Gina chegou correndo e disse rapidamente:


 


- Todos precisam começar a se arrumar! A fila está grande e os poucos banheiros, concorridos.


 


O casal despediu-se e Hermione saiu, sendo puxada pela mão por uma ruiva descabelada. Ron ficou parado olhando. Depois sacudiu a cabeça e seguiu o caminho contrário com um sorriso nos lábios.


 


****************************************************************


 


Draco terminou de ler o livro e achou que era hora de juntar-se ao povo. Fez um feitiço para limpar e desamassar suas roupas. Ajeitou o cabelo que agora descia um pouco abaixo dos ombros. Não os usava mais para trás com gel. Ajeitou a gravata e foi para o fundo da casa. Sentou-se à mesa mais longe do altar. Queria que isso acabasse logo. A única vantagem era poder beber um pouco. Fazia semanas que não bebia e estava sentindo falta do álcool descendo por sua garganta.


 


Aos poucos as mesas foram sendo ocupadas por ruivos e mais ruivos. Draco chegou à conclusão que havia mais ruivos naquela família do que formigas no mundo. No meio da multidão olhou para o lado da casa. Seu corpo foi um pouco mais trás, equilibrando a cadeira nos dois pés. Mesmo assim, sem ter a visão completa da figura que queria, levantou-se. Novamente não tinha palavras para xingar a Granger. Os cabelos estavam bem diferentes do que ele se lembrava. Estavam mais lisos na raiz e desciam cacheados. Conforme ela mexia-se se viam mechas loiras bem discretas. Usava um vestido marrom. Que decote, é esse? Por Merlin... Apesar de longo, o vestido marcava todas as curvas que ela possuía.


 


Hermione cumprimentava alguns parentes dos Weasleys quando se sentiu sendo olhada. Procurou e encontrou Malfoy. Ela sorriu. O loiro usava a roupa que ela havia comprado pensando naquele dia. Paletó, calça, camisa e sapatos pretos. A gravata era a única vestimenta com outra cor. Era de um azul-petróleo com pequenas linhas cinza na diagonal. Draco sustentou o olhar dela, mas logo se sentou. O ruivo acabara de chegar.


 


- V-você... - gaguejou Ron – Nem... C-consigo fal-lar... Está maravilhosa... – Hermione corou frente ao elogio. Mesmo de salto ainda era bem mais baixa que ele. E após a breve observação de Malfoy, precisou discordar de uma coisa que Rony havia dito. De forma alguma o sonserino parecia uma lagartixa. Sem dúvida ele teve que usar feitiços para aumentar o tamanho das roupas. Os ombros estavam largos demais para caber no paletó que ela havia comprado.


 


O casal passou e seguiu para a primeira mesa. Ao ver a parte de trás do vestido, aberta até a altura da cintura, e o rebolado da grifinória, Draco puxou a gola da camisa. De repente estava sentindo-se sufocado. E com calor, muito calor.


 


A cerimônia foi rápida, para a alegria do loiro que logo começou a beber. Viu a pista encher-se e como Rony estava exagerando na bebida. Ao longe via a morena tentar tirar o copo dele, mas era realmente em vão. Algumas horas depois, foi levado por Harry e um dos gêmeos que ele não soube identificar.  Boa hora para encher a Granger...  


 


Hermione estava extremamente irritada com o ruivo. Sentou-se à primeira mesa que encontrou. Serviu-se com um copo de uísque de fogo e ao dar o primeiro gole fez um careta.


 


- Isso não é para principiantes, Granger. – Draco falou sentando ao lado dela. – Vi que seu namoradinho não aguentou a brincadeira.


 


- Pois é. Gostou da roupa? – ela perguntou mudando de assunto.


 


- Sim, apesar de ter ficado pequena... – deu mais um gole da bebida e olhou de lado para ela. Dava para ver o contorno dos seios.


 


- Não imaginei, quer dizer, Tonks não imaginou que cresceria tanto em dois meses... A gravata combinou com você. Não sei porque... Ouvi que é o que mais tem se dedicado. De alguma forma fiquei feliz ao saber disso. Ao saber que está se adaptando com as pessoas que até pouco tempo eram suas inimigas mortais – a morena disse – Olhando o quê, Malfoy? – perguntou quando flagrou o loiro olhando para seu decote. Ele nem corou e emendou:


 


- Tem treinado transfiguração e metamorfomagia?  - ele encarou os olhos dela. Nenhum dos dois podia definir a cor dos olhos do outro. Já havia escurecido.


 


 


- Sim, por que pergunta?


 


- Deve estar se saindo muito bem...


 


- Não sei onde está querendo chegar... – disse Hermione já perdendo sua paciência, mas mantendo a calma. Ele precisa de um amigo. Acalme-se...


 


- Para você ter ficado assim... Apresentável... Até beijável eu diria, é claro depois de umas boas doses de uísque de fogo... – ele riu do próprio comentário esperando um xingamento ou uma azaração. Então olhou para garota à sua frente e deu-se conta do que havia falado. Antes que pudesse corrigir. Ela levantou rapidamente, derrubando a cadeira.


 


Draco correu atrás dela e a puxou pelo braço. Ela tinha lágrimas nos olhos.


 


- Pronto, Malfoy. Sua noite está ganha agora que me viu chorando... Dá licença. – e com uma força que ele não imaginava naqueles delicados braços, ela soltou-se da mão dele.


 


Draco foi em direção ao fundo da casa, chutando tudo que encontrava pelo caminho. É um idiota mesmo, Draco Malfoy. Desfez o nó da gravata e abriu os primeiros botões. Deitou-se na grama e olhou para o céu estrelado.


 


Hermione entrou chorando na casa. Harry e Gina estavam no sofá e olharam espantados para a amiga.


 


- Vou lá falar com ela – disse Gina, mas Harry impediu.


 


- Não, deixa que eu vou. Deve estar chateada com seu irmão. – despediu-se com um selinho e foi em direção à cozinha. Chegando lá, encontrou Hermione sentada num canto abraçada aos joelhos. Harry sentou-se ao lado dela que deixou a cabeça cair no ombro do amigo.


 


- Às vezes eu me odeio. – e começou a contar a história para o amigo.


 


Harry ficou irritado. Muito irritado. Combinaram não contar nada ao Rony.


 


Draco foi acordado por Tonks, viu que todos dormiam. Ele havia voltado para casa muito tempo depois. Ela disse baixo:


 


- Priminho, você vai antes. Venha. – Draco levantou, mas enrolou o que pôde para tomar café, na esperança de encontrar Hermione. Ela não apareceu.


 


Quando Rony desceu para seu café, encontrou uma Hermione emburrada. Logo foi desculpar-se pelo ocorrido. Internamente, ela culpava o ruivo. Se estivesse com ela não teria ouvido as coisas que ouviu de Malfoy.


 


Após muitos pedidos de desculpas, Hermione cedeu. Não estava a fim de começar mais uma briga com ele após terem se acertado.


 


Embarcaram sem maiores problemas no trem. Agradecendo a Merlin, ela não havia encontrado o sonserino. Estava na cabine com seus amigos de sempre. Eles conversam, riam e comiam chocolates, quando Harry levantou-se dizendo que precisava usar o banheiro.


 


O grifinório de olhos verdes saiu feito um louco percorrendo os corredores do trem, olhava em todas as cabines à procura de Malfoy. Até que o achou com a corja de sempre.


 


- Preciso falar com você, Malfoy. – ele disse ignorando os outros ocupantes. O loiro sabia interpretar muito bem seu papel.


 


- E quem disse que tem esse privilégio, Testa Rachada? – todos riram, mas Malfoy havia lido algo nos olhos verdes.


 


- Recado da diretoria. Problema seu se não quer saber – e saiu fechando a porta.


 


Draco percebeu que era algo relacionado à Ordem - Esperem aqui... Já começou a encheção... – Todos riram do comentário, Draco saiu e pouco mais para frente encontrou o Potter.


 


- Fala, Cicatriz – inesperadamente, sentiu-se empurrado contra a parede. Harry segurava seu colarinho – Que porra é essa?


 


- Seguinte, Malfoy. Eu estou sabendo o que falou para Hermione. – na hora que ouviu estas palavras parou de tentar soltar-se – Rony não sabe e nem mais ninguém. Só que seu eu encontrar a minha amiga chorando por sua causa, mais uma única vez... Pode ter certeza que eu mesmo acabarei com sua vida.


 


Draco percebeu que ele falava sério. Nada respondeu. Nenhuma brincadeira, nenhuma piada. Ajeitou suas vestes e voltou para sua cabine. Pouco depois foi chamado por um garoto que nunca havia visto, dizendo para dirigir-se imediatamente à cabine dos monitores.


 


Chegando lá encontrou todos. Viu Hermione de mãos dadas com Rony. Sentou-se e ouviu o que a professora Minerva tinha a dizer.


 


- Bom, esse é um ano de guerra. A nossa prioridade é a amizade entre casas. A ajuda mútua. Saberão maiores detalhes mais tarde. Esse ano não teremos monitores-chefe. Juntos, precisarão discutir e decidir tudo aquilo que cabe a essa função. Precisam fazer a ronda no trem. As duplas já estão sorteadas. E assim começou a citar. Hermione agradeceu por não ter caído com Malfoy, mas seu par era um sonserino, também do sétimo ano, Adolf Mayer. (N.A.: personagem inventado para sair um pouco de Pansy/Zabini).


 


Já Draco xingou a má sorte. Precisava ficar a sós com Hermione.


 


A viagem percorreu normalmente. Como previsto, Minerva assumiu o cargo de diretora e os novos professores foram apresentados.


 


- Teremos também uma mudança. Visando a integração de todos os estudantes entre as diferentes casas, eu e o corpo docente, mudamos algumas coisas esse ano. Vocês não serão divididos por suas casas... – mas foi interrompida por um burburinho altíssimo - SILÊNCIO! Como eu ia dizendo... Vocês não serão divididos por suas casas... Durante as aulas. Formamos outros grupos, os pergaminhos estarão afixados no mural de cada salão comunal. Esse continua o mesmo para a casa a qual pertencem. Nenhum tipo de reclamação ou justificava servirá para que sejam trocados de grupo. Os pontos continuarão valendo, mas agora as ampulhetas são dos quatro grupos formados – todos olharam as ampulhetas que eram divididas com nomes de quatro bruxos famosos: Dumbledore, Flamel, Black e Longbottom - uma clara homenagem aos pais de Neville – que se emocionou.


 


Após o jantar todos foram para os respectivos salões comunais. Mais uma vez, Draco não teve oportunidade de conversar com Hermione.


 


No dia seguinte, Hermione acordou e a primeira coisa que fez foi olhar a lista das novas quatro casas de Hogwarts.


 


****************************************************************


 


 


1 – Vulga Zé Paulino, para quem não mora em SP e não conhece é um lugar q vende roupa muitoooo mais em conta.


 


2 – Apesar de citar os monitoramentos, eles não serão prioridades da fic.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.