FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

4. Capitulo 3 - Agindo


Fic: Apocalipse - O Anjo Negro


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capitulo 3 - Agindo


 


 


Harry continuou parado no mesmo lugar por vários momentos apenas esperando, percebeu alguns alunos se levantando e se dirigindo para os dormitórios também, afinal já estava ficando tarde e no dia seguinte todos precisariam acordar cedo por causa das aulas.


 


O moreno levantou-se calmamente e dirigiu-se até próximo de onde ficava o buraco do retrato e recostou-se a parede fechando os olhos em seguida, Harry concentrou sua magia no ambiente ao seu redor e descobriu que Gina estava se deitando naquele exato momento, então Harry abriu os olhos e caminhou em direção as escadas subindo-as em seguida e se dirigindo para a porta do dormitório masculino.


 


O moreno abriu a porta e adentrou o quarto que ele dividia com os colegas e em seguida foi até sua cama pegando sua mochila e colocando-a em seu ombro no momento seguinte, logo depois Harry saiu do dormitório e desceu novamente para o salão comunal ainda concentrado em todas as pessoas na torre da grifinória, por isso sabia que Gina acabara de sair de seu dormitório e estava descendo naquele momento.


 


A presença de Harry no salão comunal da grifinória foi novamente sentida pelos alunos que ainda estavam no salão comunal e se viraram imediatamente para observar o moreno andando em direção a entrada com a mochila nas costas.


 


- Harry, onde você vai? – perguntou Hermione se aproximando do moreno e segurando-o pelo braço esquerdo.


 


- Vou dar uma volta. – disse Harry simplesmente enquanto se virava para a amiga olhando para a garota de maneira intensa, naquele momento Harry sentiu a presença da ruiva exatamente ao seu lado para em seguida ela encostar a mão pequena em suas costas como se estivesse lhe avisando que ela já estava pronta.


 


- Porque está levando sua mochila? – Hermione perguntou estranhando o comportamento do amigo naquele momento.


 


- Vou aproveitar e fazer alguns deveres. – disse Harry livrando-se da mão de Hermione e virando-se para logo em seguida sair pelo buraco do retrato.


 


Harry caminhou pelo corredor em completo silêncio enquanto continuava sentindo a ruiva a seu lado, o moreno estava concentrado para ver se alguém os estava seguindo, mas não conseguia perceber a presença de ninguém, por isso retirou discretamente o mapa do maroto de sua mochila, em seguida o moreno encostou-se a parede e tocou levemente o pergaminho com sua varinha enquanto murmurava a senha.


 


Gina colocou-se ao lado do moreno para poder observar o mapa também e ela ficou surpresa com o que viu, afinal jamais imaginara que Harry pudesse possuir um mapa que mostrava todo o castelo de Hogwarts.


 


Harry olhava atentamente para todos os cantos do castelo buscando descobrir a localização de cada pessoa, o moreno sorriu zombeteiramente ao descobrir que os professores pareciam estar em uma reunião com o diretor, aquele fato iria facilitar em muito o que o moreno precisava fazer naquele momento.


 


- Pode tirar a capa, Gina. – Harry sussurrou enquanto observava o mapa em sua mão, ninguém havia saído do salão comunal da grifinória atrás dele.


 


- Isso é um mapa de Hogwarts. – disse Gina assim que retirou a capa de invisibilidade, o rosto da garota revelava uma expressão encantada e surpresa.


 


- O Mapa do Maroto. – concordou Harry mostrando o pergaminho aberto para a ruiva, o moreno viu as perguntas no rosto da garota e por isso decidiu falar antes que ela verbalizasse suas duvidas. – Vou responder sobre isso quando estivermos em outro lugar Gina, mas agora nós precisamos nos apressar ou seremos pegos.


 


- Tudo bem. – concordou Gina com a voz resignada, mas deixando claro pelo olhar que ela não se esqueceria da promessa que o moreno fizera.


 


Harry apenas sorriu levemente para a ruiva antes de pegar a mão dela com a sua e começar a caminhar, aquele pequeno gesto foi o suficiente para fazer com que Gina ficasse mais vermelha que o próprio cabelo, mas deixou a garota bastante feliz.


 


- Aonde vamos? – perguntou Gina curiosa quando percebeu que estavam descendo em direção as masmorras.


 


- Pra sala do Snape. – respondeu Harry em tom calmo e continuou antes que a ruiva reclamasse, pois percebeu o choque e a surpresa dela. – Não precisa falar nada ruiva, apenas observe que depois eu lhe explico tudo.


 


A ruiva decidiu acatar o que o moreno pedira e apenas continuou o seguindo em silêncio, as mãos de ambos firmemente presas uma a outra.


 


Harry parou no momento em que chegou em frente a porta da sala de Snape, em seguida sacou sua varinha e com um rápido movimento a porta se escancarou deixando o caminho livre para Harry e Gina adentrarem o local.


 


Assim que entrou dentro daquela sala úmida e escura Harry encaminhou-se diretamente para a porta no canto da sala, onde o moreno sabia que ficava o estoque de poções prontas e ingredientes do Professor Snape.


 


Gina o acompanhava em completo silêncio, mas não pode deixar de murmurar assombrada com a quantidade de poções e frascos que havia no local, pois mesmo sabendo que aquele lugar existia, o professor só permitia a entrada dos alunos preferidos dele, o que queria dizer sonserinos, por isso a ruiva nunca estivera no interior daquela sala antes.


 


Harry soltou a mão da ruiva e apenas naquele momento o moreno deu-se conta da intimidade com que ele havia tomado com a garota, mas ele não parou para pensar naquele fato e encaminhou-se rapidamente até a estante passando a procurar os ingredientes que precisaria enquanto utilizava sua varinha para iluminar a sala.


 


Não demorou muito para o moreno conseguir encontrar os ingredientes necessários para fazer a poção que ele havia desenvolvido para a proteção mental, por isso depois de colocar todos os frascos com ingredientes em sua mochila o moreno voltou a sair da sala de Snape utilizando um feitiço para deixar o lugar trancado da mesma maneira que o professor havia deixado antes de sair para ir a reunião na sala do diretor.


 


- Vamos. – disse Harry pegando novamente na mão da ruiva enquanto com a outra abria novamente o mapa do maroto, o que foi sua sorte, pois ele pode observar os variados pontos que estavam se encaminhando em varias direções diferentes, eram os professores dirigindo-se a seus aposentos. – Por aqui.


 


Harry guiou a ruiva em direção a uma passagem secreta que ia direto das masmorras para as escadarias que davam acesso ao primeiro andar, os dois atravessaram a passagem no exato instante em que Snape virou o corredor e se aproximou de sua sala.


 


Utilizando vários corredores e passagens secretas, Harry e Gina conseguiram chegar no corredor do sétimo andar em pouco mais de cinco minutos.


 


O moreno adiantou-se e então passou três vezes em frente a parede enquanto pensava em um lugar onde ele pudesse preparar uma poção, mas que ao mesmo tempo fosse o suficientemente aconchegante para uma conversa.


 


Uma porta amarela apareceu na parede surpreendendo a ruiva que deu um passo para trás enquanto arregalava os olhos surpresa, o moreno adiantou-se novamente e girou a maçaneta abrindo a porta e indicando em seguida para que Gina entrasse, essa assim o fez embora tenha entrado de maneira hesitante.


 


A ruiva olhava encantada para o interior do aposento quando Harry entrou e fechou a porta a suas costas desejando que ninguém pudesse localizá-los ou ouvir qualquer coisa do que eles fossem dizer ali dentro.


 


Quando fechou a porta Harry reparou melhor no lugar em que a sala precisa preparou para eles, havia uma lareira duas vezes maior que a do salão comunal da grifinória e o fogo estava acesso e a pleno vapor, algumas poltronas estavam rodeando a lareira e em frente havia um sofá onde caberiam facilmente três pessoas.


 


No outro lado do aposento havia algumas mesas e caldeirões, bem como algumas prateleiras repletas de livros que o moreno percebeu serem de poções, havia um fogareiro aceso e pronto para uso naquele momento, então Harry aproximou-se do local e colocou um caldeirão enquanto mudava a intensidade do fogo de alta para lenta.


 


Em silêncio Harry retirou os ingredientes que havia roubado da sala de poções e começou a colocá-los de maneira ordenada no caldeirão, retirando uma adaga de prata especial para o preparo de poções de sua mochila o moreno passou a picar lentamente a vagem soporífera para logo em seguida colocar os pequenos pedaços dentro do caldeirão.


 


- O que você está fazendo? – perguntou Gina depois que observara cada canto daquela sala, gostara bastante do ambiente e da intimidade que ela proporcionava.


 


- Estou preparando uma poção que vai ajudar a proteger sua mente. – disse Harry em tom simples enquanto olhava de esguelha para a ruiva.


 


- Proteger minha mente de que? – perguntou a ruiva um pouco curiosa com o que o moreno havia falado.


 


- Já ouviu falar de legilimência e oclumência? – perguntou Harry em vez de responder diretamente ao questionamento da ruiva.


 


- Não. – disse Gina depois de pensar por alguns segundos, a garota nem mesmo se lembrava de algum dia ter ouvido aqueles termos.


 


- Legilimência é a habilidade de se retirar a memória ou os sentimentos da mente de uma certa pessoa, enquanto que a Oclumência é a mágica de defesa da mente contra a penetração externa, são magias obscuras, mas bastante úteis. – explicou Harry calmamente sem parar de mexer a poção que estava fervendo no caldeirão, aquela poção ficava pronta em menos de meia hora, mas o moreno sabia que não poderia descuidar dela nem por um segundo ou então todo o esforço de antes estaria perdido e a poção estaria arruinada.


 


- Você está falando de leitura de mentes? – perguntou Gina rapidamente enquanto os olhos se arregalavam.


 


- Sabe, a primeira aula que eu recebi de oclumência fiz essa mesma pergunta que você para o meu professor e ele me disse que eu não tinha nenhuma sutileza, ele disse que eu não conseguia compreender as distinções mais sutis, que esse era o principal motivo de eu ser um péssimo preparador de poções. – comentou Harry em tom vago enquanto se lembrava nitidamente do dia em que estivera na sala de Snape para sua primeira aula de oclumência, em seguida sorriu para a ruiva. – Como ele me disse, apenas trouxas dizem “leitura da mente”, pois nossa mente não nenhum livro que pode ser aberto e lido de acordo com a vontade de alguém como se estivesse passando o tempo. Nossa mente é extremamente complexa e repleta de camadas em cima de camadas, nossos pensamentos não estão marcados no interior de nosso crânio para que possam ser lidos por algum invasor. Mas aqueles que dominam a arte da legilimência podem, sob certas circunstâncias, invadir a mente de suas vitimas e interpretar o que encontram de maneira correta.


 


Harry fez uma pausa para poder adicionar mais um ingrediente dentro do caldeirão e também para que a ruiva tivesse algum tempo para absorver o que ele havia acabado de dizer, afinal não era muito fácil de se compreender e aceitar aquilo.


 


- Muitos bruxos tem conhecimento sobre a arte da legilimência e pensam que a dominam, de certa forma eles realmente o fazem. – explicou Harry olhando para os olhos da ruiva que havia se aproximado de onde ele estava preparando a poção. – Mas existe um pequeno grupo de bruxos que conseguem dominar a legilimência a tal ponto que conseguem ver a mente da pessoa como se fosse realmente um livro, bruxos poderosos que podem ver cada segundo de sua vida se eles assim desejarem.


 


- Dumbledore? – arriscou Gina com a voz baixa enquanto olhava para o moreno, o mesmo sorriu enquanto assentia.


 


- Sim, Dumbledore é um desses bruxos e ele utiliza suas habilidades frequentemente, principalmente para ficar sabendo das aventuras dos alunos do castelo, é dessa maneira que ele sempre sabe o que aconteceu com quem. – disse Harry em tom mais frio, lembrando-se dos tempos em que ficava imaginando como o diretor podia saber de tanta coisa. – O nosso professor de poções também é um habilidoso mestre na legilimência, embora sua verdadeira especialidade seja a oclumência. Voldemort também é um poderoso legilimente e oclumente, ele quase sempre sabe quando uma pessoa está mentindo para ele. Somente os mais habilidosos oclumentes podem fechar todos os seus sentimentos e suas memórias não permitindo assim que alguém saiba se ele está ou não mentindo, podendo enganar qualquer pessoa sem que a mesma desconfie, mas isso é extremamente complicado de se fazer e é preciso muito poder e habilidade.


 


- Em quais circunstâncias um legilimente pode invadir a mente de outra pessoa? – perguntou Gina em tom levemente preocupado.


 


- Na maioria dos casos é necessário contato visual entre as duas pessoas para que a legilimência funcione, por isso Snape e Dumbledore sempre nos encaram de maneira insistente. – respondeu Harry simplesmente.


 


- Como assim na maioria dos casos? – perguntou Gina com uma sobrancelha levantada percebendo o que o moreno dissera.


 


- As regras normais não se aplicam entre mim e Voldemort. – disse Harry calmamente enquanto colocava o ultimo ingrediente dentro do caldeirão e começava a mexer no sentido anti-horário. – A maldição da morte que Voldemort lançou em mim quando eu era apenas um bebê e que falhou criou uma espécie de ligação entre mim e Voldemort. Por exemplo, nos momentos quando minha mente estava relaxada e vulnerável, principalmente quando eu me encontrava adormecido, sem querer eu e Voldemort compartilhávamos os pensamentos e as emoções um do outro de maneira inconsciente, mas eu precisei aprender a bloquear quando Voldemort ficou sabendo dessa nossa ligação e passou a usá-la para me manipular.


 


- Quer dizer que Você-Sabe-Quem pode fazer você fazer coisas? – Gina perguntou com a voz apreensiva e Harry imediatamente entendeu que a garota estava se lembrando de seu primeiro ano quando Voldemort a forçara a abrir a Câmara Secreta.


 


- Ele podia. – respondeu Harry calmamente enquanto olhava levemente preocupado para a ruiva. – Mas agora eu consigo bloquear todos os meus pensamentos Gina, ninguém pode invadir minha mente sem que eu queira.


 


- Isso é bom. – disse Gina em tom aliviado, mas então a garota lembrou-se das palavras que o moreno utilizara a pouco para explicar e ficou confusa. – Harry, você fala como se já tivesse batalhado várias vezes contra Você-Sabe-Quem...


 


- Isso é um de meus segredos ruiva. – disse Harry em tom de voz baixo enquanto pegava um cálice e colocava um pouco da poção que ele havia preparado dentro, em seguida o estendeu para a ruiva. – Tome essa poção Gina, ela vai ajudar a deixar sua mente impenetrável, portanto ninguém poderá ter acesso a nada que me envolva.


 


- Como assim? – perguntou Gina curiosa enquanto bebia a poção que até que possuía um gosto levemente agradável.


 


- Bem, sozinha essa poção torna a mente de alguém invulnerável a qualquer tipo de invasão por um ano, mas junto com um feitiço que eu vou lançar em você tudo o que a poção impedirá que alguém veja serão os assuntos que eu discutir com você e as informações que são referentes a minha pessoa ou que supostamente me envolvam. – disse Harry em tom calmo e antes que a ruiva pudesse perceber ele executou um movimento de varinha e um jato de luz azul disparou contra Gina e a envolveu no momento seguinte.


 


- Então ninguém vai poder ver nenhum de meus pensamentos com relação a você ou qualquer outra informação? – perguntou Gina depois que a luz desapareceu e ela conseguiu voltar ao normal novamente, afinal levara um pequeno susto.


 


- Informações sobre o nosso treinamento, sobre seus sentimentos e outras coisas. Quem invadir sua mente somente encontrará preocupações sobre as lições ou outros pensamentos femininos. – disse Harry com um pequeno sorriso no rosto.


 


- Machista. – exclamou Gina com um sorriso no rosto, embora estivesse levemente corada pelo que ele insinuara.


 


Harry gargalhou enquanto retirava o restante da poção de dentro do caldeirão e os guardava em cinco frascos diferentes, o moreno havia preparado poção suficiente para todos os seus amigos e ainda sobraria.


 


- Ei, e aquele mapa? – perguntou Gina de repente lembrando-se do objeto que vira nas mãos do moreno e que ele dissera que explicaria ali.


 


- O Mapa do Maroto. – respondeu Harry sorrindo levemente antes de indicar as poltronas para a ruiva, o moreno encaminhou-se para uma que ficava no lado esquerdo da lareira, a ruiva puxou uma poltrona para poder se sentar em frente ao moreno, o que fez Harry sorrir largamente antes de começar a falar novamente. – Aluado, Rabicho, Almofadinhas e Pontas eram quatro colegas de classe que formaram o grupo dos marotos.


 


- Eu sei, Fred e George vivem falando deles, dizem que eles eram os maiores baderneiros que Hogwarts já viu. – Gina comentou lembrando-se de uma vez em que vira os gêmeos conversando sobre o grupo. – Os dois estão tentando superar eles.


 


- Como você deve ter imaginado, esse mapa de Hogwarts foi feito pelos marotos quando eles estudavam aqui, se eu não me engano foi no terceiro ano deles que finalmente conseguiram terminar de enfeitiçar esse mapa. – comentou Harry em tom pensativo enquanto deixava as lembranças de todas as conversas que tivera com Remus e Sirius. – Os marotos eram, na verdade, quatro estudantes da cada Grifinória. Aluado era Remus Lupin, Rabicho era Pedro Pettigrew, Almofadinhas era Sirius Black e Pontas era ninguém menos que Tiago Potter.


 


- Caramba. – disse Gina surpresa com a revelação.


 


Nos minutos seguintes Harry passou a narrar tudo o que sabia a respeito dos pais e do grupo dos marotos, principalmente o fato de Remus ser um lobisomem e de que os outros três haviam se transformado em animagos ilegais para poderem passar as noites de lua cheia ao lado do amigo, a cada momento da história Gina ficava ainda mais impressionada.


 


Depois que terminou de relatar a história dos marotos e de como eles haviam se tornado animagos e também do fato deles serem os responsáveis pelos barulhos e uivos que aconteciam na Casa dos Gritos que todos acreditavam que era assombrada, o moreno lembrou-se dos deveres que não apenas ele tinha que fazer, mas que a ruiva também precisava terminar o dela, então na hora seguinte ele passou ajudando Gina a completar o dever de DCAT enquanto ele próprio fazia os deveres que haviam se acumulado.


 


Depois que os dois terminaram os deveres o moreno observou o relógio e percebeu que já era quase meia-noite, mas ainda havia tempo o suficiente para que ele relatasse um pouco mais sobre ele mesmo e sobre a vida que tivera em Hogwarts, por isso contou a Gina o que acontecera em seu terceiro ano, a conversa que tivera com Sirius e Remus, além de outras coisas que haviam acontecido no ano anterior, a ruiva somente sabia que o rato era na verdade Pettigrew e que ele era um comensal da morte, afinal a versão oficial havia ficado em segredo.


 


Depois o moreno relatou o que havia acontecido com ele no primeiro ano, os jogos de quadribiol, Harry descreveu seus sentimentos para a ruiva enquanto relatava as aventuras que ele e os dois amigos haviam vivido no fundo das masmorras depois de terem adentrado a sala onde o cachorro de três cabeças estava.


 


O moreno evitou falar em seu segundo ano, pois aquilo implicava conversar com ela a respeito da câmara secreta e ele não sabia se Gina estava pronta ou não para conversar sobre aquilo, sem contar que já estava ficando bastante tarde e no dia seguinte eles ainda tinham aula, por isso levantou-se dizendo que estava na hora de ambos irem para seus dormitórios, a ruiva concordou um pouco contrariada, pois aquele fora o melhor dia da vida dela e Gina temia que no dia seguinte quando ela acordasse, ela acabaria descobrindo que tudo não passara de um sonho que ela tivera, mais um dos vários que ela tivera com o moreno.


======


 


 


Harry despertou as cinco horas da manha naquele dia e dirigiu-se imediatamente para o banheiro onde tomou banho e fez sua higiene matinal, em seguida voltou ao quarto e vestiu uma bermuda e uma camiseta antes de sair do dormitório masculino.


 


Naquele horário o salão comunal estava completamente vazio e o moreno não teve nenhuma dificuldade em sair sem que ninguém reparasse, na noite anterior havia dito a ruiva que ela não precisaria acordar cedo para o treinamento que ele dissera que faria, pois ela estaria bastante cansada já que não tinha o costume de acordar bem cedo, ainda mais que eles haviam ido dormir bem tarde da noite.


 


Saindo do salão comunal Harry dirigiu-se diretamente até a sala precisa onde entrou em uma enorme sala de treinamento físico, muito parecido com uma academia de musculação trouxa. Durante as duas horas seguintes o moreno treinou exaustivamente, somente parou quando sentiu que não conseguiria mais andar se continuasse.


 


Enquanto voltava novamente para a torre da grifinória o moreno pensava em seu desempenho muscular e físico, sabia que estava longe de conseguir um físico capaz de suportar toda sua carga mágica, mas em pouco tempo ele já poderia deixar que o poder voltasse a fluir livremente por seu corpo, principalmente com aquele acréscimo de magia que aprecia que se instalara dentro de seu corpo, embora ele soubesse que aquele poder sempre lhe pertencera, o problema era que ele se assustara nas duas vezes em que ele havia se manifestado, mas dessa vez ele treinaria dobrado para poder controlar aquele poder negro.


 


Quando Harry chegou ao dormitório masculino nenhum de seus colegas ainda havia acordado, o moreno olhou brevemente para a cama onde sabia que Rony estava dormindo, mas em seguida dirigiu-se para o banheiro onde novamente tomou banho, dessa vez para retirar o suor e o cansaço de seu corpo.


 


No momento em que Harry saiu do banheiro seus companheiros de dormitório já haviam acordado, mas o moreno não olhou para nenhum deles enquanto se dirigia para sua cama e começava a trocar de roupa, devido a suas habilidades mágicas Harry sabia que alguém o observava enquanto colocava seu uniforme escolar e o moreno sabia que se tratava de seu melhor amigo.


 


O moreno apanhou sua mochila, colocou a varinha no cós de sua calça e em seguida saiu do dormitório ainda sem olhar para ninguém. Quando chegou ao salão comunal encontrou Hermione sentada próxima a lareira e foi para lá que o moreno se dirigiu sentando-se em seguida, pois pretendia esperar pela ruiva para que eles fossem ao salão principal.


 


- Bom dia Harry. – Hermione saudou o amigo assim que ele havia se instalado ao lado dela na poltrona em que ela estava sentada.


 


- Bom dia Hermione. – cumprimentou Harry de volta enquanto fixava seus olhos nas escadas que levavam ao dormitório feminino.


 


- Harry... – a voz hesitante de Hermione fez com que o moreno olhasse mais atentamente para a amiga, ela parecia nervosa. – Será que você poderia me dizer o que foi aquilo ontem a noite? Digo, você e a Gina...


 


- O que tem isso? – perguntou Harry olhando para Hermione com seriedade, pois sabia que aquele tipo de reação aconteceria.


 


- Bem, você nunca se aproximou dela antes e ontem você simplesmente se sentou ao lado dela e começou a conversar com ela como se ela fosse o centro do universo... – Hermione falava rapidamente enquanto gesticulava com as mãos. – Isso não é uma atitude que você normalmente tomaria, principalmente pelo fato de todo mundo saber que você é completamente fascinado e apaixonado pela Chang...


 


- Espere Hermione, vai com calma. – Harry interrompeu o monólogo que Hermione estava fazendo, o que fez com que a garota o olhasse de maneira carrancuda, pois odiava quando os outros a interrompessem quando ela estava explicando algo ou dando bronca em alguém, mas Harry continuou falando com a voz firme e decidida. – Em primeiro lugar, o fato de eu conversar com a Gina não tem nada demais e eu também não dou a mínima para o que as pessoas possam achar de minha aproximação com ela. E em segundo lugar, eu nunca fui apaixonado pelo Cho, tudo o que eu senti por ela foi uma espécie de deslumbramento e nada mais.


 


- Então de repente você está apaixonado pela Gina, é isso? - Perguntou Hermione com o cenho franzido.


 


- Eu não disse que estava apaixonado Hermione. – Harry desconversou em tom calmo. – Eu apenas disse que não me importo com o que as pessoas possam comentar.


 


Naquele momento Harry vislumbrou os cabelos ruivos de Gina que estava descendo a escada do dormitório feminino, o rosto da garota estava levemente ansioso e no momento em que seus olhares se encontraram a ruiva sorriu.


 


- Bom dia Harry. Dia Mione. – Gina cumprimentou alegremente os dois amigos antes de impulsivamente se inclinar e beijar Harry na bochecha, imediatamente o rosto da ruiva adquiriu um tom rubro.


 


- Olá Gina. – Harry devolveu o cumprimento com um sorriso no canto dos lábios enquanto Hermione apenas observava curiosamente a atitude dos dois.


 


- Vocês já vão descer para o salão principal? – perguntou Gina em um tom um pouco afobado enquanto olhava de um para o outro.


 


- Eu já vou descer, você vem ou vai esperar o Weasley, Hermione? – Harry perguntou com a voz neutra.


 


- Eu vou esperar. – disse Hermione num tom levemente repreensivo enquanto olhava para o amigo. – Não deveria falar assim, Harry...


 


- Nem comece Hermione. – avisou Harry antes de pegar sua mochila e começar a caminhar para o buraco do retrato, tendo Gina o acompanhando.


 


- O Rony vai perceber logo a burrada que fez Harry. – Gina falou em um tom de voz baixo logo depois que saíram do salão comunal da grifinória.


 


- Eu sei que logo ele vai cair na real, Gina. – comentou Harry vagamente pensando no tempo que demoraria para que o amigo se desculpasse. – Mas vamos deixar os assuntos desagradáveis de lado, porque há coisas mais importantes para se conversar.


 


Enquanto os dois se dirigiam para o salão principal onde tomariam o café da manhã antes das aulas encontraram-se com vários outros alunos que dirigiam olhares de desprezo em direção ao moreno, mas o que surpreendeu a ruiva de verdade foi o momento em que eles passaram pelo grupo de garotas veelas de Beauxbatouns.


 


A ruiva sabia que por onde elas andavam os garotos ficavam hipnotizados pela beleza delas, o que podia ser comprovado pela atenção que muitos garotos dedicavam ao grupo em questão, mas quando eles passaram por elas o moreno mal olhou para as garotas enquanto continuava prestando atenção no que a ruiva lhe dizia.


 


Aquele simples gesto fez com que Gina ganhasse todo o dia, afinal para um garoto dar mais atenção a uma menina de treze anos comum do que para um grupo de garotas veelas mais velhas ele deveria gostar muito desta garota.


 


Quando eles chegaram ao salão principal todos os estudantes que já se encontravam tomando o café olharam para eles, mais especificamente para o moreno.


 


Gina sabia que Harry não poderia evitar os alunos da escola, principalmente por causa das aulas, a ruiva percebeu os olhares que os alunos lançavam ao moreno e deduziu que todos pensavam que Harry havia realmente se inscrito no torneio.


 


Mas ao contrário dos alunos da grifinória, os das outras casas não pareciam nada felizes ou impressionados com aquele feito, pois pareciam estranhamente frios aos olhos da ruiva e Gina sentia que as coisas apenas piorariam para o moreno de olhos verdes.


 


- Você me acompanha? – perguntou Harry em voz baixa para a ruiva, havia algumas garotas e garotas grifinórios que estavam tentando chamar a atenção da ruiva e o moreno percebeu esse fato. – Ou vai ficar com seus amigos?


 


- Fico com você. – disse Gina apenas acenando para os amigos antes de se sentar ao lado do moreno e logo depois se servindo, depois que pegou um copo de suco de abóbora e tomou um gole a ruiva resolveu iniciar algum assunto com o moreno, qualquer que fosse. – Então, como foi o treino de manhã ou você não foi?


 


- Fui sim. – respondeu Harry usando o mesmo tom baixo com que Gina tinha lhe feito a pergunta. – Fiquei duas horas fazendo musculação e praticando exercícios físicos, espero que você possa vir me acompanhar a partir de amanhã.


 


- Eu vou sim. – disse Gina firmemente, então hesitou levemente antes de verbalizar uma pergunta que lhe viera a mente. – Você disse que em breve entraremos em guerra Harry, disse que é por isso que está começando a treinar...


 


- Pode perguntar Gina. – Harry disse incentivando a ruiva para que ela pudesse questionar o que queria saber, o moreno até mesmo já imaginava as perguntas que viriam.


 


- Bom, se você quer treinar porque não pede a ajuda de Dumbledore? – perguntou Gina cuidando para que seu tom de voz fosse baixo e ninguém pudesse ouvir. – E se em breve teremos uma guerra, não seria melhor treinar os outros também?


 


- Que outros? – perguntou Harry apenas por perguntar, pois sabia exatamente a quem Gina estava se referindo.


 


- Nossos amigos, Harry. – disse Gina com um pouco de exasperação, mas ela conseguiu se controlar. – Rony, Hermione, Neville, Fred e George...


 


- Eu já pensei nisso ruiva. – comentou Harry abrindo um pequeno sorriso no rosto enquanto sentia que ele e Gina eram os alvos de todos os olhares do salão principal, mas o moreno concentrou-se em duas pessoas que os encaravam curiosamente, Severus Snape e Alvo Dumbledore pareciam bastante interessados na conversa dos dois, Harry quase podia ver a frustração de Dumbledore e Snape ao não conseguirem entrar na mente dele ou da ruiva. – Não precisa se preocupar que eu iria chamá-los sim, mas seu irmão vai precisar crescer primeiro.


 


Naquele momento Hermione sentou-se ao lado de Harry enquanto que Rony sentou-se ao lado da morena, o ruivo simplesmente fingiu que não percebera Harry enquanto cumprimentava a irmã com um aceno de cabeça, aquela atitude acabou por conseguir magoar o moreno que fingiu desinteresse enquanto continuava comendo como se ele e a ruiva não houvessem sido interrompidos pelos dois amigos.


 


- Avise Luna. – Harry disse sussurrando próximo ao ouvido da ruiva que estremeceu levemente com o contato que o ar que saiu da boca do moreno fez com a pele dela, mas a ruiva forçou-se a se concentrar no que o moreno falava. – Diga para ela nos encontrar amanhã as cinco e meia da manhã no corredor do sétimo andar, pode deixar que eu aviso os outros.


 


- O que você pensa que está fazendo com a minha irmã, Potter? – a pergunta de Rony soou ameaçadora e fez com que o moreno se afastasse da ruiva e olhasse para o irmão dela com frieza, Hermione imediatamente se colocou de pé pronta para separar alguma possível briga entre os dois, mas o moreno não estava querendo brigar com ninguém naquele momento.


 


- Acredito que isso não seja da sua conta, Weasley. – Harry disse em tom frio e sarcástico enquanto se levantava e pegava a mochila e a colocava no ombro. – Eu já vou indo para a aula, nos vemos mais tarde Gina.


 


- O que ele te disse? – Harry ainda ouviu a pergunta de Rony enquanto se afastava da mesa da grifinória e saía do salão principal.


======


 


 


Quando os outros alunos chegaram na sala onde teriam aula de Herbologia, Harry já se encontrava confortavelmente acomodado em uma das ultimas carteiras da sala, em sua frente encontrava-se o manual das plantas que eles normalmente utilizavam nas aulas da Professora Sprout, principalmente quando estavam para ver um novo tipo de planta.


 


Como Harry se lembrava muito bem, os alunos da turma da lufa-lufa que sempre conviviam em bons termos com os grifinórios o estavam tratando com frieza, o que ele fez questão de ignorar completamente enquanto os alunos se sentavam em suas carteiras.


 


A Professora Sprout tampouco parecia muito receptiva no momento em que entrou e começou a fazer a chamada, mas Harry limitou-se a olhar de maneira inexpressiva para os colegas. Harry tinha certeza absoluta do que os alunos da lufa-lufa estavam pensando, pois certamente o moreno havia roubado a gloria do campeão da casa dos texugos, Harry sabia que eles raramente conquistavam alguma glória e que Cedrico Diggory fora um dos poucos alunos que já chegara a dar algum credito a lufa-lufa, principalmente nos jogos de quadribol.


 


Daquela vez o moreno não deixou que os bulbos saltadores que eles estavam re-envasando escapulisse de sua mão e com isso acertasse em seu rosto, o moreno lembrava-se muito bem dos colegas rindo dele por causa desse acontecimento.


 


A aula de Herbologia com os colegas da lufa-lufa não foi totalmente ruim para o moreno que não estava ligando par aos comentários que recebia, pois aquela situação lhe favorecia bastante para mostrar aqueles que acreditavam nele, mas principalmente naqueles em que ele poderia confiar futuramente.


 


O moreno foi o primeiro a sair da sala de Herbologia quando o sinal finalmente bateu e então Harry seguiu sozinho para a aula de Trato das Criaturas Mágicas, na verdade o moreno estava bastante ansioso para se encontrar com Malfoy e a gangue dele.


 


Depois de alguns momentos em que o moreno já havia chegado na cabana de Hagrid para a aula, Malfoy apareceu com o sorriso desdenhoso estampado no rosto, o moreno adoraria arrancar o sorriso do rosto do sonserino como fizera no dia em que o matara, mas sabia que deveria esperar antes de ter aquele gostinho novamente.


 


- Ah pessoal, olha só se não é o campeão de hogwarts... – Malfoy começou desdenhosamente falando para Crabbe e Goyle enquanto se aproximava de Harry, mas falava alto o bastante para todos os sonserinos e grifinórios que há estavam naquele local esperando a chegada do professor, foi naquele momento que Rony e Hermione chegaram. – Ei, vocês trouxeram os cadernos de autógrafos? Precisamos pedir um autografo agora porque duvido muito que a gente vá vê-lo por muito mais tempo, afinal metade dos campeões do Torneio Tribruxo morreram... então Potter, quanto tempo você acha que pode durar, hein? Aposto que não vai conseguir se segurar nem mesmo durante os primeiro dez minutos da primeira tarefa.


 


Crabbe e Goyle riram abertamente sendo acompanhados pelos outros sonserinos, os grifinórios não faziam nada e apenas observavam, o moreno deu um passo para frente e ficou a poucos centímetros do sonserino antes de sibilar friamente.


 


- É melhor tomar cuidado com as apostas que faz Malfoy, pois você pode perder. – a melhor coisa que pode acontecer par ao moreno naquele momento foi ver a cara de idiota com a qual Malfoy olhou para o moreno, Harry viu a intenção dele em replicar, mas o sonserino precisou se conter porque Hagrid chegou naquele momento vindo dos fundos da cabana e segurando uma pilha instável de caixas, cada uma contendo um dos enormes explosivins de Hagrid.


 


Harry percebeu o horror dos alunos no momento em que Hagrid começou a explicar o motivo pelo qual os bichos tinham andado se matando, pois eles estavam com excesso de energia acumulada e a tarefa dos alunos seria cada um deles colocar uma coleira em um dos explosivins e então levá-lo para passear por alguns instantes.


 


- Levar essa coisa horrível para passear um pouco? – perguntou Malfoy com a voz repleta de nojo, enquanto olhava para dentro de uma das caixas. – E onde exatamente você espera que a gente amarre a coleira? No ferrão ou no rabo explosivo desse treco?


 


- Está com medinho, Malfoy? – perguntou Harry em tom zombeteiro para que apenas o sonserino e os outros alunos pudessem ouvir, mas o loiro não pode responder a provocação do moreno, pois o professor estava falando novamente.


 


- No meio dele, Senhor Malfoy. – disse Hagrid calmamente antes de ele próprio demonstrar como se deveria fazer. – Ah, acho melhor vocês colocarem as luvas de couro de dragão, o que vai evitar que vocês acabem se queimando. Ah Harry, você poderia me ajudar com esse aqui, ele é muito grande e é necessário que duas pessoas o peguem.


 


Harry sabia qual era a verdadeira intenção do professor ao lhe chamar, mas fez como Hagrid pedira e se aproximou dele, o moreno sabia que era longe o bastante para que o professor pudesse falar longe da turma, por isso quando os alunos estavam fazendo o que lhes fora ordenado Hagrid virou-se para o moreno com a voz séria.


 


- Então você vai competir, Harry. – a voz séria do meio gigante fez Harry olhar atentamente para ele, mesmo sabendo o que viria nos próximos momentos. – No torneio tribruxo. Um campeão da escola, Harry.


 


- Um dos campeões. – Harry corrigiu Hagrid de maneira automática, pois já sabia as palavras do amigo de cor, afinal havia repassado todas as conversas em sua mente.


 


- Você não faz idéia mesmo de quem possa tê-lo metido nessa fria, Harry? – perguntou Hagrid com a voz baixa e preocupada, os olhos de Hagrid que eram negros como os de um besouro pareciam bastante ansiosos sob as sobrancelhas desgrenhadas.


 


- Não tenho nem idéia Hagrid. – Harry respondeu enquanto dava de ombros, em seguida o moreno perguntou de maneira séria enquanto olhava intensamente para o amigo. – Então você acredita que não fui eu que me inscrevi?


 


- Claro que acredito em você, Harry. – resmungou Hagrid em voz baixa. – Você disse que não foi você e eu acredito em você, e Dumbledore também acredita em você.


 


A menção do diretor os olhos do moreno escureceram levemente, mas ele conseguiu controlar seu temperamento, pois já vinha treinando aquilo a algum tempo, sabia que era inevitável que ele se encontrasse frente a frente com o diretor, mas quando o momento chegasse ele iria precisar ser um perfeito ator ou seria descoberto.


 


- Eu bem que gostaria de saber quem foi o desgraçado que me inscreveu. – comentou Harry forçando um tom amargo em sua voz.


 


Hagrid virou seus olhos para os jardins e o moreno acompanhou o olhar do amigo, os alunos estavam completamente espalhados naquele momento e todos eles pareciam estar em apuros, os explosivins já haviam ultrapassado os noventa centímetros de comprimento e eles haviam se tornado extremamente fortes.


 


Eles já não eram mais sem casca e descolorados, pois haviam desenvolvido uma espécie de escudo grosso e reluzente. Na verdade, estavam parecendo mais um cruzamento entre escorpiões gigantes e caranguejos alongados, pelo menos essa era a opinião do moreno, embora ele nunca tenha realmente descoberto a origem deles.


 


Aqueles bichos não tinham nenhum tipo de cabeça formada ou olhos que eram possíveis de serem visualizados, mas haviam ficado imensamente fortes e era praticamente impossível conseguir controlá-los.


 


- Eles parecem que estão se divertindo bastante, não é mesmo? – perguntou Hagrid em um tom de voz alegre.


 


O moreno apenas escondeu uma gargalhada divertida, pois certamente os explosivins estavam se divertindo, porque os estudantes com certeza não estavam nem um pouco divertidos com aquela situação.


 


Em alguns momentos a cauda de algum dos explosivins reluzia em um estampido alarmante e então ela simplesmente explodia fazendo saltar vários metros para frente e inclusive arrastando os alunos de bruços no gramado enquanto tentavam se levantar de maneira desesperada.


 


- Não sei não, Harry. – Hagrid suspirou de repente enquanto voltava a encará-lo nos olhos, o moreno sabia o que viria enquanto observava a expressão preocupada de Hagrid. – Campeão da escola... Ah, parece que tudo acontece com você, não é mesmo?


 


Harry não respondeu a pergunta do meio gigante, pois ele lembrava-se claramente do que Hermione lhe falara no dia anterior quando estiveram andando pelos jardins, mas o moreno sabia que eles estavam certos.


 


Tudo sempre acontecera com ele, principalmente as coisas ruins, pois as coisas boas ele não tivera muito tempo para aproveitar.


======


 


 


Gina estava fervendo de raiva por dentro, como seu irmão podia ser tão idiota e tapado daquela maneira?


 


- O que o Harry me disse não é da sua conta, Rony. – disse Gina com a voz baixa e perigosa, a ruiva sabia que seu rosto estava vermelho naquele momento, mas não estava se importando muito com esse fato.


 


- Como assim não é da minha? – perguntou Rony elevando um pouco a voz e fazendo alguns grifinórios olharem interessados para a discussão entre os irmãos. – Você é minha irmãzinha Gina, qualquer coisa que diga respeito a você é da minha conta.


 


- Ah, mas não é mesmo irmãozinho. – desdenhou Gina com um gesto de descaso na direção do irmão como se ele não fosse nada. – Você não manda em mim e não tem direito a nada que diga respeito a minha vida.


 


- Vamos ver o que a mamãe e o papai acham disso. – exclamou Rony com o rosto tão vermelho quanto um tomate e olhando triunfante para a irmã, mas para a surpresa do ruivo Gina riu da cara dele naquele momento.


 


- Ah Rony, você é tão estúpido e idiota. – Gina balançou a cabeça enquanto se levantava da mesa da grifinória, em seguida olhou diretamente nos olhos do irmão antes de dizer com a voz carregada de deboche e desprezo. – Sabe, acho até bom que você tenha mostrado seus sentimentos para o Harry agora, pois pelo menos ele pode se livrar dos amigos que não o merecem. Fica ai com a cara amarrada só porque não foi você que foi escolhido para ser o campeão do torneio, não sei como você sequer pode imaginar que o Harry se inscreveu nesse torneio. Será que você já se esqueceu de quantos campeões já morreram durante o tribruxo?


 


- Gina... – Hermione disse em tom de aviso enquanto observava como Rony parecia ficar mais vermelho a cada segundo.


 


- Não Hermione, o meu irmão precisa ouvir umas verdades. – disse Gina em tom baixo e frio, fazendo o máximo para que a voz soasse baixa e que os outros não pudessem ouvir o que ela dizia. – Me diga Rony, já esqueceu que seu melhor amigo nunca quis a fama e nada disso? Ou o que o Harry sofreu na casa dos tios dele, ou de todas as coisas pelas quais você e ele já passaram? Parece que nada do que ele fez até agora significou algo pra você. Eu odeio dizer isso, mas você não passa de um idiota que tem inveja de seu melhor amigo, você quer ter a mesma fama e a fortuna que o Harry tem, acho até que você tem vergonha da própria família...


 


- Gina, já chega. – disse Hermione segurando o braço da ruiva que a olhou com um pouco de raiva, mas Gina apenas bufou levemente antes de virar as costas e se afastar do irmão e de Hermione, afinal se ficasse mais tempo ali acabaria dizendo um monte de besteiras.


 


A ruiva caminhou diretamente até a sala onde ela teria a primeira aula daquela manhã que por acaso era de Defesa Contra as Artes das Trevas, aquele horário a turma da grifinória do terceiro ano dividia com os alunos da lufa-lufa, o que era um alívio por não ser com os sonserinos que sempre estavam infernizando os outros alunos.


 


Como sempre a aula girou em torno das maldições imperdoáveis e daquela vez o Professor testara as maldições em cada um dos alunos, querendo saber qual deles conseguia resistir, Gina já havia conseguido se manter por alguns segundos na aula anterior e conseguira lutar contra o feitiço, mas daquela vez sua mente estava tão cheia que ela mal conseguia se concentrar na aula, por isso acabou fazendo as coisas mais idiotas como ficar dançando pela sala, fazer acrobacias ou pulando em uma única perna.


 


Depois da aula com o Professor Moody, os terceiranistas da grifinória dirigiram-se se dirigiram até a sala de Flitwick para a aula de feitiços. Para Gina aquelas duas aulas demoraram uma eternidade, ela estava ansiosa para conversar com sua amiga Luna e sabia que somente teria oportunidade no almoço e no jantar, afinal aquele dia ela não tinha nenhuma aula em conjunto com os estudantes do terceiro ano da corvinal.


 


Assim que o sinal indicando o fim da aula de feitiços soou, Gina saiu em disparada da sala e se dirigiu rapidamente para o salão principal, a ruiva sabia que os terceiranistas da corvinal seriam os primeiros a chegarem para o almoço naquele dia, pois eles tinham aula de Trato das Criaturas Mágicas com os lufa-lufanos.


 


Gina adentrou o salão principal e dirigiu-se até onde sua amiga estava sentada sozinha, o desprezo que os outros corvinais mostravam para a loira fazia com que o sangue da ruiva fervesse e ela normalmente sentia vontade de azarar metade daquelas garotas esnobes que ficavam zombando de Luna, ainda mais agora que elas tinham o acréscimo daquelas veelas metidas.


 


- Oi Lu. – disse Gina sentando-se ao lado da amiga que virou o rosto para a ruiva e sorriu ligeiramente aluada.


 


- Oi Gina. – Luna disse olhando sonhadoramente para a ruiva. – Então, finalmente conseguiu conversar com seu príncipe encantado?


 


- Ele me disse que não é um príncipe encantado. – Gina retrucou com um pequeno sorriso no rosto lembrando-se do que o moreno havia dito para ela na noite anterior. – E eu concordo, ele está mais para um anjo escuro e sombrio.


 


- Esses são os melhores. – disse Luna em tom animado enquanto olhava para o moreno em questão que acabava de entrar no salão principal, em seguida a loira perguntou. – Então, me diga em qual classe de anjo ele está?


 


- Como assim? – indagou Gina em tom confuso enquanto se servia e começava a comer, afinal estava morrendo de fome.


 


- Existem varias classes de anjos, Gina. – Luna disse olhando seriamente para a amiga que piscou surpresa com a conversa. – Anjos, Arcanjos, Querubins, Serafins...


 


- Acho que o Harry se encaixa mais em um anjo negro mesmo. – disse Gina sem saber exatamente como responder a loira.


 


- Um Anjo Caído. – disse Luna piscando os olhos enquanto olhava para Harry na mesa da grifinória. – Realmente ele tem uma aura escura em volta dele.


 


- Isso não importa agora. – disse Gina querendo desviar aquele estranho assunto, afinal Luna sempre dizia algumas coisas estranhas, embora a ruiva nunca houvesse desdenhado de nada do que ela falava mesmo que ela não acreditasse muito. – Eu queria perguntar se você não está interessada em participar de uma espécie de grupo de estudos.


 


- Grupo de estudos? – perguntou Luna em tom inocente e estranhando o fato de Gina ter dito aquilo em voz baixa.


 


- Bem, na verdade o Harry está começando a treinar sozinho e ele me convidou para participar, mas ele quer incluir outras pessoas também... – Gina explicava em tom baixo enquanto olhava para os lados para ver se alguém estava prestando atenção ao que ela dizia.


 


- E você pensou em mim? – perguntou Luna sorrindo sinceramente pela primeira vez naquela noite, o que fez Gina vacilar por um segundo.


 


- Claro que pensei em você Luna, afinal você é minha amiga. – disse Gina com a voz séria. – Estão você aceita? O Harry também vai chamar meus irmãos Fred e George, Neville e Hermione, talvez Rony se ele deixar de ser babaca e parar de pensar que Harry se inscreveu no torneio tribruxo, como se ele estivesse a fim de morrer...


 


- Mas alguém colocou o nome dele naquele cálice. – afirmou Luna em tom levemente mais sério. – Talvez tenha sido um Leprechaun...


 


- O que? – perguntou Gina confusa com o que a amiga dissera. – Porque um Leprechaun iria inscrever Harry no torneio.


 


- Os Leprechauns são conhecidos como os sapateiros do nosso mundo Gina. – explicou Luna com a voz paciente fazendo a ruiva olhar incrédula para a amiga. – Eles são os elementais mais conhecidos do folclore irlandês, existem várias lendas que contam que eles costumam entrar nas casas das pessoas para procurar por sapatos e quando não conseguem encontrar nenhum eles fazem tanta bagunça e confusão que é um costume todos os irlandeses deixarem sapatos velhos nas janelas e portas para que eles não se zanguem. Acho que o Harry deu azar e um leprechaun ficou zangado com ele e colocou o nome dele no cálice de fogo.


 


- Se você diz Luna, mas no momento o que importa é saber se você vai ou não aceitar participar... – disse Gina enquanto balançava a cabeça, pois as vezes Luna era completamente difícil de se entender, tanto que a ruiva nem mesmo tentava, apenas aceitava que as amiga era diferente da maioria das pessoas.


 


- Claro que vou, Gina. – Luna concordou olhando para a amiga com o cenho franzido. – Mas quando vamos começar?


 


- Você pode encontrar eu e os outros no corredor do sétimo andar as cinco e meia da manhã, pode ser? – perguntou Gina.


 


- Porque tão cedo? – a corvinal perguntou surpresa com o horário, mas para ela aquilo não era nada demais, afinal ela normalmente acordava as seis horas da manhã.


 


- O Harry não quer que ninguém fique sabendo sobre isso, então não diga a ninguém. – disse Gina anda utilizando o tom de voz baixo.


 


- Tudo bem. – concordou Luna antes de voltar a prestar atenção a sua comida, o restante do almoço as duas garotas passaram conversando sobre as aulas daquela manhã.


======


 


 


Naquele dia Harry almoçou sozinho, pois Gina passou o período sentada a mesa da corvinal e conversando em voz baixa com Luna, o moreno sabia que ela estava explicando para a garota o que ela pretendia fazer a partir do dia seguinte.


 


Harry se surpreendera com o fato da ruiva não o haver questionado sobre a maneira que ele sabia sobre a amiga dela, mas resolveu deixar aquele detalhe para depois.


 


As aulas da tarde foram semelhantes com o que ele enfrentara com a aula de Herbologia, mas o moreno nem mesmo prestava atenção aos risos e deboches que os outros alunos jogavam para ele, afinal nenhum deles valia realmente a pena.


 


As aulas de feitiços e de transfiguração passaram voando e logo eles estavam novamente no salão principal para o jantar que seguiu calmo embora alguns alunos da lufa-lufa fizessem gestos de desprezo em direção ao moreno, mas Harry estava concentrado demais conversando com Neville para se preocupar com isso.


 


- Eu acredito em você, Harry. – disse Neville em tom sério enquanto olhava para o moreno depois que o mesmo dissera que não havia se inscrito no torneio.


 


- Fico feliz ouvindo isso, Neville. – comentou Harry ocultando um pequeno sorriso. – Então, eu estava pensando em iniciar um pequeno treinamento, para nos prepararmos melhor e também para nos aperfeiçoarmos no que aprendemos nas aulas, pensei que talvez você quisesse participar. A Gina já aceitou e depois eu vou conversar com a Hermione.


 


- É claro que eu aceito Harry. – disse Neville com a voz empolgada, embora falasse em tom baixo. – Você está falando sério?


 


- Estou sim Neville. – garantiu Harry sorrindo para o amigo. – Olha, não comente isso com ninguém, por favor, quero que seja segredo. Vamos começar amanhã mesmo Neville, então se prepare para acordar bem cedo.


 


- O Rony também vai? – perguntou Neville com a voz hesitante enquanto olhava de esguelha para o ruivo que estava sentado ao lado de Hermione no outro lado da mesa da grifinória, a garota lançava olhares estranhos de vez em quando para o moreno que apenas fingia que não estava percebendo nada e continuava a conversar com o colega calmamente.


 


- Vai, mas apenas depois que deixar de ser um idiota. – disse Harry com a voz séria e deixando claro que ele não discutiria aquele assunto.


 


- Você é quem sabe Harry, mas me diga que horas nós iremos levantar? – perguntou Neville mostrando um pouco da ansiedade que sentia.


 


- As cinco horas da manhã, Neville. – respondeu Harry e sorriu satisfeito quando viu o garoto se engasgar surpreso.


 


- Porque tão cedo? – perguntou Neville fazendo uma careta, afinal naquele horário todo o colégio ainda estaria dormindo.


 


- Porque não quero que ninguém perceba o que estamos fazendo e porque assim teremos mais tempo para os treinamentos. – respondeu Harry calmamente, enquanto ocultava um novo sorriso pelo desagrado que o amigo estava demonstrando. – Não precisa se preocupar Neville, eu o acordo se você não conseguir despertar...


 


- Tudo bem, Harry. – disse Neville e então passou a se concentrar no próprio jantar enquanto pensava no que o moreno havia acabado de lhe falar, Neville pensava que com um treinamento adequado ele poderia conseguir se vingar pelos seus pais, mesmo que as chances dele se encontrar com Belatriz Lestrange fossem mínimas.


 


Depois que o moreno terminou de jantar ele levantou-se calmamente ignorando os olhares que recebia, parecia que todos os integrantes do salão principal estavam seguindo seus movimentos, no momento em que passou por onde Fred e George estavam sentados ele deixou sua mão tocar de leve no ombro de um deles.


 


Os gêmeos olharam um para o outro antes de olharem pelo caminho ao qual o moreno desaparecia e depois de trocarem um sorriso cúmplice os gêmeos levantaram-se e seguiram atrás de Harry, eles saíram do salão principal a tempo de ver o moreno virando um corredor e se apressaram a seguir e alcançar o moreno.


 


- Ei Harry. – Fred exclamou fazendo com que o moreno apenas olhasse para trás e sorrisse de maneira enviesada, embora não tenha parado de andar.


 


Os gêmeos perceberam que o moreno estava armando alguma coisa e quando finalmente o alcançaram apenas continuaram caminhando ao lado dele, mas surpreenderam-se ao perceberem que estavam se dirigindo para o salão comunal da grifinória.


 


Eles entraram pelo buraco do retrato e depois que Harry constatou que o local estava completamente vazio ele sacou sua varinha e executou o mesmo feitiço que havia utilizado na enfermaria quando conversara com a elfa doméstica.


 


- Ei Harry, será que agora... – começou George com a voz extremamente curiosa e um pouco duvidosa também.


 


- Você poderia nos dizer... – continuou Fred em tom muito parecido com o do irmão, o que fez Harry olhar friamente para os dois.


 


- O que está querendo conosco? – os dois terminaram a frase juntos e em seguida caíram na risada pela careta divertida que o moreno fizera.


 


- Vocês adoram fazer isso, não é mesmo? – perguntou Harry curiosamente, ele não sabia o quanto havia sentido falta daqueles dois até aquele momento.


 


- Com certeza. – responderam os dois ao mesmo tempo e o moreno apenas balançou a cabeça, sabia que os dois eram incorrigíveis.


 


- Mas então Harry, o que você queria conosco? – perguntou Fred assim que parou de rir e encarou o moreno com seriedade.


 


- Tenho dois assuntos para tratar com vocês? – disse Harry em tom sério e firme. – Primeiramente, eu gostaria de contar com a presença de vocês em um pequeno treinamento que eu estou pensando em fazer.


 


- Treinamento? – perguntou George com as sobrancelhas arqueadas e o tom de voz extremamente curioso.


 


- Isso. – concordou Harry com a cabeça antes de explicar melhor. – Vou explicar melhor amanhã os motivos disso, Gina e Neville já concordaram.


 


- Gina? – perguntou Fred estranhando aquilo, afinal o moreno a frente deles nunca havia se referido abertamente a irmãzinha deles.


 


- A nossa Gininha? – perguntou George também surpreso com aquele fato, afinal não era nenhum segredo que Harry quase não falava com a irmã deles.


 


- Isso mesmo, a Gina. – disse Harry sorrindo ao perceber a confusão dos gêmeos, além de uma pequena dose de ciúmes na voz dos garotos, em seguida o moreno perguntou. – Então, vocês estão a fim de participar de um treinamento que será feito escondido de todos e que tecnicamente é completamente ilegal e proibido?


 


- Ilegal? – perguntou Fred levantando as sobrancelhas e sorrindo maliciosamente enquanto olhava de relance para o irmão.


 


- E proibido? – continuou George devolvendo o olhar para seu gêmeo e sorrindo de maneira bastante travessa antes de ambos os gêmeos olharem para o moreno e sorrirem como se estivessem no paraíso. - Já que é assim...


 


- Pode contar com a gente. – os dois disseram ao mesmo tempo o que fez o moreno revirar os olhos sabendo que aqueles dois jamais mudariam.


 


- Ótimo, sua irmã vai ficar bastante contente quando souber que vocês decidiram nos acompanhar.  –comentou Harry vagamente enquanto ficava pensativo por alguns segundos, mas foi trazido de volta a realidade pela voz de Fred.


 


- E qual seria o outro assunto que você queria falar com a gente, Harry? – perguntou Fred com a voz curiosa enquanto olhava para o moreno.


 


- O outro assunto é sobre negócios. – disse Harry abrindo um sorriso para os gêmeos que retribuíram o sorriso mesmo que estivessem surpresos com aquela declaração do moreno. – Eu sei que o dinheiro que vocês ganharam naquela aposta com o Senhor Bagman era ouro de Leprechauns, portanto eram falsos e devem ter sumido.


 


- Como você sabe disso? – perguntou Fred surpreso, afinal nem ele e nem o irmão haviam comentado aquilo com ninguém.


 


- Eu apenas sei. – disse Harry dando de ombros e deixando claro que não diria como soubera aquilo. – Mas como eu disse, o assunto é sobre negócios, pois eu gostaria de fazer uma proposta para vocês dois...


 


- Que tipo de proposta? – perguntou George curioso logo depois de olhar de relance para Fred que estava tão intrigado quanto ele.


 


- Bom, vocês tem todas essas idéias para logros e brincadeiras, mas não tem o dinheiro necessário para colocarem um negocio para frente... – disse Harry em tom simples enquanto encarava os gêmeos. – O que eu estou oferecendo é um acordo financeiro, vocês entram com a parte criativa e eu entro com o dinheiro.


 


- Você está falando sério? – perguntou Fred olhando de maneira incrédula para o moreno que apenas balançou a cabeça afirmativamente.


 


- Olha, eu sei que o Bagman é um fracassado e duvido muito que ele vai pagar o que deve para vocês algum dia e vocês dois sabem disso. – disse Harry olhando para os gêmeos que apenas balançaram a cabeça de maneira resignada, pois haviam estado se enganando a algum tempo. – Estou propondo um bom acordo de negócios.


 


- Com quanto de capital você vai entrar e qual a porcentagem dos lucros que você vai querer? – George perguntou de maneira objetiva e direta.


 


- Que tal começarmos com um capital inicial de dez mil galeões? – perguntou Harry abrindo um sorriso de canto quando os gêmeos ofegaram de maneira surpresa. – Quanto a porcentagem dos lucros que eu vou receber, acredito que trinta por cento esteja mais do que bom, cada um de vocês fica com trinta e cinco por cento e eu ainda continuo investindo.


 


- Isso é bastante tentador. – disse Fred e George concordou com a cabeça, mas Harry percebeu que eles ainda estavam na duvida, por isso decidiu não pressionar os gêmeos.


 


- Porque vocês não pensam na minha proposta e quando decidirem podem me avisar que a gente acerta os detalhes. – disse Harry em tom simples recebendo a concordância por parte dos gêmeos. – Ah, quero vocês aqui embaixo amanhã as cinco e vinte da manhã.


 


- O que? – exclamaram Fred e George ao mesmo tempo o que fez Harry gargalhar abertamente da cara dos gêmeos.


 


- Vocês ouviram, quero os dois aqui embaixo as cinco e vinte, que é o horário em que iremos sair daqui. Se demorarem mais do que isso, vocês ficam, entenderam? – a voz de Harry estava séria quando falara com os gêmeos que se resignaram e apenas concordaram com a cabeça, o que fez o moreno balançar a cabeça satisfeito antes de apontar a varinha para o nada e murmurar o contra-feitiço do encantamento que ele executara. – Até amanhã então rapazes.


 


Após dizer isso o moreno se afastou e sentou-se em uma poltrona no canto do salão comunal da grifinória, ele ainda precisava falar com Hermione e a esperaria ali.


======


 


 


Hermione caminhava ao lado de Rony, os dois estavam voltando para o salão comunal da grifinória depois de terem terminado de jantar e eles andavam em silêncio, Hermione não estava muito interessada em conversar com o amigo, pois tudo o que ele sabia fazer era resmungar coisas ininteligíveis para a morena.


 


Quando ela e Rony atravessaram o buraco do retrato e entraram no salão comunal da grifinória, Hermione observou que eram poucos os alunos que já estavam no interior do salão, viu os gêmeos Fred e George Weasley sentados em um canto do salão parecendo extremamente concentrados em uma conversa que estavam tendo.


 


Havia alguns outros alunos mais velhos espalhados pelo salão, mas o que chamou a atenção de Hermione foi o moreno sentado isoladamente próximo a lareira do salão comunal da grifinória, depois de hesitar por um segundo a morena dirigiu-se até onde Harry estava deixando para trás um ruivo que resmungava baixo vendo para onde ela estava indo.


 


- Isso já está enchendo o saco. – disse Hermione em tom de voz exasperado quando sentou-se em frente ao moreno no chão, onde ele estivera acomodado.


 


- O que? – perguntou Harry em tom frio sem nem mesmo olhar para a garota que pela primeira vez desde que conhecera o moreno sentiu um arrepio de medo dele.


 


- Essa briga infantil entre você e Rony. – disse Hermione ignorando o que sentira, pois o moreno poderia se tornar o assassino mais frio do mundo e mesmo assim a garota sabia que ele jamais a machucaria.


 


- Eu não briguei com ninguém Hermione. – disse Harry com a voz calma e impassível não revelando um resquício de sentimento, mas quando ele virou o rosto e a morena pode por fim encarar o amigo nos olhos percebeu uma dor profunda que ele ocultava muito bem. – E o Rony vai ter de vir atrás de mim com as próprias pernas.


 


- Ainda assim, bem que você podia tentar entender seu amigo. – disse Hermione com a voz cansada, pois sabia que não conseguiria convencer o moreno a fazer nada que ele realmente não estivesse com vontade.


 


- Não tenho tempo para lidar com ele Hermione, o Rony vai precisar arrumar coragem sozinho para vir falar comigo. – disse Harry dando de ombros de maneira indiferente, não que ele não se importasse com a amizade do amigo, mas ele não tinha muito tempo para ficar tão poderoso quanto fosse possível para poder enfrentar Voldemort quando o momento chegasse. – Que tal você se encontrar comigo e com alguns amigos amanhã de manha, Hermione?


 


- Pra que? – perguntou a garota surpresa com o convite inesperado do moreno, na verdade ela nem mesmo estava certa da natureza do convite, o moreno aprece que percebeu a duvida dela e sorriu de maneira divertida.


 


- Essencialmente, eu vou começar um grupo de treinamento. – disse Harry indo direto ao ponto, pois sabia que Hermione preferia dessa maneira.


 


- Treinamento para que? – perguntou Hermione surpresa com o tom de voz determinado que Harry estava mostrando, mas o mais impressionante era a postura que o moreno estava assumindo, na visão de Hermione ele parecia um guerreiro.


 


- Para a guerra. – disse Harry sombriamente fazendo Hermione arregalar os olhos um pouco perplexa com o que ele dissera.


 


- Que guerra? – perguntou a garota em tom levemente rouco enquanto observava seu melhor amigo de maneira atenta.


 


- Você vai ficar sabendo se aceitar ir comigo e com os outros amanhã. – disse Harry sorrindo largamente ao perceber a frustração da garota ao não ser informada de algo, o moreno sabia o quanto a amiga odiava esperar para obter alguma resposta.


 


- Tudo bem, eu vou, mas quem são esses amigos de quem você está falando? – perguntou Hermione em tom resignado, afinal sabia que quando o amigo queria esconder algo não adiantava ficar insistindo porque ele não revelaria nada a não ser que realmente quisesse.


 


- Neville, Gina e a amiga dela Luna, Fred e George, mais nós dois, por enquanto somente nós sete. – disse Harry.


 


- E o Rony? – Hermione perguntou em tom de duvida enquanto olhava de relance por sobre seu ombro até o outro lado do salão comunal onde o ruivo lançava olhares raivosos para onde Harry e Hermione estavam conversando.


 


- Primeiro ele vai precisar crescer, Hermione. – respondeu Harry em tom frio e calmo deixando claro que não haveria outra maneira. – Vamos sair do salão comunal as cinco e vinte da manhã, então esteja pronta.


 


- Tudo bem. – concordou Hermione depois de alguns segundos, então o moreno levantou-se de onde estivera sentado e começou a se dirigir para as escadas que o levariam ao dormitório masculino, mas então ele parou e voltou lentamente para onde a morena ainda estava sentada e abaixando-se ao lado dela o moreno sussurrou.


 


- Não conte para ninguém o que falamos, Hermione. – a voz de Harry era fria como gelo enquanto ele falava. – Ninguém mesmo.


 


Hermione ficou observando enquanto o amigo subia para o dormitório masculino, nos minutos seguintes a garota ficou pensando nas palavras de Harry, não entendia a que guerra ele poderia estar se referindo, mas provavelmente deveria ter algo a ver com o bruxo das trevas que estava querendo a cabeça do moreno.


 


Poucos minutos depois Gina adentrou o salão comunal e o varreu com os olhos, depois de não encontrar quem procurava a ruiva dirigiu-se até onde Hermione estava e sentou-se ao lado da amiga que parecia pensativa.


 


- Ele já falou com você, não é mesmo? – perguntou Gina em tom curioso fazendo Hermione acordar e olhar para a amiga.


 


- Já. – respondeu Hermione simplesmente enquanto balançava a cabeça como se tentasse entender alguma coisa. – Ele já subiu.


 


- Pois é. – disse Gina dando de ombros e em seguida levantou-se novamente. – Eu vou subir para o dormitório e dormir, afinal vamos ter de acordar bem cedo.


 


- Eu vou com você. – disse Hermione lembrando-se do horário que o amigo havia dito que eles sairiam do salão comunal da grifinória, em seguida as duas garotas subiram pelas escadas do dormitório feminino sob o olhar curioso de muitas pessoas que sabiam que dificilmente os alunos iam para a cama antes da meia noite.


======


 


 


Harry acordou por volta das quatro e meia da manhã, mas continuou deitado em sua cama pensando no que o estava esperando pela frente, não que ele tivesse algum medo do que pudesse acontecer com ele, mas ele temia pela vida dos amigos.


 


Mentalmente Harry traçou os planos que ele estivera planejando para o treinamento dos amigos, mas Harry sabia que também precisaria de pelo menos um espião entre os membros da Ordem da Fênix e pelo menos dois entre os comensais da morte.


 


Espiões dentro da Ordem o moreno tinha alguns em mente, já entre os comensais da morte Harry não sabia quem ele poderia trazer para o seu lado, mas isso ele veria depois e talvez nem mesmo precisasse de um comensal da morte para espião.


 


Voltou a pensar no que ele estivera imaginando para o treinamento dele e dos amigos, durante todo aquele ano eles poderiam se manter fortalecendo a parte física do corpo deles e treinar os feitiços que eram aprendidos do primeiro ao sétimo ano, o moreno sabia que poderia conseguir tudo o que quisesse com a sala precisa, mas pensara melhor e imaginara que um treinamento que evoluísse por etapas fosse ser muito melhor do que se acabassem misturando tudo ao mesmo tempo, por isso durante as férias o moreno pensaria melhor na continuação do treinamento.


 


Quando já passava das cinco horas da manhã o moreno levantou-se e se dirigiu até a cama onde Neville dormia tranquilamente, o garoto roncava em alto som, mas ignorando isso o moreno aproximou-se do amigo e começou a chacoalhá-lo até que o garoto acordou sobressaltado, mas ficou em silêncio quando percebeu que fora Harry que o acordara.


 


O moreno fez um gesto batendo no pulso indicando que já estava na hora e depois que Neville concordou e levantou-se da cama os dois começaram a se arrumar rapidamente, em poucos minutos os dois garotos estavam prontos e saíram em silencio do dormitório masculino do quarto ano, nenhum dos outros companheiros chegou a acordar.


 


Quando os dois chegaram ao salão comunal encontraram Fred e George Weasley sentados em frente a lareira apagada do local, os dois estavam bocejando audivelmente e ambos pareciam extremamente sonolentos.


 


- Poxa Harry, a gente bem que poderia dormir mais algumas horas. – disse Fred soltando mais um bocejo e sendo acompanhado por seu irmão.


 


- Não reclamem, afinal vocês somente não estão acostumados a acordar tão cedo. – repreendeu Harry escondendo um sorriso, pois mesmo ele próprio estando acostumado a acordar por volta daquele horário, seu corpo de quatorze anos não estava e ele estava sentindo o mesmo cansaço físico que os outros.


 


- Cadê as garotas? – perguntou George olhando para as escadas do dormitório feminino e consultando o próprio relógio.


 


- Estão vindo. – afirmou Harry em tom sério e para a surpresa dos outros três, realmente Gina e Hermione apareceram no alto das escadas, as duas pareciam extremamente cansadas e desgrenhadas enquanto desciam.


 


- Bom dia meninos. – disseram Hermione e Gina ao mesmo tempo, as duas garotas estavam piores que os gêmeos Weasley e pareciam que dormiriam em pé a qualquer momento, o que fez Harry suspirar para esconder o divertimento.


 


- Vamos logo ou vamos chegar muito atrasados. – disse Harry encaminhando-se para a entrada do salão comunal e abrindo o retrato em seguida.


 


O moreno caminhava a frente do grupo de alunos enquanto observava atentamente o mapa do maroto, o moreno estava atento, pois não queria ser pego no meio do castelo, mas naquele horário ninguém estava rondando pelos corredores, pelo menos ninguém além deles.


 


Os outros estavam acompanhando o moreno enquanto conversavam baixinho entre si, mas depois de alguns minutos eles finalmente chegaram ao corredor do sétimo andar e alguns se surpreenderam ao encontrar uma garota loira da corvinal encostada a parede.


 


- Ah, vocês chegaram. – exclamou Luna abrindo u pequeno sorriso no rosto. – Achei que já tinham ido embora e que eu havia chegado atrasada.


 


- Não iríamos sem você, Luna. – disse Harry sorrindo para a loira que piscou surpresa e devolveu o sorriso.


 


- Sinto muito pelo leprechaun ter colocado o seu nome no Cálice de Fogo, Harry. – Luna falou em tom sério olhando para o moreno que ficou sem entender por um momento, o moreno ouviu risadas baixas vindas de Fred e George, além de um bufo irritado da parte de Hermione, mas Harry ignorou aquelas reações.


 


- Eu também sinto, Luna. – disse Harry simplesmente dando de ombros. – Mas ele me paga quando eu o encontrar.


 


- É, eles são maus. – disse Luna em um tom de voz que lembrou uma criança ao moreno, mas era exatamente o tipo de pessoa que Luna era, ela seria uma eterna criança, pois jamais deixaria de acreditar em contos de fadas, embora ela não estivesse equivocada em tudo o que dizia. – Aonde nós iremos, Harry?


 


A pergunta de Luna retirou o moreno de seus pensamentos e então ele virou-se para a parede onde ficava a entrada para a Sala Precisa, no momento seguinte Harry andou três vezes em frente a parede e um segundo depois uma porta vermelho escarlate apareceu surpreendendo todos os outros, inclusive a ruiva que imaginara que apareceria a porta amarela como na noite anterior, o moreno adiantou-se e abriu a porta.


 


- Bem vindos a Sala Precisa. – disse Harry com a voz séria antes de adentrar pela porta, logo depois de uma pequena hesitação os amigos o seguiram e se surpreenderam quando puderam finalmente observar o interior do ambiente.


 


 


 


Agradecimentos especiais:


 


Charles Hinnakin: Que bom que gostou cara. Abraços.


 


Deusa Potter: eu não me arriscaria a escrever um livro não, mas fico feliz pelo elogio. Que bom que gostou dessa historia, ela meio que estava na minha cabeça a algum tempo e eu precisei colocar no papel. Realmente ter varias historias é complicado e faz com que as atualizações de todas demore um pouco, mas eu vou tentar postar o mais rápido possível, o que eu não vou fazer é desistir delas, mesmo que eu não receba nenhum comentário vou continuar escrevendo. Beijos.


 


Guilherme Mota Baoeb: Que bom que gostou da fic, cara, quanto ao Shipper T/L, foi mal, mas eu acabei colocando por engano, valeu por ter me dado um toque. Abraços cara.


 


 


 


 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.