FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. A feiticeira que não conhecia


Fic: Harry Potter e o Amuleto de Merlin


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

     Pronto, pessoal, aqui estão os cinco primeiros capítulos. Por favor, comentem!! Podem escrever muito, se quiserem, quanto mais melhor, para mim! Até o próximo capítulo! Ah, antes que eu me esqueça, o nome da personagem Ana Christie é igual ao meu, mas as semelhanças terminam aí. Não tive a pretensão de me colocar como personagem da minha fanfic, ok?


****************************************************************************************


A Feiticeira que não conhecia a Magia




      Ana Christie estava passeando pela orla da praia de Copacabana, na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Sentia-se muito preocupada. Por que era tão estranha? As coisas mais inacreditáveis aconteciam quando ela estava por perto. Todos se afastavam dela e a tachavam de maluca. Ela sempre fora uma garota bonita, de cabelos longos e loiros e olhos azuis, mas nem mesmo a sua beleza fizera com que arranjasse amigos.


       Ana era uma menina órfã que crescera em orfanatos. Quando pequena, devido ao fato de ser bonita e com uma aparência, digamos, européia, havia morado em vários lares; todavia, nenhuma das famílias a adotava em caráter definitivo, devido às suas “esquisitices”. Apenas ao completar quatorze anos ela fora adotada por um casal de arqueólogos ingleses naturalizados brasileiros. Nos dias atuais, Ana estava com dezenove anos e trabalhava na loja de antiguidades de seus pais adotivos, que tinham decidido abrir quando se aposentaram. Ela sempre adorara objetos antigos. Não tinha a mínima idéia de onde vinha aquele fascínio, se ele era resultado dos genes de seus pais biológicos, dos quais não tinha a mínima idéia sobre quem eram.


      Algo interessante era um Amuleto que carregava consigo desde que se conhecia por gente: uma corrente com um pingente que parecia ter o formato de um quarto de esfera. Era prateado e nele havia o desenho em alto-relevo de uma fênix dourada. O incrível era que não havia maneira de aquele Amuleto sair de perto dela: desde pequena, várias pessoas, inclusive algumas pertencentes às famílias que tentavam adotá-la, haviam tentado roubar o Amuleto. Inevitavelmente, não importando quem o pegasse, todos os dias ela acordava com ele pendurado em seu pescoço. Ela não sabia como aquilo acontecia, apenas sentia uma espécie de poder e sintonia entre o Amuleto e sua alma.


         — Oh, acho que está na hora de voltar ao trabalho... — murmurou Ana, suspirando. Estava cansada da monotonia de sua vida. Gostava de trabalhar na loja de antiguidades de seus pais adotivos, mas queria mais aventura em sua vida.


        Enquanto voltava para seu trabalho pela orla da praia, recebendo no rosto a refrescante brisa marinha e vendo o agitar das árvores e palmeiras que enfeitavam aquela bela parte da Cidade Maravilhosa, Ana pensava na surpresa que preparara para os pais: em dois dias seriam as bodas de prata deles e, com suas economias, Ana comprara, como presente, as passagens para um pequeno cruzeiro pela costa brasileira. Eles ficariam muito felizes, já que há muito tempo pensavam numa viagem de segunda lua-de-mel. Ana os amava muito e também era muito grata por eles terem-na adotado quando ela já sabia que não teria nunca a oportunidade, por sua idade e suas maneiras estranhas.


       Ao chegar ao estabelecimento, ela estranhou a porta estar fechada. Quando ela saíra para almoçar, sua mãe, Mary, ficara no seu lugar, para não precisar fechar a loja. Acontecera alguma coisa?


        Cautelosa e insegura, sentindo no peito uma leve inquietação, ela empurrou a porta. Estava apenas encostada! Estava com medo, uma vez que a violência no Rio de Janeiro abarcava níveis cada vez maiores, e não seria uma raridade se tivesse acontecido um assalto.


        Dentro da loja, estava muito escuro. Ana acendeu a luz e arregalou os olhos e tapou a boca, para evitar o grito que chegou à sua garganta.


       A loja estava um verdadeiro caos, toda revirada. Móveis estavam tombados, papéis espalhavam-se por todos os cantos, quadros estavam com os forros rasgados, havia objetos de arte jogados em todos os lugares, muitos dos quais estavam em pedaços.


         — Quanta crueldade... Que vandalismo... — ela sussurrou. Onde estariam seus pais?


        Com cautela e evitando fazer barulho, Ana subiu a escada que levava a casa em que morava com seus pais, situada sobre a loja. Levava em suas mãos um atiçador de lareira de bronze.


        Ao entrar na casa, estremeceu. Também ela estava revirada, com gavetas abertas, estofados de móveis rasgados, objetos jogados no chão. Aquilo, pelo visto, era pior do que imaginava.


        — Mãe?  Pai? — gritou.


        Não ouviu resposta alguma. Foi verificando por cada aposento, só encontrando destruição. Onde diabos seus pais estavam?! De repente, no quarto em que dormia, Ana tropeçou em algo. Quando olhou para o chão, gritou, apavorada. Tropeçara em um braço!


         Ana deu a volta na cama e sentiu uma grande dor. Sua mãe estava no chão, paralisada, uma expressão de horror no rosto.


        — Mamãe! Meu Deus, fale comigo!


        Ela abaixou e se ajoelhou ao lado do corpo inerte da senhora de cinqüenta anos, loira como ela. Tomou o pulso da mãe e verificou que não havia pulsação e que ela estava morta.


       — Mamãe... — ela murmurou. Encolhendo-se, pôs-se a chorar. Entretanto, lembrou também de que seu pai não respondera ao chamado. Levantou-se e andou apressada pelos cômodos que faltavam. Para sua tristeza, também seu pai estava morto, na varanda da casa.


        Ambos os pais pareciam ter morrido de morte natural. Não havia ferimentos de instrumentos cortantes ou de possíveis pancadas na cabeça, e nem de armas de fogo. Estavam apenas... mortos.


       Trêmula, ela foi até o telefone. Tinha que contar à polícia. Com o rosto cheio de lágrimas, abriu a agenda, e estava procurando o número quando na porta da varanda apareceu um homem. Soltando um grito, Ana deixou a agenda cair e recuou. Seria aquele o assassino de seus pais?


       — Quem é você? — gaguejou.


       Era um homem muito baixo, com cabelos finos, descoloridos e malcuidados em torno de um cocuruto de cabeça calvo. Seu aspecto era flácido, com uma pele enrugada. Seu rosto tinha um nariz fino e os olhos eram miúdos e lacrimosos, com feições que lembravam as de um rato.


       — Meu Deus...


       — Oi, menininha linda... — ele disse em inglês com uma voz melíflua e sonsa e um sorriso falso. — Como vai? Eu estava passando por aqui e decidi olhar as coisas que vocês têm... Coisas interessantes, por aqui...


       Ela estava gelada de medo. Como aquele homem era cínico! Um assassino! Assustada, ela recuou, segurando mais forte o atiçador de lareira, que deixara sobre um sofá próximo.


       O homem, que vestia uma roupa estranha, uma espécie de túnica comprida e vermelha, levantou um objeto em sua mão. Tratava-se de uma vareta de madeira lustrosa e escura. Apontou para ela e falou:


        — Accio atiçador!


        Para a surpresa e assombro de Ana, o atiçador voou de suas mãos até o homem, que o segurou com a mão livre.


        — Deus! O que é isso?!


        — Vim atrás de algo, senhorita. Procurei por todos os lugares e não encontrei. Você deve estar com o que eu quero...


        Ele se aproximou mais. Ana recuou e tropeçou num móvel atrás de si. O que aquele... aquele homem queria? Nunca vira algo tão incrível quanto o que ele fizera a não ser nos filmes!


        — Por que matou meus pais?


        O homem de cara de rato riu.


        — Eles não queriam cooperar, não tive culpa. Disseram que iriam chamar a “plícia”, o que não foi algo sensato.


        — Você é louco?


        — Não, meu nome é Pedro Pettigrew, mas pode me chamar de Rabicho. Senhorita, por que não me dá logo o que eu quero? Será melhor para nós dois...


        — Não entendo... Não tenho nada que você possa querer...


        — Deve ter... Tive informações precisas sobre o fato de que aqui, com alguém que mora nessa casa, está um objeto muito importante, de muito valor e poder.


        — O quê? Eu não tenho nada de valor!


        — Uma corrente com um pingente prateado e a figura de um ser mitológico dourado em alto-relevo...


        Ana cometeu o erro de levar a mão ao colo. O homenzinho riu.


        — Já sabe do que falo... Se me entregar de boa vontade, nada vai acontecer com você, pequena... mas, se não, prepare-se para a morte!De um jeito ou de outro levarei o Amuleto ao meu Lord!


        Com a respiração ofegante, Ana segurou o pingente com mais força. Ele estava quente como nunca antes, como se pressentisse que poderia ser tirado do lugar onde esteve por anos. Deus, para onde poderia ir?!


        Ela contornou o móvel e tentou correr. Queria alcançar a porta da casa e descer logo as escadas. Aquilo era incrível, será que estava em meio a um pesadelo bizarro? Entretanto, mal deu alguns passos, o homem com cara de rato gritou algo parecido com “petrificus totales” e no mesmo instante ela se sentiu totalmente imobilizada, a ponto de não conseguir ficar de pé e desmoronar. Não conseguia mover um só músculo do corpo, muito menos abrir a boca e falar. Apenas seus olhos podiam ver a aproximação daquele homem horrível e cínico, que vinha com um sorrisinho sarcástico na boca fina e pequena.


        — Bem, querida, você não tem muita chance comigo e com minha varinha...


        Ela apenas via e escutava, totalmente paralisada. O homem que se intitulava Rabicho debruçou-se sobre ela, abriu alguns botões de sua blusa, falando:


        — Pena que o meu Lord tem pressa, senão podíamos nos divertir muito... Você é uma coisinha muito fofa... Hei, me diga como algo como esse Amuleto veio parar aqui com você, nesse país infernal, quente, de Terceiro Mundo... Ah, esqueci! — ele deu uma risadinha. — Você não pode falar!


        A mão do homem pairou sobre o rosto de Ana e só então ela percebeu o quanto ela era estranha... Era prateada, parecia ser feita de metal! Como a mão de um andróide! Ao sentir aqueles dedos encostados em sua pele, Ana estremeceu de repulsa. Logo, todavia, eles se fecharam em torno do pingente que repousava no vale entre seus seios. Quando ela achava que sua corrente iria ser arrancada, Rabicho soltou o pingente e gritou:


        — Ai! Isso queima! Que inferno!


        “Queima?”, ela se perguntou, perplexa. Sentia apenas um leve e confortável calor que lhe aquecia a pele e parecia inundá-la de contentamento.


        — Droga!


        Rabicho segurou a mão prateada com a outra, normal. Como aquela reação poderia acontecer?!, era o que ele se perguntava, pois a mão metálica era feita de pura magia, puro feitiço! A não ser que o tipo de magia presente no Amuleto fosse reativo ao tipo de magia de Lord Voldemort...


         — Bem, se o Amuleto não vem a mim por bem, vem por mal! Accio Amuleto!


         A corrente se ergueu do pescoço de Ana e o Amuleto pareceu pairar no ar. Entretanto, não fazia mais que isso; Ana não a sentia forçando a pele de seu pescoço. Era como se, nele, houvesse uma espécie de energia que neutralizava o poder que aquele objeto estranho segurado por Rabicho continha.


         — Mas que inferno! — bradou o homem baixinho. Como faria para arrancar aquela corrente do pescoço daquela maldita moça?


          “Bem, ela parece ser imune a ele...”, pensou, avaliando suas opções. Queria ir embora logo daquele país tropical, além do que o Lord das Trevas já devia estar irritado.


          — Bem, mocinha, eu vou libertá-la do feitiço que mandei, mas nada de gracinhas!


          “Feitiço?! Meu Deus, isso está se tornando cada vez mais surreal...”


          — Finite Incantatem! — disse Rabicho.


          No mesmo momento, Ana sentiu-se livre. Seus movimentos, antes contidos por uma força superior, voltaram, como se nada tivesse acontecido e tudo não tivesse passado de um sonho. Estaria louca? Suas mãos instintivamente seguraram o seu Amuleto. Não queria perdê-lo para aquele homem vil e asqueroso, com cara de sonso e de hipócrita. Ele era um assassino... o assassino de seus pais. Não cederia o seu bem mais precioso, único elo entre ela e seus verdadeiros pais.


          — Bem, menininha linda... não quer dar ao tio Pedro essa correntinha? O titio aqui não quer machucá-la, quer apenas o Amuleto — ele disse, sorrindo, um ar condescendente e um sorriso muito hipócrita no rosto.


         — Nunca!


         O sorriso, no mesmo momento, sumiu da cara de roedor de Rabicho. Ele parecia estar com receio. A verdade era que o bruxo estava sentindo uma aura de magia suave emanando daquela simples garota trouxa. A não ser que... ela não fosse trouxa... Seu Lord o enganara? Afinal, nenhuma trouxa teria a capacidade de emanar magia. Além disso, aquele colar, que parecia ter vida própria, não estaria se recusando a deixar o corpo de sua portadora se não tivesse uma afinidade mágica entre as suas almas. Tinha que levar ao seu mestre o Amuleto de qualquer maneira, no entanto. Não por ser devotado a ele. Rabicho não se devotava a ninguém. Ficava sempre do lado do mais forte. Não queria represálias do Lord das Trevas, tinha muito medo dele. E isso significava retornar, e logo, para o seu lado, levando consigo o que viera buscar.


         — Me dê o Amuleto, minha formosura, se não quiser seguir o mesmo destino dos seus pais.


         Os olhos de Ana se encheram de lágrimas, que ela tentou a todo custo conter. Aquele não era o momento para se entregar, mas lutar.


         — Nunca! Você só o terá se o tirar de mim! — gritou, os olhos azuis brilhando intensamente, o rosto transfigurado e as sobrancelhas franzidas. Apoiou-se sob os cotovelos, com a intenção de se levantar.


          — Bem, você não me deu outra opção... — Rabicho ergueu a vareta, apontou-a para Ana e falou:


          — Avada...


         Antes, entretanto, que lançasse sobre a garota a Maldição Imperdoável da Morte, da mesma maneira que fizera com os pais dela e inúmeros seres humanos, uma voz tonitruante falou, clara e decididamente:


         — Expelliarmus!


         Os olhos arregalados de susto e surpresa, Ana viu a vareta voar das mãos do homem, indo parar longe.


         — Oh... m-mas... mas o que está acontecendo? — gaguejou Rabicho, assustado. Logo olhou em volta, procurando o causador daquele contratempo. Empalideceu.


         Ana aproveitou a oportunidade, levantou-se e foi para trás do sofá. Olhou para o centro da sala e ficou abismada. Um homem de certa idade, mas imponente, alto e magro, um porte elegante, mantinha-se lá, orgulhoso e altivo. Ele era absolutamente o oposto do homem intitulado Rabicho. Seus cabelos longos e prateados e a farta e bem tratada barba alva que lhe descia até o peito davam-lhe um impressionante ar de dignidade que nunca chegara sequer a sugerir a cara de rato de Rabicho.


         — Não é possível! Você morreu! — gritou Rabicho.


***************************************************************************


 


Ok, pessoal, espero muito que tenham gostado, os capítulos daqui para frente serão maiores e mais cheios de aventuras e emoções! Um abraço!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.