FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

8. Com muito tato


Fic: Você em minha vida


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

A situação se mostrava delicada, e a tensão era palpável. Hermione tinha que tomar uma atitude e bem rápido, antes que acontece-se uma besteira. Draco se afastou da porta e ficou perto da janela, de modo a encarar tanto Harry quanto Hermione.

- Não há nada a ser explicado Potter! Já disse estou aqui por causa da minha amiga.- Malfoy respondeu áspero.

- Amiga? E desde quando Draco Malfoy e Hermione Granger são amigos?- perguntou com os olhos cravados nos da morena, ela sustentou seu olhar e falou de modo bastante calmo:

- O fato de Draco e eu mantermos uma amizade, vem da habilidade de vermos alem da aparência, e enxergar a verdadeira pessoa que somos por dentro e não a que externamos! Confiando naquele que te estende a mão. Você bem sabe disso não é? Ou tenho que lhe refrescar a Memória?

( INICIO DO FLASH-BACK DA HERMIONE E DO HARRY )

Harry andava de um lado para o outro, sentia o sangue ferver nas veias. Até que um estalo se fez ouvir na sala de sua casa, Hermione acabara de aparatar. Ele estancou os passos e a encarou.

- Parabéns – ele falou com frieza.- Você conseguiu me fazer de palhaço, merece um troféu. Pretendia me contar a verdade algum dia?

Ela endireitou os ombros.

- Verdade que verdade?

- QUE VERDADE?- ele explodiu.- ACHOU JUSTO ME FAZER ACREDITAR QUE ESTAVA SAINDO COM ALEX, QUANDO NA VERDADE ERÃO SÓ AMIGOS? MESMO DEPOIS DA MORTE DELE?

- FOI VOCÊ QUEM TIROU CONCLUSÕES PRECIPITADAS A NOSSO RESPEITO - ela se defendeu.- TODOS SABIAM QUE ERAMOS AMIGOS, VOCÊ NÃO SABIA POR QUE SIMPLESMENTE PREFERIO ESCUTAR AS MALDADES QUE AQUELA FILHA DA PUTA DA CHANG TE DISSE! VAMOS ME DIGA SE NÃO É VERDADE? FICOU ESPERANDO TODO ESSE TEMPO PARA ME JOGAR NA CARA ALGO TOTALMENTE ABSURDO, DEPOIS DE TERMOS ATÉ TRANSADO HONTEM?- gritou irada.

- Não se divertiu? – perguntou venenoso.

- Para ser sincera, sim, eu me divertir muito. Afinal era com você que eu estava. È tudo que queria saber? Já terminou?- Hermione segurava bravamente as lágrimas que teimavam em querer cair. Como ele podia desconfiar dela? Ela o amava tanto.

- Ainda não – Harry respondeu, retirando uma caixinha de veludo do bolso da jaqueta e estendendo para Hermione.

- O que é isso?- perguntou desconfiada.

- Abra e veja.

Com mãos trêmulas, Hermione apanhou a caixa e abriu-a. Quase perdeu o fôlego quando seus olhos pousaram em um reluzente colar de Esmeraldas.

- Gostou? É seu. Pagamento pela noite passada. Custou caro, mas valeu cada centavo.- Harry declarou insolente, mas depois se arrependeu imediatamente.

Hermione empalideceu, e com toda a sua força jogou o colar com caixa e tudo nele, que apenas se desviou com facilidade.

- SEU PATIFE! COMO PODE FAZER ISSO COMIGO, COM O QUE TIVEMOS JUNTOS? VOCÊ TRANSFORMOU ALGO MARAVILHOSO, NUMA COISA SUJA E FEIA. VOCÊ É UM MISERAVEL, EU TE ODEIO COM TODAS AS MINHAS FORÇAS.- no momento seguinte um estalo foi ouvido. Ela acabara de sair para sempre da vida dele.

Harry quebrou tudo o que viu pela frente, sua fúria era incontrolável. Como pode fazer o que fez com ela, COMO?.

Ele se sentou exausto no chão, apoiando a cabeça entre os joelhos. Cruel é o que fora! Merecia uma surra, ela não aceitaria suas desculpas nunca.
Algum tempo depois seus pensamentos foram interrompidos, quando Píchi deu um rasante pela cabeça dele e deixou uma carta ao seus pés. Ao abrir a carta e ler o conteúdo, Harry sentiu seu coração falhar.

Harry

Venha imediatamente para a toca! Acabamos de saber que os pais de Hermione foram assassinados, estão trazendo-a para cá.

Rony.

Ele aparatou imediatamente na toca. Todos da Ordem estavam presente.

- Cadê Hermione- perguntou aflito.

- Estão trazendo-a – informou Lupin, que estava anormalmente pálido.

A sra. Weasley, andava pra lá e pra cá, agoniada.

- Meu Merlim aonde está Hermione, porque não a trouxeram ainda para cá?- Perguntou exaltada Molly.

- Calma Molly daqui a pouco Hermione estará aqui, e ela vai precisar de todo o nosso apoio! – exclamou Dumbledore.

- Isso o senhor nem precisava falar – falou Harry agoniado e exasperado. Se corroia pela culpa, horas antes ele e Hermione discutiram agressivamente, e ele lhe disse palavras imperdoáveis.Céus estava apavorado com a idéia de Hermione não o perdoar e se recusar a receber o conforto de seus braços e ajuda-la a atravessar esse momento tenebroso pela qual está passando. Mas se ela dissesse um não, estaria coberta de razão, se estivesse no lugar dela teria jogado um crucio triplo nele, Harry se pudesse se espancava pela atitude vil, que teve com ela.

Seus pensamentos foram interrompido pela chegada de Hermione,e mais dois Aurores. Todos contemplavam pesarosos e chocados o estado dela. Coberta de sangue, as roupas em desalinho e a expressão fúnebre, nem de longe lembrava a Hermione vivaz que conheciam, tinha um olhar duro e frio, o coração de Harry se apertou em desespero por ela, mas soube no momento em que ela pôs olhos nele, que era a última pessoa no mundo que queria ver.
( FIM DO FLASH BACK )

- É! Eu sei...- Harry respondeu baixo e friamente, para ela.- Mas eu também sei o que ainda existe lá no fundo e que é meu e só meu - finalizou encarando o loiro.

- Veremos... Potter, veremos...- respondeu o loiro.

Se olhares matassem, os dois já estariam tombados no chão. Antoinette entrou naquele momento, mas parou de chofre ao notar a tensão no ambiente.

- Deseja alguma coisa Antoinette?- Hermione perguntou, grata pela interrupção.

- Na verdade vim trazer um recado para o sr. Malfoy, um cliente seu o aguarda na sua sala.- informou.

- Diga para me aguardar por uns cinco minutos, que já estarei lá.- Antoinette, retirou-se rapidamente da sala.- Quando o expediente acabar, virei apanha-la, para leva-la a sua casa Mione, até mais tarde.- Draco falou infatizando bem o apelido da mulher e depois saiu.

Harry aparentemente tinha uma expressão neutra no rosto, mas por dentro estava se controlando para não quebrar a cara daquele branquelo metido.

- Bom sr.Potter, o senhor irá receber o relatório sobre o progresso da empre...

- Cancele!

- O quê? Cancelar o relatório, mas você tem que...

- Não eu quero que cancele seu encontro com o Malfoy- Harry corrigiu, Hermione corou e respondeu asperamente:

- Em primeiro lugar, eu não estou saindo com o Malfoy, segundo vou aceitar a carona dele e terceiro VOCÊ não manda em mim e que isto fique bem claro!

- Vai passar este fim de semana comigo.- ele agarrou-a de repente, carregou-a, fechando a porta com o pé. Beijou-a.

- Não vou.- disse rebelde, e lutando para sair daqueles braços de aço.

- Pense mais um pouco, Mione.- Harry beijou-a, demorado e ardentemente.- Por favor?.- ele acrescentou ao erguer a cabeça.

- Não! Estou aqui para trabalhar...

- Não nos fins de semana.

- Harry, solte-me, por favor.- Hermione receava que o pessoal do escritório desconfiasse de qualquer coisa, a porta ficando fechada durante tanto tempo. Antoinette teria um bom motivo para suas fofocas.

- Não a deixarei ir até que prometa passar o fim de semana comigo – ele disse com firmeza. – Posso ficar assim a tarde toda. Estou gostando, sabe?

- Esta bem eu vou passar este fim de semana com você - concordou de má vontade.- agora me ponha no chão.

Harry a obedeceu, mas continuou com os braços ao redor dela.

- Por que insiste em lutar contra mim?

- Porque não quero me machucar!- respondeu amarga, Harry a apertou mais contra si.

- Se continuar no passado só vai conseguir isso, se machucar. - ele sussurrou com os lábios roçando os dela.

- Você é o último que deveria me dizer estas coisas.- olhou diretamente nos dele.

Harry soltou-a, mas apenas para ficar á um palmo de distancia.

- Não construa paredes entre nós – disse Harry bruscamente.- Se o fizer, Hermione, derrubarei cada uma delas. Usarei todos os meios que estiverem ao meu alcance, entendeu bem?

Hermione o mirou com curiosidade, ele mudava de humor com uma velocidade incrível, mas se ele achava que estaria por cima, estava redondamente enganado, deixa o horário do expediente acabar.

- Bom se era tudo o que queria, pode ir embora sr. Potter – falou desafiadora, ele apenas deu risinho debochado e foi embora, pelo menos era o que ela achava.

******
Horas mais tarde Hermione finalizava alguns documentos para mandar para a diretoria geral. Quando olhou no relógio deu um pulo da cadeira, estava atrasada, quase saiu correndo da sala.

Encontrou Draco no saguão, preocupado. Ao vê-la, porém, veio ao seu encontro, sorrindo.

- Pensei por alguns minutos que ia me deixar plantado aqui – explicou ele. – Já ia resgata-la seja lá onde você estivesse.

- Me desculpe, as horas passaram voando, e quando me dei conta, corri o mais rápido que pude.

- É muito bom saber, que correu ao meu encontro, mas puxa deveria ser mais discreta, sei que não agüenta ficar longe de mim, então segure a ansiedade de me ver.- gabou-se, Hermione respondeu dando-lhe um beliscão no braço.- Ai! Credo você não vê a hora de ficar a sós comigo não é?- ela revirou os olhos.

- Cala boca moleque, e vamos logo embora, não quero dar de cara com o Harry.

- Vamos! Também não quero vê-lo, estragaria minha noite.- Draco olhava taciturno, os passantes.

No carro o clima melhorou mais, falaram de trivialidades, e o loiro não perdia a oportunidade de ficar provocando Hermione, que a esta altura ameaçou joga-lo para fora do carro.

Depois de um tempo chegaram na casa dela.

- Pronto está entregue!
- Obrigado você foi um amor – Hermione se curvou e lhe deu um beijo no rosto, depois saiu do carro.

Draco, com uma expressão sonhadora na face, observou-a entrar no prédio,
em seguida deu a partida e foi embora.

Hermione entrou no seu apartamento, mas parou, ao notar a luz da sala acesa, e sua surpresa foi maior ainda ao encontrar Harry sentado, no seu sofá.

- Como entrou aqui?

- A sra. Lemoinne, me deixou entrar! – respondeu displicente.

- Vou ter que pedir a ela que não faça mais isso! – exclamou zangada.

- Nada disso! Eu disse a você que não viesse com o Malfoy, mas mesmo assim veio, adora viver perigosamente não é?- Harry a olhava ameaçador.

- Eu disse que viria com ele, e também disse que você não manda em mim.

- Quer que seus homens sejam humildes, é isso? – os olhos cor de esmeralda continuavam penetrantes, mas sem o ar hostil.

Este Harry Potter humilde, hahahahahaha, só pode ser brincadeira, pensou Hermione, um pouco mais descontraída.

- Não tenho homens na minha vida, Harry, não pelo menos do jeito que pensa, e você sabe disso.

- E aprovo cem por cento. Acho que um homem é mais do que suficiente para você. E, engraçado, conheço o homem...

- A final de contas, veio para brigar ou se promover? – perguntou sarcástica.

- Nenhum dos dois – ele suspirou – Desculpe-me, não queria ser grosso com você, e acabar estragando nosso fim de semana.

Hermione ficou tentada a ceder, mas agüentou firme.

- Deixa para lá, já não concordei em ficar com você? Sei que não me daria outra escolha mesmo – falou desolada.

Harry sentia-se ao mesmo tempo feliz e culpado, não queria que ela ficasse sem sua vontade, mas se fosse esperar que aceitasse por vontade própria, com toda certeza ia ficar mofando.

- Bom vou embora! Já que sei que não quer que eu fique esta noite com você, ou você quer?- Harry parecia uma criancinha esperando o papai Noel dar pessoalmente o seu presente.

- Não mesmo!- a expressão de desapontamento dele foi cômica, mas ela não ia rir de jeito nenhum, nunca.

- Então ta. Até amanhã.- se dirigiu a porta e foi embora.

Hermione suspirou, Draco não ia gostar nada disso. Resolveu escrever um bilhete e mandar para ele.

*****

Draco chegou no hotel, e foi informado de que tinha um bilhete para ele, pegou o papel e leu:

Draco

Sei que deve estar cansado mas aconteceu um imprevisto, pode aparatar em casa?

Hermione

Draco não esperou nem um segundo para aparatar na casa dela, não se preocupou com o balconista, afinal estava num hotel bruxo. Hermione o aguardava na sala.

- O que aconteceu?- perguntou aflito.

- calma não foi uma catástrofe... Bem depende decomo você vê... Mas é o seguinte, vou passar o fim de semana co o Harry – Draco se indiguinou mas antes de falar Hermione continuou – Não se preocupe, nada de coisas românticas, só queria avisa-lo, e também dizer que vou contar-lhe a verdade com o que aconteceu nos E.U.A .- revelou determinada.

( Gente o que será que ela vai revelar? Que pergunta, eu sei e vcs não hahahahaha, Bom voltando do meu surto de loucura... ai esta o novo cap, espero que gostem, eu amei escreve-lo, foi difícil para mim escrever a canalhice do Harry com a Hermione, mas foi necessário, se fosse comigo, o camarada não estaria nem vivo. Não se acanhem comentem bjussssss a todos)









Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.