FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

7. Uma vida a dois


Fic: A filha do Magnata - CAPT. 10 ON


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

A rotina do casal já estava voltando ao ‘normal’, o tempo que haviam passado no rancho os havia aproximado de uma maneira sem igual. Hermione havia voltado à escola onde era o centro das atenções por seu relacionamento com Severo Snape (o ex-segurança). Severo fazia de tudo para que a vida de Hermione fosse a melhor possível, sabia que ela  nunca  teria a mesma mordomia que tinha na casa do seu pai por isso fazia o máximo para que nada lhe faltasse. George Granger havia se casado em um casamento bem comentado, e outro fato que havia sido bem comentado era que Hermione não havia comparecido ao casamento do pai e quem agradecia por esse fato era Gwen.


 


            - Meu amor o que você acha de ligarmos para Ba e chamá-la para vim jantar conosco? - perguntou Hermione enquanto estavam deitados logo pela manhã. – Estou com saudades dela!


 


            - Acho uma ótima ideia! E quando seria esse jantar? – perguntou ele acariciando os cabelos castanhos da amada. – Não esqueça que hoje o Potter vem até aqui para falar com você!


 


            - Você nunca vai perder a mania de chamá-lo de Potter não, Snape? – perguntou ela também o chamando pelo sobrenome só para irritá-lo coisa que conseguiu com uma facilidade muito grande. – E quanto ao jantar poderia ser amanhã, e eu faço questão de cozinhar!


 


            - Odeio quando você me chama de Snape, Granger! – disse ele seco fazendo com que ela risse alto. – E meu bem, acho melhor para a própria segurança de Ba que ela não coma a sua comida, pode deixar que eu cozinho!


 


            - Não é verdade Snape, eu tenho cozinhado muito bem! – disse ela se defendendo.


 


            - Granger eu só falei a verdade! – disse ele com um pequeno sorriso. – Não se incomoda em eu te chamar de Granger?


 


            - Sabe ao contrário de você, acho sexy quando você me chama de Granger! – disse Hermione com um sorriso malicioso. – Faz com que eu me sinta aquela menina que vivia te afrontando na casa dos meus pais!


 


            - Tinha tanta vontade de te matar naqueles tempos sabia!? – disse ele passando a mão por entre as coxas dela que reprimia um gemido. – Mais em outros momentos eu tinha vontade de entrar naquele quarto te jogar na cama e te fazer minha!


 


            - Já eu queria ser sua no corredor mesmo! – murmurou ela no ouvido dele em seguida mordendo o lóbulo da orelha dele que não fez questão de reprimir o gemido. – Já que não foi na minha casa, poderia ser na sua!


 


            - Seu desejo é uma ordem! – disse ele levantando e levando-a junto. Quando finalmente chegaram ao corredor já não havia roupas, era perceptível no olhar de ambos o desejo que aflorava ali, Hermione tinha os cabelos totalmente desgrenhados e Severo rosto afogueado. Foi uma manhã bem ‘produtiva’ por assim dizer, haviam se amado em cada corredor daquela casa, segundo Snape iam deixar marcas na casa toda vez em que se amassem, já tinham uma na parede de quando Hermione lhe arranhara nas costas e saíra sangue.


 


            Sentiam-se unidos a cada dia que passava tudo era compartilhado cada conquista, cada alegria, cada momento de raiva. Hermione amava o jeito como Severo lhe tratava como se fosse um cristal que se caísse poderia quebrar. Já Severo, como Hermione mesmo dizia, era uma jóia bruta que aos poucos ia sendo lapidada. Um casal fora do comum, a diferença de idade atrapalhava? Que nada só dava um ‘quê’ a mais na relação.


 


            - No que pensa Hermione? – perguntou Severo quando viu a amada sentada no sofá olhando para um ponto fixo na parede.


 


            - Em como minha vida mudou! – respondeu ela sem olhá-lo. – Um dia desse eu estava brigando com meu pai por ter posto um segurança pra mim, agora eu agradeço imensamente a ele por ter te colocado!


 


            - Minha linda você não tem noção de como queria te matar sabia! – disse ele com um sorriso contido. – Você era tão birrenta que no primeiro dia em que fui contratado e te vi, pensei em desistir!


 


            - Se você tivesse desistido provavelmente não estaríamos juntos aqui, na sua casa! – disse ela indo para o lado dele no sofá. – Obrigada!


 


            - Pelo que? – perguntou ele dando um beijo no topo da cabeça dela. – E a casa não é mais minha, é nossa!


 


            - Por tudo até agora! – respondeu ela olhando-o nos olhos. – O que você quer dizer com ‘é nossa’?


 


            - Que a partir de hoje tudo o que for meu é seu! – respondeu ele vendo os lábios de Hermione abrir em um sorriso lentamente. – Amo você!


 


            - Eu também amo você! – disse ela beijando-lhe os lábios lentamente. – Não quero me separar de você nunca mais!


 


            - E quem disse que vamos nos separar Hermione Jane Granger? – perguntou ele com um meio sorriso.


 


            - Não me chama de Granger, por favor, me faz lembrar o passado! – pediu ela com o olhar baixo. – Apesar de alguns momentos achar sexy você me chamando de Granger.


 


            - Então Hermione Jane Snape fica melhor pra você? – perguntou ele vendo-a olhar surpreendida para ele. – Quero construir uma família com você menina, quero ter filhos, netos, bisnetos!


 


            - O que quer dizer com isso? – perguntou ela querendo ouvir da boca dele o que já sabia.


 


            - Que eu quero me casar com você! – respondeu ele sério. – Obviamente não agora, até porque você tem que terminar a escola e se formar na faculdade!


 


            - Você realmente quer casar comigo? – perguntou ela com os olhos brilhando de felicidade.


 


            - Sim quero e muito! – respondeu ele enxugando uma lágrima tímida que caia dos olhos dela.


 


            - Você me faz a mulher mais feliz desse mundo! – disse ela beijando-o com paixão.


 


            Uma bela tarde de segunda feira e Hermione estava indo ao encontro de Ba quando viu um carro das empresas do seu pai parar logo a sua frente. Ficou surpresa ao ver o mesmo sair do carro com uma aparência cansada, estava mais magro e não tinha o costumeiro sorriso no rosto.


 


            - Pai o que aconteceu? – perguntou ela que sentia uma saudade tão grande daquele homem, apesar de tudo seria sempre o seu pai.


 


            - Que saudades minha filha! – disse ele abraçando-a de modo reconfortante e ali chorou tudo o que poderia chorar.


 


            - Eu também estava morta de saudades de você pai! – disse ela olhando-o nos olhos, sabia que alguma coisa estava acontecendo. – Fala o que aconteceu!


 


            - Não aconteceu nada minha filha! – disse ele sem encará-la. – Como você está? Já desistiu de brincar de casinha com aquele homem?


 


            - Não gosto quando fala assim pai! – disse Hermione ficando irritada, parecia que seu pai estava bem, já que estava implicando com Severo. – E eu não estou brincando de casinha pai, eu estou vivendo com o homem que eu amo. Se alguém está brincando de casinha aqui é o senhor e aquela mulher.


 


            - Porque nunca conseguimos conversar sem que você meta a Gwen no meio? – perguntou ele passando as mãos pelo cabelo, sinal de que estava nervoso.


 


            - E porque o senhor sempre mete o Severo no meio? – perguntou sem paciência alguma. – Se é para brigar que veio falar comigo, pode ir embora!


 


            - Vim falar sobre a Ba! – disparou ele de uma vez fazendo com que Hermione o olha-se atentamente.


 


            - Eu estou indo ao encontro dela agora. – disse ela sem entender onde o seu pai queria chegar.


 


            - Ela não vai ao seu encontro! – disse ele sério e tenso.


 


            - E porque não? Eu falei com ela hoje pela manhã e estava tudo certo para o nosso encontro! – perguntou ela literalmente perdida.


 


            - Ela está morta Hermione! – disse ele voltando a deixar lágrimas caírem de seus olhos e olhando para Hermione que não falara nada e estava estática, em choque.


 


            - Como? Onde? Quem? – perguntava ela baixo ainda em choque, aquela que cuidara dela durante toda sua vida estava morta, sua segunda mãe estava morta. O que ela faria agora?


 


            - Ela foi encontrada morta no carro que a traria ao seu encontro. – disse ele sem saber o que fazer em relação à filha. – Foram quatro tiros, um pegou diretamente no coração ela não teve chances de ser salva.


 


            - Eu quero Severo aqui comigo! – pediu ela arriando ali mesmo na calçada. Algum tempo depois Severo chegou e foi logo abraçado por Hermione que chorou livremente em seus braços. – A Ba...


 


            - Não fale nisso agora minha pequena, agora chore tudo o que você tiver que chorar, eu estou aqui! – murmurou ele em seu ouvido e ela apenas balançou a cabeça. Passou muito tempo ali sem falar nada, um total silêncio, apenas o barulho daquele choro. – Você quer comer alguma coisa?


 


            - Não, quero ir pra casa! – pediu ela sem se soltar do abraço que estava tão reconfortante. – Eu ainda não consigo acreditar. Queria saber quem teve coragem de fazer mal a uma pessoa feito ela!


 


            - Nós vamos descobrir! – prometeu ele dando um beijo casto na boca da morena. George ainda estava ali, também em silêncio, apenas observando sua filha chorar nos braços daquele homem que fora seu segurança, continuava a achar aquilo uma tremenda estupidez: Como alguém feito Hermione Jane Granger se apaixonara por um mero <i> segurança </i>?


 


            Hermione estava totalmente desolada, vivia deitada não tinha vontade de ir a escola, só queria saber quem havia feito mal a Ba. Severo estava de licença do trabalho para poder cuidar de Hermione que o estava preocupando muito, ele não media esforços para solucionar o assassinato de Ba, quem sabe assim teriam um pouco de paz.


 


            - Hermione você tem que comer! – insistia Severo na hora do almoço, mais uma vez ela não queria comer e estava deitada na cama. – Você vai acabar doente!


 


            - Quem sabe assim não é melhor que eu morro de uma vez! – murmurou ela chorosa. – Eu sinto muita falta dela.


 


            - Meu amor preste atenção em uma coisa, ficar assim não vai adiantar de nada e você não pode se deixar levar! – disse ele abraçando-a firmemente. – Ela realmente faz muita falta, precisamos ser fortes.


 


            - Não é justo Severo, eu já perdi a minha mãe do jeito que foi e agora perdi a Ba que era a minha segunda mãe. – disse ela se entregando mais uma vez as lágrimas.


 


            - Vamos dar uma volta, quem sabe assim você desanuvia um pouco! – sugeriu ele estendendo a mão pra ela que hesitou um pouco aceitando logo em seguida. O passeio foi bem tranqüilo, foram ao parque onde conversaram e fizeram planos para o futuro.


 


            - Severo meu ano escolar está acabando! – comentou ela encostada a ele enquanto olhavam o sol se pôr.


 


            - Eu sei disso Hermione! – disse ele acariciando os cabelos dela. – Você já sabe que carreira vai seguir?


 


            - Pensei em fazer medicina! – respondeu ela virando-se para ele. – O que você acha?


 


            - Eu não tenho que achar nada Hermione, você que vai escolher a carreira que irá seguir daqui pra frente! – respondeu ele puxando-a para um beijo. – Faça o que você mais gostar!


 


            - Eu acho que tenho um tempinho para pensar nisso, não tenho? – perguntou ela com uma cara de dúvida crescente em seu rosto.


 


            - Claro que tem! – respondeu ele sorrindo levemente da dúvida da amada. – Daqui a um tempo você pensará nisso! Agora que tal você me dar um tempinho dentro da sua cabeça?


 


            - Eu sempre tenho tempo para você meu amor! – respondeu ela com um sorriso travesso. – Eu acho que poderíamos ir para casa.


 


            - O que pretende Hermione? – perguntou ele já sabendo de suas intenções.


 


            - Pretendo fazer amor com você durante toda noite e quem sabe até o dia amanhecer. – respondeu ela no ouvido dele mordendo o lóbulo em seguida. – O que acha da ideia?


 


            - Uma ótima ideia! – respondeu ele levantando e trazendo-a consigo no colo. – Você anda muito saidinha viu!?


 


            - Se quiser eu volto a ser a menina que você conheceu na casa dos meus pais! – disse ela com uma cara de ‘santa’.


 


            - Prefiro muito mais a nova Hermione! – disse ele beijando-a com amor depois foram para casa onde muitas sensações os esperava.

Minha gente o capítulo demorou um pouquinho mais saiu! Espero que gostem e que comentem que no próximo capítulo teremos revelações importantes!
Beijos
Aninha Granger Snape!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.