FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

9. Capitulo 9 - Detenção


Fic: O Despertar das Sombras


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capitulo 9 - Detenção

Rony Weasley caminhava lentamente em direção a Torre da Grifinória enquanto pensava em uma maneira de se desculpar com Hermione, ao seu lado sua irmã Gina caminhava conversando animadamente com Neville, mas ele não conseguia se concentrar nas palavras dela ou do amigo, tudo o que conseguia ver em sua frente era o rosto magoado da garota que ele tanto amava, embora não soubesse como revelar aquilo para ela.

- Sapos de Chocolate. – a voz de Gina o tirou de seus pensamentos e foi só naquele momento que ele percebeu que já se encontravam em frente ao quadro da mulher gorda que se abria lentamente depois da ruiva ter dito a nova senha para se entrar na torre dos leões.

Rony foi o último a entrar e viu Hermione sentada em frente a lareira com um livro no colo, viu que ela ficou tensa assim que percebeu a chegada deles a sala comunal da grifinória.

- Bem pessoal, eu vou pro quarto. – Neville disse encaminhando-se diretamente para as escadas que davam acesso ao dormitório masculino. – Boa noite pra vocês.

- Boa noite Nev. – responderam Hermione e Gina enquanto Rony apenas balançava a cabeça na direção do amigo.

A ruiva percebendo que o irmão pretendia conversar com Hermione a sós afastou-se até o outro canto do salão comunal onde sentou-se em uma poltrona e lá era o máximo de espaço que ela daria aos dois, afinal se eles começassem com as típicas discussões deles ela estaria ali para poder separá-los no mesmo instante.

Rony aproximou-se do sofá onde a garota estava sentada olhando fixamente para o livro, mas o ruivo sabia que ela não estava conseguindo ler uma única palavra, pois os olhos dela estavam fixos em um único ponto da paginas e os dedos dela já estavam branco de tanto que ela apertava o livro, por isso levantou sua mão e pegou o livro dela jogando-o do outro lado do sofá em seguida.

- Mas o que pensa que está fazendo? – Hermione esbravejou enquanto tentava pegar o livro de volta, mas o ruivo não deixou quando a segurou no mesmo lugar.

- Hermione, nós precisamos conversar. – disse Rony com a voz firme e decidida enquanto segurava as mãos da garota firmemente.

- Se você não percebeu, eu estava ocupada Ronald. – falou Hermione com a voz seca tentando pegar novamente o livro.

- Por favor, Hermione. – implorou Rony apelando para o lado mais sensível da morena a sua frente – Eu realmente sinto muito por não ter comentado nada com você sobre a Ordem da Fênix, mas eram tantas coisas que eu me esqueci, e também só fiquei sabendo a pouco tempo atrás quando sem querer eu e a Gina acabamos ouvindo uma conversa do papai com o Dumbledore e então eles nos contaram e pediram para guardarmos segredo.

- Tudo bem Rony, eu entendo. – Hermione falou suspirando, não conseguia ficar brava com ele por mais do que alguns minutos quando ele fazia aquela carinha de cachorro abandonado, se derretia apenas vendo-o daquela maneira.

- Eu realmente queria contar Hermione, mas... – o garoto continuava pedindo desculpas por ter omitido aquele fato dela.

- Tudo bem Ronald, eu já entendi. – falou Hermione com a voz mais alta chamando a atenção do garoto que pareceu ter levado um choque.

- Sério? – perguntou ele levemente atordoado, em seguida sorriu e abraçou a garota com força – Ah, eu sabia que você entenderia Mione, é por isso que eu te adoro tanto.

- Eu também adoro você Rony. – sussurrou Hermione baixinho enquanto achava que tinha falado aquilo mentalmente.

- O que disse Mione? – questionou Rony com um sorriso enquanto a garota atingia vários tons de vermelho.

- Eu não disse nada Rony, você que está ouvindo coisas. – a garota replicou tentando parecer segura, mas falhou quando sua voz saiu mais fraca e rouca do que o normal.

- Eu tenho certeza que ouvi você dizendo que gostava de mim Hermione. – retrucou Rony sorrindo largamente.

- Você está louco. – falou Hermione com mais segurança na voz do que antes e balançando os ombros tentando aparentar indiferença.

- Ta legal Hermione, não precisa repetir. – disse Rony ainda com um meio sorriso no rosto – Eu ouvi claramente.

- Cala a boca Rony. – Hermione falou com a voz seca e irritada enquanto se levantava do sofá e pegava o livro e seguindo na direção das escadas que levariam ao dormitório feminino, mas parou subitamente seu caminho quando viu Neville descendo praticamente correndo as escadas que levavam ao dormitório masculino.

- O que foi Neville? – perguntou Gina preocupada com o amigo que arfava pesadamente enquanto parava próximo a eles.

O garoto estava com o corpo levemente dobrado enquanto tentava voltar a respirar normalmente, pois precisava de ajuda para o garoto que estava se contorcendo na cama. Fora assustador chegar no quarto e enquanto pensava em tomar um banho quente e depois dormir até de manhã ser arrancado de seus pensamentos por um gemido baixo de dor e quando olhou para a fonte do ruído acabou se deparando com Harry Potter se contorcendo na cama como se estivesse sendo torturado ou alguma coisa muito parecida.

- Dor... Potter... Cama... – falou Neville com a voz engasgada pela falta de ar que ainda não o abandonara.

- O que disse Neville? – perguntou Rony apressado, o amigo parecia desesperado para falar – A gente não entendeu uma palavra Neville. Respira fundo e tente se acalmar, senão vamos continuar não entendendo nada.

- Harry Potter está precisando de ajuda. – falou Neville bem devagar depois de respirar fundo várias vezes seguidas e finalmente poder responder claramente mesmo com a voz pausada por causa do esforço.

- Como assim precisando de ajuda? – perguntou Gina enquanto se virava e se encaminhava para as escadas do dormitório masculino, sendo seguida imediatamente pelos amigos que haviam ficado preocupados.

- Ele parece estar passando mal, eu não sei direito. – falou Neville parecendo embaraçado – Ele está meio que se contorcendo na cama.

Eles caminharam rapidamente vencendo a pouca distancia em poucos minutos e logo estavam entrando no dormitório do sétimo ano e a cena que viram os deixou de olhos arregalados. Em uma das camas Harry Potter parecia estar realmente sendo torturado por uma maldição imperdoável enquanto se contorcia vigorosamente de um lado a outro da cama.

Em dois passos Gina e Hermione estavam ao lado do garoto e mal repararam que ele estava apenas com uma cueca branca boxer, tudo o que elas pensavam era em ajudar o garoto e imediatamente passaram a tentar segura-lo e mantê-lo no mesmo lugar enquanto ambas chamavam o nome dele repetidas vezes para ver se ele acordava.

- Vocês podiam nos ajudar aqui. – gritou Gina tirando o irmão e Neville do estupor em que eles estavam.

- O que diabos está acontecendo com ele? – questionou Rony olhando para Hermione interrogativamente enquanto tentava segurá-lo com firmeza, mas o garoto parecia resistente e mexia-se ainda mais descontroladamente.

- Não sei. – respondeu Hermione hesitante sem saber exatamente o que fazer, nunca ouvira falar de alguém que reagia dessa maneira, pelo menos não enquanto estivesse dormindo.

- Precisamos acordá-lo. – disse Gina rapidamente enquanto via Neville e o irmão tentando segurar o garoto com mais firmeza, embora as tentativas estivessem falhando miseravelmente, ao que parecia ele não queria ser acordado.

- Se afaste Gina. – falou Hermione rapidamente enquanto sacava a varinha, uma idéia havia brotado em sua cabeça e não custava nada tentar. A ruiva obedeceu prontamente e Neville a acompanhou deixando apenas Rony segurando o garoto – Enervate.

O feitiço reanimador chocou-se contra o peito do moreno, mas não fez efeito algum o que deixou Hermione preocupada, teoricamente ele deveria acordar após receber aquele feitiço. Estava se preparando para lançar outro feitiço no garoto quando ele abriu os olhos e olhou diretamente para ela enquanto ficava completamente imóvel.

- O que demônios vocês acham que estavam fazendo? – perguntou Harry com a voz gelada como um bloco de gelo.

- Bem, estávamos tentando acordar você. – falou Rony se afastando do moreno e ficando ao lado de Hermione enquanto Harry se levantava da cama e ficava de frente aos quatro adolescentes – Você parecia estar sendo torturado ou...

- Tentando me acordar? – perguntou com a voz baixa e perigosa o que causou um estremecimento nos quatro garotos presentes.

- É. – respondeu num fio de voz Hermione enquanto olhava para o moreno nos olhos – Eu tentei te reanimar, mas pareceu não dar certo e logo depois você abriu os olhos.

- Vocês não pensaram na possibilidade de eu estar concentrado em alguma coisa e que o fato de eu estar me contorcendo não era necessariamente por eu estar sentindo dor? – perguntou Harry com frieza enquanto olhava um por um dos garotos.

- O que você quer dizer? – perguntou Gina curiosa com o que ele acabara de dizer, mas o moreno nem a olhou.

- A sorte de vocês é que eu consegui o que eu queria, senão podem ter certeza que vocês se arrependeriam por terem me interrompido. – falou Harry com a voz seca e baixa, mas eles sentiram a ameaça velada que havia na voz dele.

Mesmo com a maneira rude dele e as ameaças Hermione e Gina não puderam deixar de reparar no físico de Harry Potter, e ele era tudo o que elas haviam imaginado e mais um pouco. As pernas eram longas e as cochas grossas, a barriga de tanquinho e o peito malhado e repleto de músculos, os ombros largos e o rosto forte e expressivo, tudo isso em um metro e oitenta e cinco de altura, os cabelos arrepiados e rebeldes e os olhos verdes esmeralda davam o toque final a beleza estonteante do garoto, que era sem duvida o cara mais bonito que as duas já haviam visto.

Mas o que também chamou a atenção não apenas de Hermione e Gina, como também de Rony e Neville foram as tatuagens que ele possuía pelo corpo. Como elas não se moviam, Hermione soube que eram tatuagens trouxas, mas com a diferença de que elas pareciam vivas e as cores eram mais fortes e brilhantes, os outros três não entendiam porque as tatuagens não se moviam, afinal sabiam que as tatuagens também se moviam assim como as fotos, o irmão de Rony e Gina tinha um Dragão Norueguês tatuado nas costas e ele se movia.

Harry Potter tinha algumas tatuagens espalhadas pelo corpo que prenderam a atenção deles. No lado esquerdo do tórax próximo ao ombro ele tinha tatuado um lobo negro que chegava até próximo ao mamilo. Na parte superior do braço direito um enorme Grifo estava tatuado chamando a atenção para sua forma imponente e ameaçadora, no braço esquerdo o que parecia ser uma serpente que se enrolava pelo antebraço do garoto até a altura do ombro onde se via uma cabeça de uma Cinzal com os dentes a mostra, ela era um pouco fina e acinzentada de olhos rutilante.

Na cocha esquerda o que parecia ser uma foice estava brilhando assustadoramente, o cabo da foice era totalmente negro e parecia conter as próprias trevas enquanto a lâmina da foice era de um vermelho vivo e intenso parecendo sangue, o que causou um leve estremecimento nos quatro adolescentes que observavam o garoto atentamente.

Quando Harry virou de costas e inclinou-se em direção da cama mais uma tatuagem se revelou, no ombro direito dele estava tatuado duas espadas estavam cruzadas em frente a um escudo negro, uma das espadas possuía a lâmina vermelha e a outra esverdeada, e parecendo sair de trás do escudo um enorme dragão que eles não souberam identificar a forma, mas era diferente de todos os dragões que eles já haviam ouvido falar.

O moreno pensava seriamente em lançar um feitiço em cada um deles. Pelo amor dos Deuses! Eles quase haviam estragado tudo, por pura sorte conseguira se manter na mente de Voldemort por tempo o bastante para poder descobrir algumas coisas que interessavam a ele, sem contar na informação que descobrira sobre os pequenos ataques que o Lorde das Trevas pretendia realizar contra ele, o que era muito interessante, principalmente pelo fato de poder conhecer finalmente a tão poderosa aliada de Voldemort e que tinha apenas quatorze anos.

Percebeu o interesse dos quatro adolescentes em suas tatuagens, mas não antes de reparar nos olhos vidrados de desejo de Hermione e Gina, fora alvo de uma observação lenta e demorada por parte das garotas, mal se lembrara do fato de que se encontrava apenas com uma cueca boxer branca quando se levantara furioso por ter sido interrompido.

- Por que você estava se contorcendo todo? – perguntou Gina novamente retirando o moreno de seus pensamentos enquanto pegava uma outra cueca, só que preta de dentro de sua mochila, em seguida selou-a com um feitiço e colocou-a no lugar.

- Isso foi apenas um efeito colateral. – respondeu Harry vagamente optando por revelar a eles uma meia verdade – Estava no meio de um processo muito delicado e para isso precisei isolar todos os meus pensamentos e minhas lembranças, além de concentrar praticamente todo o meu poder e minhas habilidades mentais para conseguir sobreviver ao processo.

- Mas o que exatamente você estava fazendo? – perguntou Hermione mais curiosa ainda pelo que ele falara, pelo que ela já lera apenas bruxos extremamente poderosos possuíam habilidades e poderes o bastante para fazer algo parecido com o que ele falara – Ou melhor, contra quem você estava duelando mentalmente?

- Muito experta Granger. – falou Harry sorrindo friamente e ao mesmo tempo apreciativamente – Estou verdadeiramente impressionado com sua perspicácia.

- Você não respondeu a min...

- Quer mesmo saber contra quem eu estava travando meu duelo mental Granger? – perguntou o moreno aproximando-se perigosamente dela que recuou um passo ao mesmo tempo em que Rony se colocava entre os dois.

- Quero. – respondeu Hermione com a voz firme e decidida.

- Tudo bem então. – falou Harry pensando seriamente no que responder e por fim optando pela verdade, pelo menos assim dava um pequeno susto neles no processo – Já que você está tão interessada eu vou te falar. – o moreno fez uma pequena pausa e olhou diretamente nos olhos da morena que estremeceu com o poder que emanava dos orbes verdes - Eu estava invadindo a mente do Lorde das Trevas.

- O que? – deixou escapar Neville com a voz chocada enquanto ficava tão pálido quanto uma estatua de cera, os outros três não pareciam muito melhores do que o garoto e estavam com os olhos tão esbugalhados que Harry pensou que a qualquer momento eles saltariam.

- Eu estava duelando contra Voldemort... – começou a explicar o moreno, mas foi bruscamente interrompido pelo gemido do ruivo.

- Não diga esse nome de novo... – exclamou Rony tremendo todo e olhando ao redor como se o próprio Lorde das Trevas fosse aparecer a qualquer instante.

- Vocês têm medo de um mero nome. – debochou Harry olhando divertido e incrédulo para eles, como alguém podia ter medo de um simples nome, que nem era o verdadeiro.

- Não é apenas um nome, é o nome dele. – falou Neville como se aquilo explicasse uma coisa bastante obvia e que Harry não estava conseguindo entender.

- E daí? – questionou Harry dando de ombros indiferente enquanto via os olhares de admiração e medo ao mesmo tempo.

- Você só pode ser louco pra dizer o nome dele sem ter medo. – Rony falou balançando a cabeça sem poder acreditar no que ouvia.

- Estamos em guerra e em vez de ficar tremendo ao ouvir o nome do Lorde das Trevas, você deveria se preocupar em pesquisar alguns bons feitiços para se defender em uma batalha, por que com aquilo que vocês chamam de aula não vão nem sequer sobreviver a uma semana lá fora. – dizendo isso Harry deu as costas a eles e se dirigiu ao banheiro deixando os quatro adolescentes olhando para a porta que ele acabara de fechar.

Quinze minutos depois quando Harry saiu do banheiro com os cabelos molhados e pingando algumas gotas pelo chão os garotos ainda estavam no quarto como se estivessem esperando por Harry, o que era verdade. Naquele momento os alunos já deveriam ter terminado de jantar e provavelmente estariam no salão comunal conversando. Harry olhou para os quatro com uma sobrancelha arqueada enquanto se dirigia para sua cama.

- O que foi agora? – perguntou Harry com a voz cansada, embora levemente curioso pelo motivo deles ainda quererem falar com ele.

- Bem, aquilo que você falou sobre os feitiços que aprendemos nas aulas serem insuficientes é verdade? – perguntou Hermione calmamente.

- Pelo amor de Merlin, vocês aprendem Feitiços estuporantes e de desarmamento, acham mesmo que podem enfrentar maldições imperdoáveis e feitiços negros com Expelliarmus, Estuporante e Impedimenta? – questionou Harry demonstrando claramente o que achava dos feitiços que eles estavam aprendendo em Hogwarts.

- Nós sabemos que isso não é suficiente. – falou Gina com a voz e a expressão serena, embora seu olhar fosse firme e decidido.

- Por isso mesmo nós resolvemos treinar por conta própria a algum tempo atrás. – continuou Hermione falando rapidamente.

- É mesmo? – perguntou Harry um pouco surpreso, mas sem demonstrar muita emoção em sua expressão.

- Sim. – concordou Rony um pouco desconfortável e em seguida acrescentou – Será que você poderia vestir uma calça pelo menos?

Harry apenas o encarou sem piscar e virou-se para pegar a calça que ele usara durante as aulas do dia e que estava na cabeceira da cama, percebeu o olhar revoltado que a ruiva lançava ao irmão e riu internamente porque havia percebido a maneira como a ruiva olhava de maneira predatória para suas partes baixas, o moreno sabia muito bem que aquelas cuecas boxer apenas realçavam a masculinidade dele.

- Satisfeito? – perguntou Harry com a voz gelada olhando para o ruivo que apenas concordou com a cabeça. – Vocês estavam falando sobre estarem se reunindo para treinarem feitiços mais complexos dos que ensinados em Hogwarts.

- Isso. – concordou Hermione olhando de relance para Rony, pois percebera que ele pedira ao moreno que vestisse a calça apenas porque ela estava olhando demais para o corpo do moreno, afinal de contas como poderia não olhar para aquele corpo – Logo depois que Você-Sabe-Quem retornou e teve um ataque forte em Hogsmeade percebemos que não conseguiríamos sequer nos defender, quanto mais resistir a um duelo com eles. Então decidimos treinar sozinhos. Porque na época nosso professor era um bunda mole que não ensinava nada direito, sem contar que parecia estar ensinando para os primeiranistas.

- No começo éramos apenas nós cinco. – falou Gina se referindo ao grupo de amigos, ao que Harry apenas cabeceou assentindo. – Mas então algumas pessoas descobriram que estávamos treinando e pediram para participar e acabamos concordando, agora somos um grupo de trinta e duas pessoas, embora fossemos mais.

- Nossos irmãos mais velhos se formaram a dois anos atrás, sem contar a Angelina e Alicia que também se formaram no mesmo ano e no ano passado tivemos a Kate e mais dois alunos da Corvinal que se formaram. – Rony falou completando o que a ruiva começara.

- Parece bom. – falou Harry um pouco surpreso com aquela informação e curioso para saber que tipo de feitiços eles treinavam, por isso expressou sua duvida em pergunta – Que tipo de feitiços vocês andaram treinando?

- Porque não vê por si mesmo. – falou Gina sorrindo para o moreno – Vamos ter nossa primeira reunião do ano no domingo a noite e você pode participar como nosso convidado. E se gostar, pode até passar a participar.

Harry concordou sério embora estivesse se matando de rir por dentro, eles não precisavam saber que provavelmente existia muito poucos feitiços que ele não soubesse executar. Não que ele quisesse se gabar ou algo do tipo, mas ele recebera um treinamento avançado e principalmente a maneira com que fora treinado na arte da magia poderia ser considerado brutal e cruel, mas ele se orgulhava de ter resistido ao treinamento, na verdade o único que conseguira sobreviver aquele tipo de treinamento induzido.

- Poderia me responder uma coisa antes de deixar-mos você em paz? – perguntou Neville hesitante e continuou quando obteve a concordância do moreno – Que tipo de cobra é essa que você tem tatuado no braço esquerdo?

Harry olhou para a direção em que o garoto rechonchudo apontava e viu a enorme Cinzal no braço esquerdo, depois olhou para o garoto incrédulo. Será que eles não reconheciam nem mesmo os animais mágicos?

- É uma Cinzal. – respondeu Harry simplesmente, mas ainda assim viu as expressões intrigadas de Neville e Rony e a de alguém que se lembrava vagamente de algo que ouvira da ruiva, mas quando o moreno foi explicar o que era a Cinzal ouviu um bufo impaciente e logo depois a voz de Hermione soava de maneira professoral.

- Uma Cinzal, como é mais popularmente conhecida, ou Ashwinder é formada quando se permite que um fogo mágico arda livremente durante muito tempo. Ela é uma cobra fina, cinza-claro, de olhos cintilantes, ela surgirá das brasas desse fogo mágico e rastejará para as sombras da habitação em que se encontra, deixando um rastro de cinzas atrás de si. Uma cinzal vive apenas por uma hora, tempo em que ela usa para procurar um lugar escuro e protegido e ali depositar seus ovos, logo depois virando pó. Os ovos são de uma cor vermelho vivo e liberam um calor intenso. – Hermione pausou a explicação por alguns segundos antes de continuar a falar rapidamente como se temesse que alguém fosse interrompê-la - Podem incendiar uma habitação em minutos se não forem encontrados e congelados com um feitiço apropriado. O bruxo que perceber que há um ou mais cinzais soltos em casa deve procurar rastreá-los imediatamente e localizar a ninhada de ovos. Uma vez congelados, os ovos são muitos valiosos para o preparo de Poções de Amor e podem ser comidos inteiros como remédio para a malária. Os cinzais podem ser encontrados no mundo inteiro. O Ministério da Magia classifica o Cinzal em XXX, ou seja, significa que um bruxo competente seria capaz de enfrentar.

- Puxa. – foi tudo o que Rony pode exclamar enquanto olhava admirado para a imagem da cobra no braço do moreno.

Naquele momento ouviram o barulho de conversas e de passos no corredor do dormitório e logo depois Simas Finnighan abriu a porta do dormitório sorridente, o garoto entrou acompanhado do outro residente daquele quarto, Dino Thomas, ambos estavam em uma conversa tão animada sobre quadribol que nem perceberam a presença de outras pessoas no quarto.

- O Tornados é o melhor time da Inglaterra Simas. – falava Dino balançando a mão avidamente como se tentasse mostrar o obvio ao amigo.

- Mas é claro que não Dino, todo mundo sabe que os... – Simas parou a frase no ar quando percebeu as pessoas que estavam no dormitório naquele momento e ficou um pouco vermelho – Ah oi, me desculpem pessoal, mas eu não os tinha visto.

- Tudo bem Simas. – falou Rony acenando para os amigos – Não se preocupe Dino, está tudo bem. Estávamos apenas comentando com o Harry aqui sobre nossos encontros noturnos.

- Ok. – concordou o garoto indo em direção a cama parecendo desinteressado no assunto deles, mas olhava de relance para a ruiva.

- Pense no que dissemos Harry e venha conosco no domingo a noite. – Gina disse enquanto se encaminhava para a porta sendo seguida por Hermione.

- Boa noite garotos. – disse Hermione da porta do quarto, Gina a imitou e também desejou boa noite aos garotos enquanto olhava diretamente para o moreno.

- Boa noite meninas. – Harry respondeu baixinho enquanto sorria pelo interesse mais do que explicito que a ruiva estava demonstrando.

Assim que as garotas fecharam a porta Harry retirou calmamente a calça que havia vestido e a colocou novamente na cabeceira da cama, logo depois deitou-se calmamente no colchão e fechou os olhos enquanto pensava nas últimas coisas que acabara de descobrir. Havia uma espécie de grupo clandestino que estudava magia em debaixo das asas e do nariz do diretor de Hogwarts, ficara realmente intrigado para saber que tipo de feitiços eles andavam treinando e se eles realmente eram úteis para uma batalha, provavelmente eram porque em uma guerra qualquer coisa poderia ser transformada em uma arma fatal.
======

O dia seguinte amanheceu ensolarado e Harry Potter acordou novamente bem cedo e durante quase duas horas praticou diversas seqüências diferentes de exercícios físicos e mentais. Ele havia adquirido uma técnica em que era possível treinar a parte mágica mentalmente, basicamente ele lutava contra um adversário que ele já houvesse enfrentado anteriormente, a luta acontecia em sua mente e era apenas uma espécie de simulação.

Naquela manha ele escolheu Alvo Dumbledore como seu adversário de luta, como havia enfrentado o diretor na noite em que chegara ao castelo ele podia replicar tanto a imagem do velho bem como seus poderes. Depois de finalmente ter derrotado o velhote várias vezes seguidas usando apenas um quarto de seus poderes o moreno finalmente se deu por satisfeito e voltou para o dormitório masculino para tomar um bom banho.

- Bom dia Harry. – desejou Rony assim que Harry saiu do banheiro enrolado em uma toalha branca e logo depois se dirigindo a sua cama.

- Dia. – falou simplesmente o moreno enquanto deixava a toalha escorregar e pegava calmamente sua roupa, vestindo-a em seguida.

Assim que terminou de se vestir, colocando discretamente suas armas em sua cintura e nas cocheiras discretamente disfarçadas por feitiços ilusórios, Harry dirigiu-se a porta do dormitório e saiu descendo as escadas em seguida e logo depois saindo do salão comunal e se dirigindo ao salão principal para tomar seu café da manhã.

Sentou-se a mesa da grifinória e logo estava se servindo de diversas guloseimas que os elfos domésticos haviam preparado para o desjejum daquela manhã. Hermione e Gina vieram em seguida acompanhadas de Neville e Rony, que resmungavam sobre alguma coisa que Harry não ouviu, mas que pelo que ele pode perceber pela leitura labial que fazia naquele momento era por causa da detenção que ambos teriam de cumprir mais tarde.

Quando se aproximaram de onde o moreno estava sentado tomando calmamente seu café da manhã desejaram bom dia ao garoto e logo depois se sentaram próximos a ele. Harry apenas acenou com a cabeça ao cumprimento deles e continuou desfrutando de seu café em silêncio.

Logo depois de terminar de tomar seu café Harry levantou-se em silêncio e saiu do salão principal caminhando a passos lentos e pegando algumas passagens secretas chegou a sala de historia da Magia vários minutos antes do início da aula. Pelo que conseguira levantar entre os alunos o Professor de História da Magia era um fantasma chamado Binns, também havia descoberto que os alunos achavam as aulas do professor terrivelmente entediantes, chegando a falarem que o professor dava um ar maçante até mesmo as mais terríveis e sangrentas guerras.

Os alunos começaram a chegar logo depois e assim que Hermione e os dois garotos entraram pela porta da sala Neville se sentou ao seu lado enquanto a morena e o ruivo sentavam-se na carteira ao lado da deles. Nem mesmo dois minutos depois e um fantasma, que Harry deduziu ser o Professor Binns, atravessou o quadro negro e passou a falar sobre as aulas daquele ano e o quão importante elas seriam para os NIEM’s.

Harry teve de concordar que foi a aula mais entediante que teve em sua vida, embora pudesse se lembrar de cada uma das palavras do professor, mesmo quando não estivera prestando atenção a aula, pois estivera mais ocupado respondendo ao questionário enorme que o Professor lhe dera como teste. Assim que o sinal tocou indicando o final da aula, os alunos se apressaram e saíram da sala praticamente correndo.

Harry seguiu direto para as estufas número quatro, onde sabia que os alunos do sétimo ano tinham aulas, o moreno sabia muito bem da utilidade daquela aula, afinal lembrava-se muito bem da voz de sua Professora de Herbologia gritando as utilidades das plantas, principalmente no preparo de poções, como era o caso das mandrágoras que eram utilizadas no preparo da poção que produzia um pus que ressuscita pessoas petrificadas.

Assim que os alunos da grifinória e da Lufa-lufa estavam acomodados a Professora Sprout, que também era a diretora da Casa Lufa-lufa, iniciou a aula falando da importância das plantas e também falou sobre os exames que os alunos prestariam no final daquele ano e assim que terminou o pequeno discurso a Professora iniciou a aula logo depois de fazer a chamada.

- Muito bem pessoal. – A Professora Sprout adiantou-se a frente da turma enquanto se movia alegremente por entre as inúmeras plantas que haviam a frente dela, o moreno conhecia muito bem aquela planta e principalmente suas utilidades, uma vez que já a utilizara em diversas vezes quando precisara preparar algumas poções ou até mesmo tomá-la pura. – Alguém saberia me dizer que planta nós temos aqui na frente?

- Valeriana, Professora. – falou Neville com a voz tímida e um pouco insegura fazendo a Professora sorrir amigavelmente.

- Isso mesmo Senhor Longbottom. Cinco pontos para a grifinória. – a Professora concedeu ao garoto que era o seu melhor aluno, embora fosse muito tímido para responder a todas as perguntas como fazia a Granger. – Agora, alguém poderia explicar para o restante da turma quais as principais propriedades da valeriana? Senhorita Granger? – a Professora Sprout apontou para a garota assim que ela levantou a mão.

- Valeriana, cientificamente Valeriana Officinalis L., é uma erva comum e fácil de ser encontrada, tem como principal característica ser calmante e anti-espasmódica. Em doses abusivas ou uso prolongado, pode causar dores de cabeça, torpor e valerianismo. Também é fato conhecido que as valerias, que são pequenos insetos estranhos, gostam de construir seus ninhos na Valeriana, motivo pelo qual a planta recebeu o nome, e podem tentar atacar aqueles que tentam arrancar sua casa. – Hermione estava para continuar quando a Professora Sprout a interrompeu.

- Muito bom Senhorita Granger. 10 pontos para a grifinória. – falou a Professora sorrindo – Poderia continuar Senhor Potter?

Harry olhou-a por um momento e olhou os pensamentos superficiais da Professora descobrindo que os outros professores haviam comentado sobre seu desempenho em suas disciplinas e ela estava querendo ver seu conhecimento pessoalmente, por isso resolveu satisfazer a vontade da Professora, afinal não custava nada mesmo.

- A única maneira para que isso não aconteça é levar as valerias para uma nova valeriana, o que acaba sendo inútil, pois fica mais fácil colher uma valeriana inabitada. Se por acaso misturarmos a valeriana com o asfódelo e a losna, ela faz parte dos ingredientes da poção do morto-vivo. – terminou de explicar Harry.

- Excelente Senhor Potter. 10 pontos para a grifinória. – exclamou a professora pequena e rechonchuda enquanto caminhava pelos alunos – Hoje nós vamos colher valeriana pessoal. Dividam-se em duplas e comecem imediatamente. Senhor Potter, seu teste está em cima de minha mesa. Poderia fazer o favor de pegá-lo e em seguida já pode começar a responder.

Harry anuiu com a cabeça e levantou-se de sua cadeira indo em direção da mesa dela e depois de pegar as folhas com as questões que ele deveria responder o moreno voltou a seu lugar e pegou tinta e pena pronto para começar a responder. Basicamente as questões eram para ele dar as principais descrições de cada planta e a melhor maneira de a planta ser colhida, não estava nem um pouco difícil para alguém que fora obrigado a colher ervas e plantas para o preparo de poções que ele mesmo tinha de fazer para poder sobreviver.

Depois do almoço vieram as aulas da tarde, primeiro a aula de adivinhação que ficava no outro extremo do castelo, no alto da Torre Norte. A entrada para a sala era uma espécie de alçapão que era baixado para que os alunos subissem por uma escada, o que Harry achou ridículo demais e quando viu a professora pela primeira vez sentiu que aquelas aulas seriam perda de tempo.

Aquela sala de aula era a mais esquisita e ridícula que já vira. Na realidade, sequer parecia uma sala de aula, e, sim, um cruzamento de sótão com salão de chá antigo. Havia, no mínimo, vinte mesinhas circulares juntas ali, rodeadas por cadeiras forradas de chintz e pequenos pufes estufados. O ambiente era iluminado por uma fraca luz avermelhada; as cortinas das janelas estavam fechadas e os vários abajures, cobertos com xales escuros.

O calor sufocava e a lareira acesa sob um console cheia de objetos desprendia um perfume denso, enjoativo e doce ao aquecer uma grande chaleira de cobre. As prateleiras em torno das paredes circulares estavam cheias de penas empoeiradas, tocos de velas, baralhos de cartas em tiras, incontáveis bolas de cristal e uma imensa coleção de xícaras de chá.

- Sejam bem vindo caros alunos. – a voz da professora soou levemente rouca e forçada, como se ela quisesse dar um ar de mistério a sua volta.

A primeira impressão de Harry ao vê-la foi a de se encontrar em frente a um enorme inseto brilhante. A Professora Sibila Trelawney apareceu e a luz suave da lareira foi possível perceber que ela era bastante magra, usava óculos imensos que aumentavam seus olhos em várias vezes, a mulher vestia um chalé esquisito cheio de pedras brilhantes, para completar o visual diversas correntes e colares de contas envolviam seu pescoço assim como pulseiras e anéis em seus braços e mãos.

No geral a aula foi uma verdadeira piada com a Professora fazendo previsões ridículas e falando um monte de baboseira, na opinião sincera do moreno. Mesmo respondendo as questões existentes nas folhas de pergaminho que a Professora lhe entregara no começo da aula, Harry prestava total atenção ao que ela falava, Harry sabia que a adivinhação era uma arte totalmente imprecisa, por isso quase não ligava para ela, mas fora obrigado a estudar todos os ramos da magia e por isso sabia muitas coisas, e achava aquele teste que estava respondendo muito básico.

- Meu querido... – falou a Professora no momento em que Harry entregava as folhas com as perguntas todas respondidas a ela – Você passará por provações intensas e cruéis nesse ano. Posso ver a foice do Arcanjo da Morte próximo a você...

Os alunos haviam arregalado os olhos para o que a professora falara, mas o moreno interrompera a fala da professora Sibila ao rir alto e desdenhosamente, o que surpreendeu ainda mais os alunos, que não conseguiram acreditar no que ele estava fazendo e se surpreenderam ainda mais com as próximas palavras dele.

- Cara Professora, o Arcanjo da Morte tenta me pegar desde que eu tenho um ano de idade, mas até agora ele está levando um baile. – falou Harry sorrindo discretamente enquanto olhava a Professora – Quanto as provações, tenho certeza disso, afinal Voldemort quer minha cabeça.

Os alunos e a Professora estremeceram quando ele disse o nome do Lorde das Trevas, em seguida o sinal indicando o final da aula tocou e os alunos saíram da sala comentando as palavras de Harry Potter e em pouco tempo toda a escola já sabia do acontecido.

Os alunos do sétimo ano da grifinória dirigiram-se imediatamente em direção as masmorras, nenhum deles era tolo o bastante para chegar atrasado e acabar recebendo uma Senhora detenção do professor mais odiado da escola. Como Harry conhecia algumas passagens secretas não se preocupou em ter pressa e encaminhou-se para as masmorras calmamente e acabou chegando antes dos outros alunos que pareciam ofegantes quando finalmente entraram na sala de aula e acomodaram-se nas mesas vazias, os alunos da sonserina já se encontravam lá, é claro.

A aula do Professor Snape seguiu normalmente com o mestre de poções carrancudo e irritado descontando pontos dos alunos pelos menores descuidos, Rony e Neville tornaram-se seus sacos de pancada, pois ele estava frustrado por não poder retirar pontos ou criticar as poções que Harry estava fazendo.

- Turma dispensada. – falou Snape pouco antes de o sinal bater indicando o final das aulas da tarde, logo depois um sorriso frio e desdenhoso surgiu no rosto do professor enquanto falava – Menos Potter e Weasley. Vocês dois tem uma detenção para cumprir comigo.

O professor continuou em sua mesa terminando de arrumar suas coisas e quando finalmente terminou levantou-se e dirigiu-se a porta aos fundos da sala onde eles sabiam que ficavam o estoque de ingredientes para poções, assim que a abriu o Professor entrou na sala e os chamou para dentro. Harry e Rony entraram em silêncio na sala e esperaram que Snape falasse, o que ele fez sem esconder a satisfação na voz.

- A detenção de vocês consistirá em organizarem os ingredientes de poções que estão aqui dentro. – falou Snape sorrindo friamente antecipando a tarefa desagradável que aquilo seria para os dois grifinórios – Muitos dos ingredientes estão sujos e mal cuidados, sem contar desorganizados. A tarefa de vocês será simplesmente organizar todo o estoque e rotular os ingredientes, vocês não saem daqui enquanto não terminarem a tarefa.

Dito isso e o professor pegou um pequeno banquinho e o levou até o canto da sala onde sentou-se confortavelmente para poder vigiar os dois alunos. Rony começou a resmungar alguma coisa enquanto se abaixava e começava a trabalhar, ao contrário de Harry que passou a limpar os ingredientes sem nem mesmo dar um pio.

Como já estava acostumado com aquele tipo de tarefa o moreno nem se preocupou e começou a trabalhar nas prateleiras de cima primeiro. Reconhecer os ingredientes e rotulá-los era a parte mais fácil, o mais difícil era limpar alguns dos ingredientes que não haviam sido bem preparados e organizados. Durante boa parte da noite eles permaneceram naquela tarefa incansável e interminável, enquanto Snape permanecia parado e ereto como uma estátua.

Quando finalmente eles conseguiram terminar de organizar todas as prateleiras do estoque de poções já passava das onze e meia da noite, e Harry havia feito dois terços do trabalho praticamente sozinho, pois o ruivo acabara vomitando enquanto mexia com alguns vermes e tivera de limpar a sujeira que fizera no chão.

Snape permanecera parado apenas observando os dois trabalharem e ficou novamente surpreso com Harry Potter, definitivamente aquele garoto tinha muita habilidade com poções e tivera bons professores. Havia percebido o cuidado e a delicadeza que ele manuseava os ingredientes, como se eles fossem itens raros de valor, o que indicava que ele realmente sabia o que estava fazendo. Isso deixava Snape ainda mais intrigado porque nunca encontrara alguém tão dedicado e cuidadoso com ingredientes para poções desde Lílian Evans, nem mesmo o antigo professor dele e de Lílian era tão dedicado ao preparo das poções e o cuidado dos ingredientes.

Por fim dispensou ambos os garotos que saíram agradecidos da sala por finalmente ter terminado a detenção deles. Os dois foram em silêncio para a torre da grifinória e nem mesmo trocaram nenhuma palavra quando entraram no dormitório e perceberam todos os outros integrantes do quarto já dormindo.


N/A: Ai galera, mais um capitulo pra vocês. Queria agradecer a todos que estão lendo e comentando, abraços pessoal.

Agradecimentos especiais:

Markim: em breve o Harry vai ter uma tremenda batalha com os comensais e vai chover corpos pra todos os lados... a arma do Voldemort é uma garota de quase quinze anos e que é quase tao poderosa quanto o próprio Lorde Negro, agora quanto a ela ser o “par” do Harry já é outra história, mas quem sabe... o Dumbledore com certeza vai se dar mal, o Harry ta loko pra pegar ele, mas não antes de levar uma surra da enviada do Voldie.. Abraços fera...

Artur Soares Scalassara: o Dumbledore vai sofrer muito ainda antes de ir pro tumulo, embora não acredite que vai sobrar muito dele pra ser enterrado... quanto a garota, Bem tudo o que posso dizer é que ela é forte pra cacete e vai dar uma surra no Dumbledore... um golpe baixo do ministério que o Harry não da a mínima... agora eu não sei se ele vai se apaixonar por ela o mata-la não, mas acredito que o Harry vai ficar muito impressionado com ela, principalmente com os poderes dela.. Abraços cara.

Anderson potter: cara, é um bom palpite e nem vou discordar de você, só posso dizer que a garota vai impressionar o Harry, principalmente quando der uma surra no Dumbie... olha, pro Harry usar tudo o que ele sabe ele poderia acabar destruindo o mundo, mas lutar de verdade, aí já é outra historia e os comensais vão tremer de medo dele... na verdade, o Harry vai pegar um grupo já formado e vai escolher os melhores e passar a ensinar ou talvez todos eles, quem sabe... Abraços.

Silvia Cecil: sinto muito ter terminado o comentário dessa maneira, mas eu queria dar uma expectativa para o futuro da fic, e quando o Voldemort fizer isso o povo vai entrar em pânico e a verdadeira batalha vai começar... Beijos...

¢£³ Deco: Fala cara, não se preocupe, eu também estou sem tempo e correndo que nem louco pra conseguir deixar tudo satisfatório, mas agradeço pelo seu esforço e pelo comentário... a Silvia tem muitos segredos, alguns se referem ao Harry e seu passado e outros para o futuro da fic, e na verdade tambem gostei de colocar ela na fic... na verdade a garota tem quatorze anos e está para completar seus quinze anos, a garota não se encontra em Hogwarts não... ela é uma espécie de guerreira pessoal de Voldemort, como um ultimo recurso utilizado apenas quando a coisa fica muito feia pro lado dele, em breve ela vai acabar com o Dumbledore e com platéia... Espero que tenha gostado do capitulo... Abraços fera.



Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.