FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Capítulo 1


Fic: O Despertar de Harry Potter - Concluida


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 1

Harry Potter amava as mulheres. Adorava a aparência delas, o cheiro delas, o som delas, o gosto delas. Amava-as, sem reserva ou preconceito. Alta, baixa, rechonchuda, magra, velha, moça, a maravilhosa e exótica feminilidade delas o atraíam e sugavam. A inclinação de um cílio, as curvas de um lábio, o balanço de um traseiro feminino bem torneado simplesmente o encantavam.
Esmerara-se ao máximo, em seus 32 anos na terra, para mostrar ao maior número de mulheres possível sua ilimitada apreciação por elas como gênero.
Considerava-se um cara de sorte, porque as moças logo retribuíam o seu amor.
Ele tinha outros amores. A família, a fazenda, o cheiro de pão assando, o gosto de uma cerveja gelada em um dia quente.
Mas as mulheres, bem, elas eram tão variadas, tão diferentes e tão deliciosas.
Sorria para uma agora. Embora Gina fosse a mulher do irmão, e Harry nutrisse apenas os mais inocentes e fraternais sentimentos por ela, apreciava seus consideráveis atributos femininos. Gostava do jeito como os cabelos ruivo-escuros se curvavam em volta do rosto. Adorava a pintinha ao lado da boca, e o jeito como ela sempre parecia ao mesmo tempo tão sexy e tão bem arrumada. Achava que se um homem tivesse de escolher uma mulher para se amarrar, Draco não poderia ter feito melhor escolha.
- Tem certeza de que não se importa, Harry?
- Me importo com o quê? - Ele percebeu a testa ondulada da cunhada quando ergueu o mais novo Potter ao ombro. - Oh, a corrida ao aeroporto. Certo. Eu só estava pensando em como você está bonita.
Gina teve de rir. Sentia-se esgotada, Jason Potter, o filho caçula, berrava, tinha os cabelos desgrenhados, e ela temia cheirar mais às fraldas de Jason que ao perfume que passara pela manhã.
- Pareço uma louca.
- Não. - Para dar-lhe um descanso, Harry tomou Jason no colo e sacudiu o bebe de três semanas que estava com soluços. - Bonita como sempre.
Ela deu uma olhada para o cercado que instalara no quarto dos fundos da loja de antiguidades, onde o filhinho mais velho, Nate, cochilava em meio ao caos. Parecia-se com o pai, pensou, com uma explosão de amor. O que significava, claro, que se parecia com o tio Harry.
- Obrigada. A lisonja me faz bem. Mas eu detesto mesmo pedir isso a você.
Harry viu-a servir chá e resignou-se a tomá-lo.
- Não é problema algum, querida. Vou pegar sua colega de faculdade e trazê-la para você sã e salva. Cientista, é?
- Ã-hã... - Gina entregou-lhe uma xícara, sabendo que ele podia fazer malabarismo com o chá, o sobrinho e mais algumas coisas, além disso. - Hermione é brilhante. Um exagero de brilhante. Só dividi o quarto com ela um ano, ela estava com 15 e já era estudante do segundo ano. Acabou se formando, com a mais alta distinção, um ano antes de mim e do resto da turma. Muito intimidador. - Gina saboreou o chá e o relativo sossego, após Harry acalmar Jason, que dava arrulhos babados. - Parecia que ela não saía de algum laboratório, ou da biblioteca.
- Parece um poço de diversão.
- Ela era... é... um tipo sério, e tendia a ser tímida. Afinal, era anos mais moça que todos os outros na escola. Mas acabamos ficando amigas. Ela teria vindo para o casamento, mas estava na Europa, ou África. - Gina acenou vagamente. - Em algum lugar.
Harry pensava com nostalgia no seu décimo quinto ano, quando aprendera as complexidades do sutiã de gancho nas costas. No escuro.
- É legal ter uma amiga chegando para visitar você.
- Bem, é uma espécie de visita de trabalho para ela.
Gina mordeu o lábio.
Não contara a finalidade de Hermione, a não ser para Draco. Imaginou que, se ia obrigar Harry a receber a amiga no aeroporto, devia deixar tudo claro.
Viu-o fazer caretas para o bebe e aninhá-lo. Todos os Potter tinham uma beleza estonteante, pensou, mas havia alguma coisa em Harry. Apenas uma fatia extra de charme, supunha.
Tinha a aparência, claro. Os cabelos pretos como tição, que agora usava em um curto e grosso rabo-de-cavalo. O rosto magro, ossudo, de dar água na boca, com ângulos e planos, boca sensual, covinha faiscante e olhos verdes de grossos cílios. O matiz do verde era sonhador, como o de um oceano no crepúsculo.
Tinha a compleição, alto, magro, musculoso. Ombros largos, quadris estreitos e pernas longuíssimas, que sobressaíam mais de calça jeans, botas de trabalho e camisa de flanela.
Tinha o charme. Todos os quatro Potter o tinham de sobra, mas Gina achava que o caçula tinha uma pitada a mais. Alguma coisa no jeito como demorava os olhos em uma mulher, o rápido e apreciador sorriso quando falava com ela, tivesse oito ou oitenta anos. Essa maneira descontraída e alegre que às vezes explodia em um ataque de raiva, e então, com a mesma rapidez, se desfazia em uma risada.
Ele na certa intimidaria à beça a coitada e tímida Hermione.
- Você tem um jeito danado com ele. - ela murmurou.
- Continue fazendo bebês, querida, que eu continuarei amando todos eles.
Rindo, ela inclinou a cabeça.
- Ainda não está pronto para se acomodar?
- Ora, por que eu ia querer fazer isso? - Ele ergueu os olhos de Jason, e ela os viu dançarem de humor. - Sou o último Potter solteiro. E obrigado pela honra a defender o forte até os sobrinhos começarem a brotar.
- Você leva seu dever a sério.
- Com certeza. Ele dormiu. - Harry baixou a cabeça e beijou a testa de Jason. - Quer que eu o ponha deitado?
- Obrigada. - Esperou-o acomodar Jason no berço antigo. - Hermione está me esperando. Não consegui alcançá-la antes de ela sair para o aeroporto. - Esgotada mais uma vez, Gina correu os dedos pelos cabelos. - A babá cancelou, Draco está em Hagerstown comprando material de construção. Luna não tem tempo livre com a casa cheia na pousada, Emma está resfriada, e eu simplesmente não posso pedir ajuda a Savannah.
- Na última vez em que a vi, ela parecia a ponto de estourar.
Para demonstrar a condição da mulher de Neville, Harry fez um largo círculo com os braços diante da barriga chata.
- Exatamente. Grávida demais para fazer uma viagem de três horas, e eu, com uma entrega de mobília marcada para esta tarde, não sabia a quem mais chamar e empurrar a tarefa.
- Não tem o menor problema. - Para provar, ele deu-lhe um beijo na ponta do nariz. - Não acredito que ela seja tão bonita como você, é?
Gina sorriu timidamente.
- Como responder a isso e não parecer imbecil? De qualquer modo, não a vejo faz... cinco anos, imagino. A última vez foi em uma rápida viagem a Nova York, e ela estava mergulhada até os quadris em algum trabalho que escrevia. E quatro anos mais moça que eu e tem dois doutorados. Talvez mais. Não tenho como acompanhar.
Harry não estremeceu. Gostava tanto das mulheres com cérebro quanto das sem. Mas conhecia a velha rotina sobre as de personalidade, inteligentes e prodigiosas. Não imaginava que fosse pegar uma rainha da beleza no aeroporto.
- Psiquiatria e história dos Estados Unidos com certeza. - continuou Gina. - Uma mistura meio esquisita, mas também, Hermione é sem igual. Lembro que ela cursou algum tipo de matemática complexa, e ciência também. Física, química... fez trabalho de pós-graduação sobre isso no importante Instituto de Tecnologia de Massachusetts.
- Por quê? - perguntou-se Harry em voz alta.
- Com Hermione seria mais uma questão de por que não. Ela tem o que eles chamam de memória fotográfica. Vê, lê e armazena aqui. - disse Gina, dando um tapinha na cabeça.
- E ela é psiquiatra?
- Não tem clínica privada. Dá consultas, escreve trabalhos, faz palestras. Sei que dedicava um dia por semana a uma clínica. Escreveu uma tese definitiva sobre... bem, uma psicose ou outra. Ou talvez fosse uma fobia. Eu me formei em administração de empresas, de qualquer modo, Harry... - Gina sorriu animada e afagou a mão dele - Ela anda envolvida com parapsicologia. Como passatempo.
- Com o quê? Isso é tipo afastar fantasmas como no filme Os caça-fantasmas!
- E o estudo dos fenômenos mediúnicos e paranormais. Percepção extra-sensorial, ah... assombrações...
- Fantasmas. - concluiu Harry, e desta vez estremeceu mesmo. - Já não remos o suficiente deles aqui?
- Essa é a questão. Ela está interessada na área, nas lendas. E diferente para você, Harry. - apressou-se a dizer Gina, sabendo da aversão do cunhado às lendas locais. - Você foi criado com tudo isso. A Mansão Barlow, os dois cabos, a floresta mal-assombrada. Toda a idéia de assombrações é um dos principais motivos de Draco e eu termos conseguido fazer da pousada um sucesso tão grande. As pessoas adoram a idéia de se hospedar em uma casa mal-assombrada.
Harry apenas deu de ombros. Que inferno, ele morava em uma.
- Não me incomodo com nada disso. Só quando os turistas querem perambular pela fazenda que... - A expressão nos olhos de Gina o interrompeu, fazendo-o estreitar os seus. - Ela quer perambular pela fazenda.
- Ela quer ver o todo, e sei que gostaria de passar algum tempo lá. Mas a decisão disso depende totalmente de você. - apressou-se a dizer a cunhada. - Precisa conhecê-la um pouco. Ela é uma mulher fascinante, verdade. De qualquer modo, anotei o número do vôo e tudo mais.
Entregou-lhe uma folha de papel.
- Você ainda não me disse como ela é. Duvido que vá ser a única mulher a descer desse vôo de Nova York.
- Tem razão. Cabelos e olhos castanhos. Usava meio puxados para trás, ou... soltos. E mais ou menos da minha altura, magra...
- Pele e osso ou esguia? Há uma diferença.
- Acho que mais para pele e osso. Talvez esteja de óculos. Usa para ler, mas esquecia de tirar e acabava batendo nas coisas.
- Uma morena de óculos magricela e desajeitada. Já saquei.
- E muito atraente. - acrescentou Gina francamente. - De uma maneira especial. E, Harry? E tímida, talvez por isso seja legal.
- Eu sempre sou legal. Com as mulheres.
- Tudo bem, seja bom então. Se não a localizar, chame pelo alto-falante. Dra. Hermione Granger.
Os aeroportos sempre entretiam Harry. As pessoas tinham a mesma pressa, parecia-lhe, tanto para chegar aonde iam quanto para voltar de onde quer que houvessem estado. Todo mundo desembarcava correndo, carregado de bagagens de mão. Ele se perguntava o que havia nos lugares dos quais as pessoas decidiam partir que não as atraía o suficiente para mantê-las lá.
Não que fosse contra viajar. Apenas achava que podia chegar a qualquer lugar aonde realmente quisesse ir sentado atrás do volante de sua picape. Dessa maneira, encarregava-se do tempo, da distância e da velocidade.
Mas havia gente de todo tipo.
Também achou que podia localizar a amiga de Gina, pois era uma mulher, e ele conhecia as mulheres. Vinte e poucos anos, cerca de 1,65m, magricela, cabelos e olhos castanhos, provavelmente atrás de óculos grossos. Pelo breve resumo de Gina, não imaginava que Hermione Granger tivesse muito requinte, por isso ia procurar um tipo simples, intelectual, de pasta e sapatos práticos.
Demorou-se no portão, olhando duas comissárias de vôo que esperavam a mudança de tripulação. Mas não era, ele pensou, uma profissão que atraía mulheres bonitas? Quase fazia sentir que haveria alguma vantagem em ficar preso em uma lata de estanho voadora por algumas horas.
Quando os passageiros começaram a afluir do portal de entrada, ele tomou o cuidado de desviar a atenção. Empresários, de ar atormentado, notou. A brigada de terno e gravata. Nenhum dinheiro do mundo o convenceria que valeria a pena vestir um terno durante oito a dez horas por dia.
Bonita, loura, de elegante calça vermelha pregueada. Ela deu-lhe um sorriso rápido e coquete ao passar, e Harry deleitou-se aspirando a nuvem de perfume que ficou para trás.
Bonita, moreninha, com um andar de longos passos e olhos dourados, grandes e largos. Lembravam-lhe as contas de âmbar que a mãe guardava na grande caixa de jóias.
Ali vinha a Vovó, com uma enorme sacola de compras e um imenso sorriso nos olhos umedecidos para o trio de crianças que avançou correndo e lhe abraçou os joelhos.
Ah, lá estava ela, decidiu Harry, localizando uma mulher de ombros caídos, cabelos castanhos arrebanhados para trás em um desmazelado nó. Carregava uma pasta preta de aspecto oficial e usava sapatos pretos grossos, de cadarço, e óculos quadrados. Piscava os olhos como uma coruja atrás deles, parecendo perdida.
- Ei. - Ele deu-lhe um sorriso rápido e faiscante, e uma piscadela amistosa, que a fizeram recuar três passos e trombar com um homem exausto carregando uma bojuda mala de roupas. - Como vai? - Baixou a mão para pegar a maleta dela e viu os olhos míopes arredondarem-se de alarme. - Sou Harry. Gina me mandou buscá-la. Ela teve complicações. Então, como foi o vôo?
- Eu... Eu... - A mulher puxou a maleta para junto do peito magro. - Eu vou chamar a segurança.
- Acalme-se, Mione. Só vou lhe dar uma carona. - Ela abriu a boca e emitiu um ruído estridente.
Quando Harry estendeu a mão para tomar-lhe o braço e tranqüilizá-la, ela deu-lhe uma sólida pancada com a maleta. Antes de ele decidir-se se ria ou xingava, sentiu uma leve batida no braço.
- Com licença. - A bonita morena ergueu uma sobrancelha e deu-lhe um longa e pensativa examinada. - Creio que talvez esteja à minha procura. - Tinha a boca, ele notou, larga e cheia, curvada em um sorriso seco e divertido. - Harry, você disse. Seria Harry Potter?
- É. Oh. - Ele olhou a mulher que abordara atrás. – Perdão. - começou, mas ela já saía em disparada como um coelho perseguido por lobos.
- Imagino que tenha sido a coisa mais emocionante que aconteceu com ela em um bom tempo. - comentou Hermione. Achava que sabia exatamente como se sentira a coitada da mulher. Era infeliz demais para ser tímida, sem graça e não muito em sincronia com o resto do mundo. - Sou Hermione Granger. - acrescentou e estendeu a mão.
Não era bem o que esperava, mas em uma examinada mais de perto ele viu que não se desviara tanto assim do alvo. Parecia de fato intelectual, se a gente passasse além daqueles olhos. Em vez de sapatos práticos, era um corte de cabelo prático, curto como o de um garoto. Ele, pessoalmente, preferia cabelos na mulher, mas o penteado caía-lhe bem no rosto, de feições afiladas, quase de raposa.
E era na certa magricela. Difícil saber, com a calça e o paletó quadrados que lhe encobriam as formas, tudo em um preto implacável.
Então ele sorriu mais uma vez, recebendo na sua a longa e estreita mão.
- Gina disse que você tinha olhos castanhos. Não são.
- Diz que são na minha carteira de motorista. Tudo bem com Gina?
- Ela está ótima. Apenas algumas complicações domésticas e profissionais. Dê-me aqui, deixa que eu levo.
Ele estendeu a mão para a grande bolsa cheia de divisões que ela pendurara a tiracolo.
- Não, obrigada. Eu levo. Você é um dos cunhados.
- Sou.
Ele pegou o braço dela para guiá-la até o outro lado, em direção ao terminal.
Dedos fortes, ela notou. E uma predileção por tocar. Ora, tudo muito bom. Não ia dar um grito estridente, como fizera a outra, como talvez fizesse ela própria alguns meses antes, quando se via diante de um homem autêntico e não adulterado.
- O que administra a fazenda.
- Isso mesmo. Você não parece muito uma Ph.D... à primeira vista.
- Não? - Ela disparou-lhe um frio olhar de esguelha. Treinara muito no espelho aquela aparência. - E a mulher que provavelmente está até agora com a respiração acelerada no banheiro feminino mais próximo parecia?
- Eram os sapatos. - explicou Harry, sorriu e baixou os olhos para as graciosas alpargatas pretas de lona e sola inteiriça de Hermione.
- Entendo. - Ao descerem a escada rolante em direção à esteira de bagagem, ela se virou de frente para ele. Camisa de flanela aberta no colarinho, notou. Calça jeans surrada, botas lanhadas, mãos grandes e calosas. Cabelos pretos escorridos de um boné puído encimando o rosto magro e bronzeado, possível de se ver em um pôster que venderia qualquer coisa.
- Você parece um fazendeiro. - ela concluiu. - Então, quanto tempo leva para chegar a Antietam?
Ele debateu consigo mesmo se fora insultado ou elogiado, e respondeu:
- Pouco mais de uma hora. Vamos pegar suas malas.
- Estão sendo enviadas. - Satisfeita com sua natureza prática, ela deu um tapinha na bolsa a tiracolo. - Esta é tudo que tenho no momento.
Harry não conseguia superar a sensação - a desconfortável sensação - de estar sendo observado, julgado e dissecado como uma rã de laboratório.
- Ótimo.
Aliviou-o quando ela tirou os óculos escuros do bolso do paletó e cobriu os olhos. Habituara-se a mulheres olhando-o, mas não como se ele fosse uma coisa espalhada em uma lâmina.
Ao chegarem à picape, Hermione deu-lhe uma breve olhada, e outra quando ele abriu a porta para ela, concedendo-lhe um daqueles sorrisos indiferentes, e depois baixou os óculos para examiná-lo por cima.
- Oh, uma coisa, Harry...
Como ela parara, ele armou uma leve carranca.
- Sim?
- Ninguém me chama de Mione. - Com isso, sentou-se aprumada no banco e pôs a bolsa no piso.
Hermione apreciava a viagem. Ele dirigia bem, e o caminhão corria suave. Ela não podia evitar o fato de ter sentido um pequeno ardor de satisfação por havê-lo aborrecido, só um pouco. Os homens como Harry Potter, que não eram apenas bonitos, mas também tinham o bônus de toda aquela sensualidade e confiança, não baixavam a crista facilmente.
Passara grande parte da vida sendo intimidada em qualquer nível social. Apenas nos últimos meses começara a fazer progresso para se impor. Tornara-se seu próprio projeto, e achava que estava se saindo muito bem.
Ela deu-lhe crédito por tornar a conversa descontraída na viagem, aborrecido ou não. Em pouco tempo saíam da via expressa e percorriam as sinuosas estradas secundárias. Era um belo quadro, colinas e casas, pastos e árvores que conservavam a exuberância verde do verão mesmo no início de um enevoado agosto, às vezes um cavalo ou vaca pastando.
Ele ligara a música do rádio educadamente baixa, e ela só ouvia a vibração do ritmo nos alto-falantes.
A cabine era bem arrumada, com um ou outro pêlo dourado de cachorro da caminhonete ondulando acima, e o cheiro de cachorro junto. Havia dois bilhetes escritos à mão presos por imã ao painel de metal e um punhado de moedas jogadas no cinzeiro. Mas tudo em ordem.
Talvez por isso viu a espiral de ouro de um brinco de mulher brotando debaixo do tapete do piso. Ela se abaixou e pegou.
- Seu?
Ele disparou um olhar, captou o reflexo de ouro e lembrou que Frannie Spader usava brincos assim na última vez que eles... tinham dado um passeio juntos.
- De uma amiga.
Harry estendeu a mão. Quando recebeu o brinco, largou-o, descuidado, em meio às moedas.
- Ela vai querer de volta. - observou Hermione desinteressada. - E de 14 quilates. Então... vocês são quatro irmãos, certo?
- Isso. Você tem irmãos, irmãs?
- Não. Mas você administra a fazenda da família?
- Foi assim que acabou funcionando. Neville tem a clientela jurídica, Draco está no ramo da construção e Rony é o xerife.
- E você é o fazendeiro. - ela concluiu. - Que é que cultiva e cria?
- Temos gado de leite, porcos. Cultivamos milho... ração, sobretudo, mas temos também belas plantas... feno, alfafa. - Ele viu que ela absorvia tudo com aqueles grandes e intensos olhos, e acrescentou, com muita sobriedade - Tivemos uma excelente safra de batatas.
- Sério? - Em inconsciente solidariedade com o ritmo sussurrando pelos alto-falantes do rádio, ela tamborilava os dedos no joelho. - Não é muito trabalho para um homem só?
- Meus irmãos estão lá quando são necessários. E eu emprego alguns estudantes de agropecuária de acordo com a estação. - Ele mexeu os ombros. - Tenho uma dupla de sobrinhos que comparece. Eles têm 11 anos agora. Consigo em geral convencê-los com lábia a acreditar que se divertem quando dão de comer ao gado.
- E é divertido?
- Eu gosto. - Desta vez ele olhou-a. - Já esteve em uma fazenda?
- Não, para falar a verdade, não. Sou uma pessoa urbana.
- Então se prepare para uma grande surpresa em Antietam. - ele murmurou. - Pois não é nada urbana.
- Assim me disse Gina. E, claro, conheço a área pelos meus estudos. Deve ter sido interessante ser criado em um dos mais importantes campos de batalha da Guerra de Secessão.
- Draco sempre se interessou mais por isso que eu. A terra não se importa se é histórica, desde que cuidem dela.
- Então não se interessa por história?
- Não tenho um interesse específico. - O caminhão passou ruidoso pela ponte que se estendia sobre o trecho do rio Potomac entre a Virgínia e Maryland. - Eu a conheço. - acrescentou. - Não se pode viver ali toda a vida sem conhecer. Mas não dou muita atenção.
- E os fantasmas?
- Tampouco dou muita atenção a eles.
Um sorriso sombreou a boca de Hermione.
- Mas você sabe da existência deles. - Mais uma vez ele mexeu os ombros.
- Parte do pacote. Você precisa conversar com o resto da família. São mais interessados no assunto.
- E, no entanto, você vive e trabalha em uma fazenda que se acredita ser mal-assombrada.
- Acredita-se. - Ele não gostava de conversar sobre isso, nem de pensar. - Escute, Gina falou alguma coisa sobre você aparecer na fazenda para fazer seja lá o que é que tenha de fazer...
- Estudar e registrar qualquer atividade paranormal. - Ela alargou o sorriso. - E só um passar tempo.
- E, bem, você ficaria em uma situação mais vantajosa na antiga Mansão Barlow, a casa que Draco e Gina reformaram. E uma pousada agora, que uma das minhas outras cunhadas administra. E abominável de tantos fantasmas, se você acredita nesse tipo de coisa.
- Hum... Está em minha lista. Na verdade, espero que eles possam me acomodar lá por algum tempo. Eu gostaria de ficar na pousada. E pelo que Gina me contou, você tem uma casa grande. Eu também gostaria de ficar lá.
Ele não se incomodava com a companhia, mas a finalidade não lhe assentava bem.
- Gina não disse até quando você planeja ficar aqui.
- Depende. - Ela olhou pela janela quando ele tomou uma estrada por um atalho nas montanhas. - Depende de quanto tempo vou levar para encontrar o que desejo encontrar, e quanto tempo vou levar para documentá-lo.
- Você não tem, digamos, um emprego?
- Estou tirando uma licença de um ano. - A palavra tinha tantas possibilidades maravilhosas, que ela fechou os olhos para saboreá-las. - Tenho todo o tempo do mundo, e pretendo aproveitá-lo. - Abrindo mais uma vez os olhos, viu o brilho do brinco de ouro no cinzeiro. - Não se preocupe, fazendeiro. Não vou atrapalhar seus hábitos. Quando chegar a hora, pode me enfiar em um quartinho no sótão. Eu faço minha atividade, você continua fazendo a sua.
Ele ia comentar, mas ela emitiu um ruído baixo, estrangulado, e sentou-se empertigada como um raio no banco.
- O que foi?
Ela apenas sacudiu a cabeça, absorvida na irritante sensação de déjà vu. As colinas surgiam, grama verde contra pedras prateadas. Ao longe, as montanhas mais altas pareciam sombras arroxeadas contra céus enevoados. Campos altos, com pés verdes de milho e espessos grãos de verão, recuavam ondulando da estrada. Em uma íngreme encosta, o gado preto-e-branco sobressaía-se, tão imóvel quanto em um cartão-postal.
Matas escuras e densas estendiam-se ao longo do campo, e um sinuoso riacho borbulhava junto à margem.
- Parece exatamente o cenário que devia ser. - ela murmurou baixinho. - Exatamente. Perfeito.
- Obrigado. Esta é a terra dos Potter. - Ele reduziu um pouco a marcha do caminhão, por orgulho. - Não dá para ver a casa nesta época do ano. As árvores são muito espessas. Fica no fim daquela alameda.
Ela viu a rústica estradinha de cascalho, que virava à esquerda e acompanhava o renque de árvores. Com o coração batendo devagar no peito, assentiu com a cabeça.
Aconteça o que acontecer, pensou, ia voltar ali. E permanecer até encontrar todas as respostas a todas as perguntas que a atormentavam.
Inspirou fundo e virou-se para ele.
- A que distância fica a cidade?
- Apenas alguns quilômetros agora. - Ele estreitou os olhos de preocupação. Ela ficara com uma palidez mortal. - Tudo bem com você?
- Tudo bem. - Mas abriu a janela para sorver o ar do início de verão. - Simplesmente ótimo.


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.