FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

11. Capitulo 11 – Luta em Hogsmead


Fic: Dark Angel - O Inimigo dos Deuses


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capitulo 11 – Luta em Hogsmeade

Laurence Harris estava satisfeito, tinha recebido uma missão muito importante de seu Lorde, deveria matar aquele que era seu inimigo, o predestinado a ser seu oponente. Aquele era um privilégio que todos os membros da Elite matariam para consegui-lo, mas Lorde Voldemort confiara a missão a ele. Sorrindo olhou para os quarenta comensais que o acompanharia para o caso de contratempos, ele queria ver do que Harry Potter era capaz. Segundo o que o Lorde dissera o garoto apresentara um incrível aumento de magia e derrotara quatro guerreiros poderosos na noite anterior.

Naquele momento Harris e os comensais encontravam-se na grande fortaleza do Lorde Negro nos Estados Unidos. Ele tinha de admitir que Voldemort tinha bom gosto, sempre apreciando as coisas mais sombrias e belas, nos corredores da fortaleza haviam inúmeras estatuas e armaduras antigas conseguidas em diversas partes do mundo e trazidas especialmente para a Fortaleza do Lorde Negro. Tirando os pensamentos apreciativos de sua mente o cavaleiro virou-se para os comensais da morte que apenas aguardavam as ordens para partirem. Ainda não conseguia acreditar que estavam indo para Hogsmeade, o Lorde tinha conseguido infiltrar alguém que conseguira descobrir os feitiços protetores que agora já não existiam mais.

- Hoje Harry Potter morre. – disse Harris para os comensais que bradaram de alegria erguendo as varinhas e lançando feixes verdes para o ar. – Vamos para Hogsmeade e vamos acabar com Harry Potter e depois vocês poderão se divertir com os outros como bem quiserem.

Em seguida uma luz acinzentada saiu do cavaleiro e rodeou a todos os comensais que desapareceram da Fortaleza Negra e apareceram em Hogsmeade, o tão famoso povoado e que muitos deles não viam a algum tempo por causa das proteções impostas por Dumbledore. Harris levantou sua mão esquerda e um raio azulado atingiu uma loja que explodiu em vários pedaços o que chamou a atenção de todos e imediatamente a correria começou e as pessoas saiam das lojas para ver quem tinha chegado ali. Por fim Harris viu seu alvo saindo do Três Vassouras acompanhado de alguns garotos e garotas, dois ele reconhecia como irmãos do alvo, mas eles não eram importantes, ele estava ali exclusivamente para liquidar com Harry Potter.
======

Lílian olhava distraidamente pela janela de seus aposentos observando o sol da manha que erguia-se imponente no céu, a mulher pensava em tudo o que havia visto na noite anterior, a maneira como seu filho lutara contra os Angel’s a deixara levemente assustada com o poder que o filho possuía, nunca imaginara que Harry fosse tão poderoso. Foi tirada de seus pensamentos por dois braços masculinos que envolveram sua cintura enquanto seu marido beijava seu pescoço, suspirando Lílian afastou-se de Tiago e olhou nos olhos do marido. Tinham adiado a conversa para de manha e não podiam ignorar o que tinham presenciado.

- Como não percebemos? – perguntou ela diretamente, sua voz revelava a angustia que a mulher ruiva estava sentindo.

- Não sei Lily. – disse Tiago sentando-se na cama e ficando de frente com a esposa, olhavam-se nos olhos.

- Você viu as cicatrizes? – indagou Lílian angustiada – Que tipo de pais nós somos que nunca reparamos nas cicatrizes que nosso filho tem, elas são antigas Tiago, como nunca as percebemos e por Merlin, como nunca percebemos o tamanho do poder de nosso filho? É como se todos esses anos não existissem, não conhecemos nosso filho, nosso próprio garoto, que tipo de pais nós somos para saber tão pouco sobre um de nossos filhos?

- Realmente não tenho uma resposta, meu amor. – sussurrou Tiago abraçando a mulher e começando a acariciar os longos cabelos vermelhos. – As cicatrizes são antigas sim, elas tem pelo menos seis meses. Eu reconheço o formato de uma delas, ela é causada por um feitiço negro bem poderoso, a questão é quem atingiu Harry, e naquela intensidade é necessário um bruxo muito poderoso.

- Acho que Harry treina magia Tiago. – falou Lílian com a voz embargada – Todos esses anos ele deve ter treinado enquanto estava em Hogwarts, a muitas salas escondidas e perfeitas para um local de treinamento.

- Acho que você tem razão Lily. – Tiago concordou com a esposa – Eu nunca senti tanto poder em uma única pessoa, a não ser em Dumbledore e na Elite de Cavaleiros do Voldemort.

- Ele matou aqueles homens como se eles não fossem nada. – sussurrou Lílian lembrando-se do filho matando um por um dos homens que lutaram com ele.

- Sim, e isso foi realmente impressionante e assustador, eu mesmo já havia lutado contra eles e mal conseguia suportar uma luta contra um deles de cada vez, imagina os quatro juntos. Harry matou-os sem se importar com isso, como se já o tivesse feito antes, e varias vezes. – Tiago falou pensativo, enquanto lembrava-se da expressão do filho enquanto torturava e matava os guerreiros que ele enfrentara.

- Eu não duvido. – replicou Lílian com a voz firme chamando a atenção do marido para si – Ele parece ter enfrentado tanta coisa, vi em seus olhos quando conversamos na sala de aula, Tiago. Vi a dor e o cansaço nos olhos de nosso filho, e eu sei que apenas uma guerra provoca isso em alguém. É como se ele já tivesse visto tanta coisa, tanta morte que não se importa mais em matar, acho que ele sofreu muito e agora só quer se vingar.

- O que será que nós não sabemos Lily? – perguntou Tiago preocupado.

- Não sei, meu amor. Mas sei que Harry odeia Voldemort profundamente e que pretende mata-lo. – falou Lily cheia de convicção – Posso sentir que o que o Harry mais deseja é acabar com a raça do Voldemort.

- Na verdade eu não me preocupo com os comensais que ele pode matar, eu mesmo mato eles quando posso. – disse Tiago pensativo – Mas o que me deixa mal é perceber que eu nunca dei a devida atenção a meu filho. Que tipo de pai eu sou para praticamente ignorar um filho? Como eu pude fazer isso com ele?

- Não se aflija meu amor. – Lílian confortou-o – Sabe que Hugo e Sam ocuparam muito de nosso tempo e seu trabalho no ministério era penoso, principalmente depois da primeira queda de Voldemort quando vocês tiveram de caçar os comensais da morte, lembro que havia vezes que você ficava uma semana fora.

- Sim, é verdade, mas mesmo assim eu devia ter prestado mais atenção em Harry. – Tiago suspirou e lembrou da expressão que vira no rosto do filho quando dissera que sua família o odiava – Ele acha que eu o odeio Lílian.

- Ele só está magoado Tiago. – Lílian falou tentando dar algum apoio ao marido que recriminava-se por coisas passadas.

- Não, é mais do que mágoa, ele está decepcionado comigo. – falou subitamente Tiago olhando desolado para a esposa – Ele sempre foi tão quieto e sozinho, e tinha a Sam e o Hugo que eram dois terrores quando pequenos, e eu simplesmente brincava com os dois e deixava Harry de lado. E tudo piorou depois que ele começou a ir para a escola trouxa e aprendeu a ler, ele praticamente passou a viver na biblioteca lendo dia e noite, eu achei que ele era feliz assim, do jeito dele, nunca pensei que ele poderia estar se escondendo nos livros.

- Tiago, isso é passado. – falou Lily suavemente – O que importa é o presente, temos de aproveitar as coisas, você pode reconquistar o amor de seu filho.

- Não, eu o perdi Lily. Agora ele já é um homem. Agora é tarde demais. – disse o maroto cabisbaixo e triste, lembrando-se de momentos felizes em que ele brincava com os gêmeos no jardim e a figura solitária de Harry apenas observava impassível. - Ele nunca demonstrou nada, foi sempre uma incógnita e tudo piorou quando foi selecionado para a sonserina, eu simplesmente não consegui lidar com isso e ele deve ter aceitado isso como rejeição e foi aí que ele fechou-se de vez.

- Podemos dar um jeito meu amor. – Lílian sussurrou com lagrimas escorrendo dos belos olhos verdes – Nunca é tarde demais, Tiago. Tudo o que precisamos é ter um pouco de paciência com ele e com o tempo ele vai voltar para nós.

- Tudo bem, eu acho que preciso mesmo de um pouco de esperança para lidar com isso. – Tiago tentou sorrir, mas saiu apenas um esgar que ele apagou em seguida e levantou-se – Vamos, temos a reunião do Império para ir, já esta quase na hora do horário marcado por Dumbledore.

Lílian e Tiago saíram dos aposentos da professora e saíram para os corredores de Hogwarts que naquele momento estavam silenciosos, devido ao fato dos estudantes estarem em Hogsmeade se divertindo.

- Amor, você percebeu que os Angel’s estavam atacando para matar? – Lílian perguntou de repente ao marido.

- Sim, eu percebi Lily, e isso me deixou preocupado. – Tiago respondeu apertando a mão da esposa entre as suas – Por isso não liguei muito para o fato de Harry tê-los matado, eu mesmo o teria feito se eles tivessem saído vivos de lá.

Ambos continuaram caminhando em silencio, cada qual perdido em seus próprios pensamentos sobre o filho mais velho do casal, até que deram de cara com a gárgula de pedra que dava acesso a sala do diretor de Hogwarts, ultimamente todas as reuniões eram feitas dentro do escritório do diretor. Depois de dizerem a senha a gárgula de pedra afastou-se dando passagem para as escadarias que os levariam direto para a sala do diretor, depois de subirem por ela ambos encontraram-se diante da porta do escritório e então bateram na porta.

- Entre. – ouviram a voz calma do diretor de Hogwarts. Assim que os dois adentraram a sala do diretor perceberam que quase todos os membros importantes já se encontravam ali. – Podem se sentar Lílian e Tiago, a reunião já vai começar.

Dumbledore estava profundamente concentrado em um maço de papeis que havia diante de si e lia o conteúdo deles freneticamente. Aos poucos o restante dos membros do Império foram chegando e logo todos já se encontravam acomodados, o diretor percebendo isso recolocou os papeis de volta na ordem original e colocou-os de lado.

- Bem, convoquei essa reunião para discutirmos os acontecimentos da noite anterior, o que levantou muitas questões e preocupações. – a voz calma e serena do diretor estava cheia de preocupação e todos perceberam isso – Como todos vocês já devem saber, Harry Potter realizou um teste de força ontem contra os Angel’s...

- É verdade que o Potter acabou com eles? – interrompeu Pettigrew olhando meio amedrontado para o diretor.

- Sim Senhor Pettigrew, o senhor Harry Potter venceu os quatro Angel’s. – Dumbledore suspirou – E devo dizer que ele venceu facilmente nossos melhores guerreiros.

- Mas como isso é possível, você não estava monitorando ele esse tempo todo enquanto ele estava em Hogwarts? – perguntou um senhor de idade sem perceber que os pais do garoto em questão estavam na sala de reuniões.

- Como assim monitorar? – perguntou Lílian exaltada pela sutil descoberta que acabavam de fazer, não acreditava no que tinha ouvido.

- O que ele quis dizer com isso Dumbledore? – Tiago rosnou furioso olhando para o diretor agressivamente.

- Vocês sabem que todos sempre tiveram receio do Senhor Potter, muitos inclusive tinham medo dele. Por isso se fez necessário que acompanhássemos os progressos que ele faria em sala de aula, bem como o que ele fazia fora de sala. – Dumbledore fez uma pausa para respirar e continuou – Como ele foi selecionado para a casa Sonserina pedi para Severo se aproximar dele e discretamente acompanhar a evolução dele em aula, como diretor da casa Sonserina ficava muito mais pratico para Severo vigiar Harry do qualquer outro. – falou rapidamente o diretor antes que Tiago explodisse com ele – Mas durante todos esses anos aqui em Hogwarts ele nunca apresentou um comportamento fora do normal de um adolescente, era apenas mais distante e sozinho do que a maioria dos alunos. Segundo o que sabemos ele nunca treinou fora das aulas e também nunca apresentou tão elevado nível de magia, quando medimos o poder dele, não passou de Feiticeiro Normal, o que nos leva a questão de onde surgiu todo o poder que ele apresenta agora, até o fim do ano letivo anterior ele era um garoto comum, mas esse ano está muito poderoso.

- Tanto isso é verdade que eu tenho uma noticia um pouco preocupante. – pronunciou-se Sirius olhando de relance para o amigo – Um informante meu me revelou que esse nível de magia apresentado por Harry agora preocupa o Lorde Negro, que mandou organizar um batalhão de comensais acompanhando um de seus Cavaleiro de Elite para exterminá-lo.

- Como Voldemort ficou sabendo do tamanho do poder do meu filho? – Lílian questionou friamente, uma certeza pairando sobre sua mente, havia um maldito traidor entre eles.

- Essa é uma boa pergunta Lílian, acredito que a informação tenha vazado de alguma maneira. Só não sabemos como. – Dumbledore falou pausadamente observando cada um dos presentes.

- O que você descobriu sobre esse cavaleiro que está sendo enviado para matar meu filho? – Tiago perguntou serio para Sirius.

- Voldemort ordenou que Laurence Harris encontra-se e mata-se Harry. – Sirius falou olhando diretamente para o rosto de James que ficou tão branco quanto cera.

- Pelos Deuses. – sussurrou Lílian.

Sabia muito bem quem era Laurence Harris, estava entre os dez seres mais poderosos do lado das trevas, na verdade era considerado o décimo em força após o próprio Voldemort. Mas mesmo sendo considerado o Décimo era um monstro, seu poder era gigantesco, o poder dele e dos outros vinha do próprio Voldemort, quanto mais forte Voldemort ficava mais forte sua elite também se tornava. Lílian teve de fechar os olhos para impedir a dor se transformar em lagrimas.

Antes que mais alguém pudesse falar um barulho de explosão ecoou ao longe e todos imediatamente se viraram para a janela tentando ver algo, mas não podiam já que Hogsmeade ficava muito longe, mas Sirius levantou-se de um pulo, os sentidos de sua forma animaga vibravam e o cheiro pútrido de magia negra chegava até ele, embora estivesse distante.

- Droga, eles já chegaram. – Sirius bradou revoltado.

- O que disse Sirius? – perguntou Tiago virando-se para o amigo que suspirou cansado.

- Os comensais e Harris devem ter chegado ao povoado para matar Harry. – Sirius falou dirigindo-se para a porta e imediatamente foi seguido por Lílian e Tiago, que desataram a correr e não tendo tempo para esperar que os portões fossem abertos entraram pela passagem da bruxa de um olho só que daria nos porões da Dedos de Mel.

- Severo, chame os cavaleiros da Luz e os mande imediatamente para Hogsmeade, mande capturar o máximo de comensais possível. – Dumbledore falou rapidamente e aproximando-se de Fawkes o diretor encostou nela e depois de um lampejar de fogo ambos desapareceram aparecendo no povoado atrás de uma multidão que observava silenciosa os comensais da morte.
======

As pessoas estavam paralisadas pela surpresa e pelo choque de verem comensais da morte em um local que era considerado seguro para se estar, Gina e os amigos estavam tão chocados quanto as pessoas em volta e simplesmente não sabiam o que pensar ou fazer e por isso instintivamente olharam para o moreno de olhos verdes que estava logo atrás deles.

Harry observava os aliados das trevas com um olhar critico, ele poderia dar conta dos comensais facilmente, o problema era aquele estranho que ele nunca vira antes, ele usava uma espécie de armadura negra que possuía a marca negra no peito, uma bainha estava pendurada em sua cintura, uma espada com cabo negro completava o traje dele, então aquele devia ser um dos Cavaleiros das Trevas do Lorde Negro, a Elite de Guerreiros das Trevas.

- Ora, ora, ora, finalmente nos encontramos Potter. – falou o cavaleiro olhando fixamente para Harry – Deixe eu me apresentar, eu me chamo Laurence Harris, sou um Cavaleiro das Trevas, um dos guerreiros mais fortes do Lorde Negro e...

- O que você quer? – perguntou o moreno impaciente.

- Ora pirralho, tenha mais respeito com um Cavaleiro das Trevas. – esbravejou o homem chamado Harris.

- Deixa de enrolação, e diga logo o que você quer. – falou Harry com deboche e desdém apenas para irritar os aliados de Voldemort.

- Eu vou te dizer o que nós queremos Potter, queremos você. – falou sorrindo friamente o cavaleiro – Queremos sua cabeça para levá-la em uma bandeja de prata para o Lorde. Então por que não se entrega e poupa nosso tempo?

- Acho que você vai ter de vir buscar minha cabeça se a quer Cavaleiro. – Harry devolveu a provocação com sarcasmo – Por que eu estou louco para encher essa armadura de buracos.

- Ora maldito insolente. – perdendo a paciência o cavaleiro ordenou rispidamente – Matem ele.
Os comensais imediatamente avançaram sobre o moreno que havia ido para a frente das pessoas que se encontravam no local, e diferente do que eles pensavam o garoto não correu, pelo contrario ele avançou em direção deles com um sorriso no rosto que causou arrepios nos comensais. Os comensais da morte nem pensaram e imediatamente começaram a lançar feitiços no garoto que conjurou fortes proteções que protegia ele e não deixava os feitiços passarem por ele e atingissem as pessoas atrás de si.

Harry sacou a varinha negra das vestes e apontando para os primeiros comensais a sua frente lançou um feitiço explosivo que desestabilizou-os e o moreno aproveitando começou a lançar potentes feitiços negros que atingiam os comensais em cheio e ao mesmo tempo conjurava um feitiço de proteção com a mão livre, embora os comensais não percebessem.

- Impactus. – berrou o moreno e sete comensais sentiram seus corpos serem arremessados para trás como se tivessem sido atingidos por um enorme bloco de pedra, o que não era longe da verdade já que era esse o efeito do feitiço, os comensais caíram agonizando no chão, a dor que eles sentiam era insuportável.

- Sectusempra. – um comensal a direita de Harry lançou o feitiço negro que Harry rapidamente desviou, a maldição acertou um outro comensal que imediatamente caiu no chão agonizando e afogando-se no próprio sangue enquanto cortes espalhavam-se por todo o seu corpo. – Avada Kedavra. – tentou novamente o mesmo comensal e mais uma vez atingiu um companheiro no peito que caiu sem vida. – Avad...

O pobre comensal não pode continuar a pronunciar a maldição por que Harry acertou um violento chute em seu pescoço, o barulho de estalo ecoou próximo do comensal revelando que ele havia quebrado o pescoço caindo sem vida no chão aos pés de Harry que já avançava contra outro comensal que lançava rápidos feitiços nele. O comensal nem viu o que o acertou, tudo o que ele viu foi um borrão e em seguida estava caído no chão sem vida e os olhos esbugalhados em surpresa.

- Dark Blade. – Harry lançou o feitiço negro em direção a um amontoado de comensais que vinha em sua direção e não tiveram tempo de se proteger e foram atingidos por centenas de laminas negras, algumas passaram por eles e foram em direção do cavaleiro que apenas ergueu sua mão e as adagas desapareceram diante de seus olhos.

- Crucio. – dois comensais lançaram a maldição da dor em sua direção, mas o moreno nem se importou, foi como se ele não houvesse recebido os feitiços, por que no segundo seguinte o moreno elevava sua varinha e disparava a maldição da morte duas vezes matando os comensais rapidamente, enquanto defendia-se de mais feitiços negros que vinham em sua direção.

- Lerius Torhet. – gritou Harry apontando a varinha em direção de dois comensais que lançavam a maldição da morte repetidas vezes e imediatamente ambos caíram no chão contorcendo-se loucamente e berrando como se alguém estivesse arrancando a pele deles com as mãos, em poucos segundos a pele deles começou a derreter e logo só havia uma coisa gosmenta no chão onde deveriam haver dois comensais da morte.

Desviando-se de mais um feitiço Harry socou o rosto de um comensal enquanto lançava um feitiço esmurrante em outro comensal ao lado, os comensais restantes fizeram uma espécie de circulo ao seu redor e o moreno riu internamente, percebendo como eles eram patéticos na escolha de uma estratégia de ataque, todos eles lançaram feitiços em Harry ao mesmo tempo, o moreno apenas abaixou-se e os feitiços acertaram uns aos outros, restando apenas comensais caídos e agonizantes após a breve batalha que acontecera.

- Hell. – gritou Harry apontando a varinha para os comensais, foi como se o inferno subisse na terra. O local onde havia comensais da morte literalmente começou a pegar fogo e logo estava tão quente que as pessoas mal podiam olhar, os gritos de agonia dos poucos comensais que ainda estavam conscientes e que agora queimavam vivos era aterrorizante.

Dumbledore olhava aquilo completamente surpreso, observava a expressão do moreno, não havia remorso nem piedade no semblante dele, muito menos arrependimento, ele parecia até sentir um certo prazer no que estava fazendo, isso causou um arrepio de medo no diretor, sabia que ele apenas brincara com aqueles comensais que nem sequer o fizeram cansar, mas agora ele teria um obstáculo pela frente, afinal não era qualquer um que enfrentava um Cavaleiro das Trevas e ficava vivo para contar a história, aquilo ia ser interessante.

Harris observara a luta do garoto contra seus comandados e não podia acreditar que ele havia derrotado tão facilmente quarenta comensais da morte, aquilo era um feito notável para qualquer um. Não esperava lutar com o garoto, achara que os comensais seriam o suficiente para vencer um moleque de dezessete anos, mas aparentemente ele estava enganado e o garoto era realmente um bom oponente, melhor assim pensou o Cavaleiro, pelo menos eu me divirto um pouco.

- Bom, parece que você derrotou os comensais garoto. Devo dizer que estou surpreso por isso, não imaginava que você valesse alguma coisa, apesar das informações que diziam que você era forte. – Harris falou com desdém – Mas não espere que consiga me vencer tão facilmente Potter, eu sou muito mais poderoso do que os vermes que você derrotou.

- Eu sei muito bem que você não é um cara qualquer. – retornou Harry olhando friamente para Harris – Posso sentir o poder exalando de você, sei também que você está entre os dez mais poderosos Guerreiros de Voldemort.

- Que bom que sabe quem eu sou garoto. – Harris falou sorrindo arrogantemente – Ainda assim acha que pode me vencer?

Harry não respondeu, apenas adiantou-se enquanto guardava a varinha no bolso e se colocava em posição de combate. Assim que o moreno estava em posição, Harris movimentou-se rapidamente, Harry não viu como e nem sequer percebeu a movimentação do Cavaleiro, mas sentiu os efeitos e a dor por receber um forte soco no peito, jogando-o para trás pelo menos uns sete metros, caindo aos pés de Sarah que olhava a tudo com os olhos arregalados. O moreno levantou o corpo e ficando de quatro no chão enquanto cuspia uma golfada de sangue.

Bem, uma coisa Harry sabia, o Cavaleiro era forte, mau e muito rápido. Levantando-se o moreno se posicionou novamente para a luta e esperou o movimento do adversário. Dessa vez Harry chegou a sentir o deslocamento de Harris, mas mesmo assim não foi rápido o bastante para impedir a seqüência de socos e chutes que atingiram seu rosto, nem a joelhada que acertou-o no estômago seguida por mais um chute no rosto que jogou-o a mais de dez metros de distância. Arfando, Harry cuspiu mais sangue enquanto tentava se levantar.

Todos que observavam a luta achavam que a luta já estava ganha e que o Cavaleiro mataria Harry Potter, com exceção de duas pessoas que confiavam plenamente na vitória do garoto. Gina tinha certeza que Harry venceria, sabia do que ele era capaz, e tinha absoluta certeza que ele não estava usando seu verdadeiro poder. Sarah confiava no moreno e sabia que ele venceria, seu coração dizia que ele não perderia aquela luta e nem nenhuma outra, alguma coisa nele exalava uma certeza de que o moreno nunca perderia uma luta, não importando as conseqüências.

- Desiste Potter. – debochou Harris olhando para o garoto que tentava se levantar com dificuldade, aquilo estava sendo até mais fácil do que ele previra.

- Não. – falou Harry pondo-se de pé e olhando desafiadoramente para o Cavaleiro – Acabei de comprovar minha teoria.

- É mesmo? – perguntou Harris com a voz arrastada devido ao sarcasmo – E o que seria? Que você vai morrer?

- Não. Acabei de comprovar que você bate como uma garotinha. – responde Harry sorrindo com desdém e rapidamente muda de posição para evitar o próximo golpe de Harris. – Achei que você fosse mais poderoso.

O Cavaleiro começou a atacar com ferocidade e Harry agora conseguia defender todos os golpes, como ele descobrira a velocidade com que Harris se movimentava, o moreno começou a mover-se como ele acompanhando-o, sempre apenas se defendendo enquanto o Cavaleiro atacava com uma seqüência de movimentos e golpes que a maioria das pessoas presentes nem sequer via, outros viam apenas borrões se movendo. Harry estava com sua guarda fechada e defendia todos os golpes do Cavaleiro, cada vez que os golpes se encontravam era como se um trovão ecoasse pelo povoado, as ondas de impacto eram surpreendentes.

Foi nesse momento que Lílian, Tiago, Sirius e os Cavaleiros da Luz chegaram ao local e viram a luta dos dois. Lílian tampou a boca com as mãos ao perceber que era seu filho que lutava contra o Cavaleiro, enquanto os outros apenas arregalavam os olhos e olhavam assombrados para a batalha que eles estavam travando. Os movimentos eram rápidos e violentos e eles conseguiam acompanhar a luta, eram treinados e embora muitos deles não estivessem no mesmo nível que eles podiam ver muito claramente os golpes que o Cavaleiro desferia e os bloqueios perfeitos que o garoto Potter realizava, muitos tremeram somente ao pensar em entrar em conflito com um dos dois, seria a morte certa para eles.

Harris estava muito surpreso, o garoto começara apanhando e agora se defendia com maestria como se estivesse brincando com ele. Completamente transtornado e irritado, o Cavaleiro partiu para cima do moreno e tentou um chute lateral tentando acertar a cabeça de Harry que abaixou-se e chutou a perna de apoio do Cavaleiro que caiu estatelado, o moreno não perdeu tampo e chutou-o com força lateralmente fazendo-o deslizar pelo chão por vários metros antes de poder se levantar. Harris ficou mais irritado ainda ao constatar o sorriso desdenhoso que o Potter demonstrava, como se estivesse dizendo claramente que venceria a luta, com a cabeça fervendo atacou impiedosamente o garoto com uma seqüência de chutes e socos violentos, mas para seu completo assombro não conseguiu golpeá-lo nenhuma vez. Aquilo não podia estar acontecendo, nunca havia demorado tanto para vencer um adversário e muito menos conseguido acertar tão poucos golpes, aquele garoto era muito mais forte do que ele imaginara.

- Como você pode ser um dos Guerreiros mais fortes de Voldemort? – desdenhou Harry com um sorriso enorme no rosto – Pelos Deuses, você é muito ruim. Os outros Cavaleiros são tão fracos como você?

- Você só sabe falar Potter, mas até agora não me acertou nenhuma vez. – exclamou Harris irônico olhando para o garoto de maneira superior.

- Tem razão. – respondeu Harry e moveu-se rapidamente acertando um soco com força no rosto do Cavaleiro que foi lançado violentamente para trás acertando a parede de uma loja e caindo pesadamente no chão.

Harris levantou-se cambaleante enquanto cuspia sangue, percebeu que seu nariz estava quebrado, e Demônios, nem sequer vira o movimento do garoto, ele era mais rápido e forte do que imaginara. Mas ainda não era o bastante para ele ser derrotado. Balançando a cabeça curou seu nariz quebrado com um feitiço sem varinha e começou a andar calmamente em direção do garoto, se ele queria brincar então iria brincar.

O Cavaleiro atacou assim que chegou próximo de Harry, começando com uma seqüência de socos que Harry defendeu sem esforço, vendo isso Harris continuou atacando com chutes e socos, dessa vez alternando entre um e outro enquanto tentava quebrar a defesa do garoto. Mas Harry apenas se defendeu enquanto o Cavaleiro atacava sem conseguir ultrapassar a guarda de defesa que o moreno possuía. Cansando Harry desviou-se de um soco mais forte de Harris e girou num mortal para trás acertando o Cavaleiro com os dois pés na cabeça, arremessando-o com força para trás onde caiu pesadamente no chão, cerca de seis metros longe do moreno.

Harris levantou-se sangrando e atacou novamente, variando entre seqüências de chutes e socos, mas mesmo assim não conseguiu vencer as defesas de Harry, que começou a revidar. Logo o Cavaleiro apanhava feio, enquanto Harry batia com força e com muita vontade, sempre buscando o rosto, o peito e o estômago do adversário, o moreno batia com violência, sabia que com a força que estava usando poderia rachar o chão, mas o Cavaleiro era muito resistente.

Harris precisava admitir que nunca sentira tamanha dor em toda sua vida, nem mesmo quando fora torturado pelo Lorde das Trevas quando se alistara as fileiras dos Comensais da Morte, mesmo com seu corpo se recuperando um pouco mais rápido do que o normal, um pequeno bônus que vinha com os poderes que ele recebera do Lorde, mesmo assim ele se encontrava muito machucado e dolorido, não adiantaria continuar lutando dessa maneira com o garoto, ele tinha mais técnica e era mais rápido, se insistisse acabaria morrendo, por isso decidiu que deveria terminara aquela luta o mais rápido possível, então levando a mão a sua cintura sacou sua espada, ela era um pouco diferente da maioria das espadas, a lâmina era mais larga e a empunhadura era toda em ouro enquanto a lâmina era de um vermelho escarlate.

- Já chega de brincar garoto. Agora vamos lutar como verdadeiros Guerreiros. – Harris falou sorrindo de maneira superior.

O Cavaleiro atacou rapidamente e Harry escapou por pura sorte quando desviou-se rapidamente para o lado, como não possuía espada tudo o que podia fazer era se esquivar e esperar o melhor momento para tentar atingi-lo, conseguiu se esquivar da maioria dos golpes de Harris, mas acabou sendo atingido de raspão no ombro, onde provocou um corte profundo que imediatamente começou a sangrar abundantemente.

Harry percebeu que não teria muita chance com o Cavaleiro sem uma espada e então lembrou-se que ele podia conjurar uma espada para poder lutar, praguejando mentalmente pela idiotice, o moreno enfiou a mão no bolso enquanto desviava de mais um golpe e sacou sua varinha, porém não conjurou uma espada e sim transfigurou sua varinha em uma espada que brilhou em sua mão. O cabo era negro como a noite e a lâmina em um tom acinzentado dava um brilho fantasmagórico a bela arma que apareceu as mãos do moreno.

O moreno defendeu rapidamente três golpes consecutivos do Cavaleiro, mas sem conseguir se esquivar do próximo e sendo atingido de leve pela espada de Harris que riscou seu peito de fora a fora, rasgando sua camisa e deixando visível o corte que começou a sangrar. Harry percebeu que ele era um bom esgrimista, mas o cavaleiro era muito melhor, então resolveu lutar com tudo, já estava cansado e acabou levando mais um golpe que cortou na diagonal de seu peito, sua camisa estava praticamente em pedaços e ele sangrava abundantemente agora, iria para o tido ou nada.

- Bombarda. – gritou Harry apontando a espada em direção ao cavaleiro que avançava em sua direção, mas incrivelmente o Cavaleiro defendeu o feitiço com a própria espada e contra-atacou ferozmente enquanto levantava a espada.

- Trians. – um jato negro disparou da ponta da espada do Cavaleiro e por pouco não atingiu Harry que sabia que aquele era um feitiço negro poderoso que causava cortes profundos e que não seriam facilmente fechados. – Crucio. – Harris não desistiu e continuou a atacar rapidamente com varias seqüências de feitiços, variando entre Maldições Imperdoáveis e feitiços negros que poderiam matar ou no mínimo deixar uma pessoa inconsciente.

A luta deles era impressionante, as pessoas que estavam vendo a batalha pareciam paralisadas no lugar enquanto assistiam os dois guerreiros travando uma luta de vida ou morte. O nível deles estava acima de qualquer coisa que eles já haviam visto em suas vidas, era um encontro de forças muito parecidas, mas depois que a luta com espadas começara o Cavaleiro parecia estar levando uma leve vantagem sobre o garoto Potter. Foi então que aconteceu, Sarah estava completamente distraída com a luta, simplesmente não conseguia desviar os olhos, era impressionante o nível de Harry, mas por algum motivo desconhecido algo lhe dizia que ele era ainda mais forte do que demonstrava. Estava tão distraída em suas observações que quando percebeu o feitiço alaranjado vindo em sua direção já era tarde demais e não daria tempo de desviar, então preparou-se para o pior.

O duelo entre eles estava bem equilibrado, ambos disparavam feitiços negros e mortais um no outro e ambos defendiam-se para logo em seguida contra atacar. Embora Harry soubesse que podia usar todo seu poder, não queria utilizar desse fator, pois sabia que as conseqüências poderiam ser grandes demais para ele suportar e mesmo não utilizando seu poder ao todo ele se encontrava no mesmo nível que o Cavaleiro. Somente isso já teria o deixado satisfeito com toda a evolução que havia obtido com algumas poucas batalhas, seu poder crescera de forma absurda em pouco tempo, mas sabia que Voldemort era muito superior, por isso precisava treinar muito ainda para poder enfrentar o Lorde das Trevas.

Foi em um momento de distração que o Cavaleiro o pegou de surpresa e o atingiu com a maldição cruciatus, embora não fizesse tanto efeito o moreno sentiu uma leve fisgada pela dor da maldição. Por um segundo Harry desviou seus olhos para as pessoas que os observavam e olhou diretamente para Sarah, alguma coisa na garota o atraía e ele sabia o que era, quase sorriu enquanto a observava de relance. Infelizmente Harris também percebeu seu olhar e sorrindo friamente apontou a espada em direção da garota e lançou uma poderosa maldição da dor, a mais forte que conseguiu fazer.

Harry viu o brilho passar por si rapidamente, por um segundo pensou que o Cavaleiro havia errado o alvo até perceber o sorriso de satisfação no rosto dele, desviando os olhos dele Harry observou quem a maldição iria atingir, e sem pensar ele deu apenas um passo e já se encontrava a frente da garota sentindo o impacto do feitiço atingindo suas costas, imediatamente soube que feitiço o Cavaleiro lançara, um ódio descomunal se apoderou de seu ser e uma vontade insana de despedaçar o maldito se instalou em seu corpo. Harry sentiu o poder exalando dele, aquele mesmo poder que ele tanto relutar em extravasar, mas agora queria fazer o maldito custasse o que custasse.

Sarah olhava com os arregalados para Harry que aparecera a sua frente e recebera o feitiço em seu lugar, ela viu a raiva surda se apoderando dele, o ódio que viu naqueles belos olhos verdes a assustou, mas em seguida ficou apavorada ao ver os olhos dele tornaram-se sanguinários e bestiais, os olhos dele tão negros quanto a noite. Ele virou-se de costas para si para encarar novamente o Cavaleiro e ela pode finalmente ver as costas dele onde ele fora atingido pelo feitiço e segurou um grito preso em sua garganta. As costas do moreno estavam totalmente cortadas e sangue jorrava por eles, as roupas dele estavam empapadas de sangue.

Harry não se importou com seus ferimentos, agora ele tinha um único objetivo em mente e era aniquilar aquele maldito, olhou para ele e percebeu o Cavaleiro engolindo em seco, o moreno sorriu, queria que ele se arrependesse pelo que fizera e o faria pagar. Harry deixou a magia transpassar por seus poros finalmente se libertando, seu verdadeiro poder estava despertando, um trovão ecoou ao longe seguido por outros enquanto o poder do moreno crescia assustadoramente até chegar ao limite e ultrapassar a própria barreira.

Foi então que uma energia opressora percorreu por todos os cantos, ela era tão selvagem quanto um lobo, mais fria que um bloco de gelo e não continha nenhum tipo de sentimento, como se pertencesse a uma besta que conhecia apenas morte e destruição. O chão aos pés de Harry começou a tremer e a rachar conforme ele avançava lentamente em direção do Cavaleiro que nesse momento já se encontrava apavorado demais, os ferimentos do moreno começaram a se fechar lentamente, não havia brilho em seus olhos, apenas uma escuridão sem fim.

Harry avançou em uma velocidade surpreendente e golpeou Harris com sua espada que brilhava, o Cavaleiro conseguiu levantar a espada o suficiente para aparar o golpe, mas para sua surpresa a espada que ele segurava rachou de fora a fora e quebrou-se em vários pedaços pequenos, esbugalhou os olhos ao observar aquilo, aquela era uma espada mágica e nada poderia destruí-la, pelo menos era o que ele achava. Não teve tempo de fazer mais nada, pois sentiu a lamina da espada do Potter enterrando-se fortemente em seu ombro causando uma dor extrema.

Harry fez a espada voltar a ser uma varinha e guardou-a no bolso novamente, agora ele queria brincar. Socou o rosto do cavaleiro com força, mas não deixou que ele saísse do lugar e golpeou-o com um chute na nuca fazendo-o cair de borco no chão. Pegou-o pelos cabelos e levantou-o acertando uma joelhada no rosto dele em seguida, fazendo sangue espirrar para o alto, o Cavaleiro nem sequer conseguia revidar os golpes, mal conseguia se manter consciente, mas Harry não o deixaria morrer tão cedo, primeiro destruiria a alma daquele maldito e então o condenaria aos piores castigos do inferno, fazendo com que ele desejasse a morte.

- Você é um verme. – rosnou Harry olhando nos olhos de Harris que estava a poucos centímetros do seu, uma presença sombria e avassaladora se instalou no lugar – Eu vou fazer você desejar nunca ter nascido. Isso é o que você vai receber por tentar atacar aquela garota. – falou Harry se referindo a Sarah.

Harris estava literalmente apavorado, nunca sentira tamanho poder a não ser em Lorde Voldemort, e aquilo estava o deixando tremendamente assustado, a energia dele era forte demais, opressora demais e sanguinária demais para ele suportar ficar consciente, mas parecia que alguma coisa o forçava a ficar acordado e receber o que quer que o garoto estava preparando para ele, e por algum motivo soube que jamais desejaria aquilo.

- Você vai sofrer muito Cavaleiro. – falou o moreno suavemente parecendo se divertir pelo medo do homem – Que você receba a Punição das Trevas.

As pessoas que estavam vendo a batalha não entenderam do que ele estava falando, mas sentiram uma energia maligna se desprendendo de Harry e dirigindo-se ao Cavaleiro, que imediatamente começou a berrar loucamente, ninguém entendia o porque, mas Harris saberia. Assim que o moreno pronunciou as palavras uma energia saiu de seu corpo chocando-se com o corpo de Harris, envolvendo-o e analisando a alma dele para então aplicar o castigo.

Harris sentiu-se tragado para um lugar escuro, onde não conseguia ver nada além de si próprio, estava deitado em algo completamente duro e desconfortável, tentou levantar-se e não conseguiu nenhum resultado, era como se estivesse amarrado, tentou se debater e se mover, mas surpreendentemente ele não tinha nenhuma força, queria gritar e percebeu que sua voz desaparecera assim como o ar de seus pulmões, ele parecia ser incapaz até mesmo de respirar. Sentia seu sangue paralisado em suas veias e então veio a dor, uma dor absurdamente forte e cruel, tentava desesperadamente respirar para poder aliviar um pouco, mas não conseguia, seus órgãos pareciam derreter por dentro causando uma onda de desespero que apenas aumentava sua dor, até que tudo parou e ele pensou que houvesse morrido. Um segundo depois uma dor sem precedentes e nem limite invadiu seu corpo, ele gritava embora não tivesse nenhuma voz, gritava por dentro tentando extravasar um pouco daquela dor, aquilo era pior que qualquer maldição que ele já havia visto, era superior a qualquer sofrimento que ele já havia visto, tinha de ser o inferno, lembrou-se das palavras do Potter, ele devia estar recebendo os castigos por seus crimes no inferno. A dor aumentou de intensidade, seguida pelo medo e pela agonia que se apoderaram de seu corpo, Harris não queria morrer e começou a implorar pela vida e para que a dor parasse, enquanto via flashes de tudo o que ele havia feito em sua vida, rostos de pessoas e mais pessoas olhando-o acusadoramente, pessoas que ele matara e destruíra enquanto buscava ser o mais poderoso, por algum motivo sabia que precisava do perdão daquelas pessoas, talvez assim a dor acabasse, mas antes que ele pudesse abrir a boca sentiu-se sendo transpassado por algo no peito, era como uma lamina se insinuando por seu corpo e cortando-o milimétricamente, a dor ultrapassou as barreiras do inimaginável, as pessoas que ele matara se aproximaram e começaram a golpeá-lo com facas, espadas e com fogo, sentia os golpes perfurarem sua carne enquanto o fogo cauterizava os cortes causando mais dor em si, e então foi como se ele saísse de um transe e percebeu que ele gritava como uma criança enquanto lágrimas quentes escorriam por seu rosto, ele implorava por perdão e pedia para morrer enquanto olhava nos olhos do Potter.

- Magnífico, não acha? – perguntou Harry olhando com um sorriso satisfeito para o Cavaleiro que sentia seu corpo dolorido e dores inimagináveis ainda percorriam sua alma – Acredite meu caro Cavaleiro, isso não é nada comparado com o que eu farei com o seu precioso Lorde quando nos encontrarmos.

- Por favor, me deixe ir. – pediu Harris chorando como um bebê.

- Deixar você ir? – perguntou Harry com um sorriso de deboche – Depois de tudo o que você fez na sua vida, depois de todas as pessoas que torturou e matou, acha mesmo que eu vou deixá-lo vivo?

- Por favor, me deixe viver, eu prometo que vou mudar. – implorava Harris olhando para o moreno, não queria sentir mais aquela dor, por isso implorava, sabia que algo ainda pior o esperava e não queria sofre mais.

- Você atacou a pessoa errada, Cavaleiro. – Harry falou baixinho – Se você tivesse se contentado em lutar apenas comigo eu o teria matado de forma rápida, mas você ousou tentar machucar uma das pessoas que eu amo, e isso eu jamais perdoarei. – falou Harry surpreso por suas próprias palavras mesmo sabendo que era verdade – Quando chegar ao inferno grite meu nome bem alto para que os demônios saibam quem o enviou para lá. – Uma nova onda sombria e avassaladora tomou conta do local, dessa vez ainda mais intensa e poderosa – Que você receba a Sentença das Trevas. – a terra ao redor de Hogsmeade tremeu fortemente enquanto Harris berrava mais fortemente do que antes, o corpo do Cavaleiro parecia estar em convulsão, de repente o local abaixo de Harris abriu-se revelando um buraco negro que parecia não ter fim, de onde uma mão esquelética e enegrecida surgiu agarrando o corpo do Cavaleiro que desapareceu pela escuridão sem fim, a cratera fechou-se em seguida deixando apenas um silêncio sepulcral no local – Sua sentença foi dada, que você receba os piores castigos do inferno e sofra seus piores pesadelos por toda a eternidade.

Finalmente estava acabado, pensou Harry limpando suas vestes com um aceno de mão e consertando suas roupas, foi então que lembrou-se das pessoas presentes no local e virou-se encontrando mais gente do que ele percebera. Olhando rapidamente Harry viu Dumbledore, Sirius, seus pais e alguns homens e mulheres vestidos com armaduras prateadas com uma fênix estampada no peito, aqueles deviam ser os tais Cavaleiros da Luz de que tanto ouvira falar. Percebeu as expressões chocadas, incrédulas e amedrontadas das pessoas, mas não ligou, pois via claramente pelo semblante de seus familiares que a conversa seria longa e frustrante.



N/A: Aí galera, luta em hogsmeade pra abalar as estruturas do mundo da magia. Espero que tenham gostado, no próximo capitulo tem discussão em família e a reação de Voldemort a falha de seu cavaleiro. Abraços a todos e comentem, por favor.
Agradecimentos especiais:
Trinity: Eu também achei o teste Foda, não se preocupe com as palavras, eu não ligo nem um pouco, em uma luta contra o Dumb, o Harry atropelaria o diretor sem nem tomar conhecimento dele, mas não sem que o diretor sofresse muito. Serio, está pensando nas torturas, eu estou pensando muito no que vou fazer com ele. Acho que esse capitulo respondeu algumas das suas questões, principalmente sobre os comensais e o Cavaleiro das Trevas, a preocupação dos pais do Harry, mas no próximo capitulo vai ter conversa seria entre eles. Realmente, o Harry é praticamente um anti-heroi e ele não vai se afastar da Sarah para protege-la, pelo contrario, vai mante-la bem ao seu lado. Beijos.
¢£³ Deco: Que bom que gostou do capitulo anterior, espero que este também tenha ficado fodastico. Foi muito bom escrever essa parte do teste, ainda mais quando os Angel’s se gabavam e chamavam o Harry de fracote e essas coisas. Acho que este capitulo responde a sua pergunta sobre a reação dos pais do Harry sobre as mortes e a tortura e até que não foi tão ruim assim, mas agora o bicho vai pegar depois dessa luta em Hogsmeade. Em relação a Sarah, o lance deles vai se desenrolar rapidamente, e o Harry não vai agir como um maldito herói, até porque nas minhas fics ele é tudo, menos um herói. Gostei do Justiceiro Sanguinário, faz bem o estilo que eu gosto para o Harry. Desculpe não ter postado o capitulo um pouco antes como você pediu cara, mas eu ainda não havia terminado de escrever O Despertar das Sombras e eu sempre posto todas as fics juntas, mas se vocês quiserem eu posto quando terminar os capítulos, mas em diferentes dias. Abraços cara.
Anderson potter: acho que o capitulo fala por si próprio e responde a suas perguntas. Espero que tenha gostado. Não se preocupe, o que é de Dumbledore está muito bem gurdado. Abraços.
James V Potter: Espero que este capítulo tenha ficado tão bom quanto o anterior. Não é por querer, simplesmente preciso parar nesses momentos, Abraços cara.
Silvia Cecil: Que bom que apreciou o capitulo anterior, espero que esse capitulo tenha ficado bom e que tenha gostado também. O Harry é muito mal, e ainda vai ficar mais. A Sarah já está interessada e duvido que não consiga enlaçar Harry, mas isso em breve. Beijos.
xPrex: é, o capitulo anterior foi irado, o teste realmente pegou geral. O poder do Harry estourou como você viu neste capitulo, mas ainda não é tudo, e ele só vai mostrar seu verdadeiro poder quando ficar realmente furioso e descontrolado, mas daí sai da frente por que o que estiver no caminho vai perecer. No próximo capitulo uma conversa seria entre os Potter vai deixar claro que as coisas vão ficar ruins para os Potter, o Harry vai deixar claro o que ele pensa. Obrigado novamente pelos elogios, não sei se mereço tudo isso, mas agradeço. Abraços.
TiuToddy: os comensais realmente pagaram por se meterem com o Harry, assim como o cavaleiro por ter subestimado o garoto. Quanto ao segredo do moreno, só mais pra frente, mas quem sabe. Abraços.
Kaos StoneHange: Que bom que gostou da luta, mas espero que a batalha em Hogsmeade tenha ficado melhor que o teste. Não se preocupe, o Harry ainda vai humilhar o Dumbledore, mas em pleno salão principal de Hogwarts, muito em breve. Abraços.
Branca SOAD: Minha fic não se parece com uma novela... Hahahahahahahhahhhahahh... Falando serio, que bom que gostou do capitulo anterior e espero que este capitulo tenha ficado melhor ainda. Aproveite a leitura, são boas fics. Beijos.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por douglas vizentyn em 06/07/2011

essa historiaé muito boa parabens tem que tercontinuação dessa historia hein?

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.