FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Bônus


Fic: Segredos entre quatro paredes - Femme Slash - capítulo bônus, on line. Comentem.


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Photobucket



- Capítulo Bônus.


Fiquei a encarando por alguns minutos, meus olhos não conseguiam deixar a imagem de Lilá. Sem qualquer pudor, ela se enxugava, nua, a minha frente. Nunca tivemos certos pudores quanto a isso, mas este ato nunca fora tão sensual. Inesperadamente minha garganta secara.

Ela passava a toalha felpuda por toda a sua pele, e bem devagar, ocupava-se em secar seus seios volumosos. De uma forma precisamente provocante. Eu me sentia entorpecida. A beleza daquele simples ato era demais para mim.

Lilá parecia perceber isso, e continuava a fazê-lo. Suspirei fundo, terminando de vestir a minha camisola. Sinceramente, não poderia estar tão terrivelmente atraída por ela. Era a namorada do meu irmão, era simplesmente uma loucura! Mas uma loucura que queria experimentar a todo custo. Ainda não entendia muito bem o porquê de ela estar ali, brigara tanto com Rony, quanto comigo - pior fizera a mim, dando-me um gelo por conta do beijo que tivemos - no entanto, fora na minha casa em que ela se abrigara. E ainda me provocava daquele jeito.

Virei-me para ela novamente, e nossos olhares se chocaram. Encontraram-se cheios de insinuações e indiretas. Ela continuava belissimamente nua. Meu olhar recaiu-se sobre os seios, e suas auréolas rosadas, e depois inevitavelmente para mais embaixo, para o sexo recoberto por ralos pelos loiros. Engoli em seco, o silêncio nos tomava por completo. Ouvia-se apenas o barulho de minha respiração alterada.

Calmamente Lilá, sorriu. Aproximou-se de mim, vagarosamente. Como se estivesse a muito a minha espreita. Antes, porém, enrolara a toalha em volta de si, mas ainda continuava atraente. Atraente demais. Tanto que imaginei mil coisas envolvendo-nos. As coisas mais “depravadas” que minha imaginação sedenta poderia supor.

- Gina?
- Sim, o que foi?
- Agora entendo o que disse, quando falara que tinha vontade de fazer algo que todos julgariam errado, uma loucura sem tamanho...

Realmente eu não pretendia enxergar as intenções daquelas palavras. Meu coração dera um salto dentro do peito, e um cálido sentimento incidiu abaixo de meu ventre. Recostei-me na janela, dando as costas a Lilá.

Santo Deus, eu não sabia o que estava acontecendo. Eu desejava tê-la como nunca havia desejado algo antes. Não desde que descobri quem realmente eu queria. No entanto, era totalmente impraticável o que sentia, e o que queria. Muito difícil de acontecer.

Até aquele momento.

Senti as mãos dela alisando levemente meus braços despidos. Fechei os olhos, arrepiada. De fato nunca imaginei que ela tomaria o “primeiro passo”. Seu toque era suave. Delicioso. Apoiei-me no parapeito da janela, sentindo agora os lábios dela tocarem meus ombros. Desejei com todas as forças poder resistir, mas não contive um gemido baixo.

As mãos dela desceram mais e percorreram tímidas, as minhas coxas firmes. Tremi por inteira, quando um de seus dedos roçou de leve em minha vagina sobre a calcinha fina que eu vestia. Logo depois, ela trilhara um caminho lento até meus seios cobertos pelo frio cetim da camisola. Apertou aos dois e novamente não segurei minha agitação. Aquele “joguinho” lento e tortuoso, além de acanhado, estava me deixando tranquilamente desnorteada.

Apertou massageando minhas mamas mais uma vez...

E outra...

E de novo...

Meu alto controle já estava por seu fim. Esgotava-se pouco a pouco desde que Lilá me tocara. Senti-me inflamar. O desejo controlava cada parte de meu corpo.

Num mesmo ritmo nossos corações batiam acelerados. Num mesmo movimento, nossos corpos se juntavam encaixados. Ainda virada de costas, balançava meus quadris, sentindo os dedos de Lilá afundar-se em minha vagina úmida. Tocando com habilidade. Ela beijava meu pescoço, passando a língua sobre ele, fazendo-me gemer, agora mais frequente e um pouco mais alto.

Lilá parou de beijar, gradativamente, ao meu pescoço, mas suas mãos ainda abusavam de meus sentidos.

- Beije-me Gina outra vez, por favor... – sua súplica fora deleitosa. – Beije-me... – sussurrou por fim. Seu hálito quente soprara em meus ouvidos, novamente estremeci.

Virei meu corpo, ficando de frente para ela. Embora quisesse que ela me acariciasse por mais tempo, não poderia ignorar seu pedido. Afaguei os seus cabelos, em seguida as maçãs do seu rosto. Coradas. Era tão linda, seus lábios carnudos e vermelhos eram como morangos em sua estação. Corri meus dedos sobre eles, contornando-os delicadamente. Ela suspirou, encaixei minhas mãos em sua cintura fina. Lilá fechou os olhos e eu a beijei.

Comecei lentamente – apesar de querer ir mais afoita, e mais depressa – deixando parcos beijos em seus lábios. Ainda que preguiçosos, eram queimantes. Aquele próximo gemido dela me parecera um tanto impaciente. Então aferrei meus dedos nos cabelos molhados de Lilá, e passei a beijá-la “devidamente”.

Nossos corpos se aproximaram mais, completamente unidos. Enquanto nossas línguas se enlaçavam furiosas. Eu acariciava sua cintura por debaixo da toalha, experimentando do calor que vinha dela.

Sem parar nosso beijo, sentei-a sobre a mesa que ficava ali, espalhando tudo sobre ela. Tudo fora ao chão. Ainda em posse dos lábios dela, me posicionei entre suas pernas. Com uma das mãos eu acariciava sua coxa, e a outra, coloquei em sua nuca, controlando o espaço entre nós duas.

Desprendi minha boca, e passei a roçá-la sobre o pescoço de Lilá, sensualmente. Ela deixou escapar um outro gemido e sorri, mordiscando a pele morna dela. Sem permissão, retirei a toalha que a envolvia, expondo seu magnífico corpo nu. O meu próprio corpo acendera com devida rapidez.

Passei meus lábios sobre o colo, provando e umedecendo-o com meus beijos. Curvei-me um pouco, e minha boca se detivera, encontrando o seio de Lilá. Com toda a minha vontade a flor da pele, os suguei explorando-os com a boca faminta, era tão gostoso sentir a sua maciez. Os chupava como se fossem mais doces que qualquer outra coisa no mundo. Passei de um ao outro num instante. Minhas mãos e boca trabalhavam juntas no intuito de nos satisfazer. Eu dava prazer a ela, e vice versa.

Chupava ainda um dos seios dela com pretensão, logo depois passei a língua sobre o mamilo, ereto e arrepiado, o mordi de leve, ela gemera agarrando-se aos meus cabelos soltos. A essa altura, ambas estávamos com a fonte de nossos prazeres devidamente úmidos. E ainda eu nem a havia tocado lá de fato. E não obstante, estava extremamente ansiosa por isso.

Imaginava o que ela estaria pensando naquele momento: se eu a tocava e excitava melhor que qualquer outra pessoa, ou se assim como eu, Lilá não pensava em nada, somente em nossos desejos serem saciados plenamente.

Apertei sua cintura, sentindo sua pele arder sobre meu toque. Beijei os seus joelhos... a parte interna de sua coxa... Ela me olhava fascinada, afastando ligeiramente as pernas. Notavelmente estava excitada, e seu corpo pedia por mais. Seus olhos azuis mais intensos, carregados por caber tanto desejo. Cheguei a beijar sua virilha, mas o que queria mesmo era tocar-lhe logo em sua vagina.

E fora o que eu fiz.

Sem mais cerimônias alcancei seu sexo. No momento em que minha língua se encontrava com sua umidade natural, ela se estremeceu. Gemera novamente. Instigava-lhe com movimentos retos... velozes... circulares... bem vagarosos... Eu a estava levando a loucura. E apreciava tanto aquele fato, quanto proporciona-lo. Lilá arqueou o corpo lânguido, eu havia forçado meus dedos dentro de sua vagina. Senti o líquido quente a melá-los. Continuei com os movimentos, ligeiros e lentos, alternava entre eles. Lilá me acompanhava nos movimentos, movendo suas ancas no mesmo compassar de meus dedos.

- Oh! Ah... oh! Céus...!

Comprimiu os lábios agarrando-se a ponta da mesa. Ela gemia mais alto, e eu a penetrava mais fundo e mais forte. Não me importava os barulhos que ela fazia, era ainda mais estimulante. Só queria que Lilá tivesse o mais alto prazer naquela noite.

- Oh, assim... Não pare, Gina!

Seus sussurros ficavam presos no ar. Novamente a atendi. Eu não parei, apenas aumentei as investidas até sentir que o liquido aumentara em meus dedos. Lilá gozara abundantemente. Ela fiou inerte, sorrindo, tremente. Provavelmente nunca experimentara algo tão satisfatório. Ela havia chegado ao clímax, mas ainda restava muito a experimentar e eu não havia recebido meu tratamento especial, visto que paramos para eu satisfaze-la.

Precisava muito que Lilá me tocasse, que acabasse com tudo que me incendiava naquele momento. Ofegante, ela descera da mesinha, parando bem rente a mim. Beijamos-nos outra vez. Com uma insana busca, nossas bocas se uniram intensamente. Senti que Lilá, tinha as mãos presas ao meu bumbum, e ela o apertava calmamente.

Subiu minha camisola, com um pouco de pressa, e só paramos nosso beijo quando nos faltou ar, e quando num gesto único ela me arrancara o vestidinho de cetim. Ela já havia perdido totalmente a timidez.

Fomos para a minha cama, e subimos nela, ficando de joelhos uma de frente para a outra. Nossos beijos a cada instante se tornavam mais ardentes, fortes. Eu nuca havia compartilhado algo assim antes. E nem ela.

Éramos fogo puro.

Lilá me estreitou a ela, nossos seios se esfregaram um no outro, gememos durante o beijo carnal. Aquele mesmo arrepio me varreu quando ela lambera meu pescoço. Era um incentivo a mais para mim, embora quisesse tomar as rédeas da situação, no entanto, queria ver do que Lilá era capaz. Lilá continuara a lamber sedutoramente meu pescoço e garganta, e eu gemi longamente. Beijava agora meus seios, apertando-os um no outro com as duas mãos. Já não podia controlar meus gemidos.

Beijávamos-nos igualmente arduamente, nossas bocas eram uma só. Ela me deitou na cama, e posicionou-se entre minhas pernas, ficando sobre mim. Continuávamos a nos beijar, com a mesma vontade de antes. Gemíamos muito enquanto nos beijávamos. Outra vez ela se detivera em meu pescoço, dessa vez mordiscava-o e o sugava de forma acelerada. Subira sua boca que encontrara a minha, esperando ser tomada novamente.

Arquei meu corpo quando ela encostou sua vagina na minha. Fazendo uma erótica fricção. Suas mãos encontraram meus seios, e ela as passou por eles. Num contato firme. Apertava e os esfregava e eu gemia alto. Pousei uma de minhas mãos sobre sua face para poder também acaricia-la, e ela chupara meu dedo indicador, insinuante. Eu a olhava sem acreditar em todas as formas de prazer que experimentávamos. Lilá mordiscava meu queixo, e suas mãos passeavam ainda sobre meus seios. Soltei um gemido esganiçado dessa vez.

Ela se movimentava em cima de mim, e inconsciente eu arquejava meu quadril. Numa dança sensual. Sua boca descera até meu seio, e ela mordera de leve o bico enrijecido prendendo-o em seus dentes. Para em seguida sugar toda a sua extensão, eu arquei-me outra vez, sorrindo gemente. As carícias se tornaram rápidas, e intensas.

E sem que pudesse perceber, sua mão correu até minha vagina. Lilá a acarinhava, e eu não estava mais suportando. Meu sexo pulsava dentro da calcinha. Com o mínimo de paciência, ela retirou minha calcinha, passando-a pelas minhas pernas. Agora eu estava totalmente nua. Pronta para que ela fizesse o que queria de mim.

Suas mãos correram ávidas as minhas pernas, e sutilmente Lilá as espaçou. Gemi de ansiedade. Ela levou a boca, roçando seus lábios carnudos sobre meu clitóris inchado. Fechei meus olhos brevemente, sentindo e apreciando, a boca dela em minha vagina. Ela usava a língua para me excitar ainda mais, eu gemia descontroladamente. Ela me torturava aos poucos, e eu só pedia por mais, e mais. Eu queria senti-la dentro de mim, mesmo que isso fosse um tanto improvável.

Levantava meus quadris, para que a boca de Lilá se afundasse mais, me dando uma onde de prazer inesgotável. Apoiei meus cotovelos, e a fitei, “trabalhando” ali.

- Lilá... – ela me encarou, parando o que fazia. – Me penetre...

Joguei a cabeça para trás, sentindo os dedos dela entrarem de uma vez em meu sexo. Já estava bastante excitada, e após algumas investidas, eu cheguei ao tão almejado orgasmo. Ela pegara o jeito da coisa, e me incitou do mesmo modo que eu fizera com ela. Igualmente, meus músculos se relaxaram. Deitei-me na cama, e um sorriso lânguido abriu-se em meus lábios. Ela se deitou ao meu lado, saciada por um momento, acariciando de leve os meus mamilos.

Contudo eu via em seus olhos que ela estava pronta para mais... E eu também.


N/A: Espero que curtam o capítulo bônus, e obrigada aos que comentaram, Josy Chocolate e Moonstruck. Fico lisonjeada com seus elogios. Até uma próxima. COMENTEM!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.