FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Capítulo 2;


Fic: Teardrops


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 2

Acabei de vê-lo sair. Ele estava tão bonito, com a camiseta que eu comprei para ele no seu aniversário. Ele deve estar indo buscar a nova menina, para nos encontrar no Bait Shop as sete, como era o combinado. Eu já estava quase pronta, dando os últimos retoques na maquiagem e esperando a Alice chegar. O que? Você achou que eu ia conhecer a nova namorada do meu melhor amigo/amor platônico sozinha? Não mesmo, eu preciso que alguém me apóie caso eu a ache uma baranga. Ouvi alguém buzinando, peguei minha bolsa e desci as escadas correndo.
- Mãe, eu volto lá pelas dez e pouco, ta? – fale, dando um beijo em sua bochecha e indo para a porta.
- Juízo, querida! – ela falou, com um olhar severo. – e mande um beijo para o Martin. – eu revirei meus olhos, mas ela sorriu.
Quando chegamos no Bait, não vi nem sinal de Martin e da nova garota dele. Aliás, eu nem sabia qual era o nome da nova garota dele, ou como ela era, se era bonita, se era loira ou morena. Aposto que ela é bonita, daquele tipinho perfeitinha. Garanto que ela tem um sorriso lindo, e provavelmente ela é super-simpática. Provavelmente Martin fica com uma cara toda boba olhando pra ela, e eu vou ter que agüentar ver isso durante toda a noite hoje. Será que eles se deram apelidos carinhosos, e eu serei obrigada a ouvi-la chamando ele de “pandinha”, ou qualquer coisa assim? Bom, pelo menos eu teria munição para tirar com a cara dele por algum tempo, por que ‘pandinha’ é pra matar! Eu me mexi inquieta na minha cadeira, olhando para a porta, esperando Martin e sua Super-Loira (sim, por que agora, no meu pensamento, ela era loira) aparecerem por lá a qualquer momento. Alice estava falando comigo, mas eu não prestava mais atenção do que era necessário para saber os momentos de falar “nossa” ou “não acredito” durante a história. Pelo que eu entendi, ela tinha dado um fora em um garoto, e estava me contando agora. O único detalhe que eu perdi era QUEM era o garoto. Ops!
Meu subconsciente sabia que ele estava chegando antes mesmo de ele aparecer. Minhas mãos se fecharam, minhas unhas apertando a palma tão forte que quase machucou, e eu desisti de prestar atenção em Alice, não desviando o olhar da porta até que ela abriu, e ela entrou, sendo seguida por Martin. Não era bem o que eu estava esperando. OK, não era NADA do que eu estava esperando. Pra começar, era ruiva. E meio baixinha. Usava uma camiseta preta, e All Star, e eu sabia, bem no fundo, eu sabia que eu ia acabar gostando dela. Droga!
- Você ainda ta me ouvindo? – opa, Terra, é aqui que eu estava. Relaxei um pouco as minhas mãos, antes que aparecessem cortes por lá.
- To, desculpa, o Martin chegou. Eu... – eu não conseguia evitar de sorrir, e ela revirou os olhos, enquanto eu me levantava para ir até eles.
- Heeey, guria. Te fiz esperar muito? – Martin falou, todo animado, quando eu me aproximei deles, me abraçando. Vai lá, te concentra e seja simpática.
- Não não, acabei de chegar. – mentirinha, já tava lá a uma meia hora.
- Essa é a Kate. – e Kate é nome de puta. AI, mantém o foco menina.
- Oi, Kate. – falei, com o meu melhor sorriso no estilo “eu posso ser legal”. – Tudo bom, menina? – ela sorriu pra mim, e era um sorriso do tipo “Eu também posso. Combinado então?”. Ah, adoro essa comunicação interna que as meninas possuem.
- Tudo bom, e contigo? É muito clichê se eu falar que é uma honra finalmente te conhecer?
- Hum... na verdade é, mas tudo bem, nós relevamos. Também fico muito feliz em te conhecer. – nós duas rimos, e Martin olhava para nós duas com uma cara de bobo incrédulo. – A Alice ta sentada logo ali, vamos sentar com ela?
Droga, por que a tal Kate tinha que ser legal? Por que ela não podia ser uma putinha sem assunto que eu pudesse falar pro Martin “Acorda mermão, essa não!”. Eu simplesmente não conseguia encontrar um defeito grande o bastante nela pra me convencer de que ela não era certa para meu melhor amigo, mas ao mesmo tempo, ela era TOTALMENTE errada, por que ela não era eu! Só por isso. Detalhes. Alice também parecia ter gostado dela, o que só piorava mais a situação, e Martin, como eu já tinha imaginado, olhava pra ela com cara de bobo apaixonado, mas só quando achava que não tinha ninguém olhando (mais uma das maravilhas do sexo feminino, visão periférica!).
- Martin, eu não acredito nisso. – Ela falava, olhando pra ele.
- Acredite Kate, o Martin adora ler os livros da Meg Cabot. - Sim, eu estava contado os podres do Martin para a atual namorada dele. Eu sou horrível. Ele olhava com cara de ‘paciência’ para o centro da mesa, e Alice só ria.
- Me ajudou a entender vários dos teus pitis. – ele falou como se isso justificasse.
- HEY, EU NÃO DOU PITIS! – COMOFAS? Ele não pode falar assim de mim, tenho meus direitos e... ops, acho que estou dando um piti, né? Eles riam da minha cara indignada.
- Cara, que horas são? – perguntei, me virando para o relógio em cima do balcão do bar. – OUTCH, minha mãe pediu pra eu voltar cedo. – falei, olhando para Alice, que captou o recado.
- Alice, você mora pro outro lado da cidade, deixa que eu levo ela em casa. – Martin falou, pelo visto sem notar o olhar que Kate lhe lançou. Ops, acho que ela pretendia ficar mais tempo por lá.
- Tudo bem por você? – Alice perguntou, olhando pra mim. Eu dei ombros, e Martin foi até o balcão pagar a nossa conta (super conta: duas garrafas de água e um refrigerante). Ele foi levar Kate em casa, e eu esperei no carro enquanto eles se despediam. Obviamente, nunca tinha achado um folheto de pizzaria que havia perdido lá tão interessante antes, mas ele não demorou muito.
- Kate gostou de você. – ele falou, e eu sabia que era uma deixa pra que eu respondesse “eu também gostei dela”.
- É, ela é legal. – respondi. Não é que eu não tivesse gostado dela, mas é aquilo que nós já conversamos... ela não é eu. Paciência, eu provavelmente nunca gostaria dela.
- Você não gostou dela? – essa pergunta parecia tão importante pra ele, que eu me obriguei a falar que sim. Ela não era ruim, de fato, era até legal.
Ele parecia ter lembrado de alguma coisa super-empolgante, por que quando falou, seu tom estava estranhamente animado.
- Alguns amigos vão a praia amanhã. Você acha que há alguma chance de você também ir? – praia, amigos do Martin, pouca roupa, é uma proposta tentadora, tenha certeza. Mas Kate com certeza também estaria lá, e praia é um cenário bem romântico, sabe como é...
- Ah, Martin, não sei... – pensa em uma desculpa, pensa em uma desculpa.
- Vaaamos, vai ser legal. Eu tenho certeza que você vai gostar. – EPA, essa cara dele não me engana. Martin está escondendo algo. Tenho certeza, algo vai acontecer amanhã e ele quer que eu esteja na praia.
- Martin, o que é? – falei, revirando os olhos.
- O que é o que? – ele decididamente não sabe disfarçar. Nem um pouco.
- Fala logo, garoto. – dei uma de estressada. Eu sei que o Martin tem medo que eu fique brava com ele, então isso quase sempre funciona. Ele começou a sorrir. Droga, era justamente isso que ele queria. Me deixar curiosa. ARGH, por queee, Deus?
- Só me diz que eu posso passar aqui pra te pegar amanhã. – nossa, já tínhamos chegado em casa, nem notei.
- Martin, meu amor, me diga por que é tão importante que eu vá à praia amanhã, por favor? – ok, se estressar não funcionou, talvez um pouquinho de falsidade de carinho. Ele gargalhou (olhos quase fechados, jogando a cabeça pra trás e FOCO! Olha o foco!).
- Posso? As nove? – Eu revirei os olhos, desistindo. Ele não iria me falar, e eu teria que ir à praia para descobrir.
- Nove e meia! – falei, antes de sair do carro. Ele ainda estava rindo.


-

Dels, deixa eu falar. Todo dia antes de dormir eu costumo escrever alguma coisa no meu 'caderno de escrever merda', ou seja, meu 'caderno de escrever merda' é cheio de... merda escrita! Mas então, há três dias eu comecei a escrever o roteiro dessa fic-que-nao-é-fic, e já cheguei ao capítulo 40. POIS É, HASUDHSAUIDHSAD Tem MUUUITA coisa pra acontecer *-* Eu só vou precisar que vocês gritem comigo caso eu esteja muito melodramática, por que ninguém merece ler sobre um monte de gente chorando, né? Devo postar o capítulo 3 no início da semana que vem, assim que eu terminar de revisar e coisa e tal. :) Beijos, coisas fofas. Divirtam-se (opa, vocês ja leram. Anotação: no proximo a nota da autora vai antes do capítulo, pra eu poder falar "divirtam-se"!)

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.