FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 



Pirulito Maldito-Snarry (completa)

Informações sobre a fanfic:



ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.



ID: 47333
Nome: Pirulito Maldito-Snarry (completa)
Visitantes:
Visitantes do período atual: 2
Novos leitores: *
Autor: Sandra Longbottom
Capítulos: 0
Status: Concluída
Tipo 1: Slash (+18) - Tipo 2: Universo Alternativo - Tipo 3: Pós-Hogwarts - Ship 1: Harry Potter/Severo Snape - Ship 2: / - Ship 3: / - Ship 4:
Época: Durante Hogwarts
Censura: NC18 - Imprópria para Menores de 18 Anos
Criada em: 05/05/2020
Última atualização: 05/05/2020
Já leram: 0 Estão lendo: 0 Desistiram: 0 Irão ler: 0

Resumo:

 

Descrição:


Sinopse: Harry estava no gabinete de Snape, tendo uma detenção, quando decide provocar um pouco seu professor de Poções. Como será que terminará sua brincadeira?



Nota  da Autora: Oi! Espero que gostem dessa história. Bjs :D



 



Uma boa leitura a todos ^^




S.L. 



 



Snape estava sentado atrás de sua escrivaninha e corrigia os trabalhos do terceiro ano da casa de Hufflepuff. Com uma pena, riscava algumas instruções de uma poção que um aluno tinha escrito erradamente e corrigia por cima. De vez em quando, levantava o olhar e observava atentamente o garoto de cabelos arrepiados, tão parecido com seu pai, que estava à sua frente limpando caldeirões sem magia. Potter, uma vez mais, o tinha desafiado durante a aula e ele, furioso com sua impertinência, tirou vinte pontos à sua Casa e lhe deu uma detenção. O brilho que tinha visto nos olhos esmeralda, iguais aos de Lily, o tinha perturbado mais do que deveria. Tinha a sensação que Potter tinha feito de propósito para estar ali, sozinho com ele. Colocou o pergaminho corrigido a seu lado, em cima dos outros e abanou a cabeça, afastando aquelas ideias absurdas de sua mente.



Pegou em mais um pergaminho e olhou para o relógio que estava afixado na parede, reparando que eram dez da noite. A detenção já durava há meia hora. Fixou o olhar em redor de Harry, percebendo que ele já tinha limpado metade dos caldeirões e que eles estavam brilhando. As bochechas do garoto estavam vermelhas pelo esforço, onde escorriam algumas gotas de suor, e suas mãos manchadas de sujidade.



Voltou seu olhar para o pergaminho e começou a corrigir, quando um pigarreio o interrompeu. Levantou o olhar e viu Potter o observando, enquanto limpava as mãos a um pano que tinha conjugado. O uniforme de Gryffindor estava justo ao seu corpo, revelando seus músculos criados pelos vigorosos treinos de Quidditch, e tinha afastado as mangas da camisa, que revelavam seus braços morenos.



– Sim, Potter? – Perguntou com voz encolerizada, não gostava de ser interrompido enquanto trabalhava.



– Posso comer um pirulito, por favor? – Pediu ele e Snape arqueou uma sobrancelha, surpreendido com o pedido.



– Isso é uma detenção, Potter. – Comentou, sarcástico – Você não pode fazer o que quiser. A resposta é não.



– Por favor. – Pediu Harry novamente e ele estava quase ordenando para que se calasse quando observou os olhos tão semelhantes aos de sua amiga, brilhando em sua direção. Era o mesmo olhar que ela lhe dirigia quando queria convencê-lo de fazer alguma coisa. Respirou fundo, tentando controlar suas emoções, e falou:



– Pode ser.



– Obrigado, senhor. – Agradeceu ele e retirou um pirulito do bolso do uniforme. Desembrulhou, colocando o invólucro novamente no bolso. Fechou os olhos e gemeu de prazer ao sentir o sabor gostoso do morango em contato com sua língua. Snape estremeceu ao escutar o gemido rouco de seu aluno, sentindo os pelos de sua nuca se arrepiarem com o som e fechou a mão com violência.



– Potter, – censurou, olhando o pergaminho – Não faça barulho. Estou trabalhando.



– Desculpe, professor. – Falou ele, soando arrependido. Snape voltou ao trabalho, mas o gemido de seu aluno não saía de seus ouvidos. Potter era, tal como seu pai, um homem formoso, embora mais bonito.



Um novo gemido ecoou pelo gabinete e Snape levantou o olhar, vendo Potter chupando a ponta do pirulito. Ele passava a língua pela bolinha vermelha, enquanto o observava descaradamente, e dava demoradas lambidas de uma forma quase selvagem.



“Maldito moleque!” – Pensou, para si mesmo, tentando controlar os tremores que passavam em seu corpo ao observar o mais novo. Aquilo não iria ficar assim.



– Senhor Potter, – tentou soar furioso, mas sua voz saiu mais rouca que o habitual. Se remexeu, desconfortável, ao perceber uma ereção entre suas pernas. – Pode terminar logo esse maldito pirulito?



– Porque, professor? – Perguntou Harry, com inocência no olhar. – Não estou fazendo nada de errado.



– Está me irritando, moleque! – Rosnou e Harry desviou o olhar, voltando ao trabalho. Ele suspirou, voltando o olhar para o pergaminho. Os minutos passavam e o gabinete estava silencioso, sendo quebrado apenas com o riscar da pena no pergaminho e de Potter esfregando o caldeirão. Não pode deixar de suspirar, aliviado, por ele ter parado. Se Potter tivesse continuado com a provocação, ele não teria respondido pelos seus atos.



Finalizou a correção e estava arrumando o pergaminho, quando um novo gemido se ouviu. Levantou o olhar, para repreende-lo, quando observou o que Potter fazia. Nunca tinha visto ninguém chupar um pirulito de um jeito tão pornográfico, tão sensual. Ele chupava como se estivesse chupando um pênis, rodeando a língua no doce e, sem desviar os olhos de seu professor, parou de chupá-lo e o afastou de sua boca. Tudo que unia o doce a Harry era um fina linha de saliva que estava escorrendo pelo pirulito enquanto se mantinha intacta entre os lábios rosados. Engoliu em seco e apertou sua mão com força, partindo a pena em duas. Os dois se assustaram com o barulho e Snape xingou baixinho, sentindo gotículas de suor escorrendo por seu rosto. Resmungando entre dentes, atirou a pena inutilizada para o lixo.



– Tudo bem, professor? - Perguntou Harry, inocentemente, se levantando e se dirigindo para ele. Severus olhou para Potter e reparou em seus olhos brilhantes, o observando com curiosidade.



– Tudo, Potter. Volte ao trabalho. - Falou firmemente, tentando a todo o custo não gaguejar. Harry se colocou à sua frente e se ajoelhou, sentindo uma ereção dentro de suas calças, e passou as mãos pelas coxas do mais velho, tapadas pelas vestes. Com voz sensual comentou, enquanto desapertava o cinto e descia lentamente o zíper das calças negras, baixando de seguida sua cueca:



– Eu acho que não. - Antes que Severus pudesse repreender o aluno, Harry agarrou em seu membro e lambeu cuidadosamente a base, fazendo com que ele gemesse involuntariamente, jogando a cabeça para trás:



– Potter... – Com a outra mão, Harry acariciava seus testículos, transmitindo ondas de prazer a Severus, que emaranhava os dedos longos nos fios negros e rebeldes. O mais novo sorriu e continuou lambendo sua base, descendo lentamente por toda a sua extensão pulsante. De vez em quando, o retirava da boca e o circundava devagar com a pontinha da língua, colocando de volta na boca com um leve gemido, quase imperceptível, mas que estava causando um pandemônio no até então impecável e trabalhado autocontrole do mais velho. Retirou-o novamente da boca, passando a língua por seus lábios, e o enfiou na boca novamente, chupando lentamente, soltando outro gemido, e Severus sentia que aquilo já estava chegando ao limite.



– Potter... – Tentou avisa-lo que estava quase, queria afasta-lo de si, mas Harry se aferrou a ele e aumentou o ritmo, Severus, não aguentando mais o prazer, impulsionou seu quadril para a frente e gozou.



Harry engoliu toda a essência de Snape e limpou com a mão os cantos da boca, enquanto observava seu professor, que tinha o rosto ruborizado e suas feições relaxadas. Apoiou as mãos nas coxas dele e se ergueu. Olhou para os olhos negros, brilhantes, e perguntou:



– Gostou, Sev? - Severus sorriu e comentou:



– Foi perfeito, Harry. - Harry pegou na varinha de dentro do bolso e limpou a bagunça com um balançar suave, voltando a guardá-la novamente. Desapertou a gravata vermelha e se sentou no colo dele, sorrindo. Entrelaçou seus braços em redor dos ombros do mais velho e Severus devolveu o sorriso. Ergueu suas mãos, passeando lentamente pelos quadris de Harry, sentindo a textura do tecido. Estava cansado, mas satisfeito.



– Vejo que você apreciou. - Comentou, observando seu companheiro de longa data. Mesmo tendo passado seis anos, Harry sempre o surpreendia. Tinha sido ele que tivera a ideia de que cada um pudesse realizar sem restrições as fantasias que tinham imaginado um com o outro. Já tinham realizado um pouco de tudo, na encenação anterior criaram uma cena em que ele era um Comensal da Morte capturado depois da guerra e Harry era um Auror recém-formado, que queria vingança. O que ele podia dizer dessa experiência é que se tinha deliciado ser submetido por seu companheiro, que o tinha levado à loucura muitas e muitas vezes naquela noite.



Cada situação era pensada ao pormenor: as roupas e acessórios que iriam utilizar, cada objeto e cada diálogo. Embora, às vezes, fosse improvisado, o que ficava ainda melhor. Seu gabinete na Mansão Snape tinha sido modificado, transformado muitas vezes ao longo daqueles anos.



– Você também, Sev. - Respondeu Harry, roçando seus lábios nos deles, antes de atacar sua boca com desespero. Severus o puxou contra si, colando seus corpos e aprofundou o beijo. As mãos de Harry acariciavam seus cabelos, enquanto soltava pequenos gemidos de prazer. Rebolou sensualmente contra Severus e ambos gemeram com o contato. Se afastaram e Harry comentou, divertido:



– Nunca pensei que você tivesse esse pequeno...fetiche por mim.



Severus aproximou seus lábios na orelha dele e mordiscou o lóbulo, o fazendo gemer. Com um sorriso atrevido, sussurrou, em tom provocante:



– Você ainda não viu de nada. Tenho alguns brinquedinhos que estou ansioso usar em você. - Harry sentiu arrepios de prazer percorrendo seu corpo perante essas palavras e sussurrou:



– Então, me mostre.



Severus se levantou da cadeira e Harry entrelaçou suas pernas no quadril dele. Tendo cuidado para que a calça não escorregasse, carregou seu companheiro para o quarto e fechou a porta atrás de si. Aquela noite iria ser muito produtiva.



 



FIM



 



Nota da Autora: Oi! Mais uma Snarry que escrevi e espero que tenham gostado. O que vocês acharam? Gostaria muito de saber a opinião de vocês. Comentem, por favor. Bjs :D


 


_____________________________________________

Listagem dos Capítulos


_____________________________________________

Número de Votos (Geral):
Média de Votos (Geral): Ninguém votou nesta fic!
Número de Votos (no Período): 0
Média de Votos (no Período): Ninguém votou nesta fic!

_____________________________________________

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para esta fic!

_____________________________________________

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2021
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.