FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 



(Pesquisar fics e autores/leitores)



 




 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

18. Torpor


Fic: In Aeternum


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Capítulo 18- Torpor


Hermione caminhava rapidamente pelos corredores, evitando olhar para as pessoas. Mantinha sua cabeça baixa e os braços firmemente ao redor do pesado livro que carregava. Algumas garotas paradas ao pé da escada a olharam com bastante interesse quando ela passou. Ela ergueu o olhar, desafiadora, tempo suficiente apenas para reparar em suas gravatas e uniformes característicos: eram da Sonserina.


Ela passou por elas com a cabeça erguida, a menor garota do grupo, parada um pouco mais atrás das outras, dirigiu um sorriso corajoso para Hermione. A garota não conseguiu corresponder.


Subiu as escadas o mais rápido que pôde: não era a primeira vez que tinha planos de se esconder em seu dormitório. Normalmente, aquilo ocorria por culpa de Rony.


Rony, seu colega da Grifinória, melhor amigo de Harry, cabelos muito vermelhos, família grande, altura maior do que a normal para a idade. Aquele Rony de tempos atrás a tirava do sério, a fazia ficar bufando de raiva, impaciente, sem poder desabafar com ninguém. E agora, parecia que estavam voltando no tempo, e aquele Rony imaturo estava voltando a cena.


Quando chegou na sala comunal, ficou feliz em ver que Harry estava se despedindo de Gina, que já estava no primeiro degrau da escada para os dormitórios. Hermione fez o caminho até eles rapidamente, olhando ansiosa para a amiga. Não queria conversar com Harry, principalmente sobre o que acabara de acontecer.


- Mione, onde você estava?- Harry a olhou, franzindo a sobrancelha.


- Fui à biblioteca e depois encontrei o Professor Gareth.- ela respondeu secamente, como que o desafiando a falar algo. Harry permaneceu com seu rosto impacível. Ela admirava isso nele. Ele conseguia captar o que os outros estavam sentindo.- Depois perdi alguns minutos do meu dia tentando argumentar com seu irmão- ela virou o rosto para Gina. A garota praticamente pulou para trás ao ver tamanha raiva no rosto da amiga...-mas realmente foi tempo perdido. Você estava subindo, Gina?


- E-estava. Mas você estava falando do Rony e- Gina não terminou de falar.


- Harry pode esperar ele aqui. Vamos subir.


Hermione passou por Gina sem olhar para trás. Sabia que as suas costas a garota e Harry provavelmente estavam trocando olhares, querendo entender o que estava acontecendo.


- Mione...você pode me explicar o que está acontecendo?- Gina a alcançou e fechou a porta do dormitório atrás de si.


- Seu irmão tem um sério problema, Gina.- ela passou a mão pelos cabelos, ansiosa. Depois, se preocupou em procurar uma roupa limpa para vestir.


Gina olhou para o livro que ela largara em cima da mesa.


- Você foi à biblioteca, e depois encontrou o Professor...foi isso?- ela perguntou cautelosamente.


- Exatamente isso.- Hermione bufou, enquanto procurava sua toalha de banho pelo quarto.- Não sei o que se passa na cabeça do seu irmão para ter ciúme da própria sombra...


- Mione-


- Eu sei que você vai defender ele Gina, mas...- Hermione suspirou, sentando na beirada da cama.- Ele vai conseguir fazer com que essas brigas idiotas fiquem entre nós dois.


Gina não parecia querer falar sobre o assunto, mas falou calmamente, parecendo querer deixar Hermione menos nervosa.


- Hermione...você conhece meu irmão muito bem. Você sabe como ele é. Você é a centrada do casal.- Gina reprimiu uma risada- ou quase isso.


- Gina...- Hermione falou em tom cansado.- Ciúme de um professor...?


- Um professor...um jogador de quadribol...outro jogador de quadribol e do mesma casa...- Gina deu de ombros.- Tudo isso começou há muito tempo... ele simplesmente não tem confiança suficiente nele mesmo.


Hermione suspirou.


- Eu não tenho paciência para escutar acusações calada. Não quero ter de me defender toda vez que falar com alguém que ele se sente intimidado.


- Esse é o problema, Mione.- Gina se aproximou dela.- Rony não enxerga isso. O problema não é você...você não faz nada de errado ao fazer amizade com o Krum, ou com o Prof. Gareth...- Gina franziu a sobrancelha- Talvez você tenha errado muito quando inventou de sair com McLaggen mas...


As duas riram. Gina pareceu mais contente ao ver que estava desmanchando o gelo.


- O meu irmão uma hora ou outra precisa descobrir que é dentro dele que está o problema. Ele sempre foi comparado. Sempre cobraram dele os mesmos méritos que Gui obteve...ou Percy...ou Carlinhos.


- Mas o Rony é tão diferente!- Hermione sorriu fracamente, sentindo aquela afeição pelo ruivo de seus pensamentos voltar fortemente.


- Exatamente. Mas ele não aceita ser assim...


Aquele assunto já estava encerrado. Não era necessário mais explicações. Hermione estava fora de si instantes antes, mas agora ouvindo Gina colocar a situação daquele jeito, tornava tudo mais fácil. Gina parecia querer manter a calmaria, e puxou diversos assuntos com a garota. Hermione resolveu tomar um banho enquanto Gina terminava de arrumar as roupas jogadas, já que Hermione já estava começando com um sermão de que ela não deixaria a amiga fazer toda aquela bagunça e esperar que os elfos domésticos ajeitassem.


Hermione demorou um pouco mais no banho, pensando que não sairia debaixo daquela água quente até ter certeza de que estava verdadeiramente calma e que não iria brigar novamente com Rony.


- Ronald Weasley-


Não queria voltar para a sala comunal e ter que agüentar os olhares furiosos de Hermione diante de si. Sabia que estava errado e sabia que estava provocando brigas desnecessárias, mas Hermione o conhecia suficientemente bem e parecia que provocava aquelas situações. Parecia querer testar ele.


Respirou calmamente enquanto caminhava pelos corredores, observando os quadros e as armaduras que durante muito tempo haviam presenciado aquele tipo de briga. Pensando com mais clareza, ele conseguia entender como tirava Hermione do sério.


Em primeiro lugar, ela era esperta o suficiente para no caso de querer aprontar alguma, esconder perfeitamente bem para que ninguém descobrisse. Segundo, aquele fanatismo dela por estudos provavelmente faria ela se aproximar de muitas pessoas do âmbito acadêmico durante toda a sua carreira e ele teria que se acostumar com essas amizades. E terceiro e mais importante: era Hermione Granger! A garota que passara ao seu lado todos aqueles anos, agüentando suas besteiras e micos quase diários, vendo ele crescer da forma mais desengonçada possível, sabendo o quanto ele era diferente de seus charmosos e bem sucedidos irmãos, não se importando com a diferença de realidade das duas famílias e principalmente- depois de tanto tempo ele conseguira perceber que nunca houvera nada entre Hermione e Harry, e ele sempre se comparava com o melhor amigo, julgando-se inferior. Mas a situação ocorre entre Hermione e ele. Ele, Ronald Weasley. O garoto mais novo da família, mais sardento e com braços e pernas longos demais.


Ele suspirou enquanto parava de caminhar.


Devia se sentir privilegiado por ter alguém como Hermione ao seu lado. Como ela podia querer ficar ao lado dele depois de tudo aquilo? O que ela via nele?


Como podia simplesmente ter jogado tudo para o alto- inclusive os dentes de basilisco, aquele dia há meses atrás, na Sala Precisa, e se jogado em seus braços, sua atitude implorando por aquele beijo tão esperado. Um beijo que fez seu coração querer saltar pela boca, fez suas mãos agirem sem controle, fez com que ele sem pensar, tirasse Hermione do chão, fazendo com que de alguma forma aquele momento durasse mais.


Rony percebeu que não estava enxergado mais nada ao seu redor. Ainda estava em um corredor? Seus rosto pareceu ter vestido aquele sorriso para sempre. Lembrar de todos aqueles momentos era maravilhoso- aquelas lembranças jamais seria retiradas deles. Pertenciam apenas aos dois.


Ele viu suas pernas agirem sem que ele pedisse, já realizando o caminho costumeiro para a sala comunal.


- Weasley!- uma voz desconhecida feminina fez com que ele se virasse.


Um grupo de sonserinas estava parada ali. Ele não se importou muito com o fato de estar esbanjando a casa a qual pertenciam. Por que estavam vestindo uniforme em um sábado?


Ele teve que conter uma risada. Tratando-se de garotas da Sonserina só podiam significar duas coisas: no caso de serem estudiosas, aulas extras para os N.O.M´s, ou no caso de seguirem a fama da casa, estarem saindo naquele momento de alguma detenção.


Ele apenas olhou para a garota que havia o chamado. Ela estava no meio das outras e mesmo não sendo a mais alta parecia exercer uma função de liderança com as outras.


- Você me chamou?- ele achou que seria muita falta de educação virar as costas e ir embora.


- Sim. Desculpe...- a garota loira piscou os olhos de um jeito estranho para ele, dando alguns passos na sua direção.- Ainda não conhecia você...quer dizer, nunca havíamos nos falado.


Ele ouviu uma leve risadinha, mas não soube de qual garota havia vindo.


- Prazer em conhecê-la.- ele falou sem empolgação, mas a garota devolveu com um sorriso.


- Julie.- ela estendeu a mão para ele.- Não pense que você não tem fãs na Sonserina.


Ela piscou o olho. Aquela apresentação não havia sido nada natural. A garota tentava ser excessivamente simpática, enquanto ele se preocupava em inventar alguma desculpa para sair dali.


- Sinto muito garotas, estou atrasado. Falo com vocês outra hora.


Todas elas sorriam para ela a murmuraram despedidas. A garota chamada Julie permaneceu mais à frente do grupo, acenando alegremente para ele quando ele chegou ao topo da escada.


Ele não se sentiu lisonjeado ao ver aquele grupo de garotas tentando puxar o assunto. Apenas desejava que aquilo não acontecesse mais. Estava começando a cansar. Como saber quando as pessoas estavam sendo sinceras? E em que momento deveria desconfiar de que só estariam tentando obter algo?


Ele finalmente entendia o que Harry havia passado durante todos aqueles anos.


Era o amigo que o esperava, sentado na movimentada sala comunal, sinalizando para que se sentasse ao seu lado. Os grifinórios olhavam curiosos para os dois, mas ninguém parecia ter coragem de pedir para sentar ao lado dos heróis de Hogwarts.


- Hermione já voltou?- ele sabia que estava usando o tom errado.


- Você me perguntando isso, mais parece estar querendo saber se será o próximo a ir para a forca.


Harry estava rindo, e Rony sabia que estar calma era o primeiro passo para conseguir ficar novamente bem com a garota.


- Eu acho que fiz uma besteira, Harry.


- Eu tenho certeza que você fez.- Harry suspirou.- Brigaram de novo?


Ele perguntou aquilo como se fosse óbvio. Rony ergueu os ombros.


- Parece que simplesmente acontece com a gente.


- Não aconteceria se você evitasse.- Harry riu, e Rony tentou o acompanhar.


- Ela estava muito zangada quando chegou?


- Acredito que para os padrões de Hermione ela estivesse mais calma do que a vez que viu você e Lilá se beijando naquela poltrona de um lugar só, e mais nervosa do que quando havíamos ridicularizado o F.A.L.E.


Rony riu da constatação do amigo.


- Então talvez eu consiga acalmá-la antes das nove da noite.


Flashback


As marcas das bicadas dos malditos pássaros não haviam saído de seu braço. Ele tentava obter alguma informação de Harry a respeito de Hermione: como ela estava lidando com o fato de não estarem se falando, e se estava se sentindo incomodada com a mudança brusca do humor de Rony.


Ele fazia questão de sorrir o tempo todo. Não desperdiçava nenhuma piada que pudesse ser feita, mesmo em horários inadequados, e estava agindo um pouco mais calorosamente com Lilá do que seria necessário.


- Você me espera para almoçar?- a garota falou em tom manhoso, os braços enlaçados no pescoço de Rony.


- Sim.- Rony sorriu para ela. A garota aproveitou o pequeno intervalo para beijá-lo. Rony sentiu um frio na barriga, não tão incômodo dessa vez. Sabia que todas as pessoas no saguão de entrada estavam observando a cena.- Até depois.


Lilá saiu caminhando lentamente, espiando por cima do ombro de tempos em tempos. Aquele sorriso permanente dela causava quase uma sensação de náusea em Rony. Como a garota podia estar aparentando tamanha alegria? Antes de seu sexto ano, ela jamais havia mostrado qualquer interesse nele. Será que aquele tipo de coisa deveria acontecer assim mesmo, espontaneamente?


A naturalidade com que Lilá estava lidando com a situação o fez ter certeza de que ela não esperava um comportamento diferente dele. O único problema é que a garota estava começando a sufocá-lo.


O dia posterior à vitória da Grifinória no Quadribol havia sido diferente de tudo que ele imaginava. Em sua imaginação, ele encontraria uma Hermione furiosa que demonstraria claramente sua mágoa, uma Lilá envergonhada por ter deixado tão claro seus sentimentos, e um Harry neutro com a história, mas que ficaria ao lado do amigo independente de sua escolha.


Foi completamente o contrário. Ele não via Hermione mais com a mesma freqüência, e toda vez que passava pela garota tinha certeza de que ela não estava o vendo- ou fingia muito bem. A indiferença era tamanha que quase machucava. Ela sabia tão bem quanto ele que algo estava acontecendo entre os dois. Repentinamente ele beija outra na frente de todos na sala comunal, ela lhe joga uma dúzia de pássaros e sai chorando, e finge que não aconteceu nada? Ela parecia agir como se nem o conhecesse, o que fez Rony ter certeza de que provavelmente estava cometendo o maior erro de sua vida.


Mas Lilá fazia com que ele se esquecesse de quão errado era. Estava sempre o cercando, não tinha vergonha alguma de falar com ele em tom carinhoso e levemente infantil, não deixava de abraçá-lo e beijá-lo só porque estavam em público e fazia questão de mostrar para toda Hogwarts que estavam juntos, mesmo que eles próprios ainda não tivessem conversado sobre a situação.


Já Harry preferia passar como um fantasma diante de tudo. Não falava sobre Hermione, não opinava sobre Lilá e estava em uma maré de silêncio, respondendo apenas quando perguntado.


As aulas não compartilhadas com Lilá passavam rapidamente, porém quando estavam na mesma sala e ele se sentia na obrigação de dividir a classe com ela, o ponteiro do relógio parecia parar. A garota ficava sentada normalmente e silenciosamente assistia a aula, porém sempre que possível lhe dirigia um olhar rápido ou suspirava pesadamente conforme o tempo passava. Rony sentia a sala muito quente quando isso acontecia. Não conhecia Lilá o suficiente para saber se aquela atitude era normal dela. Parecia tão certa de si, tão confiante.


Enquanto a esperava para o almoço na entrada do salão principal, Hermione passou por ele. Ao lado dela, Gina. Ele achou que a irmão fosse parar e conversar com ele, mas ela apenas atrasou o passo um segundo para cumprimentá-lo.


- Oi, Rony.- e quando ele achou que podia ter sido pior, ela emendou.- Esperando alguém?


Sabia que Gina não estava se posicionando. Hermione já estava arranjando um lugar na mesa quando a ruiva a alcançou. Rony bufou impaciente: teria que agüentar muitas piadinhas.


Sentiu duas mãos lhe tapando os olhos. A sensação de náusea voltou: será que ela não via como aquelas atitudes pareciam forçadas para ele?


- Adivinha...?


Ele não teve força para responder. Conteve a voz, sentindo um bolo se formar em sua garganta quando segurou as mãos pequenas da garota e se virou para ela. Com o passar dos dias parecia reconhecer o perfume dela com mais facilidade, e achou que quando o sentisse o aroma iria lhe trazer lembranças boas. Mas estava acontecendo o contrário.


Os momentos em que Lilá permanecia ao seu lado estavam se tornando cansativos e a simples aproximação dela parecia fazer seu estômago despencar: significava muitas horas em que deveria fingir estar interessado no assunto ou podia usar a outra tática, e beijá-la o máximo de tempo possível. Ele achou que não funcionaria, mas a garota pareceu achar uma ótima idéia.


Ele sabia que aquela situação não estava ocorrendo pelos motivos certos, se ela lhe incomodava tanto, não deveria permanecer ao lado dela. Infelizmente, Lilá parecia entender qualquer sorriso dele como algo positivo. Ele tinha certeza que em apenas alguns dias ela começaria a falar em conhecer o restante da família- considerando que ela e Gina não pareciam se dar muito bem.


Quando finalmente pôde sentar sozinho na sala comunal, aproveitou para tentar deixar suas tarefas em dia. Hermione não estava ali. A garota andava muito sumida. Nas noites anteriores, entre um beijo e outro, ele desviava o olhar procurando a amiga, aproveitando a distração de Lilá. Ele tinha a impressão de que Hermione não estava presenciando o romance barato entre os dois. Ou evitava presenciar.


- Você tem visto a Mione?- perguntou cautelosamente para Harry, sabendo que estava atrapalhando a leitura do amigo. Harry ergueu os olhos por apenas alguns segundos.


- Sim.- Harry olhava novamente para o livro.- Tem passado bastante tempo na biblioteca. Ela falou que está com algumas matérias atrasadas.


Aquela simples frase fez seu ânimo despencar. Estivera ocupando tanto o seu tempo em manter Lilá contente e o mais calada possível, que não percebera o quanto Hermione fazia falta. Ela não estava mais nas refeições insistindo para que ele comesse menos, não estava mais nos horários de estudo o obrigando a estudar, ele mal a via na sala de aula pois ela sempre sentava o mais longe possível dele e de Lilá. Era como se ela quisesse sumir, passar completamente despercebida. Ele sabia que era uma indireta, uma frase silenciosa mas que dizia muitas coisas para ele.


Ele suspirou ao lembrar de como estava a situação antes de tudo aquilo acontecer com Lilá. As conversa que estavam tendo, os olhares diferentes de Hermione, o convite para a festa do Prof. Slughorn...


- Vocês não estão se falando?- Harry perguntou sem desviar o olhar do livro.


- Desde o dia dos pássaros malucos.


- Acredito que ela tenha feito isso por algum motivo, não?- Harry resolveu olhar para ele.- Você não vai me contar o que aconteceu?


- Não aconteceu nada! Quer dizer- ele se endireitou no sofá.- tenho a impressão de que tem algo a ver com a Lilá.


Harry tentou reprimir uma risada, mas apenas conseguiu emitir um som esquisito.


- Você tem a impressão...?- o garoto debochou.


- Eu não vou deixar de sair com uma garota só por que Hermione não gosta dela. Ela é cheia de manias, fica emburrada sem motivo. Não pense que eu vou perdoar tão cedo o ataque daqueles malditos pássaros.


Mais alguns minutos de silêncio fizeram com que ele continuasse.


- Quem ela pensa que é para poder se ofender com algo?- Rony bufou impaciente.- É isso que parece! Ela age como se não me conhecesse!


Harry deu de ombros. Ele iria tirar Rony do sério. Finalmente, o amigo pareceu achar as palavras.


- Talvez ela só não esperasse ver você namorando com alguém...- ele não ironizou a palavra "namorando", mas pelo tom de voz Rony sabia que ele estava dando a entender alguma coisa a mais.


- Ela não pode reclamar- Rony continuou - Ela ficou com o Krum. Ela achou que eu não ficaria com ninguém...?


Harry não olhava para ele agora. Rony sabia que isso se devia ao fato de ele estar desabafando algo. Estava deixando claro para o amigo algumas coisas.


-Bem, é um país livre. Eu não fiz nada de errado.- sabia que estava falando coisas demais. Mas Harry também estava agindo como se soubesse que algo acontecia entre os amigos.


Pelo menos naquele momento, ele deu um tempo para que Rony pudesse pensar nas coisas, fingiu estar absorto no livro que supostamente teria que ler para a aula de Feitiços da manhã seguinte.


Rony tentou chamar a atenção de Harry. Sentiu como se tivessem passado uma barreira. Antes, não falavam abertamente desse tipo de coisa. Repentinamente, Harry parecia entender o que Rony estava sentindo.


- Eu nunca prometi nada para Hermione- Rony resmungou. Não queria usar aquele tom de súplica. Logo, mudou seu humor.- Quero dizer... certo, eu ia com ela para a festa de Natal de Slughorn, mas ela nunca disse... apenas amigos... Eu sou uma pessoa livre...


Estava se enrolando demais para falar aquilo. Sabia que Harry havia escutado, mesmo que ainda fingisse ler o livro.


- Ela não pode reclamar...- ele sussurrou, olhando para o fogo. Percebeu que Harry não prestava mais atenção a ele.- Por que aquele jogador asqueroso tinha que entrar na história...?


Ele arriscou olhar com o canto do olho para Harry, que parecia não estar escutando mais nada. Talvez o amigo tivesse razão em ignorar Rony, talvez ele precisasse daquele momento de reflexão.


- Krum...- falou quase cuspindo, lembrando do momento em que Gina jogara em sua cara a verdade que ele temia. Novamente a imagem de Krum e Hermione se beijando veio a sua mente, e ele resolveu se levantar a ir atrás de Lilá: o jeito espalhafatoso da garota seria capaz de tirar aquelas porcarias da sua cabeça.


Parvati foi chamar Lilá a pedido de Rony. A garota estava no dormitório, mas apareceu em questão de segundos.


- Rony!- ela pulou em seu pescoço.- Pensei que você tinha dever de casa...não quero atrapalhar você...


- Já terminei.- ele sorriu.


A garota entendeu perfeitamente bem o que ele queria dizer. Ele a tomou pela mão e juntos os dois saíram pelo buraco do retrato.


- Vamos conseguir uma detenção se continuarmos saindo da sala comunal depois do horário.- Rony ria enquanto olhava para os lados, vendo se encontrava Filth ou algum professor vagando, enquanto puxava Lilá pela mão.


- Achei que você tinha me chamado aqui.


- E chamei...- ele respondeu bruscamente, se virando para ela.


Lilá aproveitou o momento e colou seus lábios, empurrando Rony fortemente contra a parede de pedra. Ele teve que usar os dois braços para afastar a garota um pouco de si, olhando novamente ao redor para analisar se era seguro.


- Hum, Won Won ficou tímido de repente.


Ele a silenciou com um beijo, enquanto segurou com uma das mãos suas costas. Lilá não parecia se cansar de momentos como aquele, abraçou o garoto fortemente e correspondeu ao beijo com empolgação.


Depois de longos minutos, Rony distanciou o rosto. Lilá tinha o rosto vermelho e respirava com pequenos intervalos.


Ela pegou sua mão dessa vez e o guiou para uma sala vazia. Rony não viu a situação se formar, quando percebeu estava se beijando novamente e não parecia haver tempo suficiente para respirar.


Ele gostaria de saber o que passava dentro da cabeça de Lilá, o que a garota sentia quando ele a beijava? Ela se aproveitava de cada momento de distração dele e o puxava mais para perto, ou grudava o corpo mais no dele.


Seu pensamento ficou vazio enquanto ele tentava achar uma resposta a tantas perguntas. Será que ele tinha algo especial que fazia Lilá agir daquele jeito? Ou será que ele é que estava com a pessoa errada e por isso não sentia aquela empolgação toda?


Sua mente viajou, e ele se permitiu imaginar como seria se fosse com Hermione. Sentiu um frio na barriga muito forte- certamente seria completamente diferente de tudo que ele havia sentido até então com Lilá. Acabou correspondendo ao beijo de uma maneira diferente, deixando seu pensamento cheio de imagens de uma Hermione mais corajosa e destemida, o puxando pela mão para uma sala vazia, o abraçando fortemente e o beijando até ficar sem ar.


Ele sentiu seu peito absorver mais ar do que o necessário: era aquilo que ele queria. Queria que Hermione estivesse ali. Queria poder voltar no tempo e ter evitado toda aquela situação.


Mas Hermione havia beijado Krum...e aquilo quebrava o encanto de tudo.


Ele se distanciou de Lilá, sentindo-se imensamente constrangido ao ver a posição que estavam agora. A garota estava sentada em cima de uma classe o abraçando fortemente. Ele deu dois passos para trás, desvencilhando-se das pernas da garota que prendiam a lateral de seu corpo. Passou a mão pelos cabelos, tentando pensar novamente com clareza.


- Desculpe por isso...


Lilá não respondeu. Escorregou para fora da classe e já estava agarrada em seu pescoço novamente. Rony achou que ela iria o sufocar novamente, mas ela simplesmente beijou seu pescoço delicadamente.


- Você não precisa pedir desculpas...- ela sussurrou. O contato dos lábios dela com o seu pescoço causou reações estranhas. Ele, que nunca nem havia beijado ninguém, estava indo mais longe do que jamais pensou que iria- com a pessoa que jamais imaginaria.


Lilá começou a mudar o padrão dos beijos, Rony começou a temer que sua pele ficasse marcada. Se afastou dela, segurando suas mãos.


- Vamos voltar...


Ela não respondeu prontamente. Abraçou o corpo de Rony enquanto caminhavam, um sorriso nos lábios.


Rony deduziu que ela estava diferente por que ele lhe dera motivos para tal. Ele estava deixando a situação mudar de figura. Ela não estava tão corajosa assim na primeira vez que haviam se beijado.


- Você tem que voltar para o estudo, Won Won?- ela sussurrou quando alcançaram o buraco do retrato.


- É-é...


- Hum...adorei a nossa pequena pausa. Também preciso voltar para a minha redaçã falta meio rolo de pergaminho.


Ela sorriu enquanto entravam na sala comunal. Como se tivesse desaparatado em direção a escada dos dormitórios, ele viu Hermione se deslocar rapidamente da poltrona em que estava e logo a garota sumiu. Seu estômago deu cambalhotas incômodas.


Lilá lhe deu boa noite e um estalado beijo na bochecha e subiu para o dormitório. Rony não gostava de imaginar como era para Hermione ter que conviver no mesmo ambiente que a garota.


Desistiu logo de seu dever de casa e foi se deitar. O tempo estava passando rápido e ele mal teve tempo de ajeitar suas coisas, e o sono já estava o alcançando. Adoraria ter insônia pelo menos por alguns dias, para poder pensar em uma solução para o que estava acontecendo.




Tentava acordar, mas se sentia perdido. Onde estava? Por que Harry ainda não estava berrando nos seus ouvidos para que ele acordasse? Não conseguia se lembrar de que aula tinha naquela manhã, mas ao pensar que deveria levantar e encontrar Lilá ao pé da escada fez com que ele tentasse afundar novamente em seu sono. Mas alguém não o deixava dormir.


Não havia possibilidade de Lilá ter entrado em seu dormitório, havia? Então por que ela estava tentando o acordar? Ela passava a mão em seu rosto delicadamente.


Aquilo não era típico dela. Lilá jamais entraria no dormitório dos garotos. Ele abriu os olhos rapidamente, assustado com a situação. O que estava acontecendo ali?


Olhos muito castanhos o miravam atentamente; o cabelo fofo mais bagunçado que o normal. Sua visão percorreu rapidamente o corpo da garota, querendo entender o que estava acontecendo. Hermione não parecia nem um pouco sem graça por estar com aquela camisola curta diante dele.


- Mi-mione?- sua voz saiu rouca. A garota tinha um sorriso diferente.


Tirou a mão do rosto do garoto, sentando-se na beirada da cama. Rony tentava entender o que estava acontecendo, não conseguia enxergar mais nada além dela. Estavam há dias sem se falar e repentinamente ela aparece assim em seu dormitório. Mas ele estava ainda no dormitório? Onde estavam Neville, Harry, Simas, Dino?


Ela levou um dedo aos lábios dele pedindo silêncio. Ele prontamente ficou quieto.


Olhou para si mesmo. Estava diferente: onde estava seu pijama? Ficou apavorado ao fitar seu corpo nu, feliz ao ver que o lençol tapava tudo da cintura para baixo. Sentiu-se exposto enquanto Hermione se aproximava mais dele.


- Achei que você tinha me chamado...- ela sussurrou, movendo-se para perto dele, solicitando espaço. Ele prontamente se moveu para o lado. Hermione não parecia nem um pouco incomodada com a proximidade.


Rony sentiu sua respiração sair aos arquejos ao tentar buscar palavras que pudessem mostrar a ela o quanto estava arrependido por tudo que havia acontecido, mas o contato do seu peito com o de Hermione fez com que ele perdesse o fio da meada.


Ele piscou, e no momento seguinte a mão da garota estava em seus cabelos. Ele sentiu todo seu corpo arrepiar. Por que ela estava fazendo aquilo? Aquilo não era real, não podia ser. Ele estava se questionando horas antes em como seria beijar Hermione, ficar perto dela do mesmo jeito que estivera com Lilá.


Sua mão alcançou o rosto da garota. Sentir sua pele foi maravilhoso, e todos os pêlos de seu braço reagiram ao toque. Ele tinha a sensação de que poderia fazer qualquer coisa- ela estava ali, ao seu lado, nada era impossível.


Ele não pensou duas vezes e buscou seus lábios delicadamente para não assustá-la. Ela não recuou, prontamente deixou que Rony aprofundasse o beijo, uma mão na nuca impedindo que o garoto quebrasse o momento.


A euforia foi tamanha que Rony não soube o que estava fazendo, suas mãos já estavam no corpo dela. Hermione enroscou o corpo no dele, enquanto ela o puxava implorando para que ele continuasse. Ele deitou sobre ela, usando suas duas mãos para segurar as dela acima de sua cabeça: ela não iria o impedir. Migrou para seu pescoço, ouvindo a respiração agora arquejante da garota em seu ouvido. Ele sabia que estava apenas obedecendo às ordens dela. Sabia que eles não iriam parar.


- Ron...- ela sussurrou, ele quase não escutou. Mas teve certeza de que ela o estava chamando...


Repentinamente, um barulho fez com que ele saltasse. Um grito de surpresa saiu de sua garganta antes que ele pudesse impedir. A visão das cortinas de sua cama no dormitório fizeram com que ele voltasse a realidade. Um sonho? Tudo aquilo fora um sonho?


Obviamente não poderia ser real. Hermione o acordando no meio da noite, praticamente implorando para que algo acontecesse. Sua cabeça doía, seu corpo parecia estar todo contraído. Ele respirou fundo, passando a mãos pelos cabelos.


- Neville deve ter acordado todos dormitórios com esse barulho...- a voz de Simas o sobressaltou.- Bom, pelo menos a porta não está quebrada.


Ótimo.- Rony pensou, enquanto afastava as cortinas a tempo de ver os últimos ocupantes saírem do dormitório. Harry devia estar acordado. Lembrou-se de que era final de semana, ele podia ter dormido a mais mesmo, mas como sempre algo negativo acontecia, Neville quase quebrara a porta do dormitório logo de manhã cedo.


Agradecendo mentalmente por estar sozinho no dormitório, alcançou uma muda de roupa e uma toalha limpa e sem se preocupar em vestir um calçado migrou para o banheiro, o contato dos pés quentes com o piso gelado o fazendo voltar a realidade.


Ligou o chuveiro enquanto pensava. Não era a primeira vez que sonhara com Hermione. Mas por que o sonho havia sido tão diferente, tão apelativo? Será que seu inconsciente estava desesperado querendo lhe mandar alguma mensagem?


Era ruim saber que havia sido apenas um sonho, que ele estava acordado e precisava enfrentar a realidade, mas ao mesmo tempo ele não conseguia impedir aquela sensação de tomá-lo. Mesmo sabendo que aquilo era um sonho impossível, lembrar daquela Hermione diferente era tentador.


Não se importou com a fumaça excessiva no banheiro, e seu demorado banho só foi finalizado pois ele sabia que precisava sair e encarar a realidade.


Encontrar Lilá aquele dia foi pior do que nos outros: ele estava plenamente consciente que a garota que estava ao seu lado não podia fazer nada para acalmar o monstro que estava se mexendo desconfortavelmente dentro dele- talvez estive calmo anteriormente, mas o sonho da noite passada certamente o acordara.


- Hermione Granger-


- Não pense que vai me convencer a ir à sala comunal, Harry Potter!- Hermione fechou o livro com um estrondo, migrando prontamente para outro.


A bibliotecária lançou um olhar de censura para ela. A garota prontamente abaixou o tom.


- Não estou com humor para ficar assistindo cenas de romance barato.


- Mione...


Ela fingiu que não estava vendo a cara de pena do amigo. Por que Harry tinha que agir daquele jeito? Podia simplesmente fingir que não percebia a mágoa da garota.


Já bastava ter passado horas a fio dos últimos dias chorando escondida em seu dormitório, e tendo que tapar os ouvidos toda vez que Lilá e Parvati começavam a conversar, não precisava do sentimento de pena de ninguém. Talvez precisasse cometer um homicídio- era difícil dizer o que acalmaria sua raiva.


- Como você está com seus deveres?- ela perguntou, tentando mudar de assunto.


- Estão em dia, não se preocupe- mas ela sabia que Harry talvez estivesse atrasado, e querendo manter a conversa em Rony ele continuou- como você está...? Não temos conversado muito nos últimos dias...


- Ótima- ironizou. Ela tentou segurar a voz, a vontade que tinha era de gritar.- Não posso mais ficar no meu dormitório, a não ser que queira escutar detalhes da vida romântica de Lilá e Rony...e não posso ficar na sala comunal sem ter de assistir ao vivo e a cores...


- Mione, você-


- Eu sei, Harry...mas não vou me dispor a isso. Afinal, ele é perfeitamente livre para beijar quem ele quiser.


Harry observou ela arranhar a pena no pergaminho, enquanto terminava seu trabalho.


- Eu realmente não me importo.- ela pontilhou um "i" tão ferozmente que perfurou o buraco do pergaminho.


Harry observou a senhora Pince se afastar deles, estava rondando as estantes próximas.


- Talvez se vocês conversassem...


- Não há nada para conversarmos. A vida é dele...ele faz o que bem entender. Sinto muito que ela tenha feito uma péssima escolha, mas não posso fazer nada.


Harry deu de ombros.


- Certamente ele pensaria duas vezes se tivesse escutado tudo que eu escutei nesses seis anos dividindo o dormitório com ela.


Harry ficou calado, escutando. Depois que começara, Hermione não conseguia parar de falar mal dos dois. Era com uma certa sutileza, mas ela sabia que Harry entendia.




Sempre que tentava conversar com Harry, algo acontecia para interromper. Ela precisava alertar o amigo do perigo que ele estava correndo: cedo ou tarde alguma garota conseguiria colocar uma poção do amor em sua bebida.


- Estou lhe dizendo- ela disse para o amigo, querendo aproveitar a deixa para explicar para Harry que ele não deveria menosprezar os planos de Romilda.- Quanto mais cedo você convidar alguém, mais cedo elas vão deixá-lo em paz e você pode-


Ela parou de falar no instante que seus olhos pousaram em Lilá e Rony, os dois sentados na mesma poltrona, excessivamente perto e sem se importar com os olhares do restante dos alunos.


Não sabia mais o que falar. Perdeu a linha de raciocínio. Tinha alguma consciência de que Harry ainda estava ali. O amigo acompanhou o olhar dela para entender o que estava causando aquela reação.


- Bem, boa noite, Harry- eram apenas sete horas da noite, mas se Lilá estava ali certamente ela teria alguma paz no dormitório.


Não esperou pela resposta do amigo e subiu as escadas sem olhar para trás.


Não queria chorar- não derramaria mais nenhuma lágrima. O fato é que, ela tentava tanto evitar ter de ver aquele tipo de coisa e quando ela menos esperava, simplesmente os dois apareciam. Era como se o destino quisesse provocá-la.


Ela se jogou na cama, abraçando o próprio travesseiro. Sabia que as lágrimas eram de raiva: lembrava da cena dos dois sentados abraçados e sentia vontade de bater em alguém.


Não iria mais suportar aquilo.


Tentou se concentrar na leitura, mas nada parecia entrar em sua cabeça. As horas se arrastaram, mas prevendo que logo o restante das garotas estariam ali, colocou sua camisola e se deitou, usando a luz da varinha para guiar sua leitura.


Mal havia conseguido se concentrar e tirar Rony da cabeça, a porta do dormitório abriu. Ela apagou a luz da ponta da varinha e ficou imóvel, torcendo para que as garotas não pudessem ver que estava sentada na cama por detrás das cortinas.


- Você está atrasada com a matéria de Poções- a voz de Parvati era baixa, mas Hermione escutava com clareza.


- Ajeitarei isso esse final de semana, não se preocupe.- Lilá não parecia controlar o tom de voz, sem se importar em saber se Hermione estava dormindo ou não.


- Desde que você começou a sair com Ronald Weasley mal nos falamos! Achei que você fosse me contar algo sobre vocês...


- Eu não estou saindo com o Rony...- Lilá deu risadinhas que irritaram Hermione profundamente. Ela teve que usar toda a sua força para não mover um músculo.- Você não vê?


Como Parvati não respondeu, Lilá continuou.


- Estamos namorando!- ela usou um tom mais triunfal do que o necessário.


Parvati fez um barulho estranho com o nariz. Hermione quis tanto poder observar a expressão em seu rosto.


- Namorando? Ele fez o pedido então?- a garota parecia descrente.


- Não precisa! Eu sei que estamos namorando...- o tom de voz da garota deixava muito claro que ela queria conseguir atingir Hermione de alguma maneira falando aquilo.


As duas começaram a cochichar e Hermione finalmente fez a coisa mais sensata: colocou o travesseiro sobre a cabeça e tentou dormir. Teve a impressão de que ficara horas acordada, mesmo após as garotas irem dormir.


Por que ela se martirizava querendo escutar aquele tipo de coisa?


No dia seguinte seu mau humor estava no ápice. Tinha que se concentrar na tarefa de Transfiguração, que não estava nada fácil: ela tentava a toda custo mudar o seu rosto conforme as instruções. Rony e Harry trabalhando ao seu lado tiravam sua concentração. Ela riu abertamente quando Rony desastradamente, em sua primeira tentativa, conseguiu um enorme bigode. Queria provocar o garoto, mostrar para ele que podia ser tão cruel quanto sua namorada. Ao pensar em Rony e Lilá como namorados, foi tomada de uma náusea, que só se intensificou quando Rony, em resposta ao deboche da garota, imitou de forma muito cruel a forma como Hermione se mexia na cadeira toda vez que Professora McGonagall fazia uma pergunta.


Ela sentiu seu rosto desmanchar o sorriso. Sentiu seus lábios se curvarem para baixo, sem que ela fizesse força para isso. Seus olhos já ardiam, quando ela escutou Lilá e Parvati rindo abertamente da imitação de Rony.


Lilá ria alto, e ela mal olhou para o rosto da garota antes de sair porta a fora chorando, o sinal tocando ao fundo. Não pôde se conter, e não poderia permanecer naquela sala após o vexame.


Desceu as escadas correndo, torcendo para que ninguém viesse atrás dela: ela não queria ter que mostrar seu rosto naquele momento.


Assim que alcançou o andar de baixo, entrou no banheiro feminino.


Deixou o choro subir verdadeiramente à garganta e se encostou na parede. Tapou o rosto com as mãos quando alguém entrou no banheiro.


Hermione caminhou até a pia e começou a lavar seu rosto, não querendo encarar quem estava ali.


A raiva que sentia de Rony era enorme: já não bastava estar pelos corredores se agarrando com Lilá, ainda fazia questão de magoá-la e ridicularizá-la na frente dos outros?


- Hermione?


Felizmente era Luna. Hermione se virou para ela, sem se importar em mostrar o rosto inchado para ela.


- Ah, alô Luna.


- Algum problema?- Luna se aproximou cautelosamente, os grandes olhos azuis muito arregalados, decididamente preocupada com a amiga.


- Acabei de ser ridicularizada na sala de aula, na frente de todos.- Hermione fungou, seu peito subiu involuntariamente querendo deixar escapar um lamento. Ela se conteve.- Eu é que estou muito sensível nos últimos dias, vai passar...


- Ah, sim...- Luna a observava atentamente.- Mesmo assim, achei que não houvessem pessoas tão insensíveis na sua classe. Na minha, isso acontece o tempo todo.


Hermione desviou o olhar por instantes, sabendo que Luna já deveria ter vivenciado aquele tipo de situação diversas vezes.


- Bom, Ronald Weasley faz parte da nossa turma, então você pode esperar comportamentos infantis como esse...


Ela falou o nome de Rony da forma mais pejorativa que pôde. Luna franziu a sobrancelha para ela, assumindo uma expressão em seu rosto que não era muito comum.


- Bom, em todo caso...acredito que um bom chocolate quente possa restabelecer o seu humor- Luna acompanhou Hermione que já caminhava em direção à porta, manteve o semblante sério em respeito à amiga e lhe deu tapinhas gentis nos ombros.


- Ah, oi, Harry- disse Luna. Hermione sabia que não adiantava esconder o rosto do amigo.- Você sabe que uma de suas sobrancelhas esta amarela?


- Oi, Luna. Hermione, você deixou seus materiais...- o amigo entregou seus livros.


Hermione sentiu uma onde de afeição muito forte por Harry. Ele agiu da maneira mais delicada que pôde na situação.


- Ah, sim- ela respondeu, tentando fazer com que sua voz saísse menos chorosa. Sabia que Harry entenderia que ela precisava ficar um tempo sozinha, então se virou e saiu carregando suas coisas, tentando enxugar os olhos no estojo.


Infelizmente, ela teve que passar por Rony em seu caminho para a sala comunal. O garoto parou em sua caminhada e mirou o rosto de Hermione.


Ela tentara esconder as lágrimas de Harry, mas não teria vergonha agora de mostrar para Rony como ele podia magoar uma pessoa.


Seu rosto estava seco agora- mas ela vestiu a melhor máscara de indiferença que pôde e passou reto por ele. Escutou a voz de Lilá o alcançando segundos depois, mas não se importou.


Viu uma expressão diferente no rosto de Rony quando espiou por cima do ombro: ele parecia meio perdido, sem entender o que tinha feito. Ela sabia que ele pensaria naquilo mais tarde.


- Ronald Weasley-


- Você poderia ter convidado qualquer uma!- Rony não conseguia acreditar no que Harry estava falando. Chegara a esquecer o seu prato de comida diante de si.- Qualquer uma! E você escolheu Looney Lovegood?


- Não chame ela assim, Ron!- disse Gina, parando atrás de Harry


aproximando-se deles- Eu estou realmente alegre por você levá-la Harry, ela esta tão entusiasmada!- ela mudou de lugar para sentar-se com Dino.


Rony estava comendo menos do que o normal naquele jantar. Seus olhos não conseguiam desviar da garota sentada a alguns metros de distância.


Hermione estava sentada só, brincando com a comida do prato. O estômago de Rony deu uma cambalhota atrás da outra: ele a magoara verdadeiramente.


Sabia, primeiramente, que a garota já estava mal por ter de ver ele ao lado de Lilá. Não adiantava mais negar que havia algo surgindo entre eles antes de Lilá aparecer se jogando para cima dele, e ele aceitar o convite. Obviamente, muita coisa acontecera para que ele tomasse aquela decisão, mas ter ficado com raiva por Hermione ter beijado Krum não justificava ele ter sido tão cruel com a garota na aula de Transfiguração.


- Você poderia dizer que está arrependido- sugeriu Harry abruptamente.


- O que? E ser atacado por outro rebanho de canários?- Rony murmurou.


- Por que você teve que imitá-la?


- Ela riu do meu bigode!- mas ele sabia que aquilo não justificava sua atitude.


- Eu também ri! Era a coisa mais estúpida que já vi.


Ele fingiu não escutar. Lilá e Parvati estavam chegando a mesa.


Lilá prontamente se sentou ao seu lado e começou com a sua fala infantil e cansativa. Rony tentava não falar muito para não instigar a garota a continuar tagarelando.


Não estava prestando atenção na conversa de Parvati e Harry. Sentiu pena do amigo: ele sabia que Harry apenas aguentava os assuntos sem pé nem cabeça da garota pois os dois sobravam quando Lilá e ele estavam juntos.


Repentinamente, algo na conversa chamou sua atenção.


- Ah, ola, Hermione!- Parvati falou de um jeito estranho se dirigindo a garota.


Será que Parvati estava se sentindo culpada por ter rido da imitação que ele fizera de Hermione na aula?


Porém quando ele olhou, Hermione estava respondendo à garota com o mesmo sorriso radiante.


- Oi, Parvati!


Rony sabia que Hermione podia enxergá-lo de onde ele estava, mas a garota agiu com aquela mesma indiferença. Não parecia ter percebido que Lilá estava ali, tentando dar um pouco da comida de seu prato para Rony, querendo chamar a sua atenção mais desesperadamente. O garfo que Lilá segurava parou a meio caminho.


- Você vai hoje à noite para a festa de Slughorn?- Hermione continuou, usando um tom nada natural para ela.


- Nenhum convite- disse Parvati tristemente.- Eu adoraria ir, na verdade...parece que vai ser realmente boa... Você vai, não é?


Rony sentiu um gelo se instalar em seu estômago. A festa de Slughorn!


Ele lembrou, com pesar, do dia que Hermione o convidara indiretamente para a festa. O assunto ficara no ar, mesmo ele tendo certeza de que iria junto com ela. Sentiu-se mal ao lembrar em como imaginara que seria aquela noite.


Mas seu cérebro trabalhou rapidamente e ele voltou sua atenção para a conversa das garotas. Se Hermione e ele estavam sem se falar, a garota iria sozinha para a festa?


- Sim, eu vou encontrar Cormaco as oito, e aí iremos...


Ele quase se engasgou com a própria saliva. Não pôde evitar o seu corpo de se inclinar para frente, querendo alcançar os olhos de Hermione, ver sua expressão, saber se ela estava falando sério. Lilá não pareceu muito feliz com sua reação, mas ele ignorou completamente a garota.


- nós vamos à festa juntos.- Hermione continuou como se não tivesse o escutado, nem visto mudar sua postura.


- Cormaco?- Parvati parecia realmente empolgada com a fofoca.- Cormaco McLaggen, você quer dizer?


- Este mesmo- Hermione responde, quase suspirando.- O que quase - ela pôs muita ênfase na palavra – tornou-se Goleiro da Grifinória.


Rony engoliu em seco. Ela estava fazendo aquilo para deixá-lo com raiva. Ela certamente estava dando aqueles detalhes, como se Rony simplesmente não existisse, para fazer com que ele quisesse socar as paredes do castelo.


-Você está saindo com ele, então? Parvati perguntou, os olhos


arregalados.


- Ah, sim... você não sabia?- Hermione riu de um jeito completamente diferente. Havia mais ironia naquela risada, havia uma espécie de segredo não falado em voz alto. Rony teve quase certeza de ter visto seus olhos cintilarem em direção à ele.


- Não!- Parvati respondeu prontamente, parecendo impaciente com a fofoca.- Uau, você gosta de jogadores de Quadribol, não?


Rony sentiu que estava ficando pálido, todo o sangue do seu corpo parecia estar migrando para a ponta dos seus pés e suas mãos. A vontade de sair batendo em alguém era tamanha, ele teve que concentrar todas as suas forças para apenas respirar. Arriscou olhar para Lilá rapidamente, mas a garota agora estava completamente absorta na conversa de Parvati e Hermione.


- Primeiro Krum, agora McLaggen...- Parvati continuou.


Rony segurou o ar. Parvati falava com tamanha naturalidade: obviamente toda a Hogwarts havia percebido o que havia entre Hermione e Krum. Ele sentiu naquele momento que era bem feito para ele, parecia que algo martelava em sua cabeça: isso é o que você merece por não ter chamado ela e por continuar agindo como um idiota.


- Eu gosto de jogadores realmente bons de Quadribol- Hermione a corrigiu, enquanto sorria.


Algo dentro da cabeça de Rony apitava. Era assim que ela pretendia se vingar então?


O que aquilo significava? Que ele era um jogador péssimo, que ela só estava frisando na cara dele que além dele não jogar bem, ela jamais se interessaria por ele?


Ela não podia ter fingido durante todo aquele tempo. Então por que estava agindo como uma garota insuportável, se misturando com pessoas como Parvati?


Ele abaixou o rosto: ele era quem estava com Lilá. Não estava em posição de criticar ninguém.


- Bem,a até mais... Vou indo me preparar para a festa...


Quando ela saiu, Rony pareceu achar o ar. Sua cabeça começou a trabalhar ferozmente, enquanto Lilá e Parvati tagarelavam emocionadas sobre McLaggen e Hermione. Quando ele escutou Lilá falar que não acreditava que o jogador chamaria Hermione para sair por causa de sua aparência, resolveu desviar a atenção. Ele lembrava claramente bem da aparência de Hermione no baile do quarto ano, caso as garotas tivessem se esquecido. Não havia nada lá que repelisse com um garoto. Odiou ouvir aquilo de Lilá, e quase desejou que ela pudesse ver a Hermione de seu sonho: que mesmo sem nenhuma maquiagem ou roupa especial, conseguira causar nele reações que Lilá jamais poderia.


- Hermione Granger-


Seu cabelo ainda estava úmido quando ela se postou diante da lareira da sala comunal, esperando Gina terminar de se arrumar. Harry não estava ali também, o que lhe dava tempo para pensar na briga com Rony.


O fato é que ela não queria mais pensar naquilo. Não precisava ficar repassando mentalmente tudo que acontecera, não iria mudar o desfecho da situação.


O buraco do retrato abriu. Ela sentiu o coração disparar. Mesmo que a sala comunal estivesse enchendo cada vez mais naquele horário, e mesmo que muitas pessoas tivessem entrado e saído nos últimos minutos, ela sabia que a pessoa que entrara agora era Rony.


Teve certeza quando ouviu seus passos se aproximando dela. Manteve seus olhos no fogo.


Não precisou olhar para ele: parecia que depois de todo aquele tempo juntos ela conhecia até mesmo o jeito que ele respirava. Ele suspirou mais pesadamente quando chegou o mais próximo que pôde dela, sem que ela achasse que estava tendo seu espaço invadido.


- Hermione...


Ele começou, mas ela não pode se conter.


- Não importa o que você for falar Ronald. Então talvez você deva poupar seu fôlego.


Ela o encarou. Ele parecia sincero, mas levemente magoado.


- Do que você está falando? Eu vim conversar com vocês, fazer com que as coisas voltem ao nor-


- É que eu simplesmente não enxergo um pedido de desculpas saindo de sua boca.- ela deu de ombros, cruzando os braços defensivamente.- E eu sei que eu sou idiota o bastante para perdoar você de todas as burradas que você fez, senão nem estaríamos juntos hoje...então...


Para sua surpresa, ele riu. Lentamente, ele segurou uma mecha de seu cabelo úmido.


- Depois de tantos anos eu não vou mais aceitar isso como uma provocação.


- Ótimo.- ela estava sendo a irracional agora. A verdade é que estava querendo fazer uma cena, queria que ele valorizasse o que tinham até então.


- Você já está pronta para ir jantar, não está?- ele deduziu, enquanto soltava a mecha de cabelo dela.


Ela apenas concordou.


- Vou tomar um banho rápido.- ele saiu antes que ela pudesse falar alguma coisa.


Quem era aquele garoto e o que tinha feito com Ronald Weasley? Aquele simplesmente não podia ser o garoto que comprava qualquer briga na época de escola, que fazia cenas de ciúmes- muitas vezes sem motivo, e que horas atrás fizera um escândalo porque ela estava conversando com o professor.


Ela teve que sorrir, enquanto suspirava. Será que ele estava fazendo tudo aquilo para se desculpar?


Talvez ele não fosse capaz de colocar em palavras tudo que estava sentindo, mas tentava corrigir o erro em atitudes.


Ela sentou em uma poltrona em frente à lareira, mas não teve muito tempo para pensar. Alguns alunos pareceram achar que ela estava mais bem humorada, e chegavam perto querendo travar uma conversa, perguntar sobre Harry e Rony. Hermione mordeu a língua, mas a vontade que tinha de perguntar era se continuariam com aquele interesse todo quando eles fossem embora, se ela seria celebridade suficiente para alimentar as expectativas. Mas a pergunta morreu em sua garganta, principalmente quando ela se deu conta de que em breve o final de semana iria acabar, e ela passaria mais uma longa semana longe de Rony.


Quando todos desceram para jantar, eles atravessaram o buraco do retrato. Gina e Harry de mãos dadas tornavam a situação mais constrangedora.


Rony caminhou ao lado dela, as duas mãos nos bolsos, talvez querendo que ela ficasse mais à vontade. Harry e Gina caminharam à frente, talvez dando privacidade para que os dois conversassem.


Caminhar ao lado do ruivo sem segurar sua mão ou o abraçar mexeu com ela: conforme eles criavam mais intimidade ela começara a deixar de reparar em alguns detalhes que antes alteravam tanto ela.


O perfume dele, por exemplo, realçado pelo banho. A maneira com que seus cabelos caíam na testa. O jeito que ele caminhava. Tudo parecia chamá-la, a vontade de parar com aquele gelo e se jogar nos braços dele era enorme. Mas ela sabia que o relacionamento deles precisava passar por isso.


Quando chegaram à mesa da Grifinória, foram engolfados por risadas animadas e conversas diversas. Rony alcançava todos os pratos para Hermione, de uma forma excessivamente cavalheira.


Eles já estavam quase na sobremesa, quando o Prof. Gareth passou por eles.


- Granger! Potter, Weasley!


Rony parecia ter sido atingido por alguma coisa. Não foi nem um pouco sutil ao olhar o professor de cima a baixo. Arriscou um olhar para Hermione, seu rosto muito branco.


- Olá.- Harry respondeu educadamente. Hermione agradeceu mentalmente ao amigo, Harry era muito centrado e educado nesse tipo de situação.


- Então, acredito que a senhorita Granger tenha informado aos senhores a minha idéia de realizar seminários com as turmas...contando com a presença dos senhores, é claro.


Rony parecia ter aberto a boca para responder, talvez no intuito de mostrar à Hermione que era maduro o suficiente para conversar com o professor, mas foi Harry quem se pronunciou primeiro.


- Claro, ela mencionou sim. O senhor pode marcar, estaremos aqui.


Gina deixou o queixo cair. Hermione prendeu a respiração.


Muitas perguntas encheram a sua mente, mas ela guardou para após o jantar, quando o professor já estaria bem longe em sua sala, e eles estariam saindo do lugar movimentado.




- Você deu confiança muito rápido, Harry!- Gina estava de braço dado com o namorado, mas balançava seu cabelo vermelho ameaçadoramente.


- Confiança? Olha, estou cansado de escutar conversinhas sobre esse professor.- ele olhou seriamente para Hermione e Rony.- Vou participar desses seminários e ponto final. Não há mal nenhum.


- Mal nenhum!- Gina olhou para o teto.


- Você anda desconfiada de todos, Gina!


Hermione prendeu a respiração enquanto continuava a caminhar ao lado de Rony. O que estava acontecendo com os casais? Agora os dois também iriam brigar para completar a cena? Já não bastava o constrangimento que pairava no ar entre ela e Rony?


- Eu não estou desconfiada, Harry...só estou falando que-


Mas ela não escutou o que Gina continuou a falar. Rony estava muito próximo dela, sussurrando em seu ouvido. A sensação do hálito dele em sua pele fez com que ela perdesse o fio da meada.


- Vamos deixar os dois conversarem.


Hermione parou de caminhar e deixou que os dois se afastassem. Rony permaneceu parado, olhando para ela.


- Achei que você iria querer entrar na discussão. Opinar sobre o professor.


Ela ironizou. Rony bufou impaciente: ele finalmente estava querendo voltar à verdadeira personalidade.


- Por favor, Hermione! Eu estou tentando conversar com você, e você continua querendo me repelir a qualquer custo!


- Não estou querendo repelir você!- ela quase gritou, os braços firmemente estendidos ao longo do corpo.


- Mas é o que parece!


- Só quero que você veja o quanto uma briga boba pode afetar nosso relacionamento! Quero que você entenda que já chegamos numa etapa em que-


Mas ela parou de falar. Soltou o ar lentamente pelo nariz, fechando os olhos para se acalmar.


- Em que não deveriam haver mais brigas...discussões por besteiras. Isso desgasta qualquer um, Ronald...


- Me desculpe por ser um cabeça dura...- ele se aproximou dela, segurando sua cintura, não parecendo muito sincero com suas palavras.


Hermione cruzou os braços defensivamente.


- Você realmente está querendo dizer isso?


- Quê mais posso querer dizer?- ele rolou os olhos para cima.


Hermione levantou uma sobrancelha.


- É o suficiente- ele aproximou o rosto, quase ameaçadoramente- eu lembrar você, Hermione Granger, que eu te amo e que estou profundamente arrependido de todas as brigas que tivemos até agora?


Hermione soltou os braços, desviando o olhar dele. Pousou suas mãos delicadamente no peito forte do garoto, não querendo dar o braço a torcer.


- Quando você fala assim...- ela riu, ainda sem o olhar.- fico achando que o verdadeiro Ronald Weasley foi seqüestrado e que esse que está diante de mim é uma cópia quase perfeita.


- Quase...perfeita?- ele tentou fazer com que ela o olhasse.


Ela riu. Rony encostou a esta na dela. Ela arriscou olhar para seu rosto. Os olhos do garoto estavam fechados.


- As pessoas normalmente não mudam...continuam com suas personalidades...cometendo os mesmos erros...fazendo as mesmas coisas...


Hermione tentou entender onde ele queria chegar. Ele abriu os olhos e seus olhares finalmente se encontraram.


- Mas ao seu lado, eu sou capaz de lutar diariamente para ser alguém melhor, Mione. Alguém que não a magoe...e que jamais- ele suspirou- cometa os mesmo erros estúpidos que eu já cometi com você.


Ela respirou fundo olhando para o chão. Não havia ninguém nunca naquele corredor? Aquele momento não parecia que seria quebrado por ninguém.


- Isso...foi lindo...Ronald...


- Você pode achar que esse não é o Ronald Weasley que você conhece, Mione...- ele passou a mão pelo rosto dela, delicadamente.- Mas é o Ronald Weasley que se deu conta das burradas que já fez...


Ele beijou seu rosto. Ela fechou os olhos deliciando-se com a sensação de seus lábios tão próximos, seu corpo parecendo tremer.


- ...e que quer passar o resto da vida com você.


Ela sentiu, literalmente, um tremor perpassar seu corpo.


- Eu amo você, Ronald.- ela sorriu, e Rony pareceu sinceramente aliviado ao ver que estava indo pelo caminho certo.


Hermione não esperava algum tipo de reação tão repentina, mas Rony já colara seus lábios, sem dar tempo para que ela respirasse.


Ela se afastou antes que ele pudesse aprofundar o beijo.


- Chega de brigas, ok? Passamos mais tempo discutindo esse final de semana do que qualquer outra coisa...- Hermione abraçou ele fortemente, descansado o queixo em seu ombro, ficando na ponta dos pés para poder manter a mesma altura.


- Acho que na nossa vida inteira, passando mais tempo discutindo do que qualquer outra coisa.- ele riu e a abraçou fortemente de volta.


O abraço se desfez de uma maneira estranha, e eles voltaram a caminhar, agora de mãos dadas.


- Não vamos para a sala comunal...ainda é cedo...- Rony arriscou um olhar para ela.


- Mas não podemos ficar perambulando pelos corredores...


- Podíamos só ir até a sala de astronomia e voltar...- ele deu de ombros.


Hermione não pensou muito na resposta e seguiu os passos de Rony. Apenas ele conseguia fazer ela esquecer as regras.


O fato é que poder viver aquele tipo de situação com Rony era muito tentador, a ponta de ela querer quebrar todas as regras da escola. Quantas vezes ela havia imaginado ir para uma sala vazia com ele, acabar com todas aquelas brigas idiotas?


A sala de Astronomia estava exatamente do mesmo jeito, mesmo que a mais utilizada naqueles dias fosse a do térreo. Hermione foi diretamente para a parte da abóbada da sala, onde era possível ver todas as estrelas no céu escuro.


- Eu tinha esquecido como esse lugar é lindo.- ela sussurrou.


Quase deu um pulo quando Rony a abraçou por trás, afundando o rosto em seu pescoço.


- Por muitas vezes- ele sussurrou baixinho.- eu imaginei como seria poder me encontrar com você em alguma sala vazia, quando não houvesse ninguém para nos atrapalhar.


Ela fechou os olhos, se arrepiando a cada palavra que ele falava.


- Durante tanto tempo eu fui covarde demais para ter a coragem que você teve...de dar o primeiro passo...


Ela não respondeu. Seu corpo inteiro permanecia entorpecido.


- E agora eu olho para trás, e vejo quanto tempo poderíamos ter aproveitado se eu não tivesse sido tão idiota...


Ela estava pronta para falar algo.


- Mas hoje eu vi que, eu deveria merecer o seu amor.- ela ficou muito parada. Abriu os olhos, querendo entender o que ele estava querendo dizer.- Não bastava eu me sentir atraído pela garota sabe-tudo da sala...aceitar seu convite para uma festa de um tal clube do Slug e tomar uma atitude diante disso.


Hermione ainda tentava entender onde ele queria chegar.


- Eu acho que agora eu posso entender verdadeiramente o que seria a minha vida sem você, Hermione. Uma hora ou outra eu teria que amadurecer, não é? Você mesma sempre me disse isso- ele riu, afastando levemente o rosto.


Hermione sorriu, mas não falou nada: sabia que deveria ser complicado para ele falar todas aquelas coisas. Quando ela se virou querendo falar para ele o que estava sentindo naquele momento, ele novamente não permitiu que ela articulasse as palavras. Colocou o dedo indicar em seus lábios e sorriu.


Hermione queria entender quando a mudança havia sido tão pronunciada. Aquela briga idiota por causa do professor estava causando tamanha mudança em Rony?


Dessa vez ela não cortou o beijo quando ele se aproximou mais. Ela jogou os braços ao redor de seu pescoço e se permitiu sentir todas aquelas sensações que já eram familiares.


Novamente foi diferente. Rony a beijou com uma ternura tamanha, que ela pareceu sentir o coração inchar dentro do peito. Não havia pressa, nem qualquer tipo de sentimento contido. Ela correspondeu o beijo, sabendo que tudo que havia acontecido de ruim na história deles havia sido necessário para que eles chegassem nesse patamar.


- Eu tomei uma decisão, Mione.


- Decisão?- ela questionou, antes que pudesse se conter.


Ele suspirou, parecendo frustrado com algo. O coração dela parecia querer saltar para fora da boca. A testa de Rony estava franzida, e ela aguardou ansiosamente que ele voltasse a falar.


Flashback


- Hermione! Hermione!


-Harry! Ai está você, ainda bem! Oi, Luna!


- O que aconteceu? Harry perguntou. Hermione sabia que seu cabelo estava bagunçado e sua aparência como quem acabara de correr uma maratona.


-Ah, eu há pouco escapei, quer dizer, eu deixei Cormaco...debaixo do visco...


- Então...você veio mesmo com ele?- Harry questionou, parecendo censurá-la.


- Eu pensei que isso aborreceria Rony- disse desapontada.- Considerei durante algum tempo Zacharias Smith, mas...


- Você considerou o Smith?- Harry parecia indignado.


- Sim, considerei, e estou começando a desejar tê-lo escolhido, McLaggen faz Grope parecer um cavalheiro. Estranho, só percebi quando estávamos vindo pra cá, ele é tão alto...


O olhar de Harry mostrava claramente que ele desaprovara a conduta de Hermione. Mas o que ela podia fazer? O objetivo era irritar Rony, pelo rosto dele durante o jantar, algum tipo de reação ela obtivera.




- Você realmente precisa ir agora?- a voz de McLaggen estava extremamente melosa, e ela teve que conter seus músculos faciais para não fazerem cara de nojo.


- Não se preocupe...não precisa me acompanhar...- ela já estava se virando em direção a saída.


Não devia ter saído do lado de Luna. Talvez se tivesse puxado assunto com mais pessoas na festa, McLaggen não teria se aproximado tanto.


- Eu acompanho você...- ele passou o braço ao redor de seus ombros.- Mesmo que eu ache que você deveria ficar mais um pouco...


- Sinto muito mesmo...acabei de lembrar desse trabalho e-


- Tudo bem, então...foi uma ótima noite, mesmo assim...- o sorriso dele cintilou para ela. E lá estava o rosto dele se aproximando novamente...


Ela desviou o rosto da maneira mais delicada que pôde. Já não bastava ter fugido dele anteriormente, quando ele tentara beijá-la debaixo do visco?


- Eu já estou indo...- ela falou, sentindo o rosto corar com a proximidade dele.- Boa noite, Cormaco...


Ela correu porta afora, antes que ele pudesse tentar mais alguma coisa. Sabia que o garoto iria espalhar para Hogwarts inteira que ela era pirada, que agira como uma louca a noite inteira. Mas não importava...não poderia deixar a situação se agravar mais do que já estava.


Pelo menos algo de positivo restara da noite. Ela adoraria ver a reação de Rony na manhã seguinte, olhando intrigado para ela tentando adivinhar se algo ocorrera. Se dependesse dela, ela fingiria muito bem.


- Ronald Weasley-


Dizer para Lilá que estava cansado e que iria para cama mais cedo foi fácil. Apenas alguns minutos a beijando e prometendo a esperar para o café da manhã no dia seguinte, mandaram a garota feliz para o dormitório.


Rony fingiu ir para o seu, mas não estava planejando ficar ali. Esperou barulho na sala comunal diminuir, e desceu as escadas.


Não poderia ficar trancado dentro do quarto, agoniado e querendo saber o que estava acontecendo naquela maldita festa.


Odiou-se ao pensar em como aquela noite poderia estar sendo. Olhou para o fogo que crepitava na lareira: o que ele e Hermione estariam fazendo se tivessem tido à festa juntos? Se ele jamais tivesse beijado Lilá?


Estariam provavelmente conversando animadamente, ele tentando evitar que Hermione falasse das aulas. Harry certamente não estaria por perto, e daria um jeito de manter Luna afastada.


Será que teria coragem de pedir para Hermione para darem uma volta, alegando estar muito quente dentro da masmorra? Será que conseguiria se aproximar mais dela, depois a fitaria demoradamente nos olhos? Então ela já saberia onde ele estava pretendo chegar.


O gelo no seu estômago parecia constante. McLaggen poderia estar fazendo aquilo naquele exato momento. O garoto tinha fama de popular com as garotas, e Rony sabia que ele não mediria esforços para adicionar Hermione em sua lista.


Chegou a sentir dor de barriga ao imaginar Hermione e Cormaco em um corredor deserto, se beijando. Passou a mão pelos cabelos, desistindo de manter a sanidade em um momento como aquele. Será que poderia fazer alguma poção que o fizesse adormecer e não ter sonhos?


A Hermione de seu sonho pairou em seu pensamento.


Ele subiu as escadas de volta para o dormitório, desistindo de ficar na sala comunal agora vazia. Não importava o que ele fizesse, se Hermione quisesse beijar Cormaco exatamente como ele fizera com Lilá, ela beijaria. E ele estar agoniado caminhando de um lado para o outro trancado naquele lugar, não impediria.




Queria perguntar para Harry detalhes da festa, mas a correria era tamanha para partirem para o natal que ele resolveu guardar o assunto para quando chegassem à Toca.


Acabara de localizar a cabeça de Hermione e de Harry no meio da multidão de Grifinórios que se aglomeravam, mas antes que pudesse alcançá-los Lilá pulou no seu pescoço.


- Oi, Lilá- ele falou sem empolgação, ainda fitando Hermione. Se ela tivesse beijado McLaggen, haveria alguma diferença visível...não haveria? Talvez sorrisinhos irônicos em direção à ele, olheiras profundas e escuras...


- Você vai sentir minha falta, não vai Won Won?- Lilá dava pequenos beijos em seu rosto.


Ele teve que desviar o olhar, mas não sem antes perceber Hermione os encarando.


Lilá puxou seu rosto e o beijou demoradamente, ele quase não conseguia respirar. A garota não soltava seu pescoço e quando a musculatura de sua mandíbula começou a doer, ele resolveu se afastar.


- Tenha um bom natal.


- Você também, Won Won!- ela abanou para ele, fingindo voz de choro, enquanto alcançava Parvati.- Escreva para mim!


Ela gritou quando uma multidão passou e ele não pôde mais vê-la. Seu corpo pareceu mais leve, parecia haver mais ar para respirar.


Era exatamente isso que precisava- alguns dias longe daquela garota. Ela iria o deixar maluco.


Procurou Hermione com o olhas, mas a garota já havia sumido. Harry pareceu entender o olhar desolado de Rony e se juntou a ele.


- Vamos?




- Ela deve estar brincando...


Ele olhava para o presente diante de si e não podia acreditar que alguém tivesse comprado algo como aquilo. Devia estar sonhando, não podia ser verdade.


- O que é isso?- Harry perguntou.


- Lilá mandou- disse soando revoltado.- Ela comprou pensando honestamente que eu usaria...


Harry começou a rir como nunca fizera antes. Rony olhou para o colar, lendo novamente as largas letras douradas:"Meu amor".


Quando mais olhava, mais parecia surreal.


- Legal- Harry finalmente conseguiu falar- Lindo. Você devia definitivamente usar isto na frente de Fred e Jorge.


- Se você contar a eles- Rony disse, tirando o colar de vista, colocando debaixo de seu travesseiro- Eu...eu...eu vou


- Gaguejar?- disse Harry gargalhando.


- Qual é, você...?Como ela pôde pensar que eu gostaria de algo com isto?


Tentou respirar, mas já não parecia capaz.


- Bom, pense- disse Harry, ainda debochando- Você já deixou um bilhete falando gostaria de sair em publico com as palavras "meu amor" em volta do pescoço?


- Bem... nós realmente não conversamos mundo- ele finalmente pôde confessar aquilo para alguém.- Principalmente sobre...


- Namoro? Harry completou


- Bem, sim...- Rony continuou. Hesitou por um momento.


Não haveria momento certo para perguntar aquilo, mas ele sabia que aquilo o estava corroendo por dentro, e ao escutar a palavra namoro, o maldito monstro que mostrara as caras aquele dia no sonho com Hermione, pareceu ganhar vida.


- Hermione está saindo com o McLaggen?


Ele sabia que Harry entenderia a pergunta. Colocara uma entonação diferente na pergunta para que Harry soubesse o que ele estava querendo dizer.


- Não sei- disse Harry.- Eles foram na festa do Slughorn juntos, mas não acho que tenha ido tão bem.


Rony não pôde conter um sorriso. Ou Harry estava falando aquilo para animá-lo, ou ele podia supor que havia algo dentro de Hermione que a impedira de começar algo com McLaggen.


Seu humor mudou completamente ao longo dia, quase o fazendo esquecer do colar horroroso que Lilá mandara. Será que ainda estava em tempo de tentar corrigir tudo com Hermione?




- Rony você está me deixando nervosa...- Hermione se afastou dele, tentando ler sua expressão.


O que ele estava querendo dizer?


- Analisando tudo que passamos até agora, Mione...eu consigo ver quantos erros eu cometi...e quantos eu posso continuar cometendo...


- Rony-


- Não, Mione...você precisa ouvir. A minha decisão já está tomada.


Ela sentiu o corpo tremer. Ele segurou as duas mãos dela.


- Eu acho que precisamos de um tempo para pensar melhor...- vendo a expressão no rosto dela, ele continuou.- Apenas para pesar as coisas e...


- Ronald, eu tenho certeza do que sinto por você e caso você-


- Eu também tenho certeza, Mione. Tomei essa decisão por que vendo como você ficou magoada...e sabendo o quanto eu já te magoei eu...


Ela engoliu em seco. Ele respirou fundo.


- Eu quero que você pense se é isso mesmo que você quer.- ele sacudiu a cabeça.- Você mesma diz que eu tenho a personalidade difícil e...


- Eu gosto de você do jeito que você é! Só ás vezes acho que- ela parecia quase desesperada.


- E é por causa dessas vezes que eu quero deixar essa opção para você. Não quero que você se sinta obrigada a assumir algo verdadeiramente comigo apenas porque somos amigos de infância e temos todas essas lembranças e...


- Rony...- ela parecia ter lágrimas nos olhos.


- É a minha vez de lutar de verdade por isso, Mione. Quero me esforçar dia após dia para fazer você feliz, mas...


O silêncio perdurou. Rony abaixou o rosto, querendo conter a tristeza de o invadir.


- Ás vezes acho que sou muito egoísta. Que você merece alguém melhor do que eu...alguém que tenha mais dinheiro, que seja gentil o tempo todo...


- Você está falando coisas absurdas, Ronald!- ela tinha uma lágrima no canto do olho.


- Apenas não posso passar por cima de tudo isso, e fingir que sou o cara perfeito para você.


- Você é quem eu escolhi.- ela tinha a voz firme agora.


Ele não queria a magoar. Mas precisava daquilo, precisava que ela pesasse com quem ela estava começando a trilhar um caminho. Será que valiam a pena todas aquelas brigas e desentendimentos? Será que ela não merecia um namorado que fosse o completamente oposto dele? Talvez alguém como Krum...?


- Rony...- ela sussurrou.


Ele se afastou dela, sentindo algo preso na garganta. Não podia chorar na frente dele.


- Eu nunca pensei que isso fosse acontecer...- ela tinha a voz embargada- Não depois de tudo que passamos para chegar até aqui...


- Eu sei...sinto muito...- ele sentiu uma lágrima silenciosa escorrer pelo rosto.- Só quero o melhor...


Ela não ficou agressiva, nem cedeu ao choro. Tentava se controlar.


- Eu te amo, Rony...- ela tentou segurar a mão dele, mas ele não queria prolongar aquele momento. Sabia que quando fosse embora no dia seguinte Hermione iria pensar sobre tudo.


Havia uma longa semana pela frente, e ele esperava terminar ela com uma certeza em mente. Se Hermione estivesse disposta a enfrentar com ele as dificuldades, então ele não temeria mais nada.


N/A: Outro capítulo, obrigada para os que ainda estão acompanhando a fic! Falando nisso, tem alguém ai? Hehe =D


Sei que o final desse capítulo pode ter deixado alguns indignados, mas aguardem a continuação!


Espero que tenham gostado dos flashbacks...são os mais legais de escrever depois dos do livro quatro!


Obrigada pelo apoio de todos!


Quero comentários =]


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 12) - Copyright 2002-2017
Contato: clique aqui

Moderadores:


Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.