FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 



(Pesquisar fics e autores/leitores)



 




 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

20. A vida continua...


Fic: De forma inesperada RxHr Cap final on


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

A vida continua...





 

A dor e o vazio pareciam aumentar a cada minuto que se passava. O peito de Hermione ainda doía de forma impiedosa. Nem mesmo os livros conseguiam distraí-la.



Embora ela ficasse incontáveis horas com
Os contos de Birdle o bardo, nas mãos, seus olhos não enxergavam absolutamente nada do que estava escrito nas páginas amareladas do livro.



Deitou-se na cama de Rony novamente, o cheiro dele nos travesseiros e no cobertor estava cada vez mais fraco. Mas, mesmo que as evidências de que Rony estivera ali com eles algum dia estivessem sumindo lentamente, continuavam vivas e mais presentes do que nunca na sua cabeça e no seu coração dilacerado.
Suspirou pesadamente, fitando a lona da barraca na semiescuridão, seu pensamento perdido em lembranças...


 


- A verdade é que eu sou um grande idiota, e quase sempre faço tudo errado e... e eu... hum... sou ainda mais idiota quando se trata de você... e... er... bem do que eu sinto... por você.


 


“Sem dúvida Ronald, você é um grande idiota!” – xingou em pensamento, sentindo vontade de esmurrar alguma coisa.



O olhar duro e cruel que Rony lhe lançara antes de ir embora parecia se misturar com o olhar doce e penetrante que ele tinha naquela noite na cozinha da casa dos Black.


 


- Sim... mas... mas eu... eu me dei conta naquele momento que nunca mais poderia ser o primeiro a te beijar e... e fiquei maluco com isso... - Rony passou as mãos pelos cabelos, parecendo extremamente nervoso - Sem falar que você... hum... não ia querer beijar um garoto com menos experiência que um secundarista depois de ter beijado o famoso e experiente Vitor Krum. Me senti traído, magoado, decepcionado... mas foi naquele momento também que entendi tudo que sentia Mione. Eu sei que magoei muito você, mas achei que... bem... que você merecia, porque...hum... tinha me magoado primeiro.


 


- Hermione... eu... eu gosto tanto de você...


 


Ela não conseguia entender como Rony podia ter ido embora... Ela já mais abandonaria seus amigos, ela jamais o abandonaria... Ela jamais o arruinaria daquela forma cruel e impiedosa.



Merlin, eles estavam indo tão bem, haviam chegado tão perto de se entregarem completamente um ao outro... Ela havia desejado tanto que isso... Apertou os olhos com força tentando impedir as lágrimas de caírem. 
As palavras dele ainda faziam seu coração bater de uma forma totalmente descompassada, ribombando dentro do seu peito.


 


E pior de tudo era saber que talvez eles nunca mais voltassem a se ver, ela nem mesmo sabia se ele estava bem. Outro dia, sem que Harry percebesse, havia espiado o mapa do maroto, numa esperança silenciosa de encontrar o pontinho dele andando pelos corredores do castelo ou parado no dormitório masculino, mas ele não apareceu.


 


Só rezava para que ele estivesse bem, para que não tivesse sido encontrado por comensais.


 


Hermione abriu os olhos e maneou a cabeça, ouvindo o leve ressonar de Harry. 
Fechou os olhos novamente e se acomodou melhor nos travesseiros, seu cérebro precisava parar de pensar e deixá-la dormir um pouco. Sentia-se tão cansada, tão sozinha... tão angustiada... tão infeliz...


 


Os lábios do ruivo envolveram primeiramente o lábio inferior de Hermione, sugando-o delicadamente, depois ele repetiu o gesto com o superior. Ela mantinha os olhos fechados, saboreando cada momento daquele beijo. Sentia os lábios dele umedecendo os seus de uma forma absurdamente deliciosa, e passou a acompanhar os movimentos, provocando nele as mesmas sensações. Não havia pressa, não precisavam mais provar o quanto se gostavam e se desejavam, podiam aproveitar cada sensação calmamente.


 


Ela sentiu a língua dele pedir, delicadamente, a passagem para o interior da sua boca, e sem hesitar a deixou entrar, encontrando a sua numa espera ansiosa.


 


O beijou foi gradualmente ficando mais intenso, exigente, quente e febril. As línguas se chocando em um confronto desesperado.


 


Os dois se levantaram, sem interromper o beijo, e Ron encostou Hermione contra a mesa, envolvendo-a pela cintura com os braços. Os corpos agora colados, as mãos explorando cada parte do corpo um do outro. Ela sentiu uma onda de desejo a tomar por inteira quando Rony apertou gentilmente um dos seus seios sobre a blusa. Um gemido baixo e tímido escapou dos seus lábios.


 


Hermione fungou, limpando as lágrimas que agora caiam copiosamente. Ela tinha certeza que aquela dor nunca iria abandoná-la, o enorme vazio parecia ecoar em seus ouvidos...



Toda a felicidade que sentira naquele dia parecia uma realidade tão distante... Tudo parecia tão sem sentido...


 


 


...................................................


 


 


Nos dias que se seguiram eles não falaram mais de Rony. Hermione embora se esforçasse para seguir em frente, vinha sustentando uma expressão desolada e chorosa.


 


Nenhum dos dois, nem ela nem Harry, voltou a mencionar o nome de Rony. Harry a ouvia chorar quase todas as noites e se perguntava como seu amigo podia ser tão imbecil... Ele tinha a oportunidade de ficar ao lado da garota que gostava e simplesmente a abandonava.


Ah sim, Harry havia descoberto que Rony gostava de Hermione muito antes do próprio amigo.


 


Nesse meio tempo, ele pegou o hábito de examinar o mapa do maroto. Esperava encontrar, assim como Hermione, o pontinho com o nome de Ronald Billius Weasley a qualquer momento andando pelo castelo, comprovando sua teoria de que ele retornaria a sua confortável condição de sangue puro. No entanto, Rony não aparecia e, depois de algum tempo, Harry viu-se olhando o mapa apenas para ver o nome de Gina. Ele se perguntava se a intensidade com que fitava o mapa poderia penetrar o sono da garota, se ela poderia saber que ele estava pensando nela, desejando estar com ela, de beijá-la e abraçá-la.


 


 


................................................................................


 


 


Os dias se passavam com uma torturante lentidão. Rony se perguntava frequentemente se ele poderia se sentir pior do que estava se sentindo.


 


Seu joelho e suas costelas tinham melhorado a ponto de não haver mais nenhuma dor incomoda.


 


No entanto, seu peito continuava comprimido dolorosamente. Não fazia a menor idéia do que fazer, para onde ir.



Não podia ficar na casa do seu irmão para sempre, precisava pensar em uma maneira de encontrar Harry e Hermione, e precisava fazer isso logo... Cada minuto parecia uma eternidade para o seu coração desesperado, e sabia que a cada dia que se passava eles poderiam estar mais longe.


 


Sem falar que mais dia menos dia seus pais acabariam aparecendo e descobririam que ele estava ali. E se isso acontecesse estaria definitivamente perdido. Podia escutar a voz aflita de sua mãe dizendo que ele nunca mais sairia de perto da sua família.
Queria muito ver seus pais e seus outros irmãos, mas saber através de Gui que todos estavam bem já era suficientemente reconfortante.


 


Seu único passatempo, durante aqueles dias tediosos e intermináveis, era escutar aquele maldito rádio.


 


O natal se aproximava, e o frio era cada vez mais intenso.


Esperava que Hermione soubesse os feitiços certos para aquecer o ambiente. Sorriu para si mesmo, era lógico que Hermione saberia os feitiços, afinal ela era a bruxa mais inteligente e brilhante que já conhecera na sua vida.



Harry tinha sorte de tê-la ao seu lado...
Seu sorriso morreu ao pensar que os dois estavam juntos, provavelmente reconfortando um ao outro enquanto ele estava ali sozinho e se sentindo um verme, um nada... o maior de todos os idiotas da face da terra.


 


Adormeceu pensando em como seria bom sentir o corpo quente de Hermione contra o seu, de como seria bom poder tocar os lábios dela com os seus gentilmente, explorando cada pedacinho daquela boca macia e absurdamente deliciosa. Queria se perder no cheiro inebriante que os cabelos fofos e cacheados dela exalavam.


..................................


 


 
O dia amanhecera nublado, como vinha acontecendo desde que Voldemort havia retornado. Mesmo durante o verão os dias eram nublados e frios, e agora, no alto do inverno, pareciam ainda mais cinzas e gelados.


 


Andou vagarosamente pela areia fofa, o ar gélido parecia cortar sua pele, mas ele não se importava, gostava de olhar o mar de vez em quando. Era tão assustadoramente imenso, e, em dias frios como aquele, parecia sombrio e triste.


 


Quando pensava em tudo que seus amigos poderiam estar passando, seu coração parecia bater na garganta, sufocando-o de uma forma dolorosa.


 


Gui o observava pela janela da sala. Seu irmão estava abatido, andava como se carregasse uma dor muito funda e pesada. Embora Rony nunca tivesse falado nada a ele, suspeitava que tivesse brigado com Harry e Hermione e agora se martirizava por tê-los deixado. Podia imaginar a culpa que seu irmão mais novo sentia.


 


..........................................................


 


Rony passava grande parte dos seus dias no quarto, deitado na cama, amargando sua estúpida escolha de sair daquela barraca.



Olhava distraidamente para o rádio ligado sobre a cômoda, embora não estivesse realmente prestando atenção nele...  


 


O cheiro de banho invadiu seu cérebro. Aspirou o perfume de Hermione e seu membro voltou a se manifestar vigorosamente. Seus pensamentos ficaram confusos e a única coisa racional na qual conseguia pensar era em puxá-la pela cintura e tomar seus lábios para si, fazendo-a arquejar e gemer dentro na sua boca.


 


Os cabelos molhados, a pela alva e delicada. Notou que ela estava mais magra... mas ainda assim exibia belas curvas. Como havia resistido tanto tempo sem tocá-la. Era linda!


 


Ele fechou os olhos sentindo uma sensação angustiante, que parecia querer sufocá-lo.


 


O rádio continuava ligado, mas ele não prestava atenção exatamente, as vozes que saiam dali pareciam distantes, sua mente estava perdida em pensamentos que o levavam diretamente para junto de Hermione...



De repente a voz dela encheu o ambiente, chamando seu nome, ele abriu os olhos e fitou o aparelho em cima da cômoda, sentando-se, na cama, sobressaltado, levantando  depressa o volume do rádio.


Foi quando percebera que não fora dali que a voz dela havia saído. Merlin, estava definitivamente ficando maluco. Mais uma vez aquela voz aveludada se fez presente, falando algo sobre sua varinha, olhou um pouco assustado para seu bolso, tirou o desiluminador dali e cogitou por um momento que a voz tivesse saído dele.



Apertou o objeto entre seus dedos e as luzes do quarto se apagaram, ao mesmo tempo que uma luz perolada e brilhante apareceu no jardim da casa, pode vê-la pela janela.



Alguma coisa o dizia para ir atrás daquela luz, e foi exatamente isso que Rony fez.


 


Pegou sua mochila e correu até o jardim, uma sensação quente e reconfortante invadiu seu peito. A luz o envolveu e de repente tudo parecia tão claro, tão óbvio, tão certo...





 


................................................

N/A: Esse capítulo traz alguns flashbacks da Fic e está um pouco cansativo e nada emocionante, eu sei, mas ele era necessário...sorry!


Provavelmente o próximo capítulo irá demorar mais do que o normal, mas n se preocupem que ele virá... e ao que tudo indica será bem emocionante.


Agradecimentos:


Sociedade Sul 


Carolina Gomes 


Michelle M. Rossi 


Letícia M. Klein


Priscilla Moreira


uk_rossi 


Joanaa 


Gii Rani


Viviane Barreda 


Tia Carolis 


Natie_Weasley 


Lua Tonks


Giselle Gomes


Mariih Wright 


the aninhaaaaaa


Marii Barb


Viviane grint 


fernanda


Verônica s.


Andreia Rainha


Camila Zaguetto


Meus mais sinceros agradecimentos a cada um de vcs... É realmente maravilhoso saber que despenderam um tempo da vida atribulada de vcs para lerem o que escrevo...


Obrigada por cada comentário, eles fazem meus dias mais felizes... Espero que continuem comentando, pq é através dos comments que busco inspiração e motivação para continuar.


Um grande beijo a todos!


 


Obrigada pela paciência e pelos comments de todo mundo...



Bjão!


 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por mirely lopes em 04/07/2011

é incrível o poder que um exerce sobre o outro!

esse casa é d+

 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por fabiane lopes em 09/05/2011

digue la mais magia e o nosso fascinio ne

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por fabiane lopes em 09/05/2011

nao ta cansativo amor ta lindo ta show estou impressionada como pode se superar a cada capitulo me impressionando?

parece magica kkkkkk

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 12) - Copyright 2002-2017
Contato: clique aqui

Moderadores:


Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.