FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 



(Pesquisar fics e autores/leitores)



 




 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

16. Imutável


Fic: In Aeternum


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Capítulo 16- Imutável


- Ronald Weasley-


Assim que uma leve batida deu certeza à Rony de que a porta se fechara, ele achou ser seguro soltar a mão de Hermione.


- A Sala Precisa...- ela olhou para ele, muito vermelha.- era isso que você tinha em mente então?


- Achei que perceberia mais rápido!- Rony imitou Hermione e percorreu os olhos pela sala. Não estava tão diferente da última vez que haviam visto, durante a Guerra.


Hermione começou a caminhar lentamente, o rosto muito vermelho. Pousou as duas mãos na poltrona que estava quase no centro da sala. Seus olhos finalmente encontraram os de Rony.


- V-você também tem a sensação...a sensação de que...- ela engoliu em seco.- Isso é errado...?


Rony riu e aproximou-se dela, puxando sua mão para que ela se sentasse junto à ele na poltrona.


- Mione...sinceramente, achei que você iria me bombardear de perguntas assim que eu chegasse aqui. Mas nunca imaginei ainda ver essa expressão de boa aluna preocupada no seu rosto, achando que está quebrando alguma regra.


Hermione mexeu-se levemente, deixando que Rony abraçasse suas costas. Encolheu as pernas, passando os dois braços ao redor delas.


- Como assim bombardear você de perguntas?- ela olhou para ele.


- Você parece muito calma...como se já desconfiasse que Harry e eu fôssemos aparecer por aqui tão cedo.


Ela descansou a cabeça no ombro do garoto, suspirando.


- Conheço vocês dois há muito tempo...isso me dá algumas vantagens para adivinhar o que vocês estão planejando...


- E mesmo assim você não adivinhou que eu estava querendo vir para a Sala Precisa, e fugir de todo aquele barulho da sala comunal?


Hermione riu e ergueu o rosto para ele.


- Eu desconfiei que você estava me trazendo para cá...e acho que já devem estar nos procurando...


- Explicaremos depois!- Rony falou alegre.


- Explicar...?- Hermione abraçou as pernas mais forte.- Explicar que...?


- É...pensando bem, é melhor não explicar. E mentir...podemos dizer que estávamos em qualquer lugar!


Hermione riu, menos nervosa dessa vez.


- Acho que vou ter que concordar em mentir dessa vez. Você já imaginou o que a Profª McGonagall vai achar do fato de estarmos fora da cama nesse horá-


- McGonagall?- ele a interrompeu- Como McGonagall vai descobrir que...


Hermione abaixou o rosto levemente, as bochechas corando.


- Não sei!


- Hermione- Rony fechou os olhos por alguns instantes, tentando conter uma risada.- Você sempre pensa assim? Desde o primeiro dia em Hogwarts?


Ele fez uma pausa, tentando ao máximo não debochar da garota. Hermione o encarava.


- Você acha que tudo que você fizer aqui dentro será descoberto pelos professores?- dessa vez ele não reprimiu uma risada.


- Ah, qual é o problema?- o rosto muito vermelho de Hermione parecia não querer ceder.- Eu pensava de um jeito pior. Achava que poderia interferir nas minhas notas, além de perdermos pontos para Grifinória!


Rony riu durante muitos segundos e Hermione o acompanhou, seu semblante preocupado e envergonhado aos poucos se desmanchando.


- Acho que eu entendo um pouco melhor seu comportamento, sabendo disso...


- É, sério Ronald- ela olhou ao redor como se alguém pudesse repentinamente entrar na sala- o que garante para você que isso não irá nos prejudicar?


- Nada- ele deu de ombros, uma mão no rosto dela.- Nem sempre a vida dá garantias.


Hermione estava abrindo a boca para retrucar, mas Rony foi mais rápido e delicadamente pousou os lábios nos dela, a silenciando.


Por um breve segundo, ela ficou paralisada. Suas mãos alcançaram o peito do garoto, realizando um pouco de pressão para trás. Ele se afastou, querendo entender porque ela estava agindo daquele jeito.


- Senti saudades de você.- ela sussurrou, seus olhos nos dele.


- E você está me parando por que...?


Ela riu mais alto dessa vez. Com a mão direita ela começou a dar leves beliscões no braço de Rony. Ele não sentia dor, mas observava a atitude da garota, surpreso.


- Parece que estar em Hogwarts desperta algo...não sei explicar o que...


Rony não a deixou continuar:


- Tive a mesma sensação desde que cheguei.


Ela parou o que estava fazendo. Rony segurou as duas mãos pequenas de Hermione nas suas.


- Quando vi...você parada na entrada do salão...parecia...parecia...- ele sacudiu a cabeça, querendo pensar em um jeito melhor de falar.- Não sei explicar bem, mas era como se tivéssemos voltado no tempo.


Hermione riu, acenando a cabeça afirmativamente.


- É como se ainda tivéssemos aquela rotina...sala comunal, aulas, jardins...- ela falou, antes que ele a impedisse.


- Exatamente...não sei o que ocasionou isso. Estivemos aqui durante a Guerra e...


- Mas era tudo tão diferente!- Hermione ajeitou o corpo na poltrona.


- Você tem razão...era muito diferente...


Os dois ficaram sorrindo, em silêncio. Seus olhos não estavam olhando para o mesmo local, mas ambos estavam envoltos por muitas lembranças daquele lugar.


A sala precisa, por exemplo, reunia diversas lembranças e era apenas um dos lugares que fazia parte da história deles. Rony lembrou das reuniões da AD, dos treinamentos que ele e Hermione realizavam juntos. Lembrou da mudança da sala quando os membros da Armada passaram a usar como moradia- a maioria das características se mantinha no cenário em que estavam agora, como se a sala quisesse realizar um tributo aos heróis de Hogwarts. Lembrou também da forma da sala feita para esconder objetos, do fogo os perseguindo...do cheiro de morte que se seguiu...


- Esse castelo tem muitas memórias...- Hermione fez com que ele acordasse, saísse de seus pensamentos.


- Eu estava pensando nisso...


Hermione se aconchegou em seu peito, descansando a cabeça ali. Rony passou os braços ao redor dela e inspirou profundamente o perfume que vinha dos cabelos da garota.


- Eu também senti muito a sua falta...


Ele esperou para ter certeza de que ela estava realmente calma, e começou a narrar desde quando ele e Harry haviam decidido visitá-las. Hermione questionou como eles haviam feito para chegar até ali, querendo saber, aflita, se Rony estava se sentindo completamente seguro para aparatar.


Depois disso, ela começou a contar para Rony sobre o dia a dia em Hogwarts, as aulas e sobre os professores. Questionou Rony sobre a Academia de Aurores e ele ficou longos minutos contando como estava funcionando.


- Imaginei que vocês não seriam bem recebidos por todos...- Hermione falou em tom baixo.


- Não se pode agradar todo mundo.


O sorriso de Hermione diminuiu um pouco, parecia estar se lembrando de algo.


- Falando em agradar todos...tem um professor...


Rony olhou seriamente para ela, a sobrancelha franzida.


- O novo professor de DCAT...


- Que tem ele?- Rony não entendia porque aquele assunto estava incomodando a garota.


-Ai, Rony...não sei! Mas ele é estranho. Muito estranho!E estava realmente interessado em saber tudo sobre a nossa viagem, as Horcruxes...


- Mas se ele é professor de Defesa...


- Gina também achou estranho!- Hermione quase perdera o fôlego- E eu não sei o que me faz ter um pouco de medo desse professor, mas ele...bom, na verdade ele está tentando forçar uma conversa desde a viagem de trem...


- Você não deveria perder seu sono nisso...- Rony apertou os ombros de Hermione carinhosamente.- Ele provavelmente só está interessado na fama da história...


- É...- Hermione suspirou- Tem razão...


- Mas- Rony congelou no meio do movimento, os olhos perdidos na sala.- Quando você diz que ele está tentando forçar uma conversa...?


Hermione ficou em silêncio, sem encarar o garoto nos olhos.


- O que você quer dizer com isso?- ele olhou nos olhos da garota.


- Bom...é a impressão que eu tenho. Dá a impressão de que ele me persegue...- Hermione evitou olhá-lo- Um professor vir falar com você na mesa de alunos certamente é...


- Ele o que?- Rony se endireitou e forçou Hermione a encará-lo. - Quem é esse sujeito afinal? Que tipo de professor...Professor estilo Snape? Estilo Lupin?


- Estilo?- Hermione riu demoradamente, parecendo querer fugir do assunto.- É um professor normal, Ronald!


- Professor normal!- ele revirou os olhos.- Você acabou de falar que ele estava tentando forçar uma conversa, Hermione!


- Sim, falei!- o rosto dela estava muito vermelho.- Mas acho que já estamos crescidinhos demais para esse tipo de preocupação, Ronald! Eu sei me cuidar!


Ela se levantou rapidamente, tomando distância dele.


Rony desviou o olhar dela: a situação, a maneira com que falavam, tudo lembrava intensamente os tempos de Hogwarts. O que ele menos queria naquele instante, era ter mais uma briga sem motivos.


- Que tipo de preocupação?- ele inclinou o corpo para frente na poltrona.- Você adivinhou o que eu estou pensando?


Hermione cruzou os braços defensivamente na frente do corpo.


- Por que você ficou tão agressivo de repente?


- Eu não estou agressivo!- ele levantou da poltrona com um salto.- Você que começou a falar desse professor, falou que estava com medo dele...


- Sim, falei!- Hermione tinha o rosto tão vermelho que ele achou que deveria parar de falar se não quisesse sérias conseqüências.- E pensei que poderia receber alguma ajuda, algumas palavras que me fizessem desacreditar em Gina!


Rony tentou se aproximar dela. Não queria que Hermione pensasse nada errado. A garota não deu sinais de que iria se dar por vencida.


- Desculpe por ter me exaltado, eu não queria...


- Tudo bem- Hermione respondeu seca.


- É sério, Hermione eu...


- Eu disse que tudo bem.- ela passou por ele e se sentou na poltrona, apoiando a cabeça na mão.


Ele ficou parado. Não era assim que havia imagino a ida à Sala Precisa com Hermione.


- Deixa esse professor pra lá. Ele provavelmente só é mais uma pessoa metida...nada de mais...- ela falou, soando desanimada. Provavelmente o mesmo pensamento em mente que preocupava Rony agora: será que as brigas seriam ainda tão constantes?


- Claro...- Rony falou mais animado, aproximando-se dela.


- Bom, eu termino Hogwarts esse ano...mesmo que ele queira permanecer na escola não vou mais precisar fugir dele. Ele quer que a gente participe de seminários com as turmas...


Ela franziu o nariz e Rony riu.


- Isso está muito moderno para um professor de Hogwarts!- ele riu e Hermione o acompanhou.


- É...ele é moderno para Hogwarts.- ela sacudiu a mão no ar, como se espantasse um inseto.- Provavelmente vai se cansar disso aqui e ir atrás de algo mais interessante...


Rony silenciou. Hermione ainda sorria, parecia desfrutar de uma piada particular.


- O que um cara como ele quer em Hogwarts, afinal?- ela debochou.


Rony franziu a testa.


- Um cara como ele?


- Ah, você entendeu Rony!- Hermione enlaçou o braço no dele.- Quer dizer, uma pessoa tão jovem assumindo um cargo que tem uma história tão sombria. Além do mais, virar professor de uma matéria como essa tão cedo...


Rony instintivamente afastou o corpo do dela.


- Você fala essa coisas como se...bom...ele é tão jovem assim?


Hermione riu, parecendo compreender o pensamento do garoto.


- Parecia ser. Tinha algumas rugas para disfarçar...- ela riu mas Rony não a acompanhou.


- Você parece ter reparado bem...


Hermione fechou a cara naquele mesmo instante.


- O que você está querendo dizer, Ronald?


- Eu não estou querendo dizer nada! Você que gastou todo o nosso tempo aqui dentro me falando sobre esse tal professor!


- Ah, por Merlim!- ela quase gritava quando se levantou da poltrona novamente.- Não acredito que você vai agir como uma criança novamente!


Rony ficou calado. Ela não entendia! Por que ela estava falando sobre aquele professor? Por que não haviam ficado mais tempo no assunto sobre o que haviam feito nos últimos dias, quando estiveram longe?


O fato é que saber que Hermione estava tendo uma vida longe dele, conhecendo novas pessoas que ele nem sequer fazia idéia, estava lhe dando a sensação de que poderia a perder a qualquer instante.


- Ronald!- ela chamou a atenção dele, como se tivesse perdido a paciência por ele não continuar a provável briga.


- Como é o nome desse professor?- ele falou debochando. Não sabia o porquê dessa necessidade repentina de saber quem eram as pessoas que estavam ao redor dela, como eram, o que faziam, que impacto tinham na vida de Hermione.


- Professor Gareth...


- Professor Gareth...- Rony repetiu, balançando a cabeça.- Gostaria de ver a cara desse...


- Rony, você pode, por favor, parar por um instante? Você está perdendo a cabeça por algo-


- Hermione...você mesma faz questão de me lembrar a cada instante que me conhece suficientemente bem!- Rony começou a caminhar nervosamente pelo aposento, as mãos firmes ao lado do corpo.


- E é exatamente por isso que eu sei que o que está nessa sua cabeçinha não tem sentido algum!


Ele parou, as orelhas vermelhas e o cabelo bagunçado. Ele percebeu um leve tremor no corpo de Hermione, mas não se importou.


- É fácil para você falar...não é você que está morando num apartamento pequeno demais para três pessoas, trabalhando feito louco e sem poder saber o que está acontecendo por aqui...


- Você está querendo dizer que eu não sofro por estar longe de você? Que meu dia a dia em Hogwarts é fácil?- Hermione retrucou rapidamente, como se já soubesse as acusações que viriam.


- Não falei que você não sofre por estar longe, só acho que é muito mais fácil para você, estando aqui em um lugar que você morou a vida inteira! Fazendo novos amigos- ele debochou- eu nem ao menos posso saber como é a cara desse sujeito, o tal professor Gareth!


- Ronald!- ela parecia querer começar a falar, mas ele a impediu. Aproximou-se rapidamente.


- A impressão que me passa, Hermione,- ele frisou o nome dela de uma maneira quase pejorativa. A garota se encolheu- é que ele está incrivelmente interessado em sua fama! E daí para o interesse pessoal em você é apenas um passo!


O peito de Hermione subia e descia. Seu rosto incrivelmente vermelho chamava mais a atenção para seus olhos úmidos.


- Eu simplesmente não acredito que estou escutando isso de você!- a voz dela saiu fraca, mas ele escutou perfeitamente bem.


Ele tinha vontade de continuar falando. Continuar extravasando todos aqueles sentimentos que ele nem ao menos sabia de onde estava vindo.


Ele havia esperado ansiosamente por aquele momento, sentia a ansiedade o tomar durante toda a semana, apenas esperando o momento em que estaria com Hermione. E de repente, ele encontra a garota naquela rotina normal de escola, vestindo o mesmo uniforme de sempre, comendo no mesmo horário as mesmas comidas maravilhosas da cozinha de Hogwarts e ele...estava se sentindo como um completo idiota na Academia de Aurores, mesmo que aos poucos parecesse melhorar.


Será que esse sentimento era real? Será que Hermione estava agüentando a distância com maior facilidade? Aparentemente sim, pois a garota não agira com a surpresa esperada à chegada dele.


- Você me trouxe até aqui para que tivéssemos um momento só nosso...- a voz embargada dela pareceu tirar suas defesas.- Parecia que você previa que poderíamos terminar em briga...afinal, isso não acontecia há bastante tempo.


Ele permaneceu em silêncio. Olhou para ela. A distância que estavam agora mal permitia que ele visualizasse seu rosto com perfeição.


- Você não tem o direito de me acusar de estar levando isso com maior facilidade. Agir como se, apenas por eu estar em Hogwarts eu não sinto a sua falta.


Rony deu um passo em direção a ela, sentindo as pernas dormentes. Queria usar o feitiço Lummus e poder tirar aquele efeito de penumbra da sala, que antes ele achara tão conveniente, mas que perante essa situação já não parecia mais.


- Mione, eu...- suspirou. Caminhou mais um pouco e deixou apenas alguns centímetros de distância entre ambos.- Eu não queria brigar com você, eu...


Hermione mantinha a cabeça baixa.


- Eu apenas tive uma semana muito estressante...- ele passou a mão pelos cabelos ruivos.- E tive...tive a impressão errada em relação a esse professor...


- Impressão errada...- a voz dela estava abafada, mas mesmo assim ele sentiu o tom de deboche.- Seus ciúmes necessitam de tratamento...


- Me desculpe...- a mão dele alcançou os cabelos fofos da garota. Ela estremeceu com o toque, surpresa.- Não vamos mais falar sobre isso...


Hermione permaneceu quieta. Ele viu um pequeno sorriso se formar em seus lábios.


- Parece que nosso quarto ano voltou e está pairando sobre nossas cabeças...- ela levantou o rosto e o fitou enquanto falava.


- Quarto ano? Sério?- ele achou que piadas já eram permitidas naquela altura, Hermione parecia mais calma.- Acho que nosso sexto ano foi o recorde de brigas.


Hermione riu, mas mais pareceu um bufar de um gato brabo.


- Você consegue me fazer gostar mais de você, Ronald Weasley...mesmo quando estamos brigando...


Ela se aproximou dele devagar, e passou os braços ao redor do corpo do garoto, mantendo a distância suficiente para olhá-lo nos olhos.


- Então acho que vamos manter as brigas por enquanto...para não perder o costume...


Os dois riram e Rony colou a testa na dela. Tinha certeza que Hermione estava experimentando a mesma sensação que ele. Os momentos após suas antigas brigas, eram sempre marcados por um grande constrangimento, raiva acumulada, palavras não ditas. Era bom saber que poderiam trabalhar aquilo: que o final de briga terminaria em reconciliação. Talvez os dois soubessem, desde o começo, que as brigas eram inevitáveis.


Rony gostou da sensação de que haviam passado por cima daquela dificuldade. Hermione parecia mais sensível ao seu toque, quando ele levou a mão ao rosto dela.


- Mas você vai ter que concordar comigo, Mione...- ele sussurrou, enquanto deslizava as costas da mão em sua bochecha.- Nossas brigas no primeiro, segundo,terceiro, quarto ano, todos os anos!...teriam sido muito mais proveitosas se tivessem sido finalizadas desse jeito...


Hermione riu. Com os olhos fechados, ela deslizou as mãos para o peito de Rony.


- Você tem razão...- a voz dela era suave, extremamente convidativa.


Rony fez a única coisa que pareceu racional naquele instante: uniu seus lábios em um beijo suave.


Hermione levou as mãos ao pescoço do garoto. Rony forçou o rosto para trás, fugindo do leve aperto da garota, apenas para olhá-la nos olhos.


- Bom, pensei em mais uma vantagem...- eles falavam tão baixo, que tinham a impressão de que se comunicavam mais com o olhar do que com palavras.


- Qual?- Hermione quase não pronunciou a palavra.


- Eu fiz você parar de pensar em regras e toque de recolher. Acho que por um instante você esqueceu que é uma aluna de Hogwarts fora da cama... depois do horário...


- Você tem razão...- ela riu, o corpo balançando levemente com o movimento.


- Você só precisa tirar o uniforme para esquecer completamente que está na escola!- Rony não evitou a piada, sabia que arrancaria mais risadas de Hermione.


- Ronald!- ela tentou fingir indignação, mas o leve tapa que deu no braço do garoto não foi convincente. Ele sabia que estava melhorando o humor dela.


Os olhos dela se demoraram no rosto de Rony, um brilho diferente neles.


- Eu não deveria estar pensando nisso agora...- a voz dela era baixa.- Eu não deveria- ela elevou a voz, interrompendo a fala do garoto- estar pensando em nada mais. Nem que estamos em Hogwarts, nem em estudos, nem aulas, nem regras.


- Que bom que percebeu.- Rony sorriu de um jeito bobo, estufando o peito. Ela afirmou com a cabeça.


- Afinal, durante todo esse tempo em Hogwarts nós provavelmente já quebramos todas as regras que estão no livro na sala do Filch...- ela falou, o rosto vermelho.


Rony sabia que era difícil para ela admitir aquilo.


- Não todas, mas a maioria...- ele respondeu, sentindo a vibração daquele momento mudar.


- Não custa quebrar mais algumas...- ela falou tão baixinho que Rony estava quase pedindo para que ela repetisse.


Mas Hermione foi mais rápida. Seus braços já estavam novamente ao redor do pescoço de Rony e seus lábios pareciam querer travar uma luta, em um beijo sem fôlego.


Rony sentiu um calor se espalhar em todo o corpo, desde a ponta de seus dedos até os cabelos. Inclinou-se sobre a garota e percorreu as costas dela gentilmente.


Aos poucos, diminuiu a intensidade do beijo, enquanto seus dedos se perdiam nos cabelos de Hermione.


- Seu humor está oscilando, Mione- ele falou, sem fôlego.


- Suas brigas e provocações fazem isso comigo...- ela estava mais sem fôlego do que ele.


- Não sei porque não me aproveitei disso antes...- ela riu com a frase do garoto e dessa vez ele aproximou o rosto, deixando que Hermione jogasse seu peso sobre ele. Com as duas mãos livres, ele explorou o corpo da garota, sentindo seu rosto corar dessa vez.


Era tão estranho estar naquela situação. Ele sentiu uma nostalgia se apoderar de sua mente, ao pensar que se ele não tivesse sido tão cabeça-dura, momentos como aquele poderiam ter acontecido muito antes.


Ele se afastou e mirou Hermione nos olhos. Começou a analisar cada detalhe em seu rosto e depois deixou que seu olhar se perdesse em seu corpo.


As duas pernas de Hermione estavam um pouco mais amostras do que deveriam, por debaixo da saia do uniforme. Ela pareceu entender o que ele estava olhando e rapidamente mudou de posição, saindo de cima dele e puxando a roupa para que voltasse ao normal.


Rony riu enquanto se aproximava dela, já inclinando o rosto para outro beijo.


- Hermione Granger-


A sensação de que aquilo era muito errado não saía de sua mente. Por que ela não se sentia culpada quando haviam ficado daquela maneira na sua casa e pior...na casa de Rony? Onde poderia ter sido pegos a qualquer momento?


Odiou a maldita mania que tinha de querer ser perfeita na escola. Rony a beijava novamente e ela concentrou todas as suas energias naquilo, querendo aproveitar cada instante ao lado do ruivo.


Ele começou a beijar o seu pescoço lentamente. Um tremor a tomou. Ela sentiu o hálito quente de Rony onde no instante anterior estavam seus lábios.


- Tudo bem, Mione?


Ele ergueu o rosto e beijou os lábios dela por um breve segundo.


- Você parece nervosa...


Ela passou a mão pelos cabelos e sorriu. Por que estava desperdiçando aquele momento? Deveria aproveitar a surpresa que Rony havia carinhosamente preparado, agora que os ânimos não estavam mais exaltados.


- Desculpe...


Odiou seu pensamento, seu raciocínio e todas aquelas imagens que se passavam na sua cabeça. Seu cérebro trabalhava demais, inclusive em horas que não deveria. Mas aquilo não tinha solução pronta: eram fatos que faziam parte da história dos dois, que haviam os levado até onde estavam.


Rony a observava atentamente, um sorriso brincalhão no rosto. Aproximou o rosto e beijou o canto de seus lábios.


- Você não mudou nada, Hermione.


Ela esvaziou o pensamento enquanto abraçava o corpo de Rony fortemente contra o seu. Com os lábios colados, Hermione passeou as mãos pelos cabelos de Rony.


Ele a abraçou de volta com mais força do que o normal, fazendo a garota sentir uma leve dor - mas ela não reclamou. Respondeu com a mesma empolgação, os dois braços ao redor do pescoço do ruivo sinalizando para que ele continuasse.


A mão de Rony parecia já conhecer o seu corpo tão bem- ela teve que controlar todos os seus instintos enquanto sentia a mão direita dele na sua coxa. Ela sorriu internamente ao ver o efeito que uma pequena briga poderia causar- a necessidade de reafirmar que se amavam, que aquilo não havia sido nada.


Ela separou os lábios do beijo sem fôlego e alcançou o pescoço de Rony. Sentia leves tremores no corpo, uma euforia a tomava a cada beijo.


Ela beijou delicadamente a pele exposta do pescoço do ruivo. Parou brevemente, apenas para observar a reação do garoto: a mão que estava em sua coxa havia paralisado. Ela beijou fortemente a pele branca, desejando deixá-la vermelha. A mão de Rony mostrou a reação do garoto da melhor maneira possível, em um aperto quase doloroso.


Hermione trilhou o caminho até a boca de Rony, sem deixar que seus lábios perdessem contato, tocando cada pedaço do rosto do garoto.


Rony puxou seu rosto com a mão livre com força, enquanto a beijava ferozmente, seu gosto incrivelmente vívido.


Ela sentiu que estava sendo erguida do chão- ou puxada para outro lugar, era difícil dizer. A única coisa que teve consciência naquele momento, foi que seu uniforme estava sendo praticamente arrancado enquanto suas mãos travavam uma batalha árdua para conseguir dominar novamente Rony.


Flashback


Hermione caminhava ao lado dos dois amigos, o pensamento funcionando mais rápido do que os passos que davam. Sentia uma sensação estranha na barriga ao lembrar do rosto de Lilá, um sorriso estampado, tentando a todo custo chamar a atenção de Rony para si. Hermione sentiu-se mal ao pensar que nada poderia impedir a garota de conseguir o que queria. Afinal, ela estava desde sempre ao lado de Rony, mas isso não o tornava nada mais do que um amigo para ela. Eles nunca haviam passado dessa etapa.


-Eu pensei que não iria pegar a quarta falta- Rony disse feliz. - Arremesso complicado da Demelza, você viu? Teve um pouco de curva nela...


Hermione ficou parcialmente atenta ao fato de ele estar puxando papo. Parecia realmente muito feliz consigo mesmo.


- Sim, sim, você foi magnífico- ela respondeu, tentando não manter muito contato com os olhos do garoto.


Ah, ela não queria lembrar daquela cena. Não queria lembrar que talvez, Rony só estivesse no time porque ela, de certa forma, intervira. Lembrou-se do momento em que Cormaco estivera pronto para defender uma falta, fato que poderia ter sido facilmente executado por ele. Mas Hermione achou que se pudesse dar um empurrãozinho, as coisas não precisariam ficar tão complicadas.


Lilá praticamente pulava no banco que estava sentada, não parecia capaz de ficar parada. Hermione não queria ver um sorrisinho de satisfação no rosto da garota, mas não queria também ver Rony desolado por não conseguir entrar no time.


Sabia que ele era capaz, confiava no que o amigo era capaz de fazer. Mas sabia também, que Rony podia muito bem sucumbir à pressão e ao nervosismo.


Sem pensar duas vezes, fixou seu olhar em McLaggen e nem precisou falar em voz alta o que pretendia, apenas apertou sua varinha e estreitou os olhos em direção ao garoto. Assistiu o candidato a goleiro ficar confuso, sem saber o que acontecia, enquanto se dividia entre o alívio de poder estar ajudando Rony, e o medo de que alguém descobrisse o que estava fazendo.


"É apenas uma seleção dos jogadores...- pensou, tentando fazer seu coração acalmar.- Rony merece estar no time. Aquele McLaggen é muito cheio de si."


Fechou os olhos, suspirando. Não queria lembrar do sentimento que se apossou dela. Havia sido movida muito mais pela raiva, do que por qualquer outra coisa. Além do mais, após ter ouvido pelos corredores McLaggen falar o que bem entendesse dos Weasley, ela achou que ele merecia sentir pelo menos por um dia que podia ser derrotado.


"Esses Weasley´s...não sei porque continuam tentando jogar Quadribol. Só estão no time por serem amigos do Potter...o que eles pretendem afinal? Comissão por cada jogo? Não sei quem é pior...se é aquela garota Weasley ou o melhor amigo do garoto cicatriz. Se tivessem algum talento podiam ter arranjado um dinheiro para que a família não andasse por aí aos trapos."


Hermione olhou para os amigos, não queria lembrar das palavras de McLaggen, nem o que elas haviam causado.


- Eu era melhor do que esse McLaggen de qualquer maneira- disse Ron com uma voz altamente satisfeita.-Você o viu virar a vassoura na direção errada em sua quinta falta? Ele parecia confuso...


Hermione olhou para frente, sentindo o rosto mais quente do que deveria. Sentiu os olhos de Harry presos nela, mas não quis encarar o amigo.


Ah, não! Ela passara anos tentando fazer Rony entender diversas coisas, ler suas expressões, saber como ela se sentia em relação as suas brigas e o garoto simplesmente não saía do chão. Agora Harry...Harry parecia ter um radar embutido para saber quando Hermione estava tentando esconder algo.


O amigo sempre sabia se ela estava triste ou magoada. Era por isso que tinha um sentimento tão forte de irmão em relação ao amigo. Eles podiam se entender com apenas um olhar.


Já Rony...bom, Rony continuava a descrever todos os seus atos no jogo de seleção, alheio ao fato de Hermione estar completamente vermelha ao seu lado, querendo que ninguém percebesse o sentimento que se apoderara dela.


Harry insistiu, queria travar uma conversa com Hermione. Ela fugia-sabia muito bem onde aquela conversa iria chegar.


-Que?- disse defensivamente, quando não conseguiu mais fugir do amigo.


- Se você me perguntasse-disse Harry discretamente, não querendo que Rony escutasse-McLaggen parecia confuso esta manhã. E ele estava exatamente em frente ao lugar onde você estava sentada.


Hermione corou.


- Ah, tudo bem. Eu fiz aquilo- ela sussurrou. Não adiantaria mentir para Harry. Ele já somara dois mais dois.- Mas você deveria ter ouvido a maneira que ele falava sobre o Rony e a Gina! De qualquer forma, ele tem um temperamento asqueroso, você viu como ele reagiu por não estar dentro... Você não iria querer alguém como ele na equipe.


-Não- disse Harry.- Não, eu suponho que é verdade. Mas isso não é desonesto, Hermione? Quero dizer, você é uma monitora, não é?


Hermione suspirou aliviada. O amigo entendia o que se passava com ela.


- Ah, fique quieto- ela vociferou, enquanto ele sorria em direção à ela.


- O que vocês dois estão fazendo?- reclamou Rony, reaparecendo na entrada do Salão Principal e olhando para os dois.


Obviamente o atraso dos dois para entrar no salão despertara a curiosidade do garoto.


- Nada!- Hermione e Harry responderam em uníssono.


(...)


Harry olhava esperançosamente para Rony, como que esperando um apoio na conversa. Hermione achava que aquele assunto não iria a lugar algum. Não queria mais escutar Harry falar de sua desconfiança em relação ao Malfoy, ela mesma acabara de contar para o amigo todas as medidas de segurança que haviam sido tomadas para que ninguém trouxesse nenhum tipo de material perigoso para dentro do castelo. Filch daria um jeito até de interceptar cartas cujo conteúdo parece suspeito.


Rony não parecia querer defender Harry, muito menos falar algo ruim sobre Malfoy. Hermione acompanhou o olhar de Rony. O garoto estava quase jogado na poltrona da sala comunal, parecendo extremamente confortável.


O estômago de Hermione despencou, novamente e da maneira mais incômoda possível, quando ela viu onde o olhar de Rony terminava: Lilá Brown.


- Você pode imaginar uma maneira que Malfoy...?


- Ah, deixe isso pra lá, Harry- disse Rony.


- Escute, não é minha culpa que Hermione e eu fomos convidados por Slughorn para essa festa idiota, mesmo nenhum de nós querendo ir, você sabe!- Harry disse, explodindo.


-Bem,como eu não fui convidado para nenhuma festa- disse Ron, se levantando- acho que vou para a cama.


E saiu rumo aos dormitórios, deixando Harry e Hermione olhando fixamente suas costas.


Hermione não se sentia pronta para começar um diálogo. Queria que Rony permanecesse ali, queria poder desvendar o que havia por detrás daquele olhar.


Lilá tinha um sorriso tímido quando encarou Hermione e Harry. Hermione odiou aquilo, não queria saber o que se passava na cabeça da garota. Mas adoraria saber por que Rony repentinamente estava gostando das investidas da colega.


Aquela sensação horrível a tomou novamente. Havia uma resposta lógica para os olhares. Talvez o sentimento de Lilá não fosse tão absurdo assim, talvez estivesse surgindo algo entre ela e Rony. Como sempre, o garoto era muito cabeça-dura para saber o que acontecia com ele próprio.


Apenas mais tarde, quando já estava protegida debaixo das cobertas quentes no dormitório, foi que Hermione permitiu-se pensar verdadeiramente no assunto.


Já ponderara as atitudes que podia tomar em relação àquilo. Não sabia ainda como agir, apenas sabia que já deixara tudo muito claro para Ronald Weasley. Se ele pretendia corresponder os olhares de Lilá e deixá-la aproximar-se cada vez mais, ela não podia fazer nada.


Não poderia obrigá-lo a gostar dela.


Sentiu lágrimas quentes tomarem seus olhos e agradeceu por suas cortinas estarem fechadas ao seu redor. Havia sido tão idiota durante todo aquele tempo, dando indiretas para Rony, falando tudo que lhe vinha em mente, jogando na cara dele que ele estava com ciúme, e o garoto simplesmente não fazia nada em relação a isso! Obviamente, eles haviam ido muito mais adiante do que uma simples amizade, haviam dito coisas que mostravam verdadeiramente o que sentiam, e o que tentavam esconder. Mas repentinamente, durante aqueles dias, Hermione começou a notar olhares cada vez mais freqüentes entre Rony e Lilá. Sabia que o garoto não estava a testando. Se ele tivesse um sentimento em relação à garota, nada o impedia de ir em frente.


As atitudes dele, até a postura que tomava quando Lilá estava presente, serviam apenas para lembrar Hermione de como ele era diferente em relação a tudo aquilo.


- Ele estava olhando, não estava?- a voz era baixa, mas ao mesmo tempo entusiasmada.


- Shh!- ela sabia que a segunda pessoa da conversa era Parvati, considerando que a primeira voz pertencia a Lilá.


Durante todos aqueles anos em Hogwarts ela escutara as conversas das garotas sobre tudo. Sobre namorados, inimigas, amigas. De quem elas gostavam, quem elas não queriam ver na frente. Mas repentinamente, ter que escutar Lilá falar de seus sentimentos por Rony, pareceu uma tortura muito maior até do que a que sofrera nas mãos de Umbridge no quinto ano.


- Claro que estava olhando!- a voz de Parvati se afastava. As duas estavam indo para o canto do dormitório, Hermione escutava atentamente a mudança no volume das vozes.- Afinal, você não pára de encarar o garoto! O que você queria...?


- Eu não vou ficar sentada esperando!- risadinhas se seguiram. Hermione fechou os olhos com força. Uma vontade quase incontrolável de se levantar e mostrar a elas que estava acordada a tomou.


- Eu achei que ele e a Granger...


- Ah, fiquei quieta!- Lilá quase gritou dessa vez.


Hermione prendeu a respiração. Sabia que durante o comentário de Parvati havia alterado seus batimentos cardíacos, apenas não esperava que a energia que ela sentira emanar de si chegara às garotas.


(...)


Seu humor estava se mantendo no mesmo nível nos últimos dias. Mas ás vezes ela tinha a impressão de que poderia explodir com a pessoa que estivesse mais próxima.


- Bem, eu vou contar para Dumbledore, ele é o único que assusta Mundungo.


- Boa idéia- sussurrou Hermione vendo Harry se acalmar. A calmaria não durou muito. Como sempre, seus olhos vasculharam o outro lado e Rony estava lá. Ou pelo menos seu corpo estava lá. Já seu pensamento...


- Rony, o que você está encarando?- teve que controlar sua voz.


- Nada- Rony respondeu, enquanto olhava ao redor do bar.


- Eu acredito que "nada" está lá atrás pegando mais alguns Whiskeys de fogo...- disse rispidamente Hermione. Rony a ignorou, tomando um gole da bebida dele.


Hermione teve que conter a sua vontade de começar a gritar com o garoto. Primeiro Lilá e agora sua queda por Madame Rosmerta voltaria? E ela que achava que aquilo havia sido algo infantil, sem importância.


Garotos podiam ser realmente imaturos, mesmo com a idade avançando sobre eles.


(...)


- Ronald Weasley-


Seu sexto ano parecia não parar de trazer mudanças. Hermione mudara muito o comportamento com ele, parecia ás vezes estar magoada com algo que ele não sabia o que era. Ás vezes ele sentia os olhares da amiga enquanto ele deixava seu pensamento vagar. Tinha consciência também de que Hermione já o pegara olhando para Lilá na sala comunal. Mas a garota não podia realmente acreditar que ele sentia algo pela estridente colega, ou podia? Será que era esse tipo de pensamento que ela tinha? Será que ele já não deixara claro o suficiente tudo que sentia? Sentia-se mais imaturo do que sabia ser, toda vez que Hermione bufava impacientemente. Na maioria das vezes, ele sabia ser sua culpa.


- E então, como foi a última festa do Slughorn?-Harry perguntou para Hermione.


Rony apurou os ouvidos. Sempre fingia não ter interesse no que acontecia naquelas malditas reuniões, ainda mais sabendo que Harry e Hermione sempre eram convidados, enquanto ele não era nem sequer visto pelo professor Slughorn, mesmo que andasse ao lado dos amigos por todos os lugares de Hogwarts.


- Ah, realmente muito divertida- Hermione disse, enquanto colocava os óculos de proteção. Rony torceu para que o tom nada empolgado de Hermione significasse que ela não gostava realmente daquele tipo de programa. – Quero dizer, ele falou um pouco sobre suas façanhas famosas e bajulou absurdamente McLaggen pelo fato de ser bem relacionado. Mas a comida estava realmente boa e ele nos apresentou a Gwenog Jones.


- Gwenog Jones?- questionou Rony, arregalando os olhos por baixo dos óculos de proteção.- A Gwenog Jones? Capitã do Holyhead Harpies?


- Ela própria- Hermione disse.- Eu particularmente, a achei um pouco cheia de si, mas...


A professora Sprout interrompera a conversa naquele instante. Rony queria saber mais. Mas o que ele pretendia questionar para Hermione, ele jamais se atreveria a colocar em voz alta, ainda mais com Harry presente a apenas alguns palmos de distância.


- De qualquer modo- Hermione continuou a conversa interrompida como se nada tivesse acontecido. A cor em seu rosto e seu tom de voz diziam à Rony que havia algo mais.- Slughorn dará uma festa de Natal, Harry, e não há como você escapar pois ele, na verdade, me pediu que conferisse suas noites livres, assim ele estaria seguro de ter uma noite que você possa ir.


Rony tentava continuar com a tarefa de Herbologia, mas sua concentração parecia ter evaporado no momento que ouviu Hermione falando com Harry sobre a tal festa.


Instantaneamente, sentiu suas orelhas queimarem. Ela e Harry iriam juntos? O que Hermione pretendia com aquele tipo de conversa?


- Outra festa só para os favoritos do Slughorn, é?- sabia que seu tom era muito mais irônico do que devia, mas não foi capaz de conter.


- Somente para o Clube do Slug, sim- Hermione respondeu, seu tom de voz parecendo muito contido e artificial.


Rony se desconcentrou completamente na tarefa que deveria estar executando. Tinha a leve impressão de que poderia causar um acidente se continuasse trabalhando naquela estufa e ouvindo Hermione falar sobre a próxima festa.


Harry se afastou, provavelmente querendo impedir a bagunça que Rony estava prestes a fazer jogando resquícios das plantas para todos os lados. Ele não soube se foi aquilo que lhe deu força para continuar a conversa, ou se foi o vermelho no rosto de Hermione que lhe dizia claramente que a garota queria falar algo mais.


- Clube do Slug...francamente, Hermione! E eu achei que conhecia você...- ele falou baixinho, debochando da garota.


- Olha, eu não inventei o nome Clube do Slug- ela ainda estava estranha.


- Clube do Slug- repetiu Rony, ainda zombando da garota. Não podia admitir que aquilo estava o incomodando. Já passara vergonha suficiente durante o Baile de Inverno e não queria repetir a dose. Sabia muito bem que Hermione tinha plena consciência de que ela estar indo naquela festa o incomodava -É patético. Bem, eu espero que você desfrute sua festa. Por que você não tenta ir com McLaggen, aí Slughorn poderia fazer de vocês o Rei e a Rainha Slug-?- sabia que McLaggen causava risinhos em todas as garotas, tinha certeza que Hermione lançava olhares para o garoto quando ele não estava olhando. Mas obviamente, ele- Rony- estar olhando não a impediria de nada.


- É permitido levar convidados- Hermione falou tão rápido, que por um momento ele achou que estivesse delirando. Olhou para ela instintivamente, sentindo seu pescoço estralar. O rosto dela estava vermelho, brilhante e parecia prestes a entrar em ebulição- e eu ia pedir para que você fosse, mas se você acha isso tão patético não me importarei mais!


Rony sentiu o corpo ficar dormente. Não estava escutando aquilo. Hermione estava convidando ele, Ronald Weasley, para ir com ela na festa do professor Slughorn? Por um momento ele deixou sua mente viajar e imaginou o que havia por detrás desse convite: imaginou por um instante ele esperando Hermione na sala comunal, sentiu o nervosismo o tomar apenas por visualizar a situação. Imaginou a roupa que ela estaria, imaginou o vermelho no rosto da garota tingindo suas bochechas de uma maneira encantadora. Ele quase conseguiu sentir o constrangimento que se abateria sobre eles.


Um encontro certamente significaria muito mais do que dois amigos indo a uma festa por apenas diversão. O olhar que eles trocaram durante aqueles breves segundos fez Rony ter certeza do que iria acontecer naquela festa.


Eles iriam juntos. Certamente haveriam outros casais lá. O que Hermione esperava que ele fizesse? Que tomasse a iniciativa e a surpreendesse com um elogio? Que a tomasse nos braços e a conduzisse como se fossem algo mais que amigos?


- Você ia me chamar?- ele perguntou, completamente ciente de que sua voz estava muito mais baixa e rouca do que o normal. Sentiu um arrepio estranho, eles finalmente iriam conversar sobre o que sentiam.


- Sim- por algum motivo, Hermione estava furiosa. - Mas, obviamente, se você acha que eu deveria ficar com McLaggen...


Algo pareceu se romper dentro de sua cabeça. Parecia que um relógio estava contando o quanto faltava para que aquela oportunidade lhe fugisse. Hermione estava deixando bem claro que queria ir com ele. E ele queria ir com ela. Sentiu uma euforia o tomar ao imaginar os dois voltando para a sala comunal após a festa, talvez após algumas boas doses de cerveja amanteigada. Talvez Hermione esquecesse um pouco dos estudos, talvez ele pudesse fazer algumas piadas...


Eles estariam a sós- em algum momento ele tinha certeza de que Harry sairia de perto. O amigo não era cego- nem burro. Sabia o que acontecia entre os dois. E provavelmente toda Hogwarts sabia que algo aconteceria naquela festa se os dois fossem juntos.


- Não, eu não acho- ele não precisou se aproximar dela. Soube que sua voz teve o efeito que queria. Ele falava baixinho, tinha a impressão de que toda turma tinha sumido e só estavam eles dois ali. Não era mais a aula de Herbologia, Harry provavelmente estava perdido em algum lugar e só havia Hermione diante de si.


O rosto vermelho dela estava exercendo um efeito diferente nele- era maravilhoso ter a certeza de que algo finalmente aconteceria. Adorou sentir aquela energia emanar dela, o calor era quase palpável.


Seus olhos se encontraram e ela esboçava um sorriso. Ela havia entendido que ele aceitara o convite? Ela parecia mais calma.


Um barulho alto fez os dois praticamente pularem. A voz de Harry os puxou de volta à realidade.


-Reparo!


Harry estava ali. O quando ele havia escutado daquela conversa? O quando vergonhoso era ele ver como Rony se portava em uma daquelas situações?


Hermione olhou agitada para Harry e imediatamente começou a folhear de um modo muito exagerado a sua cópia do livro de Herbologia.


Rony adorou aquela cena. Sentiu seu peito inflar, mesmo sabendo que seu rosto estava corando- não havia motivos para fingir para Harry que nada havia acontecido. Seu dia estava ganho, sua semana provavelmente também seria maravilhosa-e ele não tinha mais nada a esconder.


Hermione parecia ter mudado bruscamente. Tentava a todo custo não o encarar nos olhos e toda vez que precisava falar com ele usava o tom mais formal possível. Não houveram brigas, nem implicâncias. Parecia que um contrato havia sido assinado.


Rony não via a hora de estar sozinho e poder pensar com calma sobre o assunto, sem ter nenhum olhar sobre si. Os dias que se passaram foram tranqüilos, mais do que o usual.


Rony conseguiu dirigir um olhar com algum efeito sobre Hermione, enquanto ela conjurava diversos pássaros amarelos na aula de Transfiguração. Sua sorte continou, quando ele viu Harry ficar para trás para conversar com Dino.


Ele e Hermione saíram da sala lado a lado, a formalidade dos últimos dias ainda pairando no ar. Ele tentou controlar a voz quando se dirigiu a ela:


- Você provavelmente vai ter que me dar algumas dicas para a transfiguração daqueles pássaros, Mione!- ele tentou parecer descontraído, levando uma mão à cabeça.- Acho que só você entendeu perfeitamente bem o que McGonagall quis dizer.


- É relativamente simples depois que você tiver treinado um pouco, Ronald.- ela pareceu querer soar severa, mas lhe dirigiu um olhar com o canto do olho e um sorriso tímido brincava em seus lábios.


- Mesmo assim, vou querer dar uma olhada nas suas anotações sobre a aula.- ele sentiu um calor no corpo, conforme acelerou o passo para se aproximar mais dela.


Ergueu sua mão e puxou dos braços de Hermione o livro mais pesado que ela carregava.


- Minhas anotações não estão aí- ela rolou os olhos, ainda sorrindo sem motivo aparente. Ele sabia que não encontraria rabiscos de Hermione em um livro.


- Eu sei- ele tentou se fingir de ofendido.-Só estou carregando pra você.


O olhar dela congelou no dele e ela quase tropeçou. Voltou a olhar para frente, enquanto sua voz saiu quase num sussurro.


- Obrigada.


Ele carregaria aquele livro e todo o material dela por mais corredores, apenas para poder pensar em um assunto mais interessante. Queria prender a atenção da garota. Mas Hermione era muito determinada quando se tratava de horários e aulas, e logo eles estavam apressados para acompanhar a agenda.


Os momentos na sala comunal eram os mais esperados. Rony sentia os batimentos cardíacos saltando pelo pescoço apenas em pensar que poderia se atrever a causar alguma alteração em Hermione.


Até ali a única coisa que ele havia feito era observar a garota enquanto ela lia atentamente. Gostava de ver seu rosto tingir-se de vermelho quando a visão periférica dela captava que ele a estava olhando.


Até quando duraria aquele jogo? Ambos sabiam o que estava acontecendo. Rony não pôde negar que a situação era confortável. E a sensação muito boa.


Diversas cenas passavam pela sua cabeça. Toda noite antes de dormir havia uma versão nova da festa do Clube do Slug o esperando em seus sonhos e uma era melhor do que a outra, mas nenhuma parecia capaz de acontecer se dependesse dele. Ele terminava pegando no sono zangado consigo mesmo, odiando-se por não ter coragem de tomar uma atitude.


Tudo parecia estar indo bem, até que um dia tudo desandou, após um treino exaustivo e terrível de Quadribol.


Harry acabara de empurrar a tapeçaria para fazer o usual caminho mais curto para a Torre da Grifinória. Porém, deram de cara com Dino e Gina, que estavam enroscados em um abraço apertado e se beijando ferozmente como se estivessem colados.


-Oi!- Rony gritou, sem pensar duas vezes. Dino e Gina se distanciaram e olharam ao redor.


- Que?- Gina respondeu, simplesmente.


- Eu não quero ter que ver minha própria irmã beijando pessoas em público!


Ele sabia que Harry estava ali em algum lugar do lado dele.


- Este era um corredor deserto até você chegar!- Gina respondeu, debochando.


Dino estava olhando para ele, visivelmente envergonhado. Ele viu o garoto tentar um olhar para Harry que felizmente agiu como um verdadeiro amigo e permaneceu sem mover um músculo, ao lado de Rony.


Gina olhou para Dino.


- Você, pode ir-disse.- Eu quero dar uma palavra com meu caro irmão!- Dino saiu, olhando para trás como se não fosse bom abandonar a cena.


- Certo- disse Gina, lançando seu cabelo vermelho longo fora de seu rosto e fitando Rony- vamos conversar direito uma vez por todas. Não é da sua conta com quem eu saio ou o que eu faço, Rony!


- É, sim!- ele respondeu irritado. Era horrível crescer em uma família onde você sempre é tratado como o mais novo, considerando que há uma irmã depois de você. O pior era ouvir as piadinhas dos irmãos mais velhos de que você é um fracassado, e ter isso estampado diante de si pela caçula da família- Você pensa que eu não ouço os outros falando da minha irmã?


-O que?- Gina gritou, tirando sua varinha. -O que, exatamente?


Havia tirado a irmã do sério. Aquela cena estava lhe causando náuseas.


Era natural ter ciúmes da sua irmãzinha, mas o pior era ver que ela crescera. Era horrível ter de ver as cabeças se virarem para encará-la, ouvir comentários por todos os lados sobre a beleza da própria irmã- quando para ele, Gina ainda era uma criança.


- Não é nada, Gina – Harry falou automaticamente, querendo ajudar na situação.


- Ah sim!- Gina disse em tom de deboche, tentando passar por Harry para poder atacar Rony.- Apenas porque você nunca beijou qualquer uma em sua vida, apenas porque o melhor beijo que você recebeu foi de nossa Tia Muriel...


-Feche sua boca!- Rony gritou, sentindo seu rosto tingir-se de vermelho e suas orelhas queimarem. Já não bastava ser motivo de piada na família por causa dos abraços demorados e beijos estalados no rosto que Tia Muriel lhe dava, Gina precisava esfregar aquilo na sua cara.


-Não...eu n- ele tentou se defender, mas a garota estava fora de si.


- Eu vejo como você age com a Fleur, esperando ela beijá-lo no rosto cada vez que você a vê, você é patético! Se você saísse e começasse a namorar um pouco como eu, você não se ocuparia tanto em me vigiar!


Ele sabia que as implicâncias da irmã tinham fundamento. Sabia que seu comportamento perto de Fleur era patético. Tudo aquilo que ele havia pensando nos últimos dias veio em uma onde forte de raiva, enquanto ele sacava sua varinha também.


Harry se postara rapidamente entre eles.


- Você não sabe o que está falando!- Rony rugiu, tentando acertar Gina em torno de Harry, que estava agora na frente dela com seus braços abertos.- Apenas porque eu não o faço em público...


Gina deu uma grande gargalhada, tentando empurrar Harry para longe.


- Você tem beijado Pichí, tem? Ou talvez tenha um retrato de Tia Muriel?


- Você!- Rony sentiu a raiva subir seu corpo. Um raio de luz alaranjada saiu de sua varinha, sem que ele pudesse se conter.


Ele imaginou as risadas de Gina contando sobre histórico amoroso de Rony para Hermione. Imaginou que àquela altura, a amiga deveria saber como era vergonhosa a sua história sobre relacionamentos.


Harry empurrou Rony de encontro à parede.


- Não seja estúpida- ele tentou novamente se defender, mas Gina não parecia mais capaz de controlar o que dizia. Parecia assustada e determinada, ao mesmo tempo.


- Harry beijou Cho Chang!- Gina gritou - e Hermione beijou Victor Krum, é somente você que age como se isso fosse algo repugnante, Rony, e isso é porque você tem tanta experiência quanto uma criança de doze anos!


Foi como se algo muito pesado tivesse lhe atingido o rosto e a barriga ao mesmo tempo. Gina se afastou, mas ele não parecia mais capaz de escutar nada.


Harry o olhou com cautela, os olhos arregalados por detrás dos óculos. Sabia que estava com uma fúria homicida estampada em seu rosto. E seria realmente capaz de matar, se Krum aparecesse em sua frente.


Estava respirando pesadamente, e sentia Harry nervoso ao seu lado. A gata de Filch apareceu no canto do corredor, e Rony pareceu acordar de um transe.


- Vamos- Harry falou e Rony apenas o seguiu, incapaz de coordenar seu pensamento.


Apressaram-se escadas acima e ao longo de um corredor do sétimo andar.


Em sua mente, todos os momentos maravilhosos que ele esperava que ocorressem na festa com Hermione se dissolveram, como se nunca tivessem existido. Era tudo uma mentira, então. Em seu pensamento, não parecia possível Hermione ter beijado Krum enquanto ficava lançando ironias para ele todo o tempo, durante o quarto ano deles em Hogwarts.


- Ei!- grunhiu para que uma aluna pequena saltasse para o lado. Ela deixou cair um frasco de ovas de sapo, mas ele não se importou.


Ele precisava de algo que o fizesse voltar à realidade. Algo que lhe tirasse da mente a cena horrível em que Krum e Hermione se beijavam como em um filme, com uma euforia maior do que seu estômago agüentaria naquele momento.


- Você acha que Hermione ficou com Krum?- ele perguntou à Harry, não querendo soar desesperado.- Krum?


Ele parou abruptamente, já estavam diante da Mulher Gorda.


- Que?- Harry disse confuso.- Ahn... er...


Rony não quis mais ouvir. A expressão no rosto do amigo era bem clara.


Só ele, Ronald Weasley, não havia percebido que toda aquela produção de Hermione para o baile, todos aqueles sorrisos enquanto estava de braços dados com Krum, tinha um porquê.


Não fazia sentido ela jogar na sua cara todas aquelas verdades! E aquelas conversas que haviam tido? E tudo que haviam admitido, inclusive na briga que Harry presenciara?


Seu estômago afundou enquanto ele dizia a senha para a Mulher Gorda. Entrou na sala comunal sem dizer nada, querendo apenas poder dormir sem sonhar.


Mas sabia que não seria tão simples. Harry não puxou papo e parecia querer deixá-lo com seus pensamentos.


Agradeceu o treinamento exaustivo de Quadribol, pois logo que se deitou na cama sentiu o sono o invadir. Mas não conseguia dormir.


Ficou pensando e se culpando, sabia que o fato de Hermione ter ido com Krum ao baile era parcialmente culpa sua. Não tivera coragem para admitir para si mesmo que a amiga era uma garota como outra qualquer, que poderia ter sentimentos por ela. Parecia tão errado naquela época admitir que gostava de Hermione. Lembrava-se claramente que a idéia não lhe ocorrera desde o começo, e odiou saber que Gina estava certa- ele tinha a experiência de um garoto de doze anos.


Percebendo que estava há muito tempo deitado pensando naquilo, resolver permanecer o mais imóvel que pôde e fingiu alguns roncos, para que Harry pensasse que estava dormindo.


Não sabia se o amigo estava acordado- provavelmente já estava sonhando, cansado com o dia exaustivo.


Apenas ele, Ronald Weasley, estava tentando incansavelmente se convencer de que Hermione não havia beijado Krum. Mas conforme o sono vinha e ia, sem que ele conseguisse adormecer, ele sentia uma sensação horrível na boca do estômago que estava ali para lembrar à ele que aquilo era verdade. Gina não tinha porque inventar! Era amiga de Hermione e certamente sabia detalhes do Baile de Inverno.


Fingiu mais alguns roncos, sem se importar que parecessem reais. Aquela sensação que tivera em seu quarto ano, de que havia perdido Hermione, no momento que a viu entrar no Salão de braços dados com o jogador, tinha fundamento.




Hermione forçou os olhos a ficarem abertos- não queria adormecer daquele jeito. Rony estava praticamente em cima dela, o braço esquerdo completamente jogado para o outro lado, cercando o corpo da garota. Hermione sentia o peso do corpo dele começar a tornar seus braços e pernas dormentes.


- Ron...?- ela sussurrou. Ele ergueu a cabeça instantaneamente. Não tinha cara de sono: talvez apenas ela tivesse ficado todo aquele tempo com o pensamento distante.


Ele pareceu entender que estava pesado. Moveu o corpo alguns centímetros para o lado, puxando Hermione para o seu peito.


Ela abraçou o corpo quente de Rony e suspirou. Não fazia a mínima idéia de que horas eram, mas tinha noção de que estavam há muito tempo naquela sala.


- Você pretende voltar para o dormitório?- ela questionou, sem levantar os olhos.


- Você pretende?- Rony respondeu, enquanto afundava o rosto nos cabelos dela e puxava uma das pernas da garota, colocando ao redor de seu quadril.


Ela teve vontade de rir, mas se conteve. Todos aqueles anos convivendo um ao lado do outro, a energia acumulada, a vontade de terem ficado juntos assim antes- tudo parecia somar para que não se afastassem em momentos como aquele.


- Acho que seria adequado que fôssemos vistos acordando lá, pela manhã. E não chegando pelo buraco do retrato...


- Acho que você está certa...- mas a mão de Rony não parecia concordar com o que ele falava, e já estava passeando pelo corpo de Hermione. A garota a segurou, e ergueu o rosto levemente para encará-los nos olhos.


Não era humanamente possível que aqueles momentos que passassem juntos fossem tão perfeitos. Será que deveria ser assim? Será que ela não superestimava a situação por estar com Rony?


Ele beijou o rosto dela lentamente, já trocando de posição e colocando mais peso em cima de Hermione. Ela o beijou lentamente, deixando que sua mente se inundasse de lembranças das últimas horas que haviam passado ali.


Ela passou a perna ao redor do quadril de Rony, aprofundando o beijo. Precisavam apenas fingir que haviam dormido no dormitório. Podiam ainda gastar algum tempo na privacidade da Sala Precisa...


(...)


- Ronald Weasley-


Apesar dos gritinhos histéricos de Hermione para que se apresasse, enquanto procurava sua varinha que deveria estar jogada em algum lugar naquela sala, Rony não conseguiu perder a sensação maravilhosa que dominava seu corpo.


Sabia que o cansaço viria assim que deitasse a cabeça em uma travesseiro macio- ainda mais comparando o conforto com o tapete em frente da lareira da Sala Precisa.


Divertiu-se dando leves mordidas no pescoço de Hermione enquanto ela tentava continuar a se vestir. Mas o momento não durou mais muito tempo, e logo estavam de mãos dadas saindo em direção aos corredores escuros.


Não poderiam fazer nenhum barulho- muito menos dar de cara com Filch ou Madame Nora. Ainda havia o problema do quadro da Mulher Gorda- ela certamente não daria passagem à eles sem antes lhes dar um sermão.


Mas isso não o preocupava agora. Ele segurava a mão de Hermione e a guiava pelo caminho que pensou ser mais seguro- felizmente os corredores continuavam levando nas mesmas direções que ele conhecia.


Quando chegaram a entrada para a Torre da Grifinória, ele ouviu Hermione prender a respiração.


- Ah, ela está aqui! Só está dormindo!- ela se referia a Mulher Gorda, que poderia estar em algum passeio noturno como costumava fazer. Mas ela estava ali naquele momento, a cabeça pendia sob seu peito gordo com o vestido de laços.


- Ahn...- Hermione falou um pouco mais alto, olhando para atrás para se certificar que não havia ninguém. Ela fingiu um leve acesso de tosse que lembrou Umbridge.


A Mulher Gorda abriu os olhos rapidamente, assustada com a visita repentina.


- Ah, voltaram não foi?- ela falou, sonolenta.- Imagina a cara da Diretora se souber o que os alunos andam aprontando...passeios na escola à noite!


- Dobby!- Rony praticamente gritou a senha.


- Ahá! E praticamente querem acordar o castelo inteiro!- a Mulher Gorda continuava com seu teatrinho.- Eu não sou obrigada a ficar aqui esperando vocês voltarem de seus compromissos fora do horário, sabem...


- Dobby!- Hermione falou entredentes, não querendo papo com o quadro. Ela e Rony sabia que aquela conversa, em um castelo silencioso, chamaria muito a atenção, principalmente se houvesse algum monitor em uma ronda noturna.


O quadro pareceu se dar por vencido finalmente e girou para que eles pudessem entrar.


Hermione coçou os olhos enquanto entrava na sala comunal. Rony também sentia os seus coçarem. Seu corpo começou a dar sinais de cansaço.


- Oh ho! Eu sabia que Rony estava aprontando alguma!- a voz de Gina chegou aos seus ouvidos. Ela estava sentada de lado na poltrona, as pernas apoiadas em cima das de Harry. Rony teve a impressão de que ela estava daquele modo comportado apenas por estarem na sala comunal, naquele horário completamente vazia.


- Vocês ainda estão acordados?- a voz tímida de Hermione veio de perto da lareira. Harry olhou para a amiga com um sorriso maroto nos lábios.


Rony sabia o que ele estava pensando. Sentiu o estômago dar cambalhotas: será que ele tinha aquele sentimento ruim ao saber sobre ele e Hermione? O sentimento de irmão que Harry tinha se estendia àquilo também?


O garoto, porém parecia relaxado, mas ainda sorria. Tinha uma carta na mão esquerda que descansava sobre o braço da poltrona, a outra estava sob a perna de Gina. Rony tentou não olhar - o pequeno traço de intimidade do amigo com sua irmã, lhe dava a impressão de que não deveria deixar seus olhos se perderem naqueles detalhes.


- Ah, perderam todas as novidades!- Gina sacudiu a cabeça divertidamente.- Mas certamente não a diversão. Olhe o cabelo de Rony, o hipócrita!


Rony passou a mãos pelos cabelos, nervoso. Hermione pareceu se dar conta da situação e se sentou rapidamente em uma poltrona vazia, tentando alinhar o uniforme da maneira mais adequada sobre o corpo.


- Novidades?- ela questionou Gina.


A garota riu, enquanto passava a mão carinhosamente pelo cabelo de Harry.


- Vocês sumiram no meio da bagunça! Não sabíamos onde estavam! Harry parecia saber onde os pombinhos estavam escondidos...


Rony olhou para Harry aliviado, querendo agradecer com o olhar. Certamente o amigo deduzira onde eles haviam estado todo aquele tempo, mas havia se mantido fiel a amizade de ambos.


- Mamãe mandou uma carta! Pichitinho quase estava tendo um ataque quando o deixamos entrar!- Gina se endireitou levemente na poltrona.


- Uma carta? Assim? À noite?- Rony se aproximou do grupo e se sentou ao lado de Hermione, o braço ao redor do corpo dela protetoramente.- Aconteceu alguma coisa?


- Fleur está grávida!- Gina quase pulou enquanto contava a novidade. Hermione não conteve uma exclamação e levou as mãos a boca.


- Grávida?- Rony franziu o cenho.


- Sim, Ronald! Grávida!- Gina sorriu mais abertamente.- Não é incrível? Gui deve estar nas nuvens!


- Parece que o seu pai encomendou litros de cerveja amanteigada e whisky de fogo para a comemoração!- Harry riu, enquanto passava a mão carinhosamente nas costas de Gina.


- Grávida...- Rony sussurrou para si mesmo.


- Aposto que vai ser uma menina!- Gina olhava para Hermione agora.


Rony olhou de uma para a outra.


- Vocês nunca gostaram da Fleur e repentinamente...


- Rony, você vai ser tio!- Gina girou os olhos.- Você não vê a diferença que um filho faz para um casal? Certamente Fleur irá mudar muito com a chegada do herdeiro...


- Ou talvez se torne mais perfeccionista ainda, quem poderá dizer...- Hermione riu, enquanto descansava as costas.- Mas a notícia da chegada de uma criança é sempre feliz!


- E ela estava cuidando tão carinhosamente do Teddy que tenho certeza que já aprendeu muito sobre bebês!- Gina jogou os cabelos vermelhos para trás.


- Vocês não acham que está muito tarde?- Harry olhou de um para outra.- Ou melhor...vocês não acham que o papo ficou feminino demais?


- Feminino?- Gina debochou.- Concordo com você que esse assunto é preferido pelas mulheres, mas não significa que os homens não possam participar!


Rony bufou, debochando. Hermione riu enquanto lhe dava um breve tapa no braço.


- E você é padrinho do Teddy, Harry! Com certeza ainda haverão muitas férias de verão para você aprender tudo sobre esse papo feminino...


- Com certeza...- ele falou debochando, enquanto ele e Rony davam risadas baixas, tentando esconder o rosto. Mas Gina pareceu feliz com a finalização da história, e começou a narrar para Hermione maiores detalhes que ela sabia de Fleur como enjôos matinais e desejos por comidas estranhas.


Harry e Rony começaram a conversar sobre as próximas aulas da Academia de Aurores. Deveria ser muito tarde e a conversa não parecia morrer. Aquela cena lembrava intensamente os velhos tempos, e era muito confortável ficar sentado ali, fingindo que não haviam maiores preocupações. Podiam pensar na família que aumentava, na felicidade que seu pai devia estar naquele momento. Cenas de Fleur barriguda e Gui distribuindo charutos tomou a mente de Rony, sendo substituída por imagens de festas em família onde haveriam diversas crianças correndo nos jardins da Toca, cabelos ruivos tingindo o local.


Era tão bom poder pensar em todo esse futuro sem medo- sem o medo de que aquilo lhes fosse roubado por algum bruxo das trevas e principalmente, sem o medo do desconhecido. Aos poucos, a idéia de formar uma família ao lado de Hermione lhe parecia tão lógica que já não lhe causava estranheza.


Ele olhou brevemente para Harry e mesmo que o amigo tivesse debochado anteriormente quando o assunto era bebês, ele via uma figura paterna provável se formando ali. E Gina também parecia o perfeito exemplo de imagem de mãe de família- mesmo com o jeito brincalhão e a pequena altura. Ele sabia que aquele dia chegaria.


Não sabia explicar perfeitamente bem como, mas algo lhe dava a impressão de que aquilo não iria demorar. Que em alguns anos, seriam novos alunos que estariam sentados naquelas cadeiras- novos Weasley, outros carregando a fama Potter. Era inevitável não pensar aquilo enquanto estavam ali.


Rony sentiu-se estranho ao ter certeza de que aquilo não lhe assombrava mais. Tinha certeza de que queria ficar com Hermione para sempre- e tinha cada vez mais certeza de que ao lado dela, ele construiria um futuro maravilhoso. Abraçou o corpo da garota enquanto tentava escutar o que ela falava com Gina: aquele tipo de conversa fluía tão naturalmente entre as mulheres! Ele sorriu enquanto observava a empolgação de Hermione, narrando como os trouxas faziam roupinhas de bebê- e insistindo que todo o treino que ela tivera fazendo gorros para os elfos domésticos a ajudara a aprender.


Aquele futuro que antes parecia tão longe, agora parecia tão perto. Apenas alguns anos. E durante todo aquele tempo, quanta coisa havia mudado! O futuro não estava apenas pairando diante dele. Ele estava construindo o que queria viver. Qualquer escolha da sua vida que Hermione estava ao seu lado, ele sabia que estava certa.


N/A: Meus leitores amados! Mil desculpas pela demora, mas como eu expliquei anteriormente, meu semestre está muito corrido =/


Explicações básicas:


* O nome do capítulo é relacionado com as brigas constantes e desentendimentos de Rony e Hermione- que nos sabemos, são inevitáveis.


* Quando fiz a pesquisa p/ as informações da fic não achei a data certa de quanto ocorreu a gestação de Fleur- a única coisa que vi por aí é que a Vicktoire nasceu na mesma data da Segunda Grande Guerra- talvez quando tivesse completando um ano desde o fim? Por isso resolvi que a Fleur já está grávida nessa etapa da história =)


*Muito obrigada pelos comentários! Não é fácil juntar todas as informações necessárias p/ fic e estudar tudo que o semestre me exige, mas estou fazendo o possível. Novamente, me desculpem a demora!


Comentários sempre motivam o autor e quando menos reviews aparecem, menos vontade dá de escrever (hehe)




Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 12) - Copyright 2002-2017
Contato: clique aqui

Moderadores:


Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.